sábado, 29 de janeiro de 2011

Sofrimento - como lidar com isso

"Amados, não estranheis a ardente provação que vem sobre vós para vos experimentar, como se coisa estranha vos acontecesse... Que nenhum de vós, entretanto, padeça como homicida, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se entremete em negócios alheios; mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus neste nome" (1 Pedro 4.12,15-16)

Vivemos em mundo de provações. Um mundo marcado por sofrimento, em todas as esferas da vida humana. Lidamos diariamente com o sofrimento - nosso ou dos outros. Qualquer pessoa minimamente sensata há de convir que o sofrimento - quando não consegue assustar - pode produzir desconfortável preocupação.

Este sintoma é abordado nas Escrituras, tanto do Antigo como do Novo Testamento. A Palavra de Deus apresenta inúmeros registros de pessoas sofredoras, pelos mais diversos motivos; sendo a atitude de Jó o exemplo clássico quanto ao modo de agir quando em sofrimento. No Antigo Testamento, o próprio Jesus é apresentado, na quadro profético do livro Isaías, como "...homem de dores, e experimentado nos sofrimentos..." (Isaías 53.3).

O Novo Testamento está pontilhado de histórias de pessoas vítimas de grande sofrimento, que tinham em Jesus a sua única esperança de alívio. Uma dessas histórias e a do rapaz lunático: "Senhor, tem compaixão de meu filho, porque é epiléptico e sofre muito; pois muitas vezes cai no fogo, e muitas vezes na água" (Mateus 17.15).

A presença do sofrimento na vida de alguém, pode ser produzida tanto por causas naturais, como por causas espirituais. O sofrimento pode estar ligado a doenças; a traumas antigos; a relacionamentos ruins; a maus hábitos; e até mesmo à desobediência. Existem vozes que precisam ser ouvidas, se quisermos ter uma melhor qualidade de vida: A voz da consciência e a voz da razão podem ser de grande auxílio. Existe também a voz dos terapeutas, dos nutricionistas. Mas, sobretudo, precisamos ouvir a voz de Deus - a mais importante delas.

Qualquer pessoa que se debruce sobre este tema, sabe muito bem que não é tarefa fácil definir o sofrimento. Este sentimento, estimulado por dor - moral, espiritual ou física - pode fazer curvar pessoas de natureza forte. O fato de seus efeitos serem visíveis não ajuda muito na identificação de suas causas. Ele pode ser causado pelos mais diversos fatores. Alguns deles - ao mesmo tempo em que conseguem deprimir alguns - mal conseguem entristecer a outros.

Existem muitos casos de pessoas que sentem uma espécie de prazer no sofrimento. Aqueles que assim reagem ao sofrimento, podem evoluir de um estado de euforia moderada, até uma espécie de êxtase - seja com o sofrimento alheio (sadismo); ou com o seu próprio sofrimento (masoquismo). Se isso não for devidamente tratado, pode evoluir para um quadro patológico ou psicótico de alguma gravidade.

No entanto, sob condições normais, o ser humano jamais aceita passivamente o sofrimento. As pessoas procuram, por todos os meios possíveis, encontrar alivio para a dor produzida pelo sofrimento. Nessas condições, a necessidade por alívio é tão intensa, que a maioria procura qualquer solução que lhe seja sugerida. São capazes de seguir conselhos inverossímeis, na tentativa de debelar seu sofrimento.

No entanto, a cura e libertação de alguém que sofre, somente pode ser alcançada por meio de três agentes. São três modos, pelos quais o alívio da dor e do sofrimento pode se obtido - no todo ou em parte. Sobre estes três agentes, tecerei comentários em uma próxima postagem.

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário