quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Vivemos tempos de angústia

A imagem pode conter: texto

Vivemos tempos de angústia. Entendo que os dias idos também nos ofereceram sua cota de aflição (isto é perfeitamente bíblico, conforme João 16.33); porém, os dias que vivemos são marcados por insegurança e incerteza. Alguém dirá: "Mas sempre foi assim!" Não nego isto. Entretanto, o nível de angústia se globalizou e se tornou pandêmico. A Bíblia, ao se referir aos nossos dias, fala de "angústia das nações" (Lucas 21.25). Senão... Vejamos: doenças, novas e antigas, se espalhando na terra; terremotos e mares agitados; furacões que parecem desfilar em uma passarela, na medida que são anunciados por seu nome... E tantos outros males.

Estamos sob o espectro de uma guerra mundial; sem que os seus atores tenham a menor condição de recuar. Digo isto, porque o ser humano tem uma trágica inclinação para se destruir. E sob esta terrível ótica, vemos famílias se autodestruírem, nações se autodestruírem, denominações se autodestruírem; isto sem falar no crescente número daqueles que põem fim à própria existência. E o mais grave em tudo isto; é vermos até mesmo cristãos (e não me refiro apenas aos cristãos "faz-de-conta") perdendo o sentido da vida e se distanciando de Jesus, única esperança de todos nós. Enfim, rumando para um beco sem saída e o vazio que virá depois.

A Palavra de Deus está repleta de promessas e de palavras de conforto para os que creem: "Porquanto se rebelaram contra as palavras de Deus, e  desprezaram o conselho do Altíssimo. Portanto, lhes abateu o coração com trabalho; tropeçaram, e não houve quem os ajudasse. Então clamaram ao Senhor na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades. Tirou-os das trevas e sombra da morte; e quebrou as suas prisões. Louvem ao Senhor pela sua bondade, e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens." (Salmos 107:11-15). No entanto, hoje vemos - até mesmo em boas igrejas - que são poucos os que creem nas promessas do Pai.

As promessas do Pai! Esta é a melhor cobertura que nós temos:
https://youtu.be/mIWxPgGnVFU

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário