quinta-feira, 26 de maio de 2016

Somos como um jardim


Manhã fria em Petrópolis, com sensação térmica que exigiu cama bem aquecida. É... Nestes tempos de aflição, vivemos dias frios e difíceis; algo como se estivéssemos em um redemoinho de loucura. Enquanto eu reflito sobre isto e muito mais; o meu espírito se vale da razão, para agradecer a Deus pela graça que jamais nos falta. Não sei se você, que lê esta mensagem, consegue enumerar as bênçãos alcançadas ao longo da semana... Eu não consigo! Nesta vida, quando tratados e regados pelo Senhor, somos como um jardim onde germinam e florescem as mais belas e perfumadas flores.

Na verdade, antes de sermos o jardim que hoje somos; éramos como uma terra imprópria - cheia de lixo e pedregulho - sem a menor condição de produzir belas flores e bons frutos. Todavia, o amado Pai em Seu infinito amor enviou Seu amado Filho Jesus, que se curvou em nossa direção assumindo as nossas as dores e perdoando os nossos pecados. Portanto, em tempo algum devemos esquecer aquele que transformou nosso solo árido em terra fértil. Posto que, esquecer esta dádiva é voltar à estaca zero; e, bem pior ainda, macular o jardim - antes florido - transformando o mesmo em um solo estéril.

Perdi a conta, das vezes em que fui edificado por esta palavra: "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; Vós, que em outro tempo não éreis povo, mas agora sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia. Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma" (1 Pedro 2:9-12). Ao longo de minha vida, como tenho aprendido com este texto!

Como esta canção fecha bem esta reflexão!
https://youtu.be/-eq045iakyY

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Oração em espírito


Na vida, existem situações para as quais todos precisamos estar preparados; e não me refiro apenas aos desafios diários, ou aos problemas inesperados que surgem. Na verdade, reencontrar um amigo, receber o abraço de alguém, estar em um balcão de trabalho, ou em uma sala de aula... Enfim; até mesmo participar de um culto ao Senhor exige condicionamento prévio. Portanto, devemos estar sempre preparados para o elemento surpresa. Sei que o que eu digo pode parecer obvio... Todavia; algumas vezes, tenho testemunhado o constrangimento que o despreparo pode causar, em certos encontros e reencontros.

Quando eu me refiro à necessidade de preparo; não estou visando somente o condicionamento psicológico; mas, ao preparo espiritual acima de tudo. Quantas reações inoportunas e julgamentos errados têm sido causados por falta de um preparo prévio. Quantos males poderiam ser evitados, se nos preparássemos melhor para aquilo que é imprevisível. Por estas e por outras razões, venho alertar quanto à necessidade de nos mantermos em espirito de oração. Porém, para que haja espírito de oração; primeiro é necessário que haja oração em espírito. Enfim, este é o condicionamento ao qual me refiro: Oração!

Examinando este texto, vejo que ele propõe este condicionamento: "Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, Remindo o tempo; porquanto os dias são maus. Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito; Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo;" (Efésios 5:15-20). Portanto, cabe à todos nós refletir e orar.

Esta é uma boa canção para ouvirmos nesta manhã:
https://youtu.be/l-FlUQn2Xb4

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 24 de maio de 2016

Dia do Pastor Wesleyano


No calendário wesleyano, esta é uma data que propõe necessidade de reflexão - tanto aos pastores, como às ovelhas - pois fazemos parte de um projeto divino que nos compromete com valores tidos por sagrados. São valores que implicam em entrega plena; mesmo quando os acumulamos com outras ocupações temporais. Estes valores se resumem em duas esferas que são essenciais: Rebanho e pastorado. No contexto destes valores, eu sempre me pergunto: Até onde a responsabilidade e a representatividade de um pastor lhe permite ir, no exercício de seu ministério? Isto me preocupa.

A vida de um pastor ou de uma ovelha é marcada por indagações, do tipo: Até que ponto devo cumprir a minha própria vontade; sem que a vontade de Deus seja descumprida? Ou: Como devo agir, de modo a não me enfraquecer com a massagem dos bajuladores, ou me embrutecer com a pressão dos opositores? Ou: Até que ponto eu posso conjugar os meus projetos pessoais, com os interesses do reino de Deus? Ou: Como manter em perfeito equilíbrio, valores da fé e da razão? Sei que existem outros questionamentos; todavia, estes já dão o que pensar! Mas, com a mente de Cristo, podemos chegar à resposta certa.

Realmente; não há como entender a complexidade de nossa posição no Corpo de Cristo, sem refletirmos com a mente de Cristo: "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo." (1 Coríntios 2:14-16). Segundo a orientação deste texto, somente cultivando o caráter de homem espiritual, poderemos obter a mente de Cristo.

Esta canção ajuda a nos aproximar do texto proposto:
https://youtu.be/V3-6CQd17dE

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Graça e santidade bíblica


Hoje o meu pensamento se voltou para as promessas do Pai. Logo no início de minha jornada cristã, comecei a ser ensinado sobre as promessas de Deus; e, desde então, comecei a estudar sobre elas, com a finalidade de saber como obter os benefícios que elas oferecem. O que descobri é que o cumprimento das promessas de Deus (no que tange ao que pretendo alcançar); está condicionado pelos ensinos de Sua Palavra. Portanto, se pretendo alcançar justiça eterna; devo ser não apenas povo cristão (no vago sentido da palavra); mas, me tornar filho de Deus (um crente renascido), para ser povo de Deus na terra.

Na verdade, as promessas de Pai têm múltiplas abrangências; tais como: Saúde, paz, família, prazer, comunhão, amizade, emprego e renda, prosperidade e outras afins; todas baseadas na plenitude da graça. Todavia, sua prioridade maior é garantir segurança eterna ao ser humano restaurado pela obra da cruz, consumada por Jesus no calvário. E assim, frente à cena do gólgota, os inimigos da fé cristã, em tom de desprezo, rotulam o povo de Deus de povo da cruz (e nós somos mesmo!). Entretanto, o que não devemos ignorar é que Deus nos impõe condições, para desfrutarmos plenamente de Sua graça.

A graça está ligada à santidade bíblica: "Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum." (Romanos 6:12-15). Portanto, a graça não encobre pecado.

Belo vídeo este! Bom para ouvir e assistir:
https://youtu.be/2XnE9_Vfx-8

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 22 de maio de 2016

Força e fragilidade


Existem ocasiões, que o clamor do espírito humano se antecipa ao desejo do cristão, em sua necessidade de orar e buscar a Deus. E, nesta madrugada, experimentei mais uma vez este sentimento. Na verdade, duas palavras se impuseram em meu raciocínio: Força e fragilidade. Enquanto eu orava; percebi que elas conflitavam entre si, sobre quem deveria ter domínio sobre minhas ações - se uma ou se a outra. Ao pensar na diferença entre ambas, cheguei à seguinte conclusão: Se a força me faz ser ousado; a fragilidade me torna carente. Força me torna replicante; fragilidade me torna suplicante.

Ao refletir sobre ambas (força e fragilidade), concluí que elas se conjugam muito bem, quando equiparadas. Enquanto a força me ordena levantar e andar; a fragilidade sugere que eu me ajoelhe e ore. A primeira me impõe sair a campo aberto e lutar; a segunda me aconselha a buscar o socorro de Deus, antes de agir. Então, preciso entender que ambas são importantes; pois, se a "força" me faz levantar a cabeça ante Satã e os homens; a "fragilidade" me faz curvar a fronte perante Deus e os anjos. Assim, eu concluo que preciso das duas: força para lutar; e fragilidade para buscar força em Deus.

Leia este texto:

"E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte."
(2 Coríntios 12:7-10).

E medite nele.

Em horas assim, vale a pena ouvir esta canção do grupo Logos:
https://youtu.be/V6wEGmT2pY0

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 21 de maio de 2016

A vida é como um rio


Algo que sempre me impressiona e me faz refletir; é o curso de um rio (mesmo um igarapé ou regato) a percorrer seu leito sinuoso, serpenteando entre montanha e vales, até chegar à sua foz, em sua missão de levar vida e beleza ao longo do percurso. Todavia; é inquietante pensar nos estragos e males que um rio pode causar, ao transbordar em suas cheias; ou ao ser contaminado por aqueles que lançam sobre ele o lixo que produzem. Meu Senhor... Quanta dor e prejuízo pode causar um rio, quando enfurecido ou contaminado. É comum ouvirmos, de sonhos e projetos desfeito por um rio em fúria. Tais desastres, sempre me levam a pensar na existência humana.

A vida humana é como um rio em seu curso. Se bem orientada e regida por bons princípios, pode dar valiosa contribuição ao longo de sua existência. No entanto, quanto sem rumo e sem propósito, ela se torna um perigo à quem convive com ela e aos que cruzam o seu caminho. Daí a necessidade de bons e sólidos princípios, para que sua razão de ser e existir seja plenamente cumprida no mundo. Em minha boa formação cristã, tenho percebido que a Bíblia oferece um conjunto de normas aos seus seguidores; todas baseadas na "boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12:2). Que bom seria, se todos os crentes vivessem e se deixassem conduzir por elas.

Este texto bíblico nos oferece um conjunto de princípios: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um." (Romanos 12:1-3). E é dever dos crentes, observar e respeitar os mesmos!

Esta é uma boa canção para ouvir e cantar neste momento:
https://youtu.be/puxO3bVAjoU

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Quero deixar bem claro


Sei o quanto preciso buscar a Deus em oração; eu e todos os que professam fé em Jesus. E hoje, enquanto eu orava, fui assaltado pelo seguinte pensamento: Por que eu sempre falo em provações; se este parece ser um sermão em desuso? Se muitos nem querem ouvir falar sobre estes e outros temas afins; como se tais assuntos conferissem má sorte ou maldição a quem os ouve? Então, senti o Senhor me confortar com Sua presença... E me fazer saber que a mensagem divina não tem que se prender ao que as pessoas querem ouvir; ou seguir certas ondas passageiras. Amém! Como me confortou ouvir isto mais uma vez!

Quero deixar bem claro! Creio na cura divina e na vitória do crente; pois creio em milagre. Creio em renovação e em avivamento; pois creio no agir de Deus! Na verdade, para contar os milagres que já vi e as vitórias que alcancei; eu precisaria gastar muitas horas. Ocorre que a Palavra de Deus nos adverte, quanto ao dever de orar, vigiar e se preparar para lidar com provações; pois elas estão presentes na jornada do cristão. Quem ainda não lidou com problemas no lar? Quem ainda não derramou lágrimas por lutas e dores sofridas? Sim! temos aflições. Porém, devemos ter bom ânimo; pois, temos Jesus conosco!

Isto é para ser lido e entendido, pelos que servem a Deus: "Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não dizes parábola alguma. Agora conhecemos que sabes tudo, e não precisas de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Credes agora? Eis que chega a hora, e já se aproxima, em que vós sereis dispersos cada um para sua parte, e me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo. Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (João 16:29-33). E ensinado!

Vamos ouvir novamente esta abençoada canção:
https://youtu.be/KzvR1sG1YmY

Cordialmente;
Bispo Calegari