quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Sentimento de gratidão


Ao Deus eterno, Rei do universo, Criador do tempo e das estações, Autor da vida, Redentor da humanidade eu tributo honra, glória e adoração hoje e sempre! Faltam palavras para expressar o sentimento de adorador que trago comigo nesta manhã... Todavia, me prostro e me humilho aos Teus pés, eterno Salvador de minh'alma! Como agradecer em plenitude, por tudo o que tens feito por mim? Sentimento de mérito não existe, pois o lugar está preenchido pelo sentimento de gratidão. Obrigado, amado Pai; por teres me ungido e usado no domingo, para pregar na IMW Guarapari, pastoreada por meu filho Pastor Calegari; e ontem na IMW Vila Velha, pastoreada pelo Pastor Geraldo Rodrigues, em seus 40 anos de bela história de frutificação!
 
Obrigado, querido Senhor; pela esposa que me deste e pelos filhos que nasceram de nossa união. Amo tudo aquilo que me tens dado e me recuso a me prender àquilo que me tens tirado; pois, por maior prazer que eu sinta com minha querida família, amigos e irmãos; sei que Tu serás sempre a Fonte do meu prazer. Não sei se algum dia entenderei o modo como escolhes aqueles que pretendes usar no Teu reino... Todavia, me sinto eternamente grato por ter sido escolhido para uma honrosa missão que sinto não ter concluído; ainda que procure me entregar inteiramente ao teu propósito, para o seu pleno e fiel cumprimento. E sei que, assim como eu, existem inúmeros servos Teus, cujo coração é pleno de gratidão para contigo! Aleluia!
 
Na Bíblia, encontramos inúmeros textos que descrevem o sentimento de gratidão ao Senhor. E este salmo é um dos meus preferidos: "Celebrai com júbilo ao SENHOR, todas as terras. Servi ao Senhor com alegria; e entrai diante dele com canto. Sabei que o Senhor é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto. Entrai pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvai-o, e bendizei o seu nome. Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração." (Salmos 100:1-5). E quando finalmente percebermos aquilo que Deus nos deu e aquilo de que nos livrou; então, encontraremos razões para nos abrirmos na mais profunda gratidão ao Senhor!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Senti segurança e paz


Após orar nesta manhã, fiquei a pensar nos dias que temos pela frente... Já faz tempo, aprendi que não existe meio de saber sobre o que um novo dia nos reserva; pois, nem mesmo as revelações de Deus sobre os mesmos são detalhadas. Na verdade, a única segurança que tenho, quanto ao novo dia que está por vir; é que Jesus me exorta a não me preocupar com o dia seguinte; pois o dia que vivo, com os seus desafios e provações, já é suficiente para ocupar o meu tempo. Ao pensar nisso, senti alívio ao saber que preciso estar sempre na presença de Deus; pois, envolto em Sua graça, não preciso temer aquilo que não pode me atingir sem que Ele consinta; e quando Ele consente, também fornece os meios para que eu tenha proteção e direção em meio aos conflitos que devo enfrentar. Então, por que temer se a luta é grande? O meu Deus é bem maior que ela!
 
Senti segurança e paz... Uma sensação de satisfação e saciedade, por saber que tenho do Pai tudo aquilo que de fato preciso. Logo, por que me prender ao dia que passou - ou me assustar com o dia seguinte - se tenho o amor de Deus trabalhando em meu favor no dia de hoje?! Cheguei até a pensar naqueles que me olham com desprezo ou que me querem ver "pelas costas"... E senti compaixão deles; por não saberem que trabalhar em prol do reino de Deus não é trabalhar contra alguém em especial; e sim, trabalhar em favor daqueles que o reino abraçou; e também em favor daqueles que o reino ainda não descartou. Ah... Também senti que minha bolha de imunidade - aquela que envolve a mim e minha família - permanece inviolável. Enfim, por que temer nos dias maus ou sombrios? O Senhor é o meu refúgio, bem mais eficaz que um poderoso exército!
 
Recomendo a leitura deste salmo em sua totalidade; pois o destaque que ele dá ao valor da vida humana, é de suprema importância para quem busca a essência da verdadeira sabedoria: "Ouvi isto, vós todos os povos; inclinai os ouvidos, todos os moradores do mundo, Tanto baixos como altos, tanto ricos como pobres. A minha boca falará de sabedoria, e a meditação do meu coração será de entendimento. Inclinarei os meus ouvidos a uma parábola; declararei o meu enigma na harpa. Por que temerei eu nos dias maus, quando me cercar a iniqüidade dos que me armam ciladas? Aqueles que confiam na sua fazenda, e se gloriam na multidão das suas riquezas, Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele." (Salmos 49:1-7). Realmente, meditar nele nos leva a entender um pouco mais o real sentido da vida.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Fiz dois pedidos ao Senhor


Nesta manhã, ao acordar depois de um dia bem cansativo na véspera; consegui me prostrar perante o meu Senhor, do mesmo modo em que tenho procurado fazer ao longo do tempo. Digo isto, porque acredito na eficácia de uma vida de oração; tanto para nos conter em meio ao turbilhão de vozes e sentimentos que procuram nos introduzir em outra esfera de conduta e linguagem; como para conter as forças mundanas e profanas que conspiram contra nossa segurança em Deus e nossa eficiência naquilo que fazemos para Deus e Seu povo. Penso que Davi, o bravo homem de Deus do passado, não venceu suas lutas apenas por se conduzir com prudência; e que sua vitória seria ainda maior, se tivesse passado um bom momento de oração perante a face do Senhor, antes de subir naquele perigoso terraço.
 
É assim que penso! E creio não cometer exagero ou ilicitude em meu modo de pensar; quando afirmo que um dia iniciado aos pés do Senhor pode anular crises anunciadas e amenizar dores sofridas. E assim crendo, fiz dois pedidos ao Senhor: O primeiro, que Ele me guarde dos pequenos pecados, tanto quanto tem me guardado dos grande pecados. Porque, afinal, alguns pecados "inocentes" são condutores dos grandes pecados que nos assediam diariamente. Isso mesmo! Mentira, omissão e leviandade são perigosos, devido ao precedente que abrem em nossa estrutura espiritual e moral; abrindo caminho para males ainda maiores. E pedi que Ele me livre de me deixar influenciar ou surpreender pelos ardis de Satã; o qual procura, por todos os meios, me atrair para o seu jogo de miséria e horror.
 
Se procurarmos observar bem este texto, veremos que ele soa como solene advertência aos que defendem e procuram relacionamento mais cordial com o mundo: "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre." (1 João 2:15-17). Portanto, seja qual for a situação, nossa relação com este mundo deve levar em conta o que a Palavra de Deus oriente. Se queremos nos manter em comunhão com o Senhor, Sua Palavra e vida de oração deve ser a nossa preferência; tanto em nosso modo de pensar, como em nosso modo de falar e agir.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Verdadeira Noiva de Cristo


Que o nosso mundo (planeta) gira em torno do sol e em torno de si mesmo - tal e qual uma bailarina em sua coreografia - descrevendo círculos perfeitos, sem fugir do seu roteiro, todas as pessoas minimamente esclarecidas sabem. No entanto, o que a grande maioria das pessoas parecem desconhecer; é que o nosso mundo (sistema) segue a deriva, sem rumo e sem futuro - tal e qual um ser enlouquecido que não sabe de onde vem, nem o que pretende, nem para onde vai - cada vez mais perto do abismo para o qual, em sua perversão, se dirige. Já tenho dito, muitas vezes, que não sou profeta. Todavia, não é preciso ser profeta para saber que neste mundo - inimigo do Deus eterno - as coisas vão de mal a pior.
 
Graças a Deus, temos a presença da Igreja no mundo; Igreja que Jesus instituiu a cerca de dois mil anos atrás. A verdadeira Igreja de Cristo; que não depende do carisma e criatividade dos homens, para cumprir eficazmente sua missão no mundo. É bem verdade que, ao longos dos séculos, transita por esta terra uma "igreja" calibrada com o sistema vigente no mundo; com sua liturgia e seus códigos, procurando passar a impressão de que é uma igreja de Cristo. Embora procure disfarçar seus reais intentos - produzida e reproduzida em seus trajos brilhantes - sua natureza é percebida, nas alianças que forma e nas escolhas que faz. No entanto, a beleza da verdadeira Noiva de Cristo jamais poderá ser igualada!
 
Este entendimento de Paulo não é fruto de mera especulação:
 
"Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas; A saber, que os gentios são co-herdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho; Do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder. A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo, E demonstrar a todos qual seja a comunhão do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo; Para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, Segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor, No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele."
(Efésios 3:4-12)
 
Na verdade, sua visão da Igreja é fruto da mais pura revelação!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 22 de novembro de 2014

Na presença do Senhor


Um das lições que aprendo, sempre que vou ao lugar de oração; é a perceber a diferença entre religiosidade e vida com Deus. Tenho notado que mesmo o conhecimento da Bíblia - ou seu estudo sistemático - não é suficiente para produzir vida com Deus (se fosse, não haveria tantas heresias nascidas de um conceito errado sobre aquilo que a Escritura diz). Aos pés do Senhor, aprendi que a religião se sente bem sob com qualquer manto (budismo, islamismo, animismo...Até mesmo o do cristianismo); e que a religiosidade - seja qual for o seu disfarce - induz aos mesmos erros de auto avaliação (de que somos "bons"; de que estamos "com Deus"; de que temos a "verdade"). Daí, o perigo da religiosidade pura e simples, qualquer que seja o seu disfarce; pois ela nos dá a falsa sensação de que estamos no caminho certo e de que podemos servir a Deus do nosso jeito.
 
Outra lição que tenho aprendido; é que no lugar de oração - caso haja um nível aceitável de verdade em nossa prostração - os disfarces não se sustentam. Na presença de Deus - em verdadeira contrição - reencontramos o caminho de volta à família e o caminho de volta aos valores de uma vida nascida de novo. Precisamos estar atentos; pois o pecado procura impor sua legitimidade, buscando base nos pressupostos da religiosidade (de que Deus precisa de nós, de que nos aceita de qualquer jeito, de que todo caminho leva a Deus... E por aí vai); mas quando nos rendemos na presença do Senhor; o pecado não tem como se ocultar e revela sua verdadeira face. É diante de Deus que um adultero ou criminoso consegue ver a maldade dos seus atos; tanto quanto um pastor equivocado pode reencontrar o real sentido de sua missão: O compromisso de cuidar das ovelhas de Jesus.
 
Este capítulo revela a essência da vida com Deus:
 
"Resta, irmãos meus, que vos regozijeis no Senhor. Não me aborreço de escrever-vos as mesmas coisas, e é segurança para vós. Guardai-vos dos cães, guardai-vos dos maus obreiros, guardai-vos da circuncisão; Porque a circuncisão somos nós, que servimos a Deus em espírito, e nos gloriamos em Jesus Cristo, e não confiamos na carne. Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu; Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível. Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos. Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Por isso todos quantos já somos perfeitos, sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa de outra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo. Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam. Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, Cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas. Mas a nossa cidade está nos céus, de onde também esperamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo, Que transformará o nosso corpo abatido, para ser conforme o seu corpo glorioso, segundo o seu eficaz poder de sujeitar também a si todas as coisas."
(Filipenses 3:1-21)
 
Portanto, recomendo profunda meditação sobre o mesmo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

O último grão de areia


Hoje, após passar algum tempo com o Senhor em oração; fiquei a pensar na brevidade e imprevisibilidade da vida... Ainda que alguns tenham pouca ou nenhuma preocupação quanto a isso. É verdade... Pensei na onisciência do Deus eterno; em Seu domínio sobre todos os seres e coisas. Então, considerei: Este Deus, que se preocupa em contar os fios de cabelo que possuímos e com a queda de uma simples folha; sim, Ele tem a medida exata de nossa existência sob Seu controle; sem que tenhamos como interferir neste assunto tão delicado, que é o tempo de duração da vida humana. Assim, me fez bem saber que minha vida tem seu tempo definido pelo Senhor; e que se esvai - tal e qual uma ampulheta do tempo, cujos grãos de areia correm, até que fique apenas o último grão - sem que eu possa estender o seu prazo... Assim é o tempo, assim é a vida.
 
Como me senti bem por saber que o meu Deus tem o controle de todo este processo, até que caia o último grão de areia! Que prazer eu senti, ao me dar conta de que o meu futuro não está no último grão de areia a percorrer o derradeiro caminho da existência; mas, sim, em tudo aquilo que vem depois! Não há quem me leve a deixar de crer, que a maior loucura da vida é ignorar a graça de Deus revelada em Jesus. É louca a obstinada rejeição ao convite de Jesus; porque, afinal, nunca sabemos quando o último grão de areia vai cair... Portanto, nada mais sensato do que nos colocarmos nas mãos de Deus; especialmente vivendo em um mundo marcado por blasfêmia e profanação crescente. Que maravilha é poder desfrutar das promessas do Pai; sem medo do "dia seguinte", após o último grão de areia; pois haverá segurança e paz garantida no futuro com Jesus!
 
A Palavra de Deus tem resposta para todas as questões da existência. Estou convencido de que todos os homens deveriam, ao menos uma vez na vida, ler ou ouvir esta mensagem de Jesus: "Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também. Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho. Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14:1-6). E minha convicção reside no fato de que a verdadeira Vida, nela se revela em toda a sua força e plenitude.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Provações amigas minhas


Hoje, ao buscar a presença do Senhor, senti um forte impulso para agradecer a Deus por ter me sustentado todo este tempo (estou me referindo a cinquenta anos de vida cristã bem vivida). Foram muitas as provações; tantas quantas foram as realizações. Porém, corri muito mais perigo com os resultados do meu trabalho, do que com as perigos enfrentados no entrevero. Me recordei dos dias em que minha vida de oração diminuiu o ritmo, devido à "folga" que me dei a mim mesmo, após grandes lutas. É... Nessas ocasiões, só não sucumbi devido ao cuidado do Senhor para comigo - menino ainda ingênuo (talvez seja ingênuo ate hoje) - sem noção do fragor da tempestade que vem após a calmaria. Pois é... Importa saber que lidar com a provação pode ser menos perigoso que lidar com a consagração.
 
Lagrimas correram dos meus olhos, ao me dar conta de que minhas provações sempre foram "amigas"... Pois, sempre me "empurraram" para o lugar de oração, refúgio garantido contra o mal recorrente. No entanto, antes de continuar, preciso afirmar que não estou generalizando. Entretanto, nas provações da vida, existe a tendência quase natural de nos refugiarmos no altar; ao passo que, após uma grande vitória, ou missão bem sucedida, é mais provável "festejarmos" em uma pizzaria ou algo do gênero. Talvez seja por isso, que demorei a perceber que minhas provações não são minhas maiores adversárias (alguns homens de Deus caíram enquanto descansavam). Obrigado, meu amado Pai, por teres me guardado em meio aos festejos da vitória; tanto quanto me guardaste, quando sob intenso fogo de cruel perseguição.
 
As exortações da Palavra sempre visam um fim proveitoso. Esta tem o dom de colocar nossos sentimentos em seu devido lugar: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um." (Romanos 12:1-3). Se observarmos bem, veremos que ela aponta para o fato de que jamais devemos nos opor às correções do Senhor.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari