segunda-feira, 21 de julho de 2014

Teologia da prosperidade


Preciso viajar dentro de alguns instantes... Então, tive que acordar mais cedo para cumprir compromissos inadiáveis - estar no lugar de oração, o mais importante deles - e dentre eles, postar em minha página uma palavra de fé e esperança aos que me acompanham no dia a dia. Hoje, aprendi com o Senhor que a mais importante mensagem de fé e de esperança que alguém pode receber nesta vida - mesmo que envolta em rasgo profético desfavorável aos sonhos e pretensões de muitos - e aquela que chega legitimada pelo manto da verdade. E não estou me referindo à minha verdade pessoal; ou à verdade de cada um - dentre as muitas "verdades" de mentirinha que transitam por este mundo - pois este não deve ser o procedimento. Eu me refiro à verdade das Escrituras Sagradas, regada com a revelação do Alto que vem pelo Espírito Santo.
 
Portanto, entendo que nossa primeira prioridade deve ser a resposta que vem do céu, não a que vem da terra. É muito comum as pessoas pensarem que servir a Deus é garantia infalível de corpo sarado, diversão sem risco e vida abastada. O pior é que este sonho existente no coração humano, que vinha sendo contido pela priorização do céu como legado maior do Senhor Jesus; foi sendo inserido na mensagem que hoje se prega, até ao ponto de se afirmar em muitos púlpitos, que vida com Deus é a garantia de bem estar material, corpo saudável e projeção social. Infelizmente, esta herança dos pregadores da teologia da prosperidade foi "melhorada" por definições ainda mais ousadas; até ao ponto de garantir "sorte no amor". Não digo que muitos cristãos não possam chegar a tal estado; todavia... Fico a pensar em meio a tudo isso...
 
Hoje, como as dores de Lázaro seriam agravadas, ao lhe ser questionado o "direito ao céu" tão somente por ser pobre e enfermo, mendigo mesmo. E isso porque, na interpretação de muitos pregadores oportunistas de plantão (na história contada por Jesus) o abençoado cheio de fé seria o rico; e o descrente amaldiçoado seria Lázaro. No entanto, o próprio Jesus demonstrou justamente o contrário. Não estou com isto afirmando que os ricos estão perdidos e os pobres e enfermos estão salvos. Não mesmo! O que estou afirmando é que, no reino de Deus, as coisas não são como alguns aproveitadores da miséria humana andam a dizer. É possível, pela fé, um crente enriquecer; assim como é possível, pela mesma fé, um crente obter saúde; negar isto seria negar a própria Bíblia. Mas... Tais coisas são apenas detalhes passageiros.
 
Ao considerarmos este texto percebemos que ele contraria muitas pregações hoje em dia:
 
"Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente. Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele; E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas. E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite."
(Lucas 16.19-31)
 
Penso ser de grande importância refletir sobre o risco do que é ensinado nos dias de hoje.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 20 de julho de 2014

Graça revelada

 

Te louvo e Te exalto, Pai querido! O que seria de minha vida sem Tua graça! Sei que não haveria chance para mim, caso Jesus não tivesse dado Sua própria vida em meu favor; pois a luta contra o pecado é tão desigual. Teu servo Davi declarou que não poria coisa má diante dos olhos; mas, se ele tivesse vivido neste tempo, veria o quanto é difícil deixar de ver coisas más... Elas estão por toda parte! Não é tão difícil perceber que vida piedosa e religiosidade não conseguem nos colocar no nível mínimo de aceitação aos Teus olhos; posto que a natureza piedosa pode sofrer desvios de finalidade e a religiosidade sempre nos fez andar na contra-mão. logo, como escapar sem a graça revelada em Jesus?
 
Os dados estatísticos sobre religião no mundo, apontam para a existência de mais de um bilhão de cristãos; mais de um bilhão de muçulmanos; mais de um bilhão de budistas e seus derivados; enfim... Eles identificam milhões de católicos; milhões de metodistas; milhões de presbiterianos; milhões de batistas; milhões de pentecostais; milhões de adventistas, espiritistas, mórmons, e seus derivados. Todavia, o que eles não conseguem entender; é que não é assim que se enumera os Teus filhos! Tua Palavra declara que os Teus remidos possuem uma pedrinha branca com um novo nome escrito; e que não nasceram somente da carne e do sangue, pois nasceram de novo em Cristo Jesus!
 
Tua Palavra atesta que o plano redentor do ser humano nasceu do Teu amor e se consumou em um pequeno monte marcado por erosão, chamado Calvário. Na Bíblia aprendemos, que neste monte uma vida morreu para que vidas vivessem; e que o seu grito de dor pelo pecado, chocou aquele monte e ainda ecoa por toda a terra; inaugurando o tempo da graça, selado com sangue; e que naquela tarde, mortos ressuscitaram e andaram pelas ruas de Jerusalém, testemunhando o poder de Jesus. Então, por mais que alguém se esforce para se salvar por seus meios; sua salvação só virá mediante arrependimento, confissão de pecados e genuína entrega de coração ao Cristo da cruz, que morreu por todos nós.
 
Na Bíblia, aprendemos que aquele que nasce apenas uma vez, morre duas vezes; e aquele que nasce duas vezes, morre apenas uma vez:
 
"Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Disse-lhe Nicodemos: Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, tornar a entrar no ventre de sua mãe, e nascer? Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus. O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito. Não te maravilhes de te ter dito: Necessário vos é nascer de novo. O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito."
(João 3.3-8)
 
Nascer de novo em Cristo Jesus é nascer duas vezes; portanto, os que assim vivem, não sofrerão o dano da segunda morte.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 19 de julho de 2014

Sentimentos impróprios


Um dos mais valiosos ensinamentos que tenho obtido, quando no lugar de oração; é o de não me render à ansiedade, seja por que motivo for. Uma vez que a ansiedade é um dos sentimentos mais insinuantes e invasivos, até ao ponto de perturbar a mente e o coração daqueles que buscam se aproximar de Deus e andar com Ele; precisamos manter o nosso coração bem aberto para o Senhor, a nossa mente bem aberta para as coisas do céu e os nossos olhos bem abertos para a Palavra de Deus. Tenho percebido que quando há doença em casa, ou conflito no íntimo e assédio de qualquer natureza; tais circunstâncias são solo fértil para que a semente da ansiedade germine e se ramifique em nossa vida. Não posso permitir esta invasão de privacidade em meu interior!
 
Portanto, preciso tomar medidas eficazes contra qualquer tentativa de invasão, mesmo sutil, deste sentimento. Até porque, ele é uma porta de entrada para outros sentimentos tão ruins quanto ele; sendo capaz de destroçar nossa fé e de transformar nossa oração em lamentos enfadonhos. O que me vale é que aprendi que a adoração ininterrupta a Deus - mesclada com o louvor que lhe é devido - e uma vida de gratidão ao Senhor, por tudo e em qualquer situação, se constitui em remédio eficaz e imunizante contra este mal. E jamais devo esquecer que a ansiedade é pecado, pois pode nos roubar a paz com Deus e a confiança em Suas promessas. Além do que, sei que posso recusá-la; pois a Palavra de Deus diz que não devo estar ansioso por coisa alguma.
 
A Bíblia ensina que ansiedade, apreensão e inquietude são sentimentos impróprios:
 
"E disse aos seus discípulos: Portanto vos digo: Não estejais apreensivos pela vossa vida, sobre o que comereis, nem pelo corpo, sobre o que vestireis. Mais é a vida do que o sustento, e o corpo mais do que as vestes. Considerai os corvos, que nem semeiam, nem segam, nem têm despensa nem celeiro, e Deus os alimenta; quanto mais valeis vós do que as aves? E qual de vós, sendo solícito, pode acrescentar um côvado à sua estatura? Pois, se nem ainda podeis as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras? Considerai os lírios, como eles crescem; não trabalham, nem fiam; e digo-vos que nem ainda Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. E, se Deus assim veste a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós, homens de pouca fé? Não pergunteis, pois, que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. Porque as nações do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que precisais delas. Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."
(Lucas 12.22-31)
 
Portanto, devo me apegar às promessas de Deus e não manter tais sentimentos no coração.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Compromisso de servir


Hoje de manhã, enquanto eu orava a Deus; pude afirmar que uma das coisas que me mantém em oração diária diante do Senhor é a profunda convicção que tenho; de que Ele é o Deus eterno, todo poderoso; e igual convicção de que enviou o Seu Filho Jesus para ser meu Salvador eterno. Infelizmente, não posso dizer que tenho andado com Deus durante toda a minha vida; no entanto, posso declarar cheio de fé que o Senhor tem estado comigo ao longo de todo esse tempo! Portanto, não tenho o menor receio em afirmar que não preciso de coisa alguma que não venha Dele; nem mesmo as de primeira necessidade ou de necessidade imediata. Nele, aprendi que - ainda que ajuda humana seja sempre bem-vinda - não preciso do apoio de ninguém para sobreviver ou continuar caminhando em Deus, nos dias que ainda tenho pela frente; até que chegue finalmente o dia do encontro com o Deus que me cinge de graça e cuidado.
 
E não tenho a menor dúvida, ao declarar que é esta convicção que tem me mantido imune à mágoa, ressentimento, decepção... Ou qualquer outro sentimento nascido de interpretação distorcida quanto ao modo como alguém me trata ou deixa de me tratar. Não sinto ter sido chamado por Deus para receber ajuda ou motivação de quem quer que seja. Mas é preciso que se diga: Recebo com profunda gratidão toda ajuda - seja por palavra, seja por obra - vinda de quem quer que seja; todavia, sinto-me na obrigação de entender quando ajuda deste tipo não chega, mesmo de pessoas muito próximas de mim. Afinal de contas, procuro carregar comigo outras convicções afins: A de que não fui chamado para ser servido, mas para servir; e não fui chamado para ser compreendido, mas para compreender; também não fui chamado para ser amado, mas para amar. Que prazer sinto em saber isso e viver a Vida que traz satisfação!
 
Este texto foca o compromisso de servir: "VÓS, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor. Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração, como a Cristo; Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus; Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre. E vós, senhores, fazei o mesmo para com eles, deixando as ameaças, sabendo também que o SENHOR deles e vosso está no céu, e que para com ele não há acepção de pessoas." (Efésios 6.1-9). Servindo ao próximo é quando mais nos assemelhamos ao Senhor Jesus.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 17 de julho de 2014

É importante que se diga


Ao me levantar nesta manhã - antes mesmo de me dirigir ao lugar de oração - o meu espírito foi despertado com a lembrança do seguinte testemunho de Paulo: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." (2 Timóteo 4.7). Percebi que, no lugar de oração, ele condicionou minha prece... Algo surpreendente! É como se o velho apóstolo dissesse: "Minha fé me valeu durante o caminho percorrido e em todas as batalhas travadas, sem perder o objetivo do Combate nem o rumo da Vida; e chego ao final, tendo-a guardado intacta." Senti profundo temor ao me deparar com a realidade cristã dos dias de hoje - Dias de névoa e de confusão - sob ataque constante ao longo do caminho que trilhamos.
 
Então, fui levado a pensar nos riscos que corremos, em meios às diversas tradições e culturas hostis aos princípios da Palavra de Deus. O mundo do desporto desnudou o fanatismo em que grande parte da humanidade vive (uma espécie de coliseu romano melhorado e agigantado). E minha atenção se voltou para os perigos embutidos no mundo do DNA, do genoma, do clone; no mundo da realidade virtual, que permite pessoas de carne e osso interagir com figuras criadas em de computador. E no mundo da ficção imposta pela indústria do cinema, podemos ver: A magia do "Harry Potter"; o espiritismo do "Sexto Sentido"; o induísmo do "Avatar"; os mortos vivos da "zumbilândia"... E por aí vai a influência do mal.
 
E a lista não termina por aqui. Podemos acrescentar outros quadros e temas, influenciando a cultura e as práticas de muitos cristãos (especialmente os jovens) incapazes de manter uma visão profética realmente bíblica, despreparados para manter um nível de combate da fé em linha com a Palavra de Deus. E como se isso não bastasse, até mesmo no seio de igrejas cristãs, vemos crescer a "importação" de métodos e costumes de outras crenças, disfarçados com outros nomes e roupagens. No entanto - é importante que se diga - a mentira sempre será mentira, mesmo disfarçada de verdade. E a verdade será sempre verdade, mesmo quando sufocada pelo engano crescente. Portanto, urge que guardemos a fé, em meio a tudo isso.
 
É sempre bom meditar em textos de advertência encontrados na Bíblia, como este:
 
"Portanto, cingindo os lombos do vosso entendimento, sede sóbrios, e esperai inteiramente na graça que se vos ofereceu na revelação de Jesus Cristo; Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância; Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. E, se invocais por Pai aquele que, sem acepção de pessoas, julga segundo a obra de cada um, andai em temor, durante o tempo da vossa peregrinação, Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós; E por ele credes em Deus, que o ressuscitou dentre os mortos, e lhe deu glória, para que a vossa fé e esperança estivessem em Deus;"
(1 Pedro 1.13-21)
 
Eles apontam para a base da nossa redenção e para o Autor da nossa salvação.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Lugar de mistério


Madrugada distante do amanhecer... No entanto, fui convocado a orar. Não consigo traduzir em palavras as dificuldades que encontrei para me manter em atitude de oração perante o Senhor. Se alguém pensa que orar é fácil; ou está tendo um privilégio que eu jamais tive; ou está confundindo a real atmosfera da oração secreta. É difícil entender tanta barreira existente e tanta luta travada no lugar de oração... Todavia, por mais intenso que seja o combate para prevalecer neste lugar de mistério; a causa que nos leva a orar e o que pretendemos alcançar, compensa qualquer sacrifício para ali permanecer.
 
Enquanto eu tentava me aprofundar em oração, chorei pela derrota do Brasil; não a derrota do Brasil do futebol - para a Alemanha - nesta Copa do Mundo (nossa derrota menor); mas a derrota do Brasil de todos nós... Na Copa da Saúde; na Copa da Educação; na Copa da Habitação; na Copa dos Transportes públicos; na Copa da Segurança Pública; na Copa da Infraestrutura. Enfim, o Brasil não se tornou perdedor nesta triste terça-feira; mas, vem sendo perdedor a muito tempo... Para os grandes lobby infiltrados em todas as instâncias do Poder que rege o país - causa e efeito das nossas maiores derrotas.
 
Então... Não devemos nos indispor contra aqueles onze rapazes perdidos em campo - sem saberem o que fazer nem para onde correr - por não terem conseguido resistir à pressão do preço do esforço que os rapazes alemães pagaram para nos derrotar; pois, afinal, maior derrota sofremos, quando agentes públicos dos Poderes que regem uma nação como a nossa se rendem ante o preço pago pelos oportunistas de plantão que sinalizam com elevadas somas e, assim, conseguem pagar o preço pelo qual se vendem (talvez - parafraseando o Barão de Itararé - eles valham bem menos do que aquilo que recebem).
 
Sempre nos faz um bem tremendo refletir sobre as advertências de Jesus:
 
"E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui. E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; E ele arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus."
(Lucas 12.15-21)
 
Precisamos definir onde está o nosso tesouro, antes que seja tarde demais!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 15 de julho de 2014

Dias que estão por vir


Dias atrás, após orar; estive refletindo sobre a reunião que tivemos com as os diversos obreiros das igrejas do Distrito de Vila Velha - na IMW Central de Vila Velha - sob a liderança do SD Pastor Geraldo Rodrigues. Sinto que as ministrações feitas; tanto por minha querida esposa Maria Célia (sobre o ministério "Desperta Débora"), como por mim (sobre crescimento da igreja local), poderão alavancar o crescimento que já ocorre nas igrejas do Distrito. Entretanto - falando a nível de 2ª Região - tenho notado que, por motivos as vezes indeterminados, alguns pastores e obreiros parecem estar desconectados com a natureza do ministério pastoral segundo o próprio Jesus. E não se trata de trabalhar bem ou mal; ou, de falta de dedicação e zelo; ou, mesmo, falta de oração; enfim... Em muitos casos, o fator de paralisação tem tudo a ver com critérios equivocados no modo de presidir e de reagir. Ainda bem que isso pode ser corrigido! Pois é mais fácil corrigir erros de avaliação e metodologia; do que compensar falta de espiritualidade e de caráter em um homem de Deus.
 
Mas (voltando ao meu momento de oração) enquanto eu ainda orava, problemas maiores e bem mais preocupantes me ocorreram. É que veio ao meu espírito o sensação do perigo que todos nós corremos nos dias de hoje. O Senhor me fez perceber que os conflitos e confrontos pelo mundo afora estão subindo de tom (fora do nosso alcance visual e auditivo) e não há como controlar o "ponto de fervura" do grande caldeirão das paixões carnais, que vem sendo efervescido pela maldade crescente entre os seres humanos, em todos os países deste depredado e sofrido planeta. Pude perceber o império da injustiça exercendo domínio e tornando legais atos de obscenidade e de blasfêmia contra o Deus do céu. Infelizmente, o povo de Deus vem sendo acuado entre os inimigos da fé e os vendilhões do Templo. Assim, a resposta ao sofrimento dos que vivem piamente em Jesus - como já ocorreu em outros tempos - virá de Cima. No entanto, em dias de extrema maldade, precisamos nos preparar para os dias que estão por vir... Dias de angústia que serão sucedidos pelo arrebatamento da Igreja.
 
Os crentes comprometidos com a Palavra de Deus, devem procurar refletir sobre este texto:
 
"Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz."
(II Pedro 3.7-14)
 
Ao discernirmos a profundidade deste texto, vemos que é de uma clareza profética admirável!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari