terça-feira, 11 de agosto de 2015

Sacrifício vicário de Cristo

 

Nesta manhã, orei a Deus... E mais uma vez percebi (e nunca vou me esquecer disto); que a verdade triunfa sobre o engano, ainda que esteja soterrada sob um monte de mentira. Ela é como uma tenra semente; que, mesmo sob um montão de terra, consegue se impor e chegar à superfície do solo; pois, existe nela algo que não existe na chão que a confina: Algo chamado VIDA! Algumas vezes, me queixei ao Senhor... Em uma delas, por injúrias que sofri; então, pude ouvir Jesus dizer no íntimo do meu ser: "Sobre mim caíram as injúrias dos que te injuriavam." (Romanos 15:3). Em outra ocasião, me queixei da rejeição que algumas vezes sofri; então me confortei com esta palavra do Senhor a Samuel: "E disse o Senhor a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo quanto te dizem, pois não te têm rejeitado a ti, antes a mim me têm rejeitado..." (1 Samuel 8:7).
 
Ao compreender a importância da Palavra de Deus aplicada qual poderoso cataplasma - despida das barreiras dos condicionamentos intelectuais - nos ferimentos causados no íntimo; me rendi ao modo como Deus exerce o seu cuidado e proteção sobre nós. Assim, não devo me preocupar em demasia, por aquilo que pensam e dizem a meu respeito. Afinal, aqueles que me tem como amigo sempre encontrarão razões para me elogiar; e, aqueles que me tem como inimigo sempre encontrarão razões para me injuriar. Afinal, este é o modo como os seres humanos agem, desde o alvorecer da criação. Então, me regozijei com o sacrifício vicário de Cristo - o Justo sofrendo pelos pecados dos homens - para poder libertar e salvar os homens de sua natureza pecaminosa. Ah... Também ouvi que a recompensa dos fieis será concedida no dia do acerto de contas.
 
Este texto é marcado pelas mais importantes indagações. E, ao mesmo tempo, indica com clareza a fonte de onde provém a nossa vitória: "Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor." (Romanos 8:35-39). Neste texto, é fácil perceber que somos ligados a Deus por meio de Jesus Cristo nosso Senhor.
 
Esta canção de Bruna Karla é bálsamo para os crentes que sofrem provações na vida:
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário