sábado, 31 de agosto de 2013

Vaso e livro

 
Alguns dias atrás, recebi uma mensagem de uma irmã, com uma pergunta interessante: "olá paz do senhor , vai uma perguntinha ai. O Senhor prefere estar na mão do oleiro ou em uma estante sendo admirado." Sem entender exatamente o que a irmã pretendia com a pergunta, achei por bem lhe dar a seguinte resposta: "Se eu fosse barro (como de fato sou) iria preferir estar nas mãos do oleiro; se eu fosse um livro (como de fato sou) iria preferir estar aberto sobre uma estante de biblioteca. E assim, em ambos os casos, eu seria útil naquilo para o que fui formado." E assim, dei por encerrado o episódio, ao responder àquela querida irmã.
 
E hoje, ao pensar no assunto, reforço a minha convicção de que todo crente é uma espécie de vaso e uma espécie de livro. Enquanto, em nosso perfil de vaso, devemos estar cheios do óleo do Espírito, nos tornando instrumentos para despertar e avivar pessoas; em nosso perfil de livro, devemos estar cheios da Palavra - gravada em nossas páginas - para ensinar e fortalecer as pessoas no conhecimento de Deus. Portanto, em ambos os casos - em nossa condição de vaso e em nossa condição de livro - devemos estar abertos e prontos a projetar aquilo que Deus nos concedeu em Cristo Jesus; sendo instrumentos de Deus para abençoar vidas.
 
Veja o que a Palavra de Deus nos ensina: "E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito;" (Efésios 5.18); portanto, somos vasos! Mas, ela também diz sobre nós: "Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração." (II Coríntios 3.3); logo, também somos livros! Então, devemos nos deixar encher do Espírito e ser lavrados com a Palavra: "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós." (II Coríntios 4.7).
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Noite escura e fria


Em um destes dias, precisei me erguer mais cedo do que o habitual. É que senti profundo profundo desejo de orar pela querida IMW de Pequeri. Em seguida, ao pensar nas Escrituras, me lembrei deste texto: "Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã." (Salmo 30.5). Enquanto eu meditava, pude recordar inúmeras vezes em que este pequeno texto me trouxe grande conforto e capacidade de superação. Outra declaração das Escrituras que salta aos olhos é a que adverte a cada um de nós: "Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (João 16.33).
 
Então, o Espírito me fez entender que, nesta vida, algumas noites podem ser excepcionalmente longas. Pensei nas longas noites do inverno polar; e, na tenacidade daqueles que vivem em clima tão hostil, precisando cumprir tarefas e obrigações sob condições tão adversas. E assim, pude perceber que nós, os crentes, também temos as nossas longas noites de desafio e de provação. Algumas vezes, são problemas de família que parecem intermináveis; outras vezes, conflitos existenciais sem razão clara. Inúmeras vezes somos afligidos por cansaço, abatimento, doença, melancolia... Sem que saibamos ao certo à que atribuir tais sentimentos. Na verdade; é a noite escura e fria que se abate sobre cada um de nós.
 
Enfim, tais sentimentos e conflitos resultam da fragilidade de nossa natureza humana, sensível que é a tais aflições. Todavia, traz grande conforto saber que o choro produzido pelas aflições do mundo, dura apenas uma noite. E que - por mais longa que essa noite seja - a alegria do Senhor virá na esteira dos primeiros raios do Sol. O ferro comum, para transformar-se em aço, precisa intercalar altas e baixas temperaturas para ser moldado. E, também nós; precisamos intercalar lágrimas e sorrisos, alegria e tristeza; enquanto o nosso homem interior vai sendo moldado, até à estatura de varão perfeito. Então, quando passarmos por aflições, tenhamos fé e paz em Jesus; pois Ele nos assiste em todo o tempo!

Sempre que leio a Bíblia, percebo que ela nos encoraja a esperar em Deus, conforme vemos neste versículo: "Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada." (Romanos 8.18). Em outro texto, lemos que "todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." (Romanos 8.28). Aprendi que "As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; novas são cada manhã; grande é a tua fidelidade." (Lamentações 3.22-23). Portanto, eu me sinto seguro e confiante em Jesus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Formação da criança

 

Alguns dias atrás, eu pude sentir o quanto a educação e formação apreendida no seio da família é importante para a construção do caráter do ser humano. A notícia saiu estampada em diversos jornais e em noticiários da TV: Um menino encontrou uma carteira com muito dinheiro, pertencente a uma humilde aposentada; e... Devolveu! Sim, devolveu! Indagado o seu pai sobre o fato; o mesmo respondeu que - desde muito cedo - os ensinou a não ficarem com nada que seja dos outros. Isso aconteceu, porque aquele pai comprometido em formar seus filhos, entendeu que uma escolha correta de um filho só é possível, quando o mesmo é devidamente ensinado quanto à diferença entre o bem e o mal.
 
Mas, infelizmente, na contra-mão deste processo de formação consagrado na história humana, vemos governantes e pedagogos - muitos sob suspeita de conduta imprópria nas políticas públicas; alguns até indiciados ou formalmente acusados por improbidade administrativa - a querer substituir os pais na sagrada missão de formar cidadãos de bem... Para, em lugar dos genitores, tentar convencer meninos e meninas deste País, que eles podem escolher por si mesmos o que desejam ser na vida (aonde vamos parar?). Creio que os tais dariam uma contribuição muito melhor à nação, se procurassem aplicar melhor em favor das crianças os recursos de um País que tem tudo pra dar certo.
 
Então, pergunto: Que País é este; em que - ao mesmo tempo em que obrigam por meio de mecanismos legais, povos indígenas a manterem suas tradições e crenças milenares, ensinando-as aos seus filhos; não admitindo interferência de outras culturas, mesmo que sejam interferências saudáveis. E ao mesmo tempo, se contradizem, ao tentar impedir os seus cidadãos de ensinar os seus princípios morais e crenças aos seus próprios filhos; herdados de gerações anteriores, ao longo da sua história. E, como se isso não bastasse, tentam impor por meio de leis forjadas com este fim, certos conceitos de moralidade e de convivência; em total descompasso com as melhores tradições da família brasileira.
 
É... Não sei que tipo de País teremos na próxima geração, se este plano vingar. No entanto, estou convencido de que os verdadeiros cristãos não devem abrir mão do seu direito/dever - consagrado nas Escrituras Sagradas e na própria Constituição brasileira (que tentam a todo o custo modificar) - de fornecer as bases de formação aos seus próprios filhos, no caminho da justiça, da verdade e da fé. Desde o alvorecer da humanidade, tem se mantido como princípio pétreo que a família é a "célula-mater" da sociedade; sendo este o seu núcleo de formação e difusão dos valores morais e espirituais. Portanto, é mister que se incentive os pais no cumprimento de sua missão de formar os seus filhos.
 
Concernente à educação da criança, qualquer crente sabe que as Escrituras Sagradas advertem a todos nós - em diversos textos - a corrigir e educar os nossos filhos. Eis os termos de um deles: "Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele." (Provérbios 22.6). Enfim, a Palavra de Deus define os pais como os principais responsáveis pela formação de seus filhos. Realmente... Quem poderá cumprir melhor o papel de ensinar e formar uma criança, do que os seus genitores? Estou convencido de que, nem os melhores pedagogos serão capazes de substituir pais conscientes e responsáveis, na tarefa de inculcar valores morais e espirituais às crianças.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Sou grato pela vida


Pai! Hoje despertei um pouco mais tarde; mas, ainda em tempo de poder ver o dia começar a clarear. Linda imagem, que não seria conhecida... Caso eu não tivesse nascido a 68 anos atrás! É verdade; ao me reportar ao dia 28 de agosto de 1945 - instante em que nasci - sei que contemplei a vida e sua nuance, sem jamais tê-la visto antes; e emiti meus primeiros sons, sem ter ideia do sentido. Pai de amor; ao pensar em minha infância e juventude, me dou conta de que nunca tive sonhos expandidos; e, que, meus projetos eram de natureza simples (ter uma família, trabalhar em uma oficina, ser alguém útil...), sem grandiosas ambições. Me lembro de, muitas vezes, me pôr a admirar um horizonte imaginário; sem entender o que realmente procurava... Mas, vim a entender depois: É que, naqueles dias de infância e juventude, eu já estava a Tua procura sem me dar conta disso!

E assim, querido Pai de amor, estou agradecido nesta manhã - como nas manhãs anteriores - mas, por uma razão especial: Sou grato pela vida que tenho e pela vida que vivo! Sei que não seria capaz de enumerar todos os livramentos do Senhor ao longo do tempo. Consegui chegar até aqui porque Tu me conduziste, tenho consciência disso. Tenho a família que tenho, porque tu me permitiste. Então, procuro recordar o passado, sem sentir constrangimento ou tristeza; mas, apenas a satisfação interior por saber que - em minha vida - graça, perdão, amor, fé, esperança, unção e alegria não foram apenas palavras; mas, também, sentimentos vividos com frequência; ora se alternando, ora se misturando... Sou o que sou pela graça do Senhor; portanto, minha maior alegria e gratidão não é pelo fato de ter nascido, ou, de ter vivido intensamente; mas, por ser aceito e amado por Ti!

 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Aos que desistem de orar


Hoje de manhã eu pude sentir mais uma vez o quanto é difícil orar. Ainda bem que tenho aprendido ao longo dos anos, que a oração é alimento urgente e necessário; ainda que o corpo se recuse a comer. Precisei travar enorme luta para permanecer buscando a Deus. Talvez, se eu não tivesse aprendido o quão necessário é perseverar em oração, eu tivesse desistido de orar naquele momento de intensa oposição do adversário. Enquanto penso na rudeza do lugar de oração nesta manhã; fico também a pensar nos desistentes... E eu me refiro aos que desistem de orar, por não se sentirem confortáveis na presença de Deus. E, infelizmente, não são poucos (inclusive muitos pastores entre eles) os que desistem de orar em situações em que o céu parece estar fechado; sem mesmo perceberem que aquela poderia ser a hora em que a oração fosse a mais urgente e necessária em toda a sua vida.
 
Sou grato a Deus, por te aprendido em tempo hábil, que, Satã vê na oração dos crentes o seu maior transtorno. Ele sabe o quanto seu discernimento se enfraquece, seus projetos se embaraçam, seus agentes se desesperam e suas obras se desfazem, justamente quando os crentes estão orando. Lúcifer se incomoda tanto com a oração que os cristãos fazem, que, quando ele não consegue interrompe-la; procura meios de corrompe-la; desviando-a de seu real objetivo. Tenho ouvido de muitos casos de confusões, escândalos e divisões que surgiram logo após o exercício de boas atividades de oração (no monte, no templo, nas casas, nos "ranchos", etc). Então, alguns bons pastores - por não orarem o bastante - atribuem culpa do problema à oração. Estão enganados! Talvez, por falta de oração na vida do próprio líder, Satã tenha conseguido corrompê-la e desvia-la de seu propósito original.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Verdadeira força


Durante os últimos dias, tenho experimentado mais uma vez que retornar a um melhor estado anterior, não é algo tão simples como parece. É verdade; alguns males que nos afligem, chegam com rapidez; mas, para sair, precisam ser retirados a força! Ainda bem que - no meu caso - se trata tão somente de males físicos, não morais; pois isso seria bem pior. É que o retorno a um bom estado anterior é como escalar uma grande montanha; e isso implica em sacrifício. Ao refletir sobre isso, procurei pensar nos possíveis benefícios da fraqueza... Então, aprendi muito enquanto pensava a respeito disso.
 
É comum, nos dias de hoje, vermos pessoas valorizarem exageradamente a força física e até mesmo a força espiritual que afirmam possuir. E agem deste modo, como se uma simples declaração de força fosse suficiente para torna-las semelhantes aos super-heróis imaginários das antigas histórias em quadrinhos, ou, aos super-heróis de carne e osso (me refiro àqueles que são produzidos pelo market e pela Mídia) exibidos nas telas de cinema e de TV; os quais vivem em seu castelo, em uma espécie de redoma de vidro, como se fossem seres de um mundo distante. E não são poucos os que pensam assim.
 
No entanto, aprendi que a verdadeira força de um crente reside justamente em sua fraqueza; pois, em sua fraqueza, o poder de Deus pode se manifestar e produzir uma força interior de grande amplitude. Sansão pensou que sua força poderia compensar o seu afastamento de Deus, livrando-o em grande estilo de seus inimigos. Enganou-se e foi vencido! Já em outro quadro, Paulo, afligido por sentimento de fraqueza, buscou a Deus intensamente; ouvindo do próprio Deus que a verdadeira força vem tão somente Dele; em resposta ao clamor do crente, ante sua reconhecida impotência frente às lutas da vida.
 
"E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte."
(II Coríntios 12:7-10).
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 25 de agosto de 2013

Exílio temporário


Que bom é poder estar em Tua presença nesta manhã, ó Pai de amor! E venho cheio de gratidão a ti, pelo dom da vida; pelo privilégio de existir. estou ciente de que isso eu não devo apenas aos meus pais; àquele seu momento de paixão que me trouxe à existência. Também sou grato por conhecer a minha origem e o meu destino; por estar em um mundo - meu exílio temporário - do qual não faço parte; pois sou cidadão de um mundo distante, chamado céu. Sinto indescritível prazer por saber que não me situo entre os que se deixam tanger pelos ídolos e demônios que inflamam os homens nas mais abjetas paixões. E sei que não devo isso a mim mesmo; mas, à graça de Jesus que me deu uma nova natureza!
 
Entendo com clareza, quando preciso passar por provações. Não as vejo como sintomas de uma causa provável... Mas, como circunstância natural reservada aos que transitam por aqui; sejamos nos quem formos. todos precisam saber que aflições do mundo fazem parte da vida; no entanto, somente os Teus verdadeiros filhos - aqueles que são nascidos da água e do Espírito - conseguem saber isso melhor do que ninguém. Sou grato a Ti, pela família que me deste e pelos amigos que puseste ao meu lado; sei que eles são de inestimável valor em qualquer tempo. Admito que tenho muitas coisas justas e boas nesta vida; mas... Estou convencido de que são poucas as coisas que me fazem feliz neste mundo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 24 de agosto de 2013

Decisão do salmista Davi


Hoje, fui levado a refletir sobre um texto bem oportuno para a realidade que se vive nos dias de hoje. Enquanto eu orava, o Espírito trouxe ao meu espírito a decisão do Salmista Davi expressa neste texto: "Cantarei a misericórdia e o juízo; a ti, SENHOR, cantarei. Portar-me-ei com inteligência no caminho reto. Quando virás a mim? Andarei em minha casa com um coração sincero. Não porei coisa má diante dos meus olhos. Odeio a obra daqueles que se desviam; não se me pegará a mim." (Salmo 101.1-3). Nele, pude ver quatro atitudes deste homem de Deus: 1) Ele decidiu proceder com inteligência; 2) Ele decidiu manter coração sincero em sua casa; 3) Ele decidiu tirar de diante dos olhos as coisas más; 4) Ele decidiu odiar as obras retrógradas (não os retrógrados). Então, fiquei a pensar...
 
Vivemos um tempo de insanidade crescente; que inibe o diálogo e compromete a reflexão. E com isso, a inteligência espiritual fica comprometida. Este é também um tempo em que a falta de sinceridade e de transparência no lar, se constitui em uma das principais causas do enfraquecimento e da fragmentação da própria família. E cresce a indústria do entretenimento - para todos os gostos e ocasiões - como se diversão fosse a "razão de ser" das pessoas neste mundo. E nesta onda de diversão ao acance de todos, surgem coisas más, como as drogas e a pornografia - a meu ver, os maiores flagelos deste século - causa maior do drama da família; destruindo casamentos e jovens. Então precisamos nos firmar em Jesus, para poder pregar salvação ao pecador, sem pactuar com as suas obras más!
 
Enfim, nos dias em que estamos vivendo, precisamos cultivar nossos princípios bíblicos, meditando em textos como este que indico: "PORTANTO nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus." (Hebreus 12.1-2). Os cristãos, ao longo da história, sempre conviveram com gerações subjugadas pelo domínio do pecado; todavia, os verdadeiros filhos de Deus precisam saber como viver neste mundo, sem se deixar confundir ou contaminar pelo pecado que nos rodeia.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Sombras inesperadas


Glória ao Deus todo poderoso; em cuja presença eu posso estar nesta manhã! Posso afirmar que sinto plena segurança no lugar de oração; pois sei não existe melhor lugar em que alguém possa estar - neste mundo ou no outro - além da presença do Deus eterno que se revelou através de Jesus. E posso, com prazer, declarar que não há um dia sequer em que os meus olhos não se abram para contemplar a formosura do Senhor refletida em Suas obras; pois não há um dia em que eu não seja contemplado pelo cuidado do Pai amoroso; mesmo quando, por razões diversas, eu não me aperceba deste cuidado constante. Sou grato ao Senhor por tudo!
 
Enquanto posso me curvar e orar, não há como não fazer tal coisa! Afinal de contas; é me curvando em oração, que posso me erguer para os desafios de um novo dia. Como vencer a luta de cada dia, sem me curvar para buscar a força que vem do Senhor? Aprendi que, muitas vezes, a luz do Sol pode ser encoberta por sombras inesperadas; daí, a necessidade que tenho de estar sempre aos pés do Senhor, sem me descuidar em momento algum. É que também aprendi, que um só instante de descuido pode redundar em um dia inteiro de fracasso. Sei muito bem o quanto preciso de Ti no dia-a-dia; e faço questão de não esconder isso de ninguém!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Necessidades fundamentais


De quando em vez, retornam ao nosso consciente, antigas canções evangélicas que foram sendo sucedidas pelo fluxo constante das novas canções evangélicas que vão chegando à praia da vida cristã. E hoje lembrei-me de uma delas - bastante cantada em sua época - que me fez chorar e sorrir muitas vezes: "Há momentos que, na vida, pensamos em olhar pra trás; é preciso pedir ajuda para poder continuar. E clamamos o nome de Jesus; e clamamos o nome de Jesus; e clamamos o nome de Jesus! Ele nos ajuda a carregar a cruz!" Eu mesmo posso afirmar que a lembrança desta canção me inspirou e motivou inúmeras vezes, desde que a ouvi pela primeira vez.
 
Penso que, mesmo com os novos enfoques dados por um grande número de pregadores ao conceito de vida cristã triunfante e próspera - chegando as vezes às raias de um triunfalismo sem conteúdo - sem compromisso com os fundamentos e práticas da doutrina cristã; isso não supre as necessidades fundamentais de um verdadeiro crente, que vão muito além daquilo que estão oferecendo por aí. E, devido a isso, muitos cristãos - mesmo entre os que alcançaram tais conquistas - ao perceberem que não conseguiram preencher o vazio que sempre os inquietou; pensam até em desistir de seguir a Jesus. E, infelizmente, alguns chegam mesmo a desistir!
 
Todavia, se atentarmos ao que o Evangelho de fato nos propõe; vamos perceber que - mesmo sem nos negar acesso a algumas das vantagens prometidas em muitos púlpitos - a Palavra de Deus nos adverte sobre os riscos que corremos ao seguirmos a Cristo: Risco de ser discriminado e incompreendido; risco de ser perseguido; risco de perder alguns valores; chegando até mesmo ao risco de morrer por causa da fé. Precisamos entender que a Promessa do Pai sempre destaca o alvo, não a jornada. Ela nos assegura que aquilo que nos espera ao final de tudo, compensa qualquer sacrifício ou perda que aqui soframos. Daí a necessidade de clamarmos o nome de Jesus!
 
Acho por bem indicar este texto, que precisa ser melhor entendido e ensinado: "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração." (Mateus 6.19-21). Ele não nos proíbe desfrutar de bens materiais; antes, aponta o único tesouro ao qual o nosso coração deve estar definitivamente ligado; pois, o tesouro ao qual nos deixarmos prender - seja ele mau ou bom - irá definir de que lado estaremos na eternidade.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Olhar fixo no céu


Pai de amor e Deus da minha vida; nesta manhã, ao me curvar diante de Ti, tenho convicção plena de minha condição de peregrino; vivendo em um mundo que não se dá conta do estado de decadência e ruína em que se encontra. Enquanto eu percorro o caminho da vida que me leva à eternidade, estou ciente de que minha peregrinação não é ao Vaticano ou Meca; mas à Jerusalém celeste, não a terrena. Então, ao me estender no lugar de oração, o meu objetivo é - entre outros - o de buscar Tua direção e proteção enquanto sigo em frente, com o olhar fixo no céu.
 
Amoroso Pai; ajuda-me a superar as barreiras que tentam me conter enquanto ando; pois, de quando em vez, vozes e visões diversas procuram me apontar um rumo alternativo, como se todo caminho pudesse me levar ao lugar de onde sou e para onde vou. Dá-me forças para prosseguir, sem me prender ao que atrás deve ser deixado; pois, enquanto eu sigo a Vida, não crio raízes em lugar algum. Deus eterno e bendito; sustenta-me enquanto eu sigo o Único Caminho - Jesus de Nazaré - pois este é o rumo que me foi proposto desde que o aceitei meu Senhor.
 
Dá-me graça e paciência para entender os discordantes; e olhar com amor e compaixão aqueles que tentam me impedir. Sei que devo amar e ter compaixão sem esperar correspondência; pois, amor não é moeda de troca, nem compaixão objeto de barganha. Tua Palavra me adverte que amar a quem me ama não me torna especial ou diferente das demais pessoas. Graças te dou por ter aprendido que, amando a quem me odeia e perdoando a quem aflige, cultivo o sentimento de Cristo e posso, então, prosseguir no Caminho da Vida que me leva a Ti.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Essência e estética


Nesta manhã, antes mesmo de me estender no lugar de oração, senti necessidade de orar sobre um assunto que sempre me causa alguma preocupação: A relação entre essência e estética. Tenho percebido que, tanto no mundo físico como no espiritual, nem tudo aquilo que vemos ou ouvimos é o que parece ser. Estou convencido de que este mundo - você e eu inclusive - define seus valores, mais influenciado pela aparência do que pela essência das coisas e das pessoas. É devido a este critério, que nos frustramos e decepcionamos com certas coisas que adquirimos e com certas amizades que cultivamos. É também devido a isso, que existem tantas pessoas feridas e magoadas por terem feito escolha errada.
 
A diferença entre mutilações causadas por um sádico e por um médico não está no ato em si; mas na motivação que os levou ao ato. E também, a diferença entre o dizer de u'a mãe nervosa ao seu filho traquinas: "vou te matar"; e o dizer de um inimigo a seu desafeto: "vou te matar"; está na motivação que os moveu a dizer a mesma coisa, mas com intenção diversa. Portanto, não devemos ter como amigos apenas aqueles que nos afagam ou que dizem aquilo que queremos ouvir; pois, um verdadeiro amigo pode se ver obrigado a nos dizer verdades desagradáveis, mas terapêuticas. E não são poucas as famílias afundadas em dívidas, por comprarem coisas movidas por impulso, não por uma real necessidade.
 
Esta é uma das principais razões pelas quais, em alguns casamentos, certos cônjuges se afastam do lar por se sentirem incomodados ante a excessiva sinceridade do seu par; optando por uma relação extraconjugal por se sentirem mais confortáveis na companhia de seu amante, que lhe afaga e lhe diz coisas sempre agradáveis. Não quero dizer com isso, que amor e sinceridade justificam excesso de queixas e reclamações; ou que a transparência absolve o modo errado como certas verdades são ditas. Não mesmo! Mas, não são poucos os casos de cônjuges que - após terem optado por um novo par - descobrem tardiamente que eram felizes e não sabiam. Então... É isso aí: Nem tudo é o que aparenta ser.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 18 de agosto de 2013

O Senhor me fez assim


Pai de amor; nestes últimos dias, tenho sido afligido por males físicos que raramente sofro. Ainda bem que pude me erguer para me curvar diante de Ti! Enquanto eu Te busco, sinto o peso do mal que temporariamente me abate. Ainda bem que são muitas as coisas que me ligam ao céu; e, são poucas as coisas que me ligam à terra. No entanto, em ocasiões como esta, sou levado a fazer uma revisão de vida e de ministério. Sei que minha conduta, por si só, não pode me salvar; no entanto, conheço a Palavra o suficiente para saber que atitudes minhas podem por em risco a minha vida futura. Portanto, não devo me descuidar em momento algum! E não devo, de modo algum, abusar da graça que me foi concedida em Cristo! Sou Teu filho tão somente por Teu amor; porque o Senhor me fez assim!
 
Existem dias, em que me sinto bem menor e mais fraco do que realmente sou. Não sei como explicar esta sensação; mas, sei que é um sentimento comum na vida daqueles que desejam e procuram andar contigo. Enquanto eu oro, penso em meus anos vividos como Bispo, Pastor, Marido e Pai; enfim como ser humano. E me sinto bem! Sempre entendi que devia amar, compreender e respeitar minha família e as pessoas. Jamais procurei ver naqueles que me afligem ou maltratam, um inimigo. Até porque - na relação de causa e efeito - eles são tão vítimas quanto eu, do ódio de Satã. Não tenho o menor arrependimento por ter ajudado a quem não me queria bem; ou por ter dado um pedaço de pão a quem que me tinha como inimigo. Devo servir! Sou assim, porque o Senhor me fez assim!
 
Pai eterno, não sei se os meus dias por aqui se reduzem a semanas, meses ou anos. Afinal de contas, como conhecer o futuro, a menos que o Senhor o queira revelar? Todavia, não tenho a menor dúvida quanto ao fato de que tenho a graça do Senhor a meu favor. Sei também que, por mais difíceis que sejam os dias por vir, eles são apenas um conto ligeiro ante a eternidade que se encontra logo ali, ao dobrar da última curva da vida. Lamento muito, quando vejo homens que - em Teu Nome - tomam posições arbitrárias; usando o poder que receberam de modo impróprio. Agindo com arrogância e tirania, humilhando o fraco; fragilizando ainda mais as suas débeis defesas. Quanto a mim, sei o quanto preciso ser manso e humilde, pois, sou simplesmente servo; porque o Senhor me fez assim!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 17 de agosto de 2013

Ministério Pastoral


Hoje, fui levado a pensar no ministério pastoral. E, mais uma vez, aprendi muito. Já tenho ouvido pastores se referirem à igreja que pastoreiam como se fosse propriedade sua (e não me refiro a tratamento afetivo; mas sim possessivo). Sempre sinto algum mal estar, quando ouço algo assim. E digo isso, porque a Bíblia ensina o contrário. Em I Cor. 12.28 está escrito que "E a uns pôs Deus na igreja..."; e, em Efe. 4.11 está escrito que "E ele mesmo deu uns para...". Notemos que em ambos os casos, o sentido literal é o de dar obreiros à igreja, para a edificação do Corpo de Cristo; não o de dar igreja à obreiros, para seu próprio proveito, entretenimento ou exercício de autoritarismo.
 
Infelizmente, é comum vermos, nos dias de hoje, pastores tomarem decisões sem consultar os anciãos (presbíteros, diáconos, etc); alguns chegando ao extremo de dizer: "aqui mando eu; eu sou o presidente", e outras declarações do gênero; coisa que nem Moisés, na dispensação da Lei, foi capaz de fazer. Na verdade, este tipo de líder já existia e era censurado nos dias primitivos (2 João 1.9); todavia, hoje sua presença é mais frequente (parece que alguns líderes novos aprendem com alguns líderes antigos a perpetuarem esta perigosa escola de liderança, na contra-mão dos ensinos de Jesus). Estou ciente de que alguns se incomodam bastante com o que escrevo; mas eu não posso me calar.
 
É importante observar, que nenhum dos apóstolos chegou a tamanha ousadia; provavelmente por saberem que Deus rejeita este tipo de atitude. Antes, eles ensinam o justamente o oposto aos líderes de igrejas: A serem mansos, humildes e submissos, servindo em amor. Pedro chega a advertir: "Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho." (I Pedro 5.3). E o próprio Jesus demonstra com palavras e atos que somos servos: "Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também." (João 13.14-15). Devemos atentar com temor para isso!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Seguro em Tua presença


Amado Pai; como é bom saber que, em Tua presença, tenho o meu melhor refúgio e proteção. Algumas vezes, o barco é tão açoitado pelas ondas, que, somos tentados; ou a resolver as coisas ao nosso modo; ou, então, simplesmente pular do barco. Ainda bem que é apenas tentação temporária; que, com algum esforço, pode ser vencida. É que, muitas vezes - frente aos desafios - somos levados a pensar que nossas medidas são as melhores... Como se tivéssemos o dom de ter solução e resposta pra tudo. Ainda bem que temos Tua Palavra ante os olhos; e, mesmo tão profunda e elevada, ela sempre aponta para a única visão capaz de trazer conforto e paz em meio às guerras: Jesus, o Rei dos reis, autor e consumador da fé!
 
Tenho percebido que o meu maior problema não é o problema que me aflige; e, sim, o problema de nem sempre entender o Teu propósito. Preciso estar sempre atento ao Teu falar; pois, os gritos que ressoam por todo lado podem confundir o meu senso de direção. Não devo permitir que as vozes do mundo abafem o som das vozes do céu. Sei muito bem que o mundo natural jamais compreenderá os anseios de um coração renascido. É que os padrões do mundo valorizam cifrão, estética, fama e sucesso aparente; em total descompasso com os padrões do Teu reino de justiça e de paz. Portanto, vou permanecer no barco, por mais forte que seja o vento; seguro em Tua presença, vivendo segundo o Teu propósito.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Conformação e cumplicidade


Hoje pela manhã, meus pensamentos se voltaram para a nossa condição de cristãos, vivendo em um mundo que se distancia mais e mais dos princípios da Palavra de Deus. E não é difícil ao verdadeiro crente, perceber o estado de descompasso e decadência em que este mundo vive. E isso não se refere apenas ao nosso País; pois, os demais países da Terra seguem na mesma direção - uns mais, outros menos ousados - como se estivessem girando em um funil a puxá-los para o inevitável fim que se aproxima. Pena que muitos bons crentes não percebem isso. Mas este estado não é novidade!
 
Todavia, o que me impressiona é o estado de conformação e cumplicidade de igrejas que se autoproclamam cristãs, com este estado ruim em meio ao qual vivemos. E assim, no canteiro da existência, as sementes do pecado e da iniquidade germinam e crescem por toda parte; influindo perigosamente na conduta de instituições, famílias e indivíduos. E cresce o número de cristãos favoráveis à práticas como aborto, relacionamento homo-afetivo, divórcio por motivo fútil; e, cresce o número dos crentes que se colocam a favor de prazeres de mau gosto e esportes violentos.
 
Nos dias de hoje, é assustadora e crescente a ascensão de "Laodicéia" e o enfraquecimento de "Filadélfia" (termos representativos de dois segmentos evangélicos do tempo do fim). Enquanto de um lado, uma Igreja que se autoproclama determinante e próspera, promove a adoção de práticas e conceitos fora dos padrões do genuíno evangelho; do outro lado, uma Igreja que decidiu não se vender a este sistema voraz, vai sendo injustamente atacada pelos que se julgam donos da verdade. Segundo a "parábola das dez virgens", uma delas vai subir com o noivo e a outra vai ficar por aqui.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Sermão em chamas


Aqui no Galeão, onde nos encontramos, acabamos de abraçar o Pastor e cantor Elizeu Gomes; que, assim como eu, vive sempre viajando, entre uma e outra missão. Enquanto aguardo o voo para BH, estou pensando na necessidade que todos nós, pregadores do evangelho, temos: A de pregar a Palavra de Deus na unção do Espírito. É verdade, irmãos; não basta prepararmos um bem elaborado sermão - enriquecido com os melhores textos das Escrituras - se o fogo do Espírito não conseguir incendiá-lo em nosso espírito. Não é de hoje, fui convencido de que o fogo que incendeia uma igreja se inicia ou, então, se apaga em uma tribuna. E ele não se torna quente e crepitante através da oratória ou dos fundamentos de um pregador, por mais bem-intencionado que este pregador seja em sua missão.
 
Ontem, Deus me deu a oportunidade de pregar em nossa querida IMW de Morro Branco, em Natal. E todos nós, que ali estivemos, pudemos ver o crepitar das chamas do Espírito. Não estou querendo dizer com isso que fui o promotor de tamanha unção. Sei muito bem que na relação entre causa e efeito do que Deus fez ali, posso até ter sido efeito propagador; mas, digo com absoluta certeza: O Espírito foi o promotor de tamanha unção de Deus. Em minha jornada ministerial, lamento ter me demorado a entender que o homem de Deus, por mais consagrado que seja, será apenas uma acha de lenha que deve estar pronta a ficar em brasas. Enfim, um sermão pode até nascer na mesa de um pregador; mas, se incendeia e explode em luz, ao entrar em combustão, em seu lugar de oração.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Dias de profunda comunhão

 

Maria Célia e eu, estávamos em Natal no último domingo. Enquanto eu aguardava o horário de ir pregar na IMW de Morro Branco, fiquei a refletir sobre os dias de profunda comunhão e edificação que experimentamos no "Acampamento Mardunna's". Deus falou conosco de muitas maneiras; e, Sua voz ainda ressoa no íntimo, com o mesmo timbre com que a ouvimos ali no naquele lugar. Foi profético, sobrenatural! Todavia, a vida continua e ficaremos a espera da frutificação das sementes em nós plantadas pelo Senhor. Meus pensamentos foram interrompidos pela chegada do Pastor Joás; para me levar à igreja em Morro Branco, onde preguei!
 
Enquanto escrevo estas linhas, me reporto ao momento especial de oração na presença do Pai celestial - em pleno dia dos pais - desfrutando de segurança e paz que fluíram, de um momento especial muito especial com Aquele que me deu vida e propósito. Posso afirmar que travei batalhas importantes enquanto estava em oração! Mas, isso não é novidade; pois sei que não há quem ore intensamente ao Deus eterno; que não tenha necessidade de combater o bom combate da fé. Tenho aprendido na Bíblia que, a cada manhã, teremos o "pão nosso de cada dia". Mas, também sei que - de igual modo - teremos a "luta nossa de cada dia"... E por aí afora.
 
No entanto, sempre trago comigo a certeza de que não há o que temer. Emanuel (Deus conosco) sempre estará presente em minha vida, por maiores que sejam as nossas lutas e desafios. Portanto, mesmo em meio às sombras que, muitas vezes, tentam me assustar e me intimidar; não trocarei a minha alegria por melancolia; nem o meu regozijo por frustração; ou, o meu prazer por rancor. Sou um homem de Deus; frágil e simples é verdade; mas, um homem consciente de que Deus é consigo. Portanto, não me conterei em meu sentimento de gozo e alegria! Deus me dotou de fé e coragem para enfrentar o que for preciso; todavia, sem perder o amor e a ternura.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

As coisas boas que tenho


Hoje estou refletindo sobre a tarefa que preciso cumprir nesta manhã, que é ministrar aos pastores da IMW na 7ª Região eclesiástica. Creio ter de Deus uma palavra para entregar; e, preciso ser fiel nesta entrega! Gente, como o tempo passa tão depressa?! A reunião do Conselho Geral já é parte de um passado que, ainda ontem, era presente. Louvo a Deus pela palavra trazida ontem a noite pelo Bispo Elisiário, que tanto nos abençoou. Daqui a pouco, ouviremos o Bispo Anderson Caleb; e, em seguida, irei entregar o que o Senhor plantou em meu espírito. E, para isso, preciso mais da unção do Espírito do que do conhecimento por mim adquirido ao longo do tempo.
 
Nesta madrugada, enquanto eu orava, veio ao meu espírito a visão daquilo que me levou a Jesus, a muitos anos atrás. Então, de imediato, me dei conta de que não foram as portas que o ministério abre que me levaram a Jesus; ou, mesmo, as oportunidades oferecidas pelo ministério; nem, tampouco, os sinais que seguem aos que crêem... Na verdade, não foi o ministério que me levou a Jesus, disso tenho absoluta certeza! Também, não foi o dinheiro ou a falta dele; nem a possibilidade de liderar alguém ou alguns (não consigo liderar com segurança nem a mim mesmo). Afinal, as coisas boas que tenho não foram procuradas; foram simplesmente encontradas!
 
E percebi que eu não saberia dizer com certeza o que de fato me levou a Jesus. Todavia, consigo identificar muito bem as coisas que não me levaram a Ele. Portanto, não devo permitir que estas coisas (ou outras) - mesmo boas e justas - coloquem em risco aquilo que adquiri naquele dia 26 de outubro de 1964; quando me prostrei, ou melhor, me rendi inteiramente aos pés do Senhor, consciente do estado de miséria em que vivia; tendo recebido dEle o dom da Vida. Isso mesmo! Não devo transformar os efeitos em causa. Nem trocar o absoluto pelo relativo. Afinal de contas, por que inverter as prioridades da vida? Sou um homem de Deus e isso me satisfaz plenamente!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 10 de agosto de 2013

Senti que precisava orar


Pai de amor; neste quarto da pousada em que me encontro - aqui no Rio Grande do Norte - senti que precisava orar; mas, encontrei oposição. Penso que não há quem não tenha lidado com as resistências de sua própria razão e emoção; quando sentiu necessidade de orar ao Senhor. Todavia, o que me vale em ocasiões assim é a experiência que trago comigo: De que o meu espírito tem os meios de enfrentar e vencer os bloqueios da minha própria natureza; quando me tenta impedir de Te buscar. E assim, depois de algum esforço interior, consegui me curvar mais uma vez. E este é um combate que - ao vencer - sempre me traz grande e especial prazer.
 
Pai! Não há como conter os gemidos do espírito em busca de graça e unção. Necessito muito Te buscar; pois... Ao trazer a minha solidão, encontro Companhia; venho com a minha confusão e encontro Resposta; Chego com a minha angústia e encontro Calma. Então, diante de Ti, sempre me pergunto: Que razões tenho eu para tentar Te evitar? Se aos Teus pés encontro a verdadeira riqueza; aquela que o dinheiro não pode comprar. E a paz que recebo? Ela supera os conflitos da vida. Tu és o Senhor e eu sou o servo que se tornou filho. O que mais posso querer nesta vida, se tenho tudo aquilo que me realiza; pois, tenho a Ti em minha vida!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Conselho Geral na 7ª Região

Pastores do Distrito de Salvador, com quem estivemos, no templo da IMW de Coração de Maria

Na última terça-feira, Maria Célia & eu acordamos respirando os ares litorâneos de Natal, bela capital do Estado do Rio Grande do Norte. Chegamos da Bahia - após dias de grande edificação no Distrito de Salvador - já passava da meia-noite; depois de ter passado sete longas horas, aguardando conexão, no Aeroporto de Fortaleza. O querido Pastor Joás Pereira Cavalcante já estava a nossa espera e nos conduziu até sua casa, onde ficamos hospedados. Tanto ele quanto Adriana, nos deram a melhor das acolhidas; e assim, tivemos uma confortável noite de descanso. Horas depois, fomos conduzidos ao Acampamento Mardunas - a cerca de quarenta km de Natal - onde fomos finalmente instalados.
 
As reuniões do Conselho Geral - órgão que preside e administra a IMW - foram realizadas durante os dois primeiros dias, com a presença de todos os seus integrantes; exceto o Bispo Oséas Queiroz, da IMW da Região Européia, ausente por motivos de força maior. Importantes questões concernentes ao trabalho da IMW, foram analisadas e discutidas. O clima de unção e alegria foi predominante em todos os momentos. Algumas reflexões devocionais acrescentaram um componente de grande edificação a todos nós; permeando as nossas reuniões administrativas. Por tudo aquilo que avaliamos, creio que temos grandes desafios pela frente, na missão de expandir esta obra que Deus nos confiou.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Inegável o agir de Deus


Durante as duas últimas semanas, Maria Célia e eu empreendemos uma série de visitas às igrejas de três dos quatro distritos wesleyanos do Estado da Bahia: Distrito de Teixeira de Freitas; Distrito de Itabuna; e, Distrito de Salvador. Estas visitas nos permitiram constatar que muita coisa mudou para melhor na obra wesleyana neste Estado, desde que iniciamos nossas atividades na 2ª Região. O crescimento da maioria das igrejas, aliado à abertura de novas igrejas, permitiram ampliar de dois para quatro distritos. É inegável o agir de Deus, como resposta ao trabalho árduo e às orações diárias.
 
Encerramos as visitas à Bahia no último domingo. Pela manhã, tive o privilégio de pregar no encerramento do Encontro Distrital em Coração de Maria; e a noite na IMW em Salvador (no templo da congregação, pois o templo da sede está sendo construído). Não dá para explicar com palavras o que Deus fez entre nós; portanto, prefiro repetir as Escrituras e dizer que "grandes coisas fez o Senhor por nós e por isso estamos alegres." (Salmo 126.3). Não posso finalizar sem fazer uso de um adágio popular; para explicar tudo aquilo que vi: "Pelo andar da carruagem, sabemos o que vem dentro!"
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Dever associado com prazer


Sinto profunda gratidão a Deus, por carregar em meu peito um sentimento de dever associado com prazer, que me leva a orar bem cedo. A dias atrás, fiz isso na sala do Pastor Roberto Diogo, em Salvador. E algo me chamou a atenção enquanto eu orava: Pela primeira vez, me dei conta do modo como Deus me tirou do meio de minha parentela - quando eu tinha pouco mais de dezoito anos - e me conduziu pelo caminho que me levou até àquela sala, cinquenta anos depois. Naquela madrugada, o Espírito me fez entender o "porque" de eu nunca ter sentido saudade em demasia. E me fez ver a razão pela qual nunca desejei fazer o caminho de volta. Cresce a cada dia minha gratidão ao Senhor!
 
Enquanto eu orava, procurando lidar com o nível de revelação recebida, fui levado a interceder por três vidas em especial: O meu filho Ezequiel Calegari, gerado do meu profundo amor por Maria Célia; e, os meus filhos espirituais - Herculano Silva e José Ribeiro (Ze Tó), gerados durante o meu ministério em Portugal a muitos anos atrás. Eu não conseguiria explicar o sentimento que me tomou enquanto eu orava por eles! De quando em vez, sinto um misto de surpresa e frustração; especialmente, quando ouço bons homens de Deus opinarem sobre coisas e circunstâncias que não entendem... Usando o seu senso de juízo crítico de modo destoante com a realidade, justamente por não orarem como deveriam.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Deus levou a irmã Nair

 
A irmã Nair Carvalho partiu para o Senhor na última sexta-feira; e com sua viagem ao encontro do Pai, encerra-se um dos mais importantes ciclos da IMW. Mulher simples em seu jeito de ser e de viver, a irmã Nair sempre exibiu uma fé viva e motivada. O seu modo de receber as visitas em sua casa, sempre me impressionou; especialmente pelo gesto generoso de deixar as pessoas a vontade em sua casa; oferecendo-lhes, dependendo da hora, almoço ou jantar. Eu gostava muito do jeito como se dirigia a mim - como se fosse alguém de sua própria família - tratando-me sempre por Calegari.
 
Não tenho a menor dúvida de que a irmã Nair foi uma mulher de rara estirpe; que sabia conter muito bem as suas emoções. Nunca a vi abatidamente triste ou esfuziantemente alegre. Mulher comedida, demonstrou segurança e conformação exemplar por ocasião da partida do grande amor de sua vida: O saudoso Bispo Gessé! Sempre nutri grande admiração pelo modo como compartilhou os valores da fé aos seus queridos filhos - Jessé, Jairo (já falecido), Jamir, Joedir e Alzira. E como resultado, todos hoje servem ao Senhor no ministério. Deixo a eles e aos demais familiares minhas condolências!
 
Maria Célia Calegari & eu, estivemos lhe fazendo uma visita a cerca de três meses atrás. Pensávamos que a encontraríamos senil; tanto devido a idade avançada, como também pela doença que vinha consumindo sua saúde aos poucos. No entanto, para nossa surpresa - sem que ela soubesse que nós iríamos - assim que adentramos o seu quarto, ela virou-se para nós e disse com naturalidade: "Que surpresa! Achei que não veria mais vocês." Senti emoção ao ouvi-la. Conversamos por cerca de meia hora. Pena termos sido impossibilitados de estar em seu funeral. Até breve, querida irmã Nair!
 
Com saudades;
Bispo Calegari & Maria Célia

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Minha razão silencia


Já faz muito tempo que pude compreender que o meu ministério tem na oração o seu combustível mais eficaz. Desde então, não vejo com bons olhos a tentativa de minh'alma, em tentar cortar caminho; procurando levar-me a algum outro ponto que não seja o lugar de oração. E assim, sempre que isso acontece, o meu espírito reage e assume o controle da situação; caminhando em direção ao lugar de oração e submetendo o meu corpo aos rigores da prostração aos pés do Senhor. E foi justamente isso que fiz, como habitualmente faço, aqui na sala do Pastor Agostinho Oliveira, em Itabuna.
 
E quando minha razão procura apontar um outro rumo, o meu espírito começa a bombardeá-la com uma série de perguntas, tais como: Que lugar será melhor do que o de oração, para o começo de um novo dia? Que posição será melhor para enfrentar os desafios do dia que nasce, do que estar de joelhos diante do Pai? Por que cometer a loucura de sair para as tarefas de um dia cheio de surpresas, sem antes buscar a face do Senhor? Já estou habituado a este intermitente confronto interior. E até o presente momento, graças ao socorro do Espírito Santo, o meu espírito se impõe e a minha razão silencia.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 4 de agosto de 2013

Visita ao Distrito de Salvador


Na sexta-feira, nos movimentamos para mais uma viagem. Saímos na parte da manhã, de Itabuna para Salvador; tendo deixado o carro em Itabuna (o sandero stepway está tão ligado ao que fazemos, que é como se fosse alguém da família que ficasse para trás). Graças a Deus - tanto Maria Célia quanto eu - não cultivamos sentimentos de saudades a ponto de nos deixarmos deprimir ou abater por eles. As saudades existem; mas ficam guardadas em lugar de honra dentro de nós, na esperança de rever pessoas que amamos. No entanto, no ministério que exercemos, em nome de Jesus, não existe lugar para melancolia. Deixamos para trás amigos e irmãos. Louvo a Deus por minha esposa!
 
Realmente, em nosso último culto no Distrito de Itabuna, vimos a mão de Deus agir e ouvimos Sua voz soar forte e clara. Como a luz de Deus brilha na poderosa IMW de Itabuna?! Louvo a Deus pelo ministério do Pastor Agostinho Oliveira e sua esposa Aparecida; e, também, pela equipe de liderança que esta igreja cultiva, homens e mulheres de visível dedicação. Foram muito edificantes os dois dias que passamos hospedados na casa deste querido casal. Todavia, a jornada prossegue; e, chegamos a Salvador. Fomos recebidos no Aeroporto pelo casal, Pastor Roberto Diogo e Ivete. Após um delicioso almoço e um bom descanso, fomos visitar o casal Milton e Dra Cláudia, sua esposa.
 
A noite, com o templo sede em construção, fomos para o templo da congregação, onde os cultos estão sendo realizados. Fiquei impressionado com a quantidade de irmãos que estão participando da campanha de quarenta dias de jejum e oração no templo. Maria Célia trouxe uma saudação e eu preguei em seguida. Logo após o culto, fomos conduzidos a conhecer as instalações da congregação construída na última etapa do ministério do Pastor Niel em Salvador (atualmente ele se encontra em Belo Horizonte, pastoreando a IMW de Ribeiro de Abreu). Eu ainda em Salvador. Depois, fomos dormir, pois no dia seguinte viajaríamos para Coração de Maria; rumo ao I Congresso Distrital.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 3 de agosto de 2013

Visita ao Distrito de Itabuna

 

Maria Célia & eu chegamos a Eunápolis, depois de uma viagem de três horas e meia de carro. O encerramento do Congresso de Missões em Medeiros Neto, foi magistral! A Missionária Paulina Faria Albino Gonçalves, em sua ministração, conceituou missões com grande eficiência; e, coube a mim pregar no encerramento, focando missões urbanas. O quebrantamento foi geral neste congresso; era frequente encontrarmos algum irmão ou irmã com brilho no rosto e os olhos molhados. Ao final, participamos de uma deliciosa feijoada preparada com esmero. E ainda houve tempo para um ligeiro descanso em casa do Pastor Marcos Oliveira e sua esposa Conceição; onde estávamos confortavelmente hospedados, antes de continuar a viagem que nos trouxe até Eunápolis. Foi maravilhoso!
 
De quando em vez, Deus me permite um encontro com o meu passado ministerial; e aquele foi mais um desses dias, quando tive o prazer de reencontrar o Clóvis, em Eunápolis onde me encontrava. Filho do saudoso irmão Abner; Clóvis foi gerado em Cristo, a muito anos atrás; durante o meu ministério pastoral em Governador Valadares/MG. Era um jovem trabalhador e dedicado. Então, durante o culto na IMW de Eunápolis-BA, fiquei sabendo que foi ele quem iniciou o trabalho da IMW do Bairro Moisés Reis, onde preguei; igreja sob o pastorado do Pastor Valdemir Medeiros Dos Santos. Enquanto eu abraçava este querido irmão, refleti sobre o valor incalculável que é, para um obreiro; poder ter um encontro inesperado com o seu passado, sem constrangimento e sem ter do que se envergonhar.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Bendito Ministério Pastoral


Hoje estou pensando no ministério pastoral; mas... Não me refiro ao pastorado formal; em que um homem - convencido de que foi chamado por Deus - se coloca (ou é colocado) a frente de uma igreja para cuidar de um rebanho; sem nem mesmo saber por que está ali. Penso ser este um fenômeno bem comum nos dias de hoje (deve também ter sido nos dias primitivos; pois, na Bíblia, é frequente a advertência de Deus a obreiros neste estado). É algo triste de se ver: Obreiros que se dizem servos de Deus, viverem muito mais preocupados com o seu conforto e bem-estar - ou com os imperativos de sua vontade e vaidade pessoal - do que com o estado do rebanho de Deus que insiste em dizer que está pastoreando.
 
Todavia... O ministério pastoral ao qual me refiro é aquele em que o seu protagonista sente as dores e conflitos de suas ovelhas; sacrificando muitas vezes alguns interesses, até justos, em prol de vidas pelas quais sente respeito e compaixão. Sim! Não me refiro a obreiros que, em nome de uma estranha justiça, espancam e humilham ovelhas assustadas; levando-as a abandonar o aprisco e mergulhar na noite escura, em direção ao covil dos lobos. Não! Eu me refiro a verdadeiros pastores: Servos com "S" maiúsculo; transpirando amor pelos poros, dispostos a ir até as ultimas consequências no afã de guardar a ovelha, mesmo a mais rebelde, que lhe foi entregue em confiança pelo Sumo Pastor. Bendito ministério Pastoral!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Sensíveis e flexíveis

Pastor Valdemir, Gleicilene e Maísa

Senhor meu Deus e meu Pai; sinto grande prazer e alívio enquanto oro e busco Tua face neste lugar de oração, na sala do Asp a Pastor Nadson Araújo e sua esposa Dange da Silva. É que existem dias em que me sinto frágil e quebradiço; hoje é um desses dias. Então, enquanto eu Te busco, sinto o Teu óleo fluir... E assim, já não me sinto tão quebradiço. Não é de hoje, aprendi que o fluxo do óleo sobrenatural que corre do Teu altar tem o poder de amenizar nossas dores, curar nossas feridas e nos tornar sensíveis e flexíveis. Sinto que, quando o salmista fala acerca do óleo sagrado, ele fala tangido por esta mesma experiência. É... O teu óleo santo tem o dom de nos amolecer por dentro e nos enrijecer por fora.
 
Pai; Maria Célia Calegari & eu nos sentimos úteis e felizes, no encontro que tivemos na casa do casal - Pastor Valdemir Medeiros Dos Santos, sua esposa Gleicilene e sua filha Maísa - logo após o culto na IMW de Moisés Reis, aqui em Eunápolis (sempre me causa admiração ver um templo repleto em uma segunda-feira). Foi muito bom estarmos ali, com a liderança da igreja; desfrutando momentos de descontração e alegria; em testemunhos e expressões de júbilo que se prolongaram até a madrugada. Ainda bem que o Nadson & Dange estavam conosco e puderam conduzir o carro; pois, eu me sentia extremamente cansado; porém... Feliz por ter vivido mais um dia de comunhão, de prazer e de paz!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari