terça-feira, 3 de junho de 2014

Frutos da oração

 

Existem ocasiões na vida, em que as respostas que necessitamos precisam ser buscadas fora do alcance dos olhos; daí a necessidade de orarmos sempre. Não há um dia em que eu não sinta necessidade de me derramar aos pés do Senhor, ainda que - muitas vezes - o meu desejo seja outro. Para tudo na vida, existem limites; limites que o próprio Deus estabeleceu; ou limites estabelecidos pelo próprio bom senso. No entanto, na grande maioria dos casos, temos sempre a tendência de ultrapassar limites que foram postos para a nossa própria segurança e preservação. No entanto, existem pelo menos duas atividades para as quais não existem limites estabelecidos: Uma delas, a missão de pregar a Palavra - tarefa a ser cumprida "a tempo e fora de tempo". A outra, a oração; pois a Palavra exorta que devemos orar "sem cessar". E, por mais incrível que pareça, a estas duas nós mesmos colocamos limites; como se as duas diminuíssem o nosso tempo para outras coisas.
 
Entretanto, como nos traz conforto o tempo que passamos aos pés do Senhor! É um período em que somos tomados por sensações diversas... As vezes, um surto de choro ou de riso - algumas vezes incontrolável - que nos faz sentir que estamos no único lugar em que riso ou pranto não tem efeito colateral nocivo. Outras vezes, sentimos que a vida se derrama em meio às lágrimas; como se todo o nosso ser transbordasse e brotasse em nossos olhos. E o testemunho do amor de Deus? Como traz conforto dizer a alguém que Jesus nos ama e se entregou por todos nós! Penso que, em certas ocasiões, falar do amor de Deus provoca maior bem em quem fala do que em quem ouve (isso acontece comigo). No entanto... Quando oramos, sentimos que verdades abstratas circulam à nossa volta, cheias de graça e beleza! É como se um rio pleno de peixes viesse ao nosso encontro. E, nele, colhemos os frutos da oração que traz a posse de valores eternos e inesgotáveis.
 
Este texto é completo em seu modo de nos ensinar a viver a vida cristã autêntica:
 
"E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós. Rogamo-vos, também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos, e sejais pacientes para com todos. Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos. Regozijai-vos sempre. ORAI SEM CESSAR. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem."
(1 Tessalonicenses 5.12-21)
 
Jamais haverá fracasso e derrota na vida daqueles que puserem em prática estes ensinos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário