segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Discernimento de espírito


Algo em que tenho pensado, desde que me converti a Cristo; é na relação entre o natural e o sobrenatural. Esta relação tem sido evidente, nos dois polos em que a mesma se manifesta; tanto na dimensão das trevas, como na dimensão da luz. Em ambos os lados de sua manifestação, é geralmente chamada de fenômeno (muitos escrevem sobre ele, atribuindo-lhe o termo de "fenômeno paranormal"). Pelo que já tenho visto em meu tempo; entendo que os sacerdotes de Baal sabiam o que faziam, quando aceitaram o desafio de Elias. O que eles não esperavam era o "silêncio" das entidades demoníacas que os possuíam. Mas Elias sabia... Tanto sobre a real motivação do desafio que fizera, como sobre a causa do silêncio que frustrou e assustou os infelizes profetas de Baal.
 
Na verdade, operações sobrenaturais, ao longo do tempo interferem e influenciam a trajetória dos seres humanos. E esta é a principal razão pela qual a lei e os profetas foram contundentes ao ordenaram o afastamento dos filhos de Deus, de práticas idólatras e ocultistas - ambas demoníacas. A Palavra de Deus, inclusive, nos adverte quanto à possibilidade de haver algum êxito em prognósticos e operações de entidades malignas; até mais do que na vida de um profeta sem vida no altar, ainda que seja um profeta a falar em nome do Senhor. Todavia, me preocupa o descaso de bons crentes (até mesmo obreiros), para com o sobrenatural de Deus; ao ponto de se surpreenderem (alguns chegam a se irritar), quando este sobrenatural se manifesta em um culto da igreja.
 
Concernente ao assunto que foi objeto desta mensagem; este é um texto a ser, por nós, considerado: "Porém o profeta que tiver a presunção de falar alguma palavra em meu nome, que eu não lhe tenha mandado falar, ou o que falar em nome de outros deuses, esse profeta morrerá. E, se disseres no teu coração: Como conhecerei a palavra que o Senhor não falou? Quando o profeta falar em nome do Senhor, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o Senhor não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele." (Deuteronômio 18:20-22). Sua importância se deve ao fato que, no mundo espiritual, o processo enganoso e sedutor é tão real quanto a verdade revelada. Portanto, precisamos de discernimento.
 
Bispo Calegari Creio ser esta canção - "Não morrerei", entoada por Marquinhos Gomes - apropriada para concluir esta reflexão:
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário