sexta-feira, 24 de julho de 2015

Vez e outra, fico a pensar


Não sei se isto acontece com todos os crentes; mas, quanto a mim, vez e outra, fico a pensar... Como é possível existir crente cuja vida de oração mal se restringe à um agradecimento às refeições - tão rápido quanto desatento - como se este tipo de prece fosse capaz de arcar com o peso de um dia desafiador; para não dizer perigoso. Nesta manhã, em assim pensando, agradeci a Deus por entender o valor da oração. alguns dizem que sou homem de oração; porém, equivocados; pois sou apenas um homem que ora (já tenho dito isto). enquanto eu orava; agradeci ao Senhor por ter podido apresentar as preliminares do projeto do PEC ontem a noite, na reunião do Colégio Episcopal; e, agradeci também pelo agrado de meus pares no colegiado (entendo que não devo buscar o meu agrado; mas o agrado daqueles que esperam algo de mim).
 
Enquanto eu ainda orava; agradeci ao meu Deus e meu Pai, por poder ver e sentir o Seu cuidado para comigo; homem vivente entre homens... Alguns, piores; muitos, melhores do que eu. No entanto, o Pai a todos nós oportuniza condições para uma vida melhor, abençoada e esperançosa (pena poucos aproveitarem). Aproveitei, para pedir ao Senhor proteção; pois viver implica em risco diário. Ai de nós, frágeis seres mortais, se não nos refugiarmos à sombra das asas do Deus eterno que se revelou em Jesus! Pois, estando assim indefesos; agressões nos golpeiam de fora pra dentro; e paixões indevidas nos destroem de dentro pra fora. Todavia, em Jesus, assim como a luz do sol banha nosso corpo de luz e calor; o Espírito de Deus inunda de luz e calor o nosso homem interior, trazendo unção e proteção aos que creem.
 
Que texto reconfortante este: "Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos; E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal. De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos." (2 Coríntios 4:7-13). Glória a Deus por Seu eterno cuidado!
 
Canção maravilhosa esta - sem contra indicações - composta por meu amigo Anderson Freire e entoada por Bruna Karla:
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário