quinta-feira, 22 de julho de 2010

Sobre o Dever de Orar Sempre

"Contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer" (Lucas 18.1). Esta é uma boa história para ser lida: Sobre uma pobre viúva que perseverava em oração. O exemplo apresentado por Jesus, nesta história, é o exemplo da verdadeira oração perseverante - a oração que alcança finalmente o seu objetivo.

"E, quando orardes, não sejais como os hipócritas; pois gostam de orar em pé nas sinagogas, e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam a sua recompensa. Mas tu, quando orares, entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará" (Mateus 6.5-6). Já neste texto, Jesus destaca a importancia da oração secreta. É aquela oração que busca o reconhecimento de Deus e não dos homens. Esta é a oração que define o fim de uma batalha, antes mesmo do seu começo. Ela define o rumo de uma jornada, antes que o primeiro passo seja dado.

Oração pode ser definida de muitos modos

Alguns recorrem a oração, como se oração fosse apenas um remédio para trazer alívio e cura em determinadas ocasiões. Se considerarmos as propriedades presentes na oração, realmente, podemos ver nela os benefícios de um remédio. Quantas pessoas tem sido curadas pela oração. Quantos casos de enfermidades crônicas desfeitas. Quantos casos de enfermos em fase terminal, repentinamente restaurados mediante a oração. E não são poucos os casos de casais que estavam a beira da separação (alguns já vivendo separados), e que conseguiram reverter seu sofrimento quando começaram a orar. Realmente, a oração pode ser vista como remédio de amplo espectro.

Oração é Alimento e Remédio

Mas a oração não deve ser vista apenas como remédio. Ela será de maior valia, quando usada como suplemento alimentar. É verdade! Como suplemento alimentar, ela tem ação preventiva. Existe até um ramo da medicina que prescreve o uso de determinados alimentos como tratamento preventivo. Estes alimentos podem até não curar; todavia, são comprovadamente um importante elemento para evitar doenças. E não são poucos os livros que tratam dessa questão, dando inclusive o nome de diversos alimentos e as propriedades medicinais. E, como diz o popular adágio: "Mais vale prevenir do que remediar".

E no que tange a oração: se quando usada como remédio, é capaz de por fim a males presentes; na medida em que a utilizarmos como suplemento alimentar, ela irá agir preventivamente (tal e qual os alimentos ricos em nutrientes, fibras, proteinas, sais minerais, etc.) É verdade! A oração usada como alimento, evita os males futuros (doenças do corpo; doenças da alma)!

Diferença entre "vida que ora" & "vida de oração"

O cristão verdadeiro não tem necessidade de esperar as coisas piorarem, para então começar a orar. Ele precisa orar antes que o mal apareça! Isto é o que podemos chamar de vida de oração. É como se existissem dois tipos de vida na dinâmica da oração: a "vida que ora" e a "vida de oração". E se atentarmos bem, vamos perceber que existe uma diferença sutil, embora determinante, entre "vida que ora" e "vida de oração": Se a primeira vive "correndo atrás do prejuízo"; a segunda evita as perdas; ou seja: "corre à frente do prejuízo".

Como Vencer Desafios, se apenas oramos em carater remedial?

Alguns obreiros do Senhor, sonham realizando grandes obras. Idealizam grandes ministérios; Pensam sempre em crescer, em se tornarem grandes homens de Deus - mas tratam sempre a oração como remédio. São vidas que simplesmente oram; mas não apresentam sinais de viverem uma vida de oração. Para estes, os anos vão passando e seus ministérios não apresentam nada de novo. E o pior em tudo isso é que, quando não se dão conta da verdadeira causa do seu ministério empobrecido, começam a procurar culpados do lado de fora de suas vidas (reclamando de supostas injustiças, perseguições, etc); quando, na verdade, o grande vilão do seu ministério está do lado de dentro - refletido no espelho de sua própria alma.

Existem aqueles obreiros que são pontuais em sua devocional; se munem de sua bíblia, sentam-se em sua escrivaninha; leem livros norteadores de estratégias no ministério; ligam o seu computador e acessam sites teológicos; fazem uma pequena oração, ou no início ou no fim da devocional (mais como pedido de socorro, ou para desencargo de consciência de que por sede de Deus), e então partem para a luta! Fazem planos; projetam o crescimento da igreja; sonham com melhores dias... E nada acontece. Sentem-se infelizes, por verem suas vidas acuadas pelos mais diversos problemas. Mal conseguem se sustentar à frente do rebanho que lhes foi confiado.

Posso afirmar com segurança, que desconheço um ministério de sucesso que não tenha na retaguarda uma vida de oração. Estou plenamente convencido de que, quando simplesmente oramos - oração remedial, conseguimos apenas sobreviver. Ao passo que, quando vivemos uma vida de oração - oração intensa e preventiva, conseguimos realizar o propósito de Deus e caminhar no limite do impossivel. É diferente!

A fórmula é de fácil análise: Aquele que simplesmente ora, vence a luta; mas o que vive em oração, vence a guerra! Aquele que ora, não morre de fome; aquele que vivem em oração, tem a mesa farta! Aquele que ora, recebe cura; aquele que vive em oração, recebe saúde! Aquele que ora, vê a obra do Senhor; aquele que vive em oração, vê a glória do Senhor!

Conclusão

Enfim, temos dois modelos diante de nós: "Vida que Ora" (vida que busca respostas de Deus) e "Vida de Oração" (vida que busca a presença de Deus). A responsabilidade de escolher entre ambos é inteiramente nossa. E os frutos resultantes da escolha que fizermos, irão indicar claramente o tipo de escolha que fizemos.

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário