terça-feira, 31 de maio de 2016

Despedidas são inevitáveis


Hora de arrumar as malas, de abraçar os amigos e irmãos, de dizer "até qualquer dia". Mas, a vida é assim. Sempre existe hora e lugar, em que as despedidas são inevitáveis. Na verdade, em algumas ocasiões, até mesmo o próprio Deus nos une e nos separa. Então, devemos estar preparados para as chegadas e partidas; pois o que importa mesmo é o pleno cumprimento do propósito de Deus em nossas vidas. Enquanto seguimos, vamos suprindo nossa memória de lembranças (umas boas; outras nem tanto). Todavia, precisamos entender que nossa prioridade é que a vontade de Deus seja feita.

Tenho entendido que a vontade de Deus jamais irá contrariar o Seu propósito. Ela representa um marco de segurança para todos nós; daí, a oração do "Pai nosso" rogar que Sua vontade seja feita aqui, como é feita no céu. Existe o perigo de confundirmos a vontade de Deus com os nossos desejos e ambições pessoais; e isto acontece, até quando lidamos com o sagrado (qual o obreiro que ainda não foi tentado a cobiçar um cargo ou ocupação na obra de Deus, pelo fato do mesmo lhe dar visibilidade e sensação de brilho e poder?). Enfim... Precisamos estar atentos ao que Deus quer nos falar e ensinar.

Medite neste texto:

"Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai."
(Filipenses 2:4-11)

Ele ajuda, e muito!

Vamos buscar também ajuda nesta canção do Asaph Borba:
https://youtu.be/6CL2Q1b7TQU

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 29 de maio de 2016

Recurso de grande valor


Ontem ao longo do dia, estive renovando o meu conhecimento e as minhas reservas espirituais, sob as ministrações que foram trazidas a todos os participantes desta "Atualização Teológica". Cada vez que eu medito nos desafios que a vida impõe; penso também na importância de momentos assim... Pois, vivemos num redemoinho provocado pelos dias maus destes tempos difíceis. Ainda bem, que aprendi a valorizar a importância da oração de guerra mesclada à oração de intercessão. Embora o conteúdo da oração seja secreto; tenho consciência de que preciso testemunhar do valor da oração na vida do crente.

Na verdade, os tempos difíceis que vivemos trazem em sua esteira os dias maus que, muitas vezes, nos fazem chorar e gemer. Ainda bem que podemos contar com os frutos de uma oração bem feita e aceita aos olhos do Pai; pois ela é um recurso de grande valor, seja qual for a luta ou problemas que estejamos enfrentando. Quando percebo um cristão enfraquecido em seu ânimo, ou propenso a se desviar do caminho do Senhor; sei que se trata de mais uma vítima da falta de oração. Afinal, quando é que certos crentes vão entender, que um tempo de oração aos pés do Senhor refaz as forças perdidas!

Já perdi a conta, das vezes em que preguei sobre este texto bíblico:

"E contou-lhes também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer, Dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem. Havia também, naquela mesma cidade, uma certa viúva, que ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário. E por algum tempo não quis atendê-la; mas depois disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, Todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte, e me importune muito. E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz. E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?"
(Lucas 18:1-7)

Todavia, jamais consegui traduzir tudo aquilo que senti através dele.

Proponho ouvir e meditar nesta canção de Bruna Karla:
https://youtu.be/ppJEjBfLh9E

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 28 de maio de 2016

"Atualização Teológica"


Que bom! Já colhi os meus primeiros frutos, de minha presença na "Semana de Atualização Teológica". Abracei e conversei com muitos amigos (alguns, não via à muito tempo); e hoje começa a série de ministrações (uma boa seleção), cujo objetivo é nos enriquecer por dentro e pautar por fora. Creio que será proveitosa. Na verdade, precisamos aprender sempre e entender melhor, verdades já bem conhecidas nossas; todavia, nem sempre bem interpretadas; e, as vezes, mal aplicadas. Enfim, é como se estivéssemos em um laboratório. 

Enquanto tento me condicionar penso na vida, na família, enfim... Sempre acreditei que é muito mais difícil lidar com ganhos, do que com perdas. Talvez seja esta a razão pela qual tantos se deem tão mal na administração de seus recursos (família ferida, poupança esgotada, saúde perdida). Mas, como dizem os nortistas; devemos manter sempre "um olho no peixe, outro no gato" (nesta figura que uso, o peixe é Jesus e seu amor; o gato é Satã e sua fúria). Então, aproveitemos bem esta semana; pois, digo com certeza que estamos no lugar certo.

Este texto nos propõe uma atitude a ser tomada: "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus." (Hebreus 12:1,2). Então, devemos manter nossa mente na proposta e nossos olhos no Alvo.

Gente! Como esta canção me faz bem:
https://youtu.be/SRjWqPdH6UY

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 27 de maio de 2016

Amar e perdoar pode libertar


Fiz algum esforço para me levantar e me dirigir ao lugar de oração (quando Petrópolis resolve ser fria, não é fácil deixar o leito). Como é importante buscar a face do Senhor! Tanto, que aqueles que mais oram são os que mais vencem lutas, os que mais produzem frutos. Enquanto eu orava, pedi a Deus que me ensine a amar e perdoar; pois amor e perdão não são apenas meras palavras; mas, atitudes claras e objetivas. Que não é fácil amar quem nos magoa e ofende, todos nós sabemos; tanto quanto sabemos sobre o dever de amar. Todavia, amar e perdoar pode libertar os seus doadores; ainda que nem sempre consiga ajudar e redimir os que são por eles amados.

No lugar de oração, sempre aprendemos lições importantes com o Senhor. E nesta manhã, fui ensinado sobre o valor da sabedoria e do conhecimento (pensei que já conhecesse o suficiente sobre este assunto; porém o Senhor me fez entender que jamais conhecemos alguma coisa com suficiência). Ouvi que sabedoria e conhecimento formam um dueto afinado, capaz de enriquecer e enobrecer os que por ele são brindados. Aprendi que sabedoria e conhecimento se afinam, para maior proveito de todos; sendo que, a sabedoria pode sobreviver sem conhecimento; todavia, o conhecimento desprovido de sabedoria pode se arruinar. Realmente... Eles formam um par perfeito!

Vejo a sabedoria como essência e o conhecimento como acessório:

"Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e esconderes contigo os meus mandamentos, Para fazeres o teu ouvido atento à sabedoria; e inclinares o teu coração ao entendimento; Se clamares por conhecimento, e por inteligência alçares a tua voz, Se como a prata a buscares e como a tesouros escondidos a procurares, Então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus. Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca é que vem o conhecimento e o entendimento. Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos. Escudo é para os que caminham na sinceridade, Para que guardem as veredas do juízo. Ele preservará o caminho dos seus santos. Então entenderás a justiça, o juízo, a equidade e todas as boas veredas."
(Provérbios 2:1-9)

E ambos se conjugam, para a glória de Deus e saúde dos homens.

Obrigado, irmão Asaph Borba, por esta preciosidade em forma de canção:
https://youtu.be/xK9KlbAoqCk

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Somos como um jardim


Manhã fria em Petrópolis, com sensação térmica que exigiu cama bem aquecida. É... Nestes tempos de aflição, vivemos dias frios e difíceis; algo como se estivéssemos em um redemoinho de loucura. Enquanto eu reflito sobre isto e muito mais; o meu espírito se vale da razão, para agradecer a Deus pela graça que jamais nos falta. Não sei se você, que lê esta mensagem, consegue enumerar as bênçãos alcançadas ao longo da semana... Eu não consigo! Nesta vida, quando tratados e regados pelo Senhor, somos como um jardim onde germinam e florescem as mais belas e perfumadas flores.

Na verdade, antes de sermos o jardim que hoje somos; éramos como uma terra imprópria - cheia de lixo e pedregulho - sem a menor condição de produzir belas flores e bons frutos. Todavia, o amado Pai em Seu infinito amor enviou Seu amado Filho Jesus, que se curvou em nossa direção assumindo as nossas as dores e perdoando os nossos pecados. Portanto, em tempo algum devemos esquecer aquele que transformou nosso solo árido em terra fértil. Posto que, esquecer esta dádiva é voltar à estaca zero; e, bem pior ainda, macular o jardim - antes florido - transformando o mesmo em um solo estéril.

Perdi a conta, das vezes em que fui edificado por esta palavra: "Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; Vós, que em outro tempo não éreis povo, mas agora sois povo de Deus; que não tínheis alcançado misericórdia, mas agora alcançastes misericórdia. Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma" (1 Pedro 2:9-12). Ao longo de minha vida, como tenho aprendido com este texto!

Como esta canção fecha bem esta reflexão!
https://youtu.be/-eq045iakyY

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Oração em espírito


Na vida, existem situações para as quais todos precisamos estar preparados; e não me refiro apenas aos desafios diários, ou aos problemas inesperados que surgem. Na verdade, reencontrar um amigo, receber o abraço de alguém, estar em um balcão de trabalho, ou em uma sala de aula... Enfim; até mesmo participar de um culto ao Senhor exige condicionamento prévio. Portanto, devemos estar sempre preparados para o elemento surpresa. Sei que o que eu digo pode parecer obvio... Todavia; algumas vezes, tenho testemunhado o constrangimento que o despreparo pode causar, em certos encontros e reencontros.

Quando eu me refiro à necessidade de preparo; não estou visando somente o condicionamento psicológico; mas, ao preparo espiritual acima de tudo. Quantas reações inoportunas e julgamentos errados têm sido causados por falta de um preparo prévio. Quantos males poderiam ser evitados, se nos preparássemos melhor para aquilo que é imprevisível. Por estas e por outras razões, venho alertar quanto à necessidade de nos mantermos em espirito de oração. Porém, para que haja espírito de oração; primeiro é necessário que haja oração em espírito. Enfim, este é o condicionamento ao qual me refiro: Oração!

Examinando este texto, vejo que ele propõe este condicionamento: "Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, mas como sábios, Remindo o tempo; porquanto os dias são maus. Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor. E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito; Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração; Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo;" (Efésios 5:15-20). Portanto, cabe à todos nós refletir e orar.

Esta é uma boa canção para ouvirmos nesta manhã:
https://youtu.be/l-FlUQn2Xb4

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 24 de maio de 2016

Dia do Pastor Wesleyano


No calendário wesleyano, esta é uma data que propõe necessidade de reflexão - tanto aos pastores, como às ovelhas - pois fazemos parte de um projeto divino que nos compromete com valores tidos por sagrados. São valores que implicam em entrega plena; mesmo quando os acumulamos com outras ocupações temporais. Estes valores se resumem em duas esferas que são essenciais: Rebanho e pastorado. No contexto destes valores, eu sempre me pergunto: Até onde a responsabilidade e a representatividade de um pastor lhe permite ir, no exercício de seu ministério? Isto me preocupa.

A vida de um pastor ou de uma ovelha é marcada por indagações, do tipo: Até que ponto devo cumprir a minha própria vontade; sem que a vontade de Deus seja descumprida? Ou: Como devo agir, de modo a não me enfraquecer com a massagem dos bajuladores, ou me embrutecer com a pressão dos opositores? Ou: Até que ponto eu posso conjugar os meus projetos pessoais, com os interesses do reino de Deus? Ou: Como manter em perfeito equilíbrio, valores da fé e da razão? Sei que existem outros questionamentos; todavia, estes já dão o que pensar! Mas, com a mente de Cristo, podemos chegar à resposta certa.

Realmente; não há como entender a complexidade de nossa posição no Corpo de Cristo, sem refletirmos com a mente de Cristo: "Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque, quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo." (1 Coríntios 2:14-16). Segundo a orientação deste texto, somente cultivando o caráter de homem espiritual, poderemos obter a mente de Cristo.

Esta canção ajuda a nos aproximar do texto proposto:
https://youtu.be/V3-6CQd17dE

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Graça e santidade bíblica


Hoje o meu pensamento se voltou para as promessas do Pai. Logo no início de minha jornada cristã, comecei a ser ensinado sobre as promessas de Deus; e, desde então, comecei a estudar sobre elas, com a finalidade de saber como obter os benefícios que elas oferecem. O que descobri é que o cumprimento das promessas de Deus (no que tange ao que pretendo alcançar); está condicionado pelos ensinos de Sua Palavra. Portanto, se pretendo alcançar justiça eterna; devo ser não apenas povo cristão (no vago sentido da palavra); mas, me tornar filho de Deus (um crente renascido), para ser povo de Deus na terra.

Na verdade, as promessas de Pai têm múltiplas abrangências; tais como: Saúde, paz, família, prazer, comunhão, amizade, emprego e renda, prosperidade e outras afins; todas baseadas na plenitude da graça. Todavia, sua prioridade maior é garantir segurança eterna ao ser humano restaurado pela obra da cruz, consumada por Jesus no calvário. E assim, frente à cena do gólgota, os inimigos da fé cristã, em tom de desprezo, rotulam o povo de Deus de povo da cruz (e nós somos mesmo!). Entretanto, o que não devemos ignorar é que Deus nos impõe condições, para desfrutarmos plenamente de Sua graça.

A graça está ligada à santidade bíblica: "Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, para lhe obedecerdes em suas concupiscências; Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos de iniquidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça. Porque o pecado não terá domínio sobre vós, pois não estais debaixo da lei, mas debaixo da graça. Pois que? Pecaremos porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De modo nenhum." (Romanos 6:12-15). Portanto, a graça não encobre pecado.

Belo vídeo este! Bom para ouvir e assistir:
https://youtu.be/2XnE9_Vfx-8

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 22 de maio de 2016

Força e fragilidade


Existem ocasiões, que o clamor do espírito humano se antecipa ao desejo do cristão, em sua necessidade de orar e buscar a Deus. E, nesta madrugada, experimentei mais uma vez este sentimento. Na verdade, duas palavras se impuseram em meu raciocínio: Força e fragilidade. Enquanto eu orava; percebi que elas conflitavam entre si, sobre quem deveria ter domínio sobre minhas ações - se uma ou se a outra. Ao pensar na diferença entre ambas, cheguei à seguinte conclusão: Se a força me faz ser ousado; a fragilidade me torna carente. Força me torna replicante; fragilidade me torna suplicante.

Ao refletir sobre ambas (força e fragilidade), concluí que elas se conjugam muito bem, quando equiparadas. Enquanto a força me ordena levantar e andar; a fragilidade sugere que eu me ajoelhe e ore. A primeira me impõe sair a campo aberto e lutar; a segunda me aconselha a buscar o socorro de Deus, antes de agir. Então, preciso entender que ambas são importantes; pois, se a "força" me faz levantar a cabeça ante Satã e os homens; a "fragilidade" me faz curvar a fronte perante Deus e os anjos. Assim, eu concluo que preciso das duas: força para lutar; e fragilidade para buscar força em Deus.

Leia este texto:

"E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte."
(2 Coríntios 12:7-10).

E medite nele.

Em horas assim, vale a pena ouvir esta canção do grupo Logos:
https://youtu.be/V6wEGmT2pY0

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 21 de maio de 2016

A vida é como um rio


Algo que sempre me impressiona e me faz refletir; é o curso de um rio (mesmo um igarapé ou regato) a percorrer seu leito sinuoso, serpenteando entre montanha e vales, até chegar à sua foz, em sua missão de levar vida e beleza ao longo do percurso. Todavia; é inquietante pensar nos estragos e males que um rio pode causar, ao transbordar em suas cheias; ou ao ser contaminado por aqueles que lançam sobre ele o lixo que produzem. Meu Senhor... Quanta dor e prejuízo pode causar um rio, quando enfurecido ou contaminado. É comum ouvirmos, de sonhos e projetos desfeito por um rio em fúria. Tais desastres, sempre me levam a pensar na existência humana.

A vida humana é como um rio em seu curso. Se bem orientada e regida por bons princípios, pode dar valiosa contribuição ao longo de sua existência. No entanto, quanto sem rumo e sem propósito, ela se torna um perigo à quem convive com ela e aos que cruzam o seu caminho. Daí a necessidade de bons e sólidos princípios, para que sua razão de ser e existir seja plenamente cumprida no mundo. Em minha boa formação cristã, tenho percebido que a Bíblia oferece um conjunto de normas aos seus seguidores; todas baseadas na "boa, agradável, e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12:2). Que bom seria, se todos os crentes vivessem e se deixassem conduzir por elas.

Este texto bíblico nos oferece um conjunto de princípios: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um." (Romanos 12:1-3). E é dever dos crentes, observar e respeitar os mesmos!

Esta é uma boa canção para ouvir e cantar neste momento:
https://youtu.be/puxO3bVAjoU

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Quero deixar bem claro


Sei o quanto preciso buscar a Deus em oração; eu e todos os que professam fé em Jesus. E hoje, enquanto eu orava, fui assaltado pelo seguinte pensamento: Por que eu sempre falo em provações; se este parece ser um sermão em desuso? Se muitos nem querem ouvir falar sobre estes e outros temas afins; como se tais assuntos conferissem má sorte ou maldição a quem os ouve? Então, senti o Senhor me confortar com Sua presença... E me fazer saber que a mensagem divina não tem que se prender ao que as pessoas querem ouvir; ou seguir certas ondas passageiras. Amém! Como me confortou ouvir isto mais uma vez!

Quero deixar bem claro! Creio na cura divina e na vitória do crente; pois creio em milagre. Creio em renovação e em avivamento; pois creio no agir de Deus! Na verdade, para contar os milagres que já vi e as vitórias que alcancei; eu precisaria gastar muitas horas. Ocorre que a Palavra de Deus nos adverte, quanto ao dever de orar, vigiar e se preparar para lidar com provações; pois elas estão presentes na jornada do cristão. Quem ainda não lidou com problemas no lar? Quem ainda não derramou lágrimas por lutas e dores sofridas? Sim! temos aflições. Porém, devemos ter bom ânimo; pois, temos Jesus conosco!

Isto é para ser lido e entendido, pelos que servem a Deus: "Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não dizes parábola alguma. Agora conhecemos que sabes tudo, e não precisas de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus. Respondeu-lhes Jesus: Credes agora? Eis que chega a hora, e já se aproxima, em que vós sereis dispersos cada um para sua parte, e me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo. Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo." (João 16:29-33). E ensinado!

Vamos ouvir novamente esta abençoada canção:
https://youtu.be/KzvR1sG1YmY

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Neste meu pequeno mundo


Manhã bem cedo! Antes do cantar dos pássaros, precisei orar; pois o dia será longo, mais uma viagem à nossa espera. Fiquei a pensar no querido e sempre lembrado Pastor Octacílio, que conheci em Porto Velho. Em meu íntimo, cantei a canção que compôs, gravada pelo saudoso cantor Edgar Martins. Pensei na viagem que faço a tantos anos... Pois é; eu me sinto como viajante no tempo, vendo através da janela as variadas paisagens (como se elas estivessem a passar, eu parado no tempo). Desço em cada estação e cumpro minha breve missão e prossigo; pois ainda há estações à frente, até chegar à última estação; onde a viagem termina e a nova Vida se inicia.

Pensei em minha vida (como não pensar?); e nos valores que levo comigo (minha pequena vida, minha pequena casa, meu pequeno ministério); enfim... Mundo pequeno este meu mundo; no entanto; existem tesouros nele contidos; pequenos, sim; todavia, de grande e incalculável valor! Tesouros guardados por um servo tão pequeno, imperfeito; pequeno, sim; mas, aceito aos olhos do Pai. Penso nas pessoas que encontro e reencontro ao longo da viagem... Algumas boas; outras, nem tanto. Porém, todas amadas pelo Pai. Umas são atentas; outras distraídas, sem entender sua razão de ser. Enfim eu penso que, neste meu pequeno mundo, só o meu Deus é grande!

O Ser humano só tem uma chance de conhecer e obter a vida plena: "SENHOR, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos. Não havendo ainda palavra alguma na minha língua, eis que logo, ó Senhor, tudo conheces. Tu me cercaste por detrás e por diante, e puseste sobre mim a tua mão. Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta que não a posso atingir. Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?" (Salmos 139:1-7). Digo isto, porquanto vida plena é aquela que só pode ser obtida em Jesus!

Esta canção traduz a importância das viagens que fazemos:
https://youtu.be/yqjRZYCJ5_I

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Males que só Deus cura


Enquanto eu estive debruçado em oração, senti o agir de Deus em meu íntimo - algo indizível - marcando minha vida e demostrando como vale a pena viver e descansar cada dia no Senhor. Glória a Deus! Então, perguntei: Por que tentar carregar o peso do mundo sobre as costas, se eles ficam muito melhor sobre os ombros de Jesus? Fui lembrado que, algumas vezes, tentei resolver problemas da vida e da família por mim mesmo, colhendo resultados amargos e insatisfatórios. Ao ouvir Sua doce voz, entendi que, enquanto vida eu tiver, não devo me omitir de minhas obrigações... Todavia, sem interferir naquilo que está além de mim; pois, na vida, há males que só Deus cura.

No lugar de oração, regado por uma unção especial; pude perceber que não devo sem me preocupar com aos resultados do meu labor; mas, me ater a levar e espalhar sementes - tal e qual um semeador - pois, a germinação e frutificação não depende de quem semeia ou ceifa; mas, de Deus que abona o nosso esforço, fazendo prosperar a obra de nossas mãos. E esta regra elementar se aplica a todos os setores de atividade de um cristão sincero (trabalho, família, projeto e relacionamentos). A Palavra diz que "Se Deus é por nós, quem será contra nós?" (Romanos 8:31). Enfim... Descansar em Deus é a melhor de nossas atitudes; esperar nele, a melhor das nossas iniciativas. 

Este texto de Isaías nos leva a pensar no cuidado de Deus: "Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti que trabalha para aquele que nele espera. Saíste ao encontro daquele que se alegrava e praticava justiça e dos que se lembram de ti nos teus caminhos; eis que te iraste, porque pecamos; neles há eternidade, para que sejamos salvos? Mas todos nós somos como o imundo, e todas as nossas justiças como trapo da imundícia; e todos nós murchamos como a folha, e as nossas iniquidades como um vento nos arrebatam." (Isaías 64:4-6). Ele demonstra o Seu cuidado por nós; e a nossa carência de Deus.

Descansar no Senhor é a mais sensata decisão:
https://youtu.be/kM9IHwEmhdw

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 17 de maio de 2016

Relacionamentos duradouros


Ontem de manhã partimos de Itu, saudosos e esperançosos por tudo que Deus fez em nosso meio. Foram dias de atividade intensa! Já estamos em casa, certos de que deixamos e trouxemos experiências e valores marcantes; pois vida cristã é, em sua essência, um constante dar e receber (dar, sem esperar nada em troca; receber, sem exigência ou cobrança). Fui abençoado ao conhecer o Pastor Adalberto & Carla, Adilson & Érica, Jonatha & Valéria e os demais irmãos com quem estivemos neste fim de semana, que tanto nos abençoaram (não dá para mencionar todos). Obrigado Senhor, por nos encher do teu amor!

Cada dia que passa cresce a minha convicção, de que a vida cristã é marcada pela construção de relacionamentos duradouros regidos pelo respeito e cordialidade; porém, tudo regado no amor de Deus. Creio que o mundo cristão seria bem melhor do que já é; caso todos os crentes se pautassem nestes princípios bíblicos. Até porque, o mundo é o laboratório em que sofremos e desenvolvemos marcas transformadoras, que nos qualificam a viver em perfeita comunhão com os demais irmãos em Cristo. Portanto, tal e qual vaso na mão do oleiro; somos moldados por Deus, para uma vida com propósito.

Vida cristã é assim: "Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual; Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e  crescendo no conhecimento de Deus; Corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência, e longanimidade com gozo; Dando graças ao Pai que nos fez idôneos para participar da herança dos santos na luz" (Colossenses 1:9-12). Vida idônea e frutífera!

Ouça esta canção sobre comunhão:
https://youtu.be/J9rwb6b2sa4

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Precisamos estar em oração


No hotel em que ficamos hospedados, na cidade de Itu, pude entoar o meu cântico de vitória no lugar de oração que improvisei. É comum ouvir dizer que "oração nunca é demais". No entanto, esta declaração não é completa; pois existem dias, em que a oração se torna urgente; para favorecer resultados que, de outro modo, poderiam ser trágicos! Eu bem sei que, por mais que oremos, jamais conseguiremos evitar caminhos que devem ser por nós percorridos. Mas podemos superar os problemas plantados ao longo da jornada - antecipando suas soluções e livramentos - se nos dedicarmos às orações preventivas.

É comum vermos famílias e seus dramas... Algumas arqueando sob o peso de dores e aflições, já no limite de sua resistência. Todavia, sempre existem saídas que não podem ser vistas ou notadas pelos sentidos físicos. É quando a oração perseverante pode fazer toda a diferença - na solução de um problema irremediável, na vida de um filho desorientado, ou numa crise conjugal; enfim... Precisamos estar em oração para receber respostas do Alto, quando cessam as respostas da terra. E assim, poderemos entoar o nosso cântico de vitória em Jesus; pois, somente nele temos condição de vencer as nossas lutas.

A Palavra nos adverte, que devemos orar em todo o tempo: "Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos," (Efésios 6:14-18). Então, é isto que nós cristãos precisamos fazer.

Sou muito abençoado com esta canção entoada por Alda Célia:
https://youtu.be/GMxVz4ZSqDM

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 15 de maio de 2016

Tenho lugares de refúgio


Na noite de ontem, precisei estar em Itu/SP; então, precisei me aprontar mais cedo, pois o dia seria longo. Enquanto o tempo avançava; fiquei a pensar em minha missão... E também, no quanto as minhas provações se intensificaram nos últimos meses (sempre pensei que a idade avançada me proporcionaria maior alívio). Existem ocasiões em que chego a pensa em desistir; em me refugiar no monte mais escarpado, como se isto pudesse me afastar das lutas e aflições. No entanto, me lembro em tempo que as aflições fazem parte de minha bagagem (João 16.33); portanto, indispensáveis ao caminho que devo percorrer; pois tenho um encontro marcado com a Vida.

Em horas assim, o Espírito me faz recordar que tenho lugares de refúgio (o lugar de oração é um deles). Então, me dou conta de que o meu espírito pode voar aos lugares altos; onde posso entender a razão e o fim da existência... E posso enfim saber, que as feridas causadas - tanto pelos que me amam, como pelos que me odeiam - não podem me levar a desistir; pois nasci para lutar e para vencer. Sim! Porque, as vezes, penso em desistir (ainda bem que isto é um pensamento furtivo); todavia, ouço a Voz imperativa, sem deixar de ser doce, a me dizer: "Eis que estou convosco" (Mateus 28.20). Aí, eu me aprumo, organizo minhas dores, e sigo em frente com meu Jesus.

Oração ao meu Senhor: "Ouve, ó Deus, o meu clamor; atende à minha oração. Desde o fim da terra clamarei a ti, quando o meu coração estiver desmaiado; leva-me para a rocha que é mais alta do que eu. Pois tens sido um refúgio para mim, e uma torre forte contra o inimigo. Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas. (Selá.) Pois tu, ó Deus, ouviste os meus votos; deste-me a herança dos que temem o teu nome. Prolongarás os dias do rei; e os seus anos serão como muitas gerações. Ele permanecerá diante de Deus para sempre; prepara-lhe misericórdia e verdade que o preservem." (Salmos 61:1-7). Louvado seja meu Senhor!

Vou ouvir e me edificar com esta canção entoada pelo Kadoshi:
https://youtu.be/jNFqRVYDII0

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 14 de maio de 2016

Profundezas da intercessão


Vejo crescer minha necessidade de orar mais cedo (ainda não sei se isto resulta do desejo de estar na presença do Senhor ou de orar preventivamente). Na verdade, razões sempre existem, para irmos ao lugar de oração (algumas definidas em nosso íntimo; outras nem sempre conhecidas). Falando como pastor... Eu entendo que não é possível cultivar um ministério estável  e próspero, sem uma vida de constante oração; pois a oração funciona como elemento fertilizante de um ministério maduro e próspero (como pode um pastor "sentir" os conflitos e carências de uma de suas ovelhas, se ele não consegue orar).

Falando como bispo... Como poderia eu ter alcançado o resultado que alcancei, em minhas diversas missões episcopais; se a oração não fosse meu melhor recurso e minha mais importante estratégia? E quando falo em oração como fundamento de um ministério; não estou a pensar nas orações tipo "abençoa meu trabalho", "abençoa minha vida" (mesmo sendo importantes; estas são orações voltadas apenas às minhas necessidades); mas, nas orações que nos levam às profundezas da intercessão; onde travamos as nossas maiores lutas e obtemos as nossas maiores vitórias. Estou me referindo à oração de guerra!

Esta oração de Jesus, por Pedro, nos ensina que não basta batizar ou ensinar alguém: "Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos. E ele lhe disse: Senhor, estou pronto a ir contigo até à prisão e à morte. Mas ele disse: Digo-te, Pedro, que não cantará hoje o galo antes que três vezes negues que me conheces." (Lucas 22:31-34). Portanto, somente cruzando os limites impostos à intercessão e chegando até ao campo de batalha; é que podermos efetivamente ajudar.

Esta oração de Paulo é modelar:

"Portanto, vos peço que não desfaleçais nas minhas tribulações por vós, que são a vossa glória. Por causa disto me ponho de joelhos perante o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, Do qual toda a família nos céus e na terra toma o nome, Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior; Para que Cristo habite pela fé nos vossos corações; a fim de, estando arraigados e fundados em amor, Poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, E conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus."
(Efésios 3:13-19)

É a oração que devemos praticar.

Esta canção é o tipo de oração que deve abrir e fechar o ciclo do combate que travamos em Deus:
https://youtu.be/4y0_rOSnb_g

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Acima de qualquer suspeita


O nosso Brasil amanhece assistindo o seu governante máximo ser afastado, devido aos seus mandos e desmandos (mais desmandos do que mandos). Espero que o governante de plantão esteja em condição de firmar uma aliança com Deus e com as instituições responsáveis pela legislação e governança desta tão sofrida nação; a qual perdeu reservas e credibilidade ao longo de uma gestão que não conseguiu se manter nos limites da responsabilidade. E que o Senhor nos guarde dos trágicos efeitos de uma gestão pautada em blasfêmia e profanação.

Enquanto eu reflito sobre tudo o que está acontecendo; não posso deixar de pensar nos homens e mulheres que professam fé cristã, que estão inseridos nas altas instâncias do poder, investidos de um mandato ou de nomeação que permite serem sal e luz em posição tão privilegiada. Espero que os cristãos, participantes do poder, se invistam da capa de Daniel, esquecida em algum canto... E sejam probos conselheiros - à semelhança de Daniel - acima de qualquer suspeita; para então influenciarem positivamente o rumo de nossa nação.

Gosto muito de ler o livro do profeta Daniel! Este homem de Deus cumpriu com honra sua missão palaciana: "Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer." (Daniel 6:10). Nos dias de hoje, como carecemos de homens de Deus (como Daniel), que não se embriagam com o vinho do poder; sempre prontos a cumprir sua nobre missão.

Nossa devocional pode ser enriquecida com esta bela canção de Eyshila:
https://youtu.be/eRdqq9guOys

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Um banho de graça


Tenho aprendido que no lugar de oração, muitas coisas terminam, algumas coisas reiniciam e... Tudo se resolve. Se tivesse que utilizar apenas uma palavra para expressar aquilo que experimentei nesta manhã, na presença do Senhor; creio que a palavra mais indicada seria "sentimento". Não consigo ser grato na medida ideal, por tudo que Deus me tem feito sentir e por tudo que tem feito em minha vida. Embora eu não tenha meios de entender e explicar com exatidão, o estado do meu coração; pude declarar de imediato, que perdoo aqueles que, ao longo do tempo, me feriram sem causa; pois não quero invalidar aquilo que o Senhor me faz sentir.

Na verdade, nesta manhã eu posso testemunhar que o Senhor me faz sentir algo que suplanta a emoção corriqueira... Como se um banho de graça me trouxesse a paz que eu conheço; mas que precisa de constante renovação. Orei pelos antigos e novos amigos que deixei em Manaus. E agradeci ao Senhor, por minha pequena casa; porém, forte o bastante para resistir aos ventos fortes que, de quando em vez, sopram sobre ela. E agradeci pelo vento do Seu Espírito, que ventila meu interior e o abastece de verdades que nem sempre consigo entender. Serão revelações para o futuro? Ou, para permanecerem seladas? Não sei. Só Deus sabe!

Este texto sempre mexeu comigo: "Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros. De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz." (Filipenses 2:3-8). Sempre aprendo com ele.

Gosto de ouvir esta linda canção, deste que foi uma das ovelhas do meu pastoreio - o Beno Cesar - cuja família trago sempre em meu coração:
https://youtu.be/SYjqsXxBHGM

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Família é dever e missão


Hoje fiquei a refletir sobre sentimento de dever... Deveres diversos repousam sobre nós, como se fossem vestimentas que precisamos usar e preservar. Deus, em sua infinita bondade, nos deu heranças preciosas (o céu, para admirarmos e sonharmos; o planeta, para colonizarmos e preservarmos; a humanidade, para respeitarmos e convivermos; a família, para protegermos e desfrutarmos). Dever para com nosso corpo, templo do Espírito; nossa família, pedacinho do céu; nossa igreja, corpo de Cristo; enfim... O que mais preciso dizer sobre os deveres que temos; se tudo isto pode ser resumido em amar, amar, amar?

Quando penso na família, estou simplesmente a pensar no maior e mais importante dever do ser humano. A família é projeto de Deus; e, como tal, requer de nós toda atenção e investimento possível. É tão comum vermos pessoas, mesmo cristãs de "carteirinha", verem sua família como estorvo; sem se aperceberem que família, longe de ser estorvo, é missão! Portanto, família não é um legado divino a ser cuidado e desfrutado apenas quando tudo está bem; pois é nas desavenças e indefinições, que nossa empatia e dedicação se torna necessária. Enfim, nosso lar é núcleo visível de nossa razão de ser.

Este texto cabe em qualquer família cristã: "Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; Não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; Que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?)" (1 Timóteo 3:1-7). Ele é importante lição para todos nós.

Penso na família e na vida conjugal, ao som desta canção de Fernanda Brum:
https://youtu.be/8lirLrePR58

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 10 de maio de 2016

Livre e aberto para orar


Hoje de manhã, percebi que o meu tempo no lugar de oração se estendeu além do habitual; como se o meu espírito - desimpedido da resistência que a razão sempre tenta impor - se sentisse livre e aberto para orar por mais tempo. Enquanto eu orava, dois temas se sobrepuseram aos demais: A necessidade de intercessão, nos mais diversos níveis de preocupação; e a permuta de valores e virtudes que ocorre entre aqueles que vivem em comunhão e compartilham suas experiências, com Deus e com as pessoas. Sim... Porque a vida cristã tem em sua essência, rica troca de valores e de favores.

Enquanto eu ainda orava, pensei nos irmãos manauaras que nos cobriam de gentilezas; e, vez por outra nos diziam, sem reservas, o quanto foram edificados por nós. Mas, eles nem sequer imaginam é o quanto fomos edificados por eles! É como já declarei: A verdadeira comunhão cristã é uma constante troca de valores e favores; pois, em caso contrário, não seria a comunhão cristã autêntica. Ao sair, nos sentimos como se estivéssemos levando algo, deixando algo em troca... Penso que este componente de troca seja o amor que nos une! Ainda em oração, agradeci a Deus por Seu amor por nós!

Estou convencido de que, quando o assunto é comunhão, este é o texto bíblico mais utilizado: "Oh! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre." (Salmos 133:1-3). Na verdade, flui deste salmo uma espécie de óleo tonificante e santificador, fortalecendo e hidratando o sentimento de amor e comunhão que deve pautar a amizade cristã. 

Louvo a Deus por esta canção interpretada pelo Ministério Koinonya:
https://youtu.be/cPaVyeG7G48

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Maus e bons momentos


Na vida, existem momentos que seriam bem melhores, se nunca tivessem existido... O doce fruto proibido, nos lábios de Eva; o olhar desatento de Davi, do terraço do seu palácio, ao olhar o terraço vizinho; o vinho cheio de má intenção, queimando nos lábios de Ló; enfim... Quanto mal seria evitado se, em nossa frágil vida,  certos momentos tivessem sido deletados em tempo hábil. No entanto, sendo a vida cruelmente marcada por instantes trágicos; devemos saber onde buscar reconciliação e renovo; para que os bons tempos vividos, no tempo anterior à tais momentos, sejam de novo vividos.

Enquanto eu me preparo para a reunião que teremos, com os obreiros do Distrito de Nova Cidade, em Manaus; fico a pensar no cuidado de Deus para conosco... Algo tão urgente, indispensável. Glória a Deus! Como é bom saber que Deus tem o poder de nos renovar e ungir, restaurando o nosso senso de equilíbrio e direção. Aleluia! Na verdade, a nossa vida é marcada por maus e bons momentos; cabendo à cada um de nós a responsabilidade de saber lidar com os mesmos; sem nos deixarmos deslumbrar em demasia, pelos bons ventos... Nem nos desanimarmos, ante os ventos maus. Amém!

Textos, como este, da Palavra de Deus; foram registrados para nos incentivar e advertir: "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus." (Hebreus 12:1,2). Então, cabe à nós estar sempre antenados com os mesmos, sem a menor desatenção!

Creio que agora cabe bem esta canção do Kadoshi:
https://youtu.be/jNFqRVYDII0

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 8 de maio de 2016

Mães roubadas


Hoje senti necessidade de orar bem mais cedo. Daqui a pouco, vou ministrar para família, em pleno dia das mães, aqui na IMW da Paz. Maria Célia & eu temos sido tão bem tratados por nossos anfitriões, Pastor João Tavares & Mis. Berenice. Tenho sido abençoado, ao abraçar os pastores wesleyanos de Manaus. Como eu disse: Senti que precisava orar mais cedo; tanto pelas razões já expostas, como por uma muito especial. É que, em pleno dia das mães, a irmã Raquel se despede do corpo de seu marido Fernando - até então, médico cardiologista  em Valadares - e do corpo de seu filho Fernando Junior; ambos cruelmente assassinados na cidade de Mutum.

Enquanto eu orava pelas mães que serão homenageadas em seu dia; intercedi por Raquel... E me lembrei das mães com seus rostos marcados por lágrimas que não cessam de correr, por terem sido golpeadas pela perda de seus filhos, vitimados por um trágico fim... Por um casamento fracassado, por uma doença incurável, por uso de drogas, de álcool; enfim... Não são poucas as mães, com suas histórias de angústia e sofrimento que não conseguem esquecer. E, ao orar, por elas - mulheres anônimas - peço ao Senhor que alivie sua dor; e que dê a estas mães roubadas, um novo roteiro de vida que amenize a dor produzida por suas irreparáveis perdas e inseparáveis lembranças.

Este texto indica que o deleite em Deus é o primeiro passo para a bênção: "Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará. E ele fará sobressair a tua justiça como a luz, e o teu juízo como o meio-dia. Descansa no Senhor, e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos. Deixa a ira, e abandona o furor; não te indignes de forma alguma para fazer o mal. Porque os malfeitores serão desarraigados; mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a terra." (Salmos 37:4-9). E que Deus julgará a nossa causa.

Finalizo com está maravilhosa canção de Eyshila:
https://youtu.be/QQ0BcZicXmM

Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 7 de maio de 2016

Compaixão e misericórdia


Nesta manhã, antes de me dirigir ao lugar de oração; o meu espirito sentiu o peso destas duas palavras: Compaixão e misericórdia. Na verdade, ambas as palavras possuem pontos afins; embora tenham suas diferenças. Todavia, sua definição não é tão importante agora; pois o que pesou em mim foi pensar na perfil das mesmas, na sua aplicabilidade ao longo de um dia inteiro; só para não dizer, da vida inteira. Pensei naqueles que pela vida afora, cruzam nosso caminho deixando e recebendo marcas nesse cruzamento. E quando digo que isto pesou em mim; estou me referindo ao que digo e ao que faço no tocante a alguém; quando sua maldade se volta contra si e contra os seus.

Realmente, aprendi muito ao se invadido por este pensamento; pois vivemos num país, em que os presidentes de várias instituições e organizações (inclusive em sua mais alta esfera) estão sob suspeita ou sob julgamento. É triste isso... Vê-los expostos, respondendo, penal ou civilmente, por improbidade e irresponsabilidade. Todavia, a vida é assim; de modo que, não podemos fugir às consequências de uma administração desastrada (concernente a isto, a Bíblia está repleta de advertências). No entanto, o sofrimento de uma vida (mesmo as condenadas) fica a espera de nossa compaixão e misericórdia; ainda que não tenhamos como absolve-la de suas culpas, ou alivia-la sua dor.

Na Bíblia, somos advertidos a ser compassivos e misericordiosos: "Então o seu companheiro, prostrando-se a seus pés, rogava-lhe, dizendo: Sê generoso para comigo, e tudo te pagarei. Ele, porém, não quis, antes foi encerrá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. Vendo, pois, os seus conservos o que acontecia, contristaram-se muito, e foram declarar ao seu senhor tudo o que se passara. Então o seu senhor, chamando-o à sua presença, disse-lhe: Servo malvado, perdoei-te toda aquela dívida, porque me suplicaste. Não devias tu, igualmente, ter compaixão do teu companheiro, como eu também tive misericórdia de ti?" (Mateus 18:29-33). Assim seja, meu Senhor Jesus!

Vejo nesta canção de Paulo César Baruk, um importante auxílio:
https://youtu.be/BmDLlq1uRck

Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Quebra de aliança


Enquanto Maria Célia & eu aguardamos o voo para Manaus (passaremos o fim de semana na Igreja Metodista Wesleyana da Paz); fico a pensar na fidelidade de Deus... Sua Palavra diz que "Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo." (2 Timóteo 2:13). Portanto, se alguém se perder; sua tragédia se deverá, única e exclusivamente, à sua infidelidade; pois o nosso Deus permanece fiel! Ele não quebra aliança. Infelizmente, nos dias de hoje, quebra de aliança é uma das coisas que mais vemos acontecer. Cabe ao crente honrar, com máxima dedicação e fidelidade, as suas alianças. 

Não são poucas as vezes, em que me ponho a pensar nas alianças que construí ao longo do tempo... Aliança com Deus, aliança com minha esposa, aliança com meus filhos, aliança com meus amigos, aliança com minha igreja... E por aí vai. Sinto paz em meu coração, por ter honrado todas as alianças que fiz. Se, porventura, alguma delas se partiu; sinto alívio em dizer que não fui eu a romper. Vivemos em um mundo marcado por infidelidade, nos diversos tipos de relacionamento e de contrato. Todavia, não existe perda maior do que a causada por quebra de aliança com o Senhor; pois seus efeitos são eternos.

Sinal de alerta: "Conjuro-te, pois, diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino, Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério." (2 Tim. 4:1-5). Amém!

Que bom ouvir esta canção do Adhemar de Campos:
https://youtu.be/fTtvs1RJwzc

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Ao deixar de orar


Existem inúmeras razões, que me levam ao lugar de oração (ainda que sem ocupar este tão importante lugar com o tempo ideal). Uma delas é a certeza de que todos nós precisamos encontrar tempo e lugar definido para orar. Outra, é a paz que sinto, ao buscar e achar a presença do Senhor enquanto eu oro. Existem muitas outras; mas não é necessário enumerá-las. Na verdade, no lugar de oração, o céu se expande e o mundo se apequena. Nele, nossos problemas se resolvem e as forças contrárias se enfraquecem. Enquanto eu reflito sobre isto; penso nas bênçãos que o crente perde, ao deixar de orar... Perdas que irão fazer uma grande diferença em seu amanhã.

Na verdade, oração não é apenas uma arma de guerra; pois, é também o melhor meio de acesso ao Pai. Enquanto eu oro, percebo que a minha insignificância é compensada pelo agir de Deus em minha vida. E descubro que o ser humano é o único vaso que pode ser preenchido com um conteúdo bem maior que ele; e isto faz toda a diferença entre as pessoas. Afinal, Golias era um vaso grande com conteúdo pequeno; ao passo que, Davi era um pequeno vaso com grande conteúdo... E isto mudou o rumo daquela luta! Portanto, não devo me importar se não sou lembrado ou notado; pois, mesmo sendo um pequeno ser em meio à multidão, sei que os olhos de Deus estão sobre mim.

Veja que grande bênção o testemunho de Paulo revela: "Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte;" (Filipenses 3:7-10). Na verdade, ela se constitui em nosso grande ganho. Aleluia!

Que canção maravilhosa esta! Vale a pena ouvir:
https://youtu.be/hRuePzx6DYQ

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Fronteiras do apocalipse


Enquanto eu reflito sobre a rica herança cristã que recebemos de nossos ancestrais na fé; procuro encontrar os seus vestígios nas práticas cristãs que vigoram em nosso tempo... Confesso que me preocupam as práticas que vejo. Que o mundo jaz no maligno; isto sabemos de sobra; e que a agressão aos valores da tradição cristã, tão evidente nestes dias, também sabemos... E vemos acontecer. No entanto, fica em mim a impressão de que a grande maioria dos cristãos ainda não se deu conta de que estamos nas fronteiras do apocalipse. Vejo crescente resistência à este tema bíblico tão atual!

O tropel dos quatro cavaleiros do apocalipse já se vê no horizonte; tendo no comando o anti-Cristo e trazendo em seu rastro a guerra, a fome, a peste e outros males afins. E assim, enquanto as nações se armam para exibir sua força no teatro da guerra; vemos crentes (homens e mulheres), a maioria nem sequer chamada, exigindo ser apóstolos, bispos, profetas, pastores... Muitos dos quais sem terem sequer aprendido a arte de ser ovelhas. E na esteira desta sede de mando; o mau testemunho cresce, a ponto de constranger o crente fiel. Ó meu Senhor! Que o teu reino de justiça, paz e alegria venha logo!

O som deste tropel é prenúncio de horror:

"E, havendo o Cordeiro aberto um dos selos, olhei, e ouvi um dos quatro animais, que dizia como em voz de trovão: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele tinha um arco; e foi-lhe dada uma coroa, e saiu vitorioso, e para vencer. E, havendo aberto o segundo selo, ouvi o segundo animal, dizendo: Vem, e vê. E saiu outro cavalo, vermelho; e ao que estava assentado sobre ele foi dado que tirasse a paz da terra, e que se matassem uns aos outros; e foi-lhe dada uma grande espada. E, havendo aberto o terceiro selo, ouvi dizer o terceiro animal: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo preto e o que sobre ele estava assentado tinha uma balança em sua mão. E ouvi uma voz no meio dos quatro animais, que dizia: Uma medida de trigo por um dinheiro, e três medidas de cevada por um dinheiro; e não danifiques o azeite e o vinho. E, havendo aberto o quarto selo, ouvi a voz do quarto animal, que dizia: Vem, e vê. E olhei, e eis um cavalo amarelo, e o que estava assentado sobre ele tinha por nome Morte; e o inferno o seguia; e foi-lhes dado poder para matar a quarta parte da terra, com espada, e com fome, e com peste, e com as feras da terra."
(Apocalipse 6:1-8)

Pois é o som da guerra, da fome e da peste.

Precisamos aprender com o Senhor, como nos sugere esta canção:
https://youtu.be/NhIRxmLLOuA

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 3 de maio de 2016

Meus frutos e meus desafios


Venho em tua presença Senhor, trazendo os meus frutos e os meus desafios... Como arcar com o peso dos mesmos, sem buscar o teu socorro? Na verdade, a nossa vida gira em torno desta preciosa carga; de tal modo, que não podemos nos emancipar delas... A não ser, nos alienando, de tudo e de todos. Portanto, amado Pai, como tenho a mente lúcida e o coração comprometido; preciso manter os olhos nos frutos e as atenções nos desafios; sabendo porém, que jamais conseguirei, sozinho, dar conta dos mesmos; pois, os inimigos da fé são tantos, que nem dá pra calcular. Envia teu socorro e teu sustento, meu Pai!

Estou ciente que os meus frutos se traduzem por filhos (biológicos e espirituais), amigos e irmãos contraídos ao longo da jornada; e os desafios são provas e metas que preciso enfrentar e superar. Além disto, preciso manter minha vida em movimento e meu trabalho em execução; pois, tua Palavra me adverte que aqui não é o lugar do meu descanso. Aproveito para interceder por aqueles que me amam e por aqueles que falam bem de mim; sem deixar de orar por aqueles que me maldizem e maltratam, pois correm o risco de finalmente perceber, que podiam ter ocupado o seu tempo com algo melhor.

Este texto tem iluminado minha vida e minha caminhada: "Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade; Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram;" (Romanos 12:10-15). Por ele e por outros, posso ser melhor luz e melhor sal.

Esta é uma boa canção, para ser cantada em um momento assim:
https://youtu.be/TWDqErHtcWw

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Poderosa arma de guerra


Ainda deitado, aconchegado sob uma boa coberta em função do frio que faz aqui em Petrópolis; comecei a refletir na Palavra de Deus (é raro eu fazer isto antes de orar). Pensei nela, como a mais importante arma na luta contra o mal; mesmo sabendo que não é a única arma nesta luta (fé, verdade, justiça, testemunho, e oração também são integrantes de nossa armadura). Pensei na necessidade de saber interpretar e utilizar esta poderosa arma de guerra; e no quanto ela é importante como instrumento de segurança conforto para os que estão a nossa volta; especialmente os angustiados por suas carências afetivas e suas carências espirituais.

Na verdade, pensei também em minha idade, em meu envelhecimento... A velhice não é mais tempo de fazer história; mas, de contar histórias. E não me refiro às histórias para ninar crianças; ou pra "boi dormir"; e, sim, muito mais sobre o agir de Deus, do que sobre as nossas realizações pessoais (salvo, aquelas conjugadas com o agir sobrenatural de Deus).  Sei o quanto é importante, os velhos reunirem a sua volta a gente mais jovem; para inspirarem novos talentos e ministérios, com suas histórias de poder. Aleluia! Todavia, história alguma - por mais bem contada que seja - se sustentará por muito tempo, sem que tenha suporte na santa Palavra.

Foi assim a origem: "Os quais temos ouvido e sabido, e nossos pais no-los têm contado. Não os encobriremos aos seus filhos, mostrando à geração futura os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que fez. Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e pôs uma lei em Israel, a qual deu aos nossos pais para que a fizessem conhecer a seus filhos; Para que a geração vindoura a soubesse, os filhos que nascessem, os quais se levantassem e a contassem a seus filhos; Para que pusessem em Deus a sua esperança, e se não esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos." (Salmos 78:3-7). É assim a história.

Esta bela canção de Sérgio Lopes põe em destaque o poder da Palavra:
https://youtu.be/SNTo4OZ_tVs

Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 1 de maio de 2016

Geração que menos ora


Algumas vezes, me preocupo com o fato de que, em toda a história humana, somos a geração abrangida pelos mais assustadores vaticínios. Vemos nações sendo roubadas por aqueles que foram eleitos para serem seus guardiões e referenciais; Vemos os povos sendo insuflados ao ódio e intolerância; vemos famílias inteiras sendo arruinadas por novos conceitos e modismos; enfim... Somos a geração do apocalipse. Porém, falando em termos cristãos; me preocupa o fato de sermos a geração que menos ora.

Sempre acreditei que, em sua definição mais simples, orar é falar com Deus. Todavia, orar não é apenas falar com Deus; é também o som de um coração agradecido e o clamor de uma alma carente de respostas. A oração tanto pode aproximar a criatura de seu Criador; como é capaz de aproximar as pessoas que se amam e reconciliar aqueles que se odeiam. Quando oramos, com um coração sincero e perdoador, somos transportados à dimensão do Espírito; onde entendemos verdades antes ignoradas. Então, devemos orar!

Salomão orou e foi ouvido: "Se eu fechar os céus, e não houver chuva; ou se ordenar aos gafanhotos que consumam a terra; ou se enviar a peste entre o meu povo; E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra. Agora estarão abertos os meus olhos e atentos os meus ouvidos à oração deste lugar." (2 Crônicas 7:13-15). Se nós orarmos, também seremos ouvidos!

É muito bonita e inspiradora, esta canção de Beatriz:
https://youtu.be/olpyn4-_upM

Cordialmente;
Bispo Calegari