sábado, 3 de fevereiro de 2018

Chega a ser assustador

A imagem pode conter: 1 pessoa, texto

Ontem, ao orar, me preocupei com o crescente foco que se dá às riquezas. Primeiro, ao se afirmar que Deus quer que sejamos ricos (creio que é para acalmar a consciência preocupada com este desejo); ou então, bradando que foi Deus que deu... como se, deste modo, fosse possível justificar ao próprios olhos, o modo como certas riquezas são obtidas (as vezes, com engano; outras vezes, por meios fraudulentos; ou até com esperteza). Chega a ser assustador o modo como tratam esta questão! como torcem a verdade, para dar um ar de legalidade à ganância por riqueza.

Após orar, fiquei a pensar... Até onde isto vai? Vemos aqui inversão de valores... Quando os tesouros espirituais são relegados a um plano inferior. Será que os tais não percebem o mal que fazem? Até quando, veremos a pobreza ser vista como sinal de incredulidade; e a prosperidade ser aclamada como sinal de fé? Os pobres sendo constrangidos a perseguir a riqueza, em nome da fé que nos foi dada com outra finalidade! Até quando isto? Então, me lembro dos ardis de Satã... Pois, assim como fez com Eva; continua truncando a verdade e iludindo os incautos.

Esta advertência de Paulo sempre me marcou profundamente: "Quisera eu me suportásseis um pouco na minha loucura! Suportai-me, porém, ainda. Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo. Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo." (2 Coríntios 11:1-3). Vivemos tempo de engano, como nunca antes se viu.

Esta vigorosa advertência de Paulo é muito importante, nos dias que nós vivemos: "Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão." (1 Timóteo 6:7-11). Que o Senhor nos guarde deste mal crescente.

Esta canção de Fernandinho é um importante alerta para este nosso tempo:
https://youtu.be/G-1NLAAiQR0

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário