domingo, 16 de agosto de 2015

Marta ou Maria, eis a questão


Algumas vezes, eu me pergunto: Quem de nós ainda não teve, ao longo de sua carreira cristã, o seu momento "Marta" e o seu momento "Maria"? Estas duas mulheres, tão unidas pelos laços de sangue; no entanto... Tão diferentes em seu modo de agir e reagir, ante as circunstâncias da vida. Marta, mais dinâmica em suas tarefas; Maria, mais contemplativa, passiva. Marta, sanguínea; Maria, melancólica. Todavia, ambas deixavam bem clara sua disposição de amar e servir a Jesus. Penso que não perdemos nada, se pudermos conjugar as características de Marta em nosso modo de ser e de agir. No entanto, não devemos abrir mão de priorizar o estilo cristão de Maria. Pois foi o próprio Jesus quem disse ser esta a melhor escolha.
 
Estou plenamente convencido de que, seja qual for o tipo de temperamento que porventura tenhamos; precisamos nos deixar controlar e conduzir pelo divino Espírito; pois tenho percebido que, quando nosso temperamento assume as rédeas, cometemos erros (alguns graves) pensando estar fazendo o que é certo. Todavia, a grande verdade é que mesmo tomando as medidas mais acertadas, elas podem resultar em fracasso; caso sejam contaminadas por um temperamento sem o devido controle. E, neste aspecto, jamais existirá controle melhor do que aquele exercido pelo espírito maduro de um cristão consciente de suas responsabilidades de fiel servo de Deus, sensível e submisso ao Santo Espírito de Deus; pois Ele é o nosso consolador.
 
Sempre penso nesta visita feita por Jesus, na casa de Lázaro; inclusive, já preguei inúmeras vezes sobre ela: "E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa; E tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava distraída em muitos serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me ajude. E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada." (Lucas 10:38-42). Realmente, não há como ignorar este episódio.
 
Esta belíssima canção - entoada pelo Ministério Diante do Trono - expõe a natureza humana, em toda a sua fragilidade e carência:
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário