terça-feira, 13 de outubro de 2015

Assim devemos amar


Eu sempre soube que não existe unanimidade entre os seres humanos; nem mesmo em uma igreja estável ou em uma família unida pelos laços do amor. Todavia, embora eu pense diferente de muitos, não ouso afirmar que seja o único certo entre os demais pensadores e formadores de opinião; pois existe a Verdade de Deus, acima de nossa verdade pessoal. Portanto, acima das convicções de cada um, existem fatos que não podem ser negados - mesmo que não os valorizemos, ou que não creiamos neles. A morte e ressurreição de Jesus está entre estes fatos! E as evidências históricas existentes são suficientes para sustentar a crença de milhões, independente de raça ou cultura. Isto é bem diferente da crença religiosa de certos povos e nações.

A diferença entre o amor de Deus presente no coração de um vero cristão, e o fanatismo religioso expresso na vida fanático religioso (ainda que rotulado de cristão); é que o amor revelado em Jesus, leva seu possuidor a amar aos que lhe desejam mal e orar por aqueles que o maltratam. Assim, enquanto o fanatismo presente em algumas religiões, oferece em seu modo de propagar sua crença, cruel alternativa entre conversão forçada ou morte imposta; o amor de Jesus na vida de seus reais seguidores, torna os mesmos capazes de testemunhar de modo prático; dando pão e água aos seus ofensores; e orando com fervor por seus perseguidores. Foi assim que Jesus demonstrou o Seu amor por nós, pecadores. É assim que devemos amar a toda gente.

Este texto transpira o amor de Deus revelado em Jesus: "Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor." (Romanos 8:38-3\9). Este é o amor que deve encher os nossos corações e pautar as nossas ações.

Gosto muito desta canção do Marquinhos Gomes; pois ela resume a doutrina do amor de Deus pelo pecador:

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário