quinta-feira, 7 de julho de 2016

Verdades sobre nós mesmos


Sempre que nós oramos, aprendemos verdades sobre a razão de ser de nossa existência neste mundo; algo que jamais chegaremos a conhecer por nossos próprios meios. Eu sei que o nosso lugar de oração é, antes de tudo, lugar de devoção aberta; sem a cobertura de vaidade e de sentimento de auto-piedade, ou de justiça própria. Todavia, a singularidade deste lugar especial é também um bom momento para revisarmos condutas e reações nossas, ante as crises chegadas e as aflições sofridas... Sobre as quais, já fomos alertados por Jesus, em seu sermão do cenáculo (João 16.33). Devemos pensar nisto!

Eu jamais conseguiria contar com certeza, todos os golpes sofridos ao longo de minha vida; muitos, sob a forma de cruéis acusações e terríveis injúrias lançadas. E todos estes golpes deixaram, em sua passagem, marcas de aflição que o tempo se encarregou de curar; todavia, sem remover suas cicatrizes. Enfim; tudo dentro dos limites determinados pelo propósito de Deus; nada que pudesse anular os recursos inesgotáveis da graça de Deus. E assim, histórias de vida se sucedem umas as outras; pois, segundo a declaração de uma antiga canção cristã: "não há dor que seja sem divino fim". Glória a Deus!

Esta é uma das promessas que o Senhor nos deixou: "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós." (Romanos 8:31-34). Portanto, devemos guardá-la sempre conosco, por onde quer que formos.

Vale a pena ouvir e refletir sobre esta abençoada canção:
https://youtu.be/jXw9r2zgDtY

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário