sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Precisamos continuar acreditando


Que o Brasil é conhecido internacionalmente com o "país do futebol e do carnaval", já estamos cansados de saber. E que até este momento, ele é um país com nível de influência e riquezas próprias de um país de primeiro mundo; mas com assistencialismo barato, sistema de saúde e educação, e uso e abuso do dinheiro público próprio de um país do final da fila do terceiro mundo, isto é lembrado até provocar revolta, sempre que precisamos do SUS e da escola pública, ou tropeçamos nas grandes obras inacabadas espalhadas por todo o território nacional. Entretanto, nos últimos anos, o Brasil - com o seu alinhamento internacional e com seu estilo de governo - vem se tornando cada dia mais parecido com a Venezuela "chavista" e com a Cuba "Castrista"... E isto fica cada dia mais claro aos olhos de quem tem um mínimo de senso de observação e senso crítico independente. Do jeito que as coisas vão, não sei como o Brasil ficará após o dia 26; todavia, precisamos continuar acreditando que o Brasil é viável.
 
Mas, Já não é de hoje (a dois mil anos, aconteceu em Jerusalém), o povo define suas preferências, influenciado por propaganda enganosa e tendência conformista (é assim que o Congresso Nacional se mantém, com os quadros de sempre, salvo raras exceções). É sabido em toda a nação que o Brasil acumula, ao longo destes últimos anos, descaso para com a coisa pública e graves escândalos de corrupção ativa e passiva, parecido com governos passados; porém... Jamais vistos em tamanha magnitude e voracidade. Na verdade, jamais se tentou interferir na família brasileira - com crescente tentativa de imposição de usos e costumes inconvenientes - como tem sido feito nos últimos anos. Medidas discriminatórias e retrógradas estão sendo impostas com insistência, no afã de corromper valores morais tradicionais. E me surpreende a conivência de cristãos - que não dependem do "pão e circo" oferecido por este governo - complacentes que são com seu modo de agir.
 
Este texto tem como título, a extrema corrupção nos últimos tempos:
 
"SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; Que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles."
(II Timóteo 3.1-9)
 
E este tempo que vivemos, pode ser enquadrado nas advertências deste texto.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Valorizo a unção de Deus

Foto: Ainda que eu tivesse os melhores recursos de homilética (coisa que não tenho), associados à habilidade de sistematizar uma visão teológica complexa (que não tenho) "turbinados" pela arte da oratória (também não tenho); não haveria como expor a Palavra e a grandeza de Deus, do modo e com o conteúdo que Deus ministrou ao meu coração neste fim de semana. E digo mais: Ainda que alguém tentasse me convencer do contrário; eu simplesmente ignoraria tal possibilidade; pois eu me conheço o bastante, até ao ponto de saber que ninguém pode receber e compartilhar tais ministrações, se do céu não lhe forem dadas. E não estou a pensar na palavra liberada no sábado de manhã e de noite, ou por ocasião do batismo distrital. Estou a pensar é no agir de Deus ontem a noite na IMW central.

Portanto, preciso dizer que valorizo a unção de Deus em minha vida; pois ela pode me dar aquilo que não tenho; e pode me capacitar a fazer aquilo que eu não conseguiria fazer de outro modo. E com esta certeza, quero reafirmar que não há como ser vaso útil e preparado, sem que haja presença regular no lugar de oração. Alguém simples como eu, pode se tornar um pregador apto a entender e ensinar; caso seja capaz de permanecer aos pés do Senhor o tempo necessário para receber do céu aquilo que pretende pregar na terra. Tentação mais comum do que se possa pensar; é aquela que procura nos convencer de que "o auditório hoje não exige grande preparo"; ou "hoje preciso me preparar dobrado, devido ao nível de ouvintes que terei". Enfim, seja qual for o grupo de ouvintes; orar é sempre a necessidade maior.

Ainda que eu tivesse os melhores recursos de homilética (coisa que não tenho), associados à habilidade de sistematizar uma visão teológica complexa (que não tenho) "turbinados" pela arte da oratória (também não tenho); não haveria como expor a Palavra e a grandeza de Deus, do modo e com o conteúdo que Deus ministrou ao meu coração neste fim de semana. E digo mais: Ainda que alguém tentasse me convencer do contrário, eu simplesmente ignoraria tal possibilidade; pois eu me conheço o bastante, até ao ponto de saber que ninguém pode receber e compartilhar tais ministrações, se do céu não lhe forem dadas. E não estou a pensar na palavra liberada no sábado de manhã e de noite, ou por ocasião do batismo distrital. Estou a pensar é no agir de Deus ontem a noite na IMW Central de Valadares.
 
Portanto, preciso dizer que valorizo a unção de Deus em minha vida; pois ela pode me dar aquilo que não tenho; e pode me capacitar a fazer aquilo que eu não conseguiria fazer de outro modo. E com esta certeza, quero reafirmar que não há como ser vaso útil e preparado, sem que haja presença regular no lugar de oração. Alguém simples como eu, pode se tornar um pregador apto a entender e ensinar; caso seja capaz de permanecer aos pés do Senhor o tempo necessário para receber do céu aquilo que pretende pregar na terra. Tentação mais comum do que se possa pensar; é aquela que procura nos convencer de que "o auditório hoje não exige grande preparo"; ou "hoje preciso me preparar dobrado, devido ao nível de ouvintes que terei". Enfim, seja qual for o grupo de ouvintes; orar é sempre a necessidade maior.
 
Creio que este testemunho de Paulo diz tudo o que aqui pretendi dizer:
 
"Primeiramente dou graças ao meu Deus por Jesus Cristo, acerca de vós todos, porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé. Porque Deus, a quem sirvo em meu espírito, no evangelho de seu Filho, me é testemunha de como incessantemente faço menção de vós, Pedindo sempre em minhas orações que nalgum tempo, pela vontade de Deus, se me ofereça boa ocasião de ir ter convosco. Porque desejo ver-vos, para vos comunicar algum dom espiritual, a fim de que sejais confortados; Isto é, para que juntamente convosco eu seja consolado pela fé mútua, assim vossa como minha. Não quero, porém, irmãos, que ignoreis que muitas vezes propus ir ter convosco (mas até agora tenho sido impedido) para também ter entre vós algum fruto, como também entre os demais gentios. Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes. E assim, quanto está em mim, estou pronto para também vos anunciar o evangelho, a vós que estais em Roma."
(Romanos 1.8-15)
 
Acredito que não existe nada melhor do que respaldar a visão na Palavra.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Oração e recolhimento


Hoje precisei orar bem mais cedo; pois creio que os dias estão de fato se abreviando... E bem mais rápido do que algum dia imaginei. Tenho entendido que - ao menor sinal de inquietação do meu espírito - devo me curvar e beber da Fonte que tem o dom de me tranquilizar. E foi isto que eu fiz durante a madrugada. Tenho razões de sobra para crer que estamos nos estertores de um mundo que entrou em processo de decadência já faz tempo; mas que, neste dias, chega a um nível de engano e sedução nunca antes visto. A tentativa de mesclar valores sagrados com conceitos profanos é tão evidente, mesmo por parte de alguns que se autoafirmam cristãos, que chega às raias do absurdo. Então... Oração e recolhimento são recomendáveis.
 
Enquanto eu ainda orava, percebia a rudeza do conflito existente ao redor... Como um vento forte que chega antes de uma tempestade. Dou graças a Deus por ser um crente que procura pautar a vida em alguns valores indispensáveis. Confiança em Deus e esperança futura são dois deles! No entanto, não confio no mundo em que vivo; nem alimento esperança de que ele melhore. Na verdade, o que procuro fazer é trabalhar pela protelação do mal que se aproxima e se agiganta. Sei que nem todos conseguem perceber isto; mas... Entendo sua dificuldade. Até porque, todos nós desejamos um futuro alvissareiro para as pessoas que amamos. No entanto, não nos iludamos com aparência de paz e prosperidade! Pois o tempo se abrevia.
 
Este texto, dentre os assuntos relevantes que aborda, fala com clareza sobre perdão e vitória:
 
"Filhinhos, escrevo-vos, porque pelo seu nome vos são perdoados os pecados. Pais, escrevo-vos, porque conhecestes aquele que é desde o princípio. Jovens, escrevo-vos, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi, filhos, porque conhecestes o Pai. Eu vos escrevi, pais, porque já conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno. Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre."
(I João 2.12-17)
 
Mas também adverte que não devemos amar o mundo, pois a aparência do mundo é passageira.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Servos, chamados, separados


Manhã de domingo, dia do Senhor! Já me prostrei e adorei; me desmanchei em gratidão pelo que o Senhor fez ontem, pelo modo como falou conosco. Se alguém me perguntar como é ouvida a voz de Deus; prontamente respondo: A voz de Deus é ouvida no íntimo, como um discreto sussurro; de tal modo, que somente o espírito humano rendido e contrito consegue interpretá-la em sua plenitude. De outro modo, quando a mesma soa externamente; seu som pode parecer com o ribombar de um trovão, ou como um vento tempestuoso em meio á forte tempestade. Assim, em qualquer dos casos; não há como discerni-la sem a ajuda do Santo Espírito. Porém, estou convencido de que Deus nos falou ontem - de modo inequívoco - tanto de manhã como de noite!
 
Pela manhã, tivemos reunião com os pastores e obreiros do Distrito de Governador Valadares. Alertei quanto ao fato de que ainda noto resistência ao mover do Senhor em nosso meio por parte de alguns. E alertei quanto ao risco que corremos nos dias de hoje, com perigo de fracasso e queda para aquele obreiro que não manter a tríplice convicção definida por Paulo em Romanos 1.1: "SERVO de Jesus Cristo, CHAMADO para apóstolo, SEPARADO para o evangelho de Deus." No culto distrital, a noite, na quadra do Colégio Presbiteriano; tivemos a Ceia da Unidade, repleta de membros das diversas IMW da cidade. Onde destaquei I Timóteo 1.15: "Cristo Jesus VEIO ao mundo, para SALVAR os PECADORES" (os que assim se reconhecem).
 
Ao lermos este texto bíblico, precisamos procurar compreender o mesmo, todo o seu significado:
 
"Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne, e, ainda que também tenhamos conhecido Cristo segundo a carne, contudo agora já não o conhecemos deste modo. Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação."
(II Coríntios 5.14-19)
 
Pois somente o compreendendo claramente, poderemos perceber a real grandeza deste sacrifício!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Rumo definido pelo Senhor


Nesta manhã, procurei estender meu lugar de oração na sala do Pastor Sidenilson Alvino Pereira e Márcia Suzuki; para buscar de Deus algo que possa transmitir, na reunião que teremos nesta manhã, aos pastores e obreiros que estarão reunidos na IMW - Distrito de Governador Valadares. A Palavra de Deus diz que "O homem não pode receber coisa alguma, se não lhe for dada do céu." (João 3.27); portanto, preciso buscar suprimento na única fonte que pode me qualificar a exercer um ministério que seja segundo o propósito de Deus. Sei que o fato de orar, não tira a me priva de pensar ou de questionar... No entanto, tais atividades da mente são melhor administradas; de modo a não interferir com a vontade de Deus em minha vida. Aliás, o grande risco que um cristão corre, ao fica a mercê de pensamentos e opiniões "in natura", é ser levado a algum desvio de conduta, seja de interpretação, seja de escolha.
 
Mas... Voltando ao meu momento de oração (a melhor coisa que ainda posso fazer nesta vida): Enquanto procurava conhecer um pouco mais as minhas possibilidades e fragilidades; me dei conta de que não existe um dia sequer em que não corramos o risco de nos desviar da Verdade; de nos perder nos bastidores de um raciocínio propenso a definir por si mesmo o que é certo ou errado. De fato, as circunstâncias de vida podem afetar nossa razão; até ao ponto de nos afastar do rumo definido pelo Senhor para cada um de nós. Então, ainda prostrado, depois de agradecer ao Senhor por minha querida família e por ter sido vaso separado por Ele para um fim proveitoso; agradeci também por ter me brindado com Sua salvação consumada em Jesus; e por Seu cuidado para comigo; expresso por meio da compaixão com que me acolhe, do amor com que me cativa e da graça com que me sustenta.
 
Gosto de meditar na Bíblia, como estas palavras do grande apóstolo Paulo: "ALÉM disto, eu, Paulo, vos rogo, pela mansidão e benignidade de Cristo, eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde, mas ausente, ousado para convosco; Rogo-vos, pois, que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar com confiança da ousadia que espero ter com alguns, que nos julgam, como se andássemos segundo a carne. Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo" (II Coríntios 10.1-5). São palavras enriquecedoras, que me ajudam; porque elas me convencem de que preciso manter meu raciocínio prisioneiro da Verdade.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 19 de outubro de 2014

Eles são transitórios


Quero hoje repetir: Não tenho os candidatos como exemplo; nem sei o que são na vida privada. No entanto, me preocupo com seu modo de ver os valores da democracia. Na verdade, o modo de viver dos governantes só diz respeito a eles mesmos; contanto que não interfiram em nosso modo de viver e praticar nossa crença, nem conspirem contra as liberdades democráticas consagradas na Constituição da República. Acredito na possibilidade de coexistência pacífica entre cristãos, ateus, negros, brancos, árabes, judeus, homossexuais, heterossexuais... Até porque, sei que cada um dará contas de si mesmo a Deus - pelas escolhas que fizerem; não pelo que outros pensam a seu respeito - pois do julgamento de Deus ninguém pode se esquivar; nem mesmo aqueles que não acreditam em Sua existência.
 
Portanto, vejo como algo natural a coexistência entre pessoas diferentes em seu modo de pensar, falar e agir - todas convivendo sob os ares da democracia - contanto que saibam se respeitar, mesmo discordantes umas das outras. É importante que as pessoas não se sintam ameaçadas umas pelas outras, sabendo divergir sem se agredir. Quanto à Igreja de Cristo: Ela é agente de Deus para anunciar as boas novas da salvação aos que estão a sua volta; e cada crente em Jesus deve ser o "bom cheiro de Cristo", entre os que se salvam e os que se perdem. Quanto aos governos: Eles são transitórios - sendo bons ou maus - devendo responder perante seus eleitores, por seus mandos e desmandos. Eles não têm a obrigação de ser cristãos; mas têm a obrigação de ser honestos; e de respeitar a lei e a ordem.
 
Alguém ainda duvida que estamos vivendo este tempo?
 
"SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência, Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados. Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste, e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido, E que desde a tua meninice sabes as sagradas Escrituras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus."
(II Timóteo 3.1-5,10,13-15)
 
Realmente... Vivemos dias aflitivos e angustioso!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 18 de outubro de 2014

Procurei me certificar

Foto: Hoje, em horário bem mais cedo que de costume, levantei e fui para o lugar de oração... Senti cansaço até chegar; mas, ao me curvar, o cansaço foi se retirando de mansinho. Algo que tenho aprendido e posso afirmar; é que - seja qual for a resposta alcançada pela oração - é sempre tonificante e gratificante buscar a face do Senhor! Enquanto eu orava, procurei me certificar de que meus sentimentos e objetivos eram puros e verdadeiros (é que estes dois elementos algumas vezes se disfarçam sob manto de santidade ou verdade aparente); pois estou ciente de que, se há um lugar onde mentira e disfarce de nada valem; nem são sequer admitidos, este lugar e a presença de Deus. Então, com a pauta livre de qualquer inverdade ou camuflagem, me derramei perante Jesus, Salvador e Senhor da minha vida!

Diante do Deus eterno, expressei meu receio de continuar em atividade além do tempo permitido; ou de recuar antes da hora. Tentei deixar claro que em minha vida com o Senhor, tudo deve ficar em segundo plano; mesmo família e desejo de fazer a obra (Moisés não entrou em Canaã, por ter se excedido em seu modo de lidar com a Rocha). Então, procurei expor o meu desejo de  viver conforme este sentimento de Paulo: "Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho." (Filipenses 1.20-21). Portanto, não temo a vida ou a morte; e sim, viver fora do Seu querer; ou morrer em colisão com Sua vontade.

Hoje, em horário bem mais cedo que de costume, eu me levantei e fui para o lugar de oração... Senti cansaço até chegar; mas, ao me curvar, o cansaço foi se retirando de mansinho. Algo que tenho aprendido e posso afirmar; é que - seja qual for a resposta alcançada pela oração - é sempre tonificante e gratificante buscar a face do Senhor! Enquanto eu orava, procurei me certificar de que meus sentimentos e objetivos eram puros e verdadeiros (é que estes dois elementos algumas vezes se disfarçam sob manto de santidade ou verdade aparente); pois estou ciente de que, se há um lugar onde mentira e disfarce de nada valem - nem são sequer admitidos - este lugar e a presença de Deus. Então, com a pauta de oração livre de qualquer inverdade ou camuflagem, me derramei perante Jesus, Salvador da minha vida!
 
Diante do Deus eterno, expressei meu receio de continuar em atividade além do tempo permitido; ou de recuar antes da hora. Tentei deixar claro que em minha vida com o Senhor, tudo deve ficar em segundo plano; mesmo família e desejo de fazer a obra (Moisés não entrou em Canaã, por ter se excedido em seu modo de lidar com a Rocha). Então, procurei expor o meu desejo de viver conforme este sentimento de Paulo: "Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte. Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho." (Filipenses 1.20-21). Portanto, não temo a vida ou a morte; e sim, viver fora do Seu querer; ou morrer em colisão com Sua vontade.
 
Este texto nos adverte que não devemos permitir que o sentimento se imponha, quando estamos fazendo a obra de Deus: "Então Moisés tomou a vara de diante do SENHOR, como lhe tinha ordenado. E Moisés e Arão reuniram a congregação diante da rocha, e Moisés disse-lhes: Ouvi agora, rebeldes, porventura tiraremos água desta rocha para vós? Então Moisés levantou a sua mão, e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saiu muita água; e bebeu a congregação e os seus animais. E o SENHOR disse a Moisés e a Arão: Porquanto não crestes em mim, para me santificardes diante dos filhos de Israel, por isso não introduzireis esta congregação na terra que lhes tenho dado." (Números 20.9-12). Pelo fato de ter deixado o sentimento interferir, Moisés não perdeu o céu; mas foi impedido de entrar na terra de Canaã.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari