sábado, 7 de agosto de 2010

A árvore e seus Frutos

Sempre fui um admirador das plantas. Qualquer uma delas chama a minha atenção; seja pela pela beleza ou perfume de suas flores; seja pelo perfil exótico; seja pelas suas cores; seja pelos seus frutos. Quem já esteve em minha casa, sabe do lugar especial que as plantas ocupam por lá; no pomar ou no jardim, sempre muito bem tratadas.

Encontramos na Palavra de Deus, as mais diversas referências às plantas; as quais são usadas como figuras para enquadrar determinadas pessoas e condutas. Elas são divididas em três categorias: As que não dão fruto; as que dão maus frutos; e as que dão frutos bons. A Bíblia utiliza os frutos de uma árvore, para aferir aqueles que dizem servir a Deus. Sua afirmação é taxativa: Assim como pelos frutos é possivel conhecer uma árvore; de igual modo, pelos frutos, podemos identificar os verdadeiros seguidores de Jesus. Dentre as comparações que encontramos, apresento os dois exemplos abaixo, que vão ajudar a entender este importante assunto:

A planta que Deus não plantou

"Respondeu-lhes ele: Toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada (Mateus 15.13). Este texto surge quando Jesus confronta a tradição dos anciãos judeus, à luz da Palavra de Deus. Seu objetivo é demonstrar que existem conceitos de doutrina, que, mesmo muito comuns entre aqueles que professam fé em Deus; mas, que nada tem de Deus. E a tradição dos anciãos judeus estava eivada desses conceitos; e existem outros. Em Mateus 15.1-20, Jesus denuncia alguns pecados inseridos em suas tradições:

1. O pecado de colocarem a religiosidade acima da honra devida aos pais (Mateus 15.5);
2. O pecado de invalidarem a Palavra de Deus com sua tradição (Mateus 15.6);
3. O pecado de honrarem a Deus apenas com seus lábios (coisa muito comum nos dias de hoje) (Mateus 15.8);
4. O pecado de elaborarem doutrinas, que são mandamentos de homens (Mateus 15.9);

E Jesus conclui sua advertência, comparando-os a "condutores cegos a guarem outros cegos" (Mateus 15.14). São discipuladores do mal, incapazes de perceber que estão indo para a cova, e levando muitos outros consigo.

A planta que se corrompeu

"E já está posto o machado á raiz das árvores; toda árvore, pois que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo" (Mateus 3.10). É algo muito comum nos dias de hoje, vermos pessoas prontas a afirmar sua fé e compromisso com Deus. No entanto, convivendo com elas no dia-a-dia, percebemos que não são aquilo que afirmam ser. Seu mau testemunho compromete a pureza do evangelho que tentam transmitir. Podemos identificar alguns frutos maus, no modo de viver de "árvores" a serem cortadas pelo Senhor:

1. Frutos maus, em forma de dívidas não pagas. Existem crentes que vivem sempre endividados; mas não fazem o menor esforço para honrar suas contas, Mesmo "pendurados" em dívidas antigas, vivem sempre a contrair novas dívidas, escandalizando aqueles que sofrem prejuízo devido a esse desvio de conduta;
2. Frutos maus em forma de falsidade. São aqueles cristãos com os quais devemos ter todo o cuidado. Não são dignos de confiança. Chegam a difamar os seus melhores amigos. Difamam até mesmo a pessoas de sua própria família. Ai daqueles que são alvo de suas calúnias. E muitos tem sido destruidos devido a esta conduta reprovada.
3. Frutos maus em forma de críticas. E não me refiro àquelas críticas construtivas, que contribuem para o aprimoramento de serviços e ministérios. São aquelas críticas ferinas, maldosas, impiedosas; que procuram apenas prejudicar aqueles que são alvo delas. Muitas igrejas tem sido prejudicadas por estas "árvores reprovadas".

Meus amados irmãos: Desta regra de aferição, ninguém poderá se livrar. Deus irá julgar a cada um pelos seus frutos; disso podemos ter certeza!

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário