segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Cálice do sofrimento


Existem dias, em que nos sentimos tão frágeis e cansados... algo, como se fôssemos tombar ao primeiro soprar do vento forte. São aqueles dias, nos quais acontece tudo que não devia acontecer. Creio não existir um cristão - do forte ao frágil - que ainda não tenha passado por situações assim. E até mesmo nas Escrituras, encontramos exemplos de homens de Deus, cuja luta interior tornou-se tão aguda que provocou angústias, desmaios, enfim... São circunstâncias sazonais; como se o próprio Deus nos tangesse à momentos assim. E não estou me referindo aos grandes ataques, do adversário; mas, a certas provações do dia a dia, que vão transbordando o cálice do sofrimento; até que o mesmo, em um determinado dia, entorne e agrave a nossa cruz.

Se observarmos melhor a Palavra de Deus, vamos perceber que este é um dos processos que Deus utiliza, para aprimorar a nossa vida espiritual. Ele, geralmente, provoca uma crise de dependência e nos leva a buscar socorro no Senhor. Sinceramente, já perdi a conta das vezes em que isto aconteceu comigo. De quando em vez me lembro de uma antiga canção evangélica que aprendi ainda jovem; uma de suas estrofes diz assim: "Não há dor que seja sem divino fim, faça ó Deus que a igreja compreenda assim. E apesar das trevas; possa ver, Senhor, que tu mesmo a levas com imenso amor". Talvez tenha sido este entendimento que tenha levado a Igreja primitiva a se regozijar, ante as injúrias e perseguições que lhes estavam sendo impostas.

Este texto da Bíblia encerra um doloroso interrogatório imposto aos apóstolos: "E agora digo-vos: Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, se desfará, Mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la; para que não aconteça serdes também achados combatendo contra Deus. E concordaram com ele. E, chamando os apóstolos, e tendo-os açoitado, mandaram que não falassem no nome de Jesus, e os deixaram ir. Retiraram-se, pois, da presença do conselho, regozijando-se de terem sido julgados dignos de padecer afronta pelo nome de Jesus. E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo." (Atos 5:38-42). Portanto, o crente não deve temer a provação.

Esta canção do Grupo Logos ajuda bastante a aprimorar o nosso entendimento quanto a isto:
https://youtu.be/GKU_ErxDSoI

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário