sábado, 13 de novembro de 2010

VEM AÍ O XV CONCÍLIO REGIONAL!

Até parece que foi ontem que estivemos reunidos em Guarapari! Foram dias inesquecíveis - e por vários fatores: Quem ainda não se lembra da infecção intestinal que atingiu alguns; que a todos assustou? Graças a Deus, fomos guardados dos problemas colaterais daquele doloroso episódio. Todavia, creio que o meu testemunho é unânime quanto ao que mais nos marcou: O poderoso agir de Deus, do início ao fim do evento. Os dias daquele concílio, foram de muita alegria e comunhão. Sua abertura foi cheia de expectativa; seu encerramento foi apoteótico! Glória a Deus!

E agora, estamos no limiar de mais um concílio regional. E este se reveste de especial significado, devido ao fato de se seguir ao último Concílio Geral, concílio este que me concedeu um novo mandado episcopal e, juntamente com ele, a oportunidade de retornar ao comando da II Região. Sinto-me honrado com a possibilidade, concedida por Deus, de poder presidir a mais um concílio regional. Creio que este será um tempo de oportunidade e refrigério; a nos remeter aos "Desafios de um novo tempo", neste novo biênio que nos aguarda de braços abertos. Sejam bem-vindos!

Neste concílio, como no anterior, os relatórios dos secretários regionais e dos Superintendentes Distritais serão impressos e disponíveis nas pastas dos conciliares. Esta medida, além de facilitar a análise dos mesmos por cada delegado, permitirá uma mais ampla utilização do tempo. Pretendemos refletir sobre a obra wesleyana na II Região; quanto ao seu desempenho nos Estados e Municípios em que está estabelecida. Queremos avaliar a qualidade de serviço que estamos oferecendo aos wesleyanos, através dos diversos ministérios desenvolvidos pelos nossos pastores. Enfim, pretendemos saber em que áreas precisamos melhorar, para melhor atender ao rebanho do Senhor, que Ele entregou aos nossos cuidados, do qual nada mais somos do que mordomos.

E quanto às nomeações, o que dizer? Elas serão feitas sob profundo temor e, mesmo assim, após uma ampla análise quanto a relevância das mesmas, levando em conta duas coisas distintas; mas que se conjugam: "Perfil do Pastor" e "Necessidade do Rebanho". A grande questão que se impõe, não é o fato de "mandarmos um pastor qualquer para uma igreja qualquer"; e sim: "mandarmos o homem que Deus quer usar, para a igreja que Ele queira abençoar através desse homem". Na observância deste princípio é que reside o nosso maior desafio! Penso que já não podemos mais ficar transferindo "prá cá e prá lá" aqueles obreiros que não conseguem se garantir em seu próprio campo; que não aceitam repensar sua conduta ministerial.

Uma nomeação, por mais desvantajosa que pareça aos nossos olhos, é sempre uma oportunidade de "florescermos onde fomos plantados". Nunca, em meu ministério, considerei uma nomeação como "recompensa ou castigo". Sempre encarei as nomeações que recebi, como desafios a serem superados; como tarefas a serem cumpridas. Sempre pensei comigo mesmo, que fazendo o meu trabalho com amor, temor, generosidade e vigilância; os frutos dele resultantes se tornariam a melhor credencial do meu ministério. No íntimo, eu sempre soube que o desempenho do meu ministério revelaria se fui apenas chamado pelos homens; ou se, de fato, fui chamado por Deus.

O Senhor Jesus advertiu que "toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7.17-20). Em assim sendo, não é estar à frente de um rebanho que me credencia como um verdadeiro pastor (não é a posição; e sim, o serviço). O verdadeiro pastor não "manda", mas "serve". O verdadeiro pastor não "ordena", mas "obedece". O verdadeiro pastor não "busca ser amado" , mas "ama aos que busca" para o aprisco. Termino afirmando que a questão não é apenas "agradar ao bispo, fazendo do modo certo". Mas, sobretudo, "agradar a Deus, não fazendo do modo errado".

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário