quinta-feira, 29 de maio de 2014

Votos matrimoniais


Na vida, existem coisas que são inegociáveis; família, crença, caráter e honra estão entre elas. Infelizmente, na mesma medida em que o ser humano vai se afastando do Deus vivo; também se afasta dos valores herdados dEle. Hoje é bem comum, vermos pessoas descartando seu cônjuge - ou contrariadas com o seu jeito de ser; ou trocando-o por uma "oferta de ocasião" que consiga roubar seu coração - como se uma simples troca de cônjuge resolvesse os problemas gerados em uma relação em crise. Vemos até mesmo bons cristãos e bons obreiros, caírem neste tipo de armadilha - convencidos de estarem fazendo algo normal - sem perceberem que os vínculos do sagrado matrimônio são indissolúveis; apenas rompidos quando um de seus integrantes trai o outro, ou até que a morte os separe. Portanto, o que maridos e esposas precisam saber é que - à luz da Palavra de Deus - a liberação dos votos matrimoniais só é possível mediante a morte ou traição de um dos cônjuges.
 
Em minha condição de Pastor e Bispo, tenho visto novos lares serem construídos sobre os escombros de antigos lares desfeitos. Percebo também que, em muitos dos casos que conheço, alguns problemas continuam presentes no novo relacionamento; como se fossem parasitas presos na história de vida de daqueles cônjuges aliançados por um novo casamento. Talvez seja esta a razão pela qual algumas pessoas já tenham passado por vários relacionamentos - como se estivessem aprisionadas em um ciclo vicioso - nos quais os mesmos erros e desavenças vão se repetindo. Então, ao refletir sobre este problema, fico a pensar que - em muitos dos casos que conheço - teria sido bem melhor a alguém mergulhado em um novo relacionamento sem futuro, se tivesse investido um pouco mais na tentativa de restauração do casamento anterior; buscando em Deus os meios de salvar o que poderia ter sido salvo, usando uma dose maior de fé e amor mesclada com bom senso e paciência.
 
Este é um dos texto bíblicos que um casal em crise deve manter sempre diante dos olhos: "Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Disseram-lhe eles: Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio, e repudiá-la? Disse-lhes ele: Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas ao princípio não foi assim. Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de fornicação, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério." (Mateus 19.3-9). Se isto fosse observado e praticado; certamente, veríamos diminuir em muito, casos de divórcio entre o povo de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário