quinta-feira, 9 de julho de 2015

Sob a cor da pele


Dias atrás, fiz um pequeno comentário em postagem do meu querido filho Ezequiel Calegari (o assunto foi motivado devido a ofensas maldosas, veiculadas na rede por vidas transbordantes de puro preconceito). Chego a pensar que os infelizes ofensores, em sua temeridade,  nem devem ter imaginado a repercussão que sua infeliz atitude provocaria; pelo fato de sua vítima ser uma jornalista em grande evidência na mídia. Será que eles não conseguem perceber que, sob a cor da pele de uma mulher - seja ela branca, amarela ou negra - todo cérebro é cinza, todo leite é branco e todo sangue é vermelho? Não é de hoje, vejo a preferência de alguns por atitude preconceituosa; seja ela de fundo racial, ou religioso. Entretanto, quero aqui advertir a estes, que existe uma larga diferença entre os termos: Preferência e preconceito. O primeiro é um direito inalienável; já o segundo é atitude revoltante.
 
Algo de se lamentar, especialmente nos dias de hoje; é que as luzes e as novas roupagens trazidas pela evolução do conhecimento e pelo desenvolvimento científico e tecnológico ocorrido ao longo dos últimos 50 anos; não conseguiram mudar para melhor, ou mesmo disfarçar a natureza perversa de um mundo que também evolui em insanidade; incapaz de entender que a diversidade de cor e de religião não torna alguém melhor ou pior do que outrem; posto que, apenas o caráter demonstrado em palavras e atitudes, próprias ou impróprias, pode qualificar ou desqualificar o ser humano para uma vida honrada e um nobre propósito. E o pior em toda esta confusão; é o aumento da intolerância e do preconceito entre aqueles que poderiam coexistir pacificamente, mesmo com suas desigualdades; caso os infelizes que assim procedem finalmente percebessem que, neste mundo, somos todos "Maju".
 
Segundo este texto, todos os homens - independente de seu credo, raça ou cultura - são carentes do amor e da graça de Deus: "Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais. E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele." (1 Coríntios 9:19-23). Portanto, nossa missão não é discutir ou destacar diferenças existentes entre os seres humanos; mas, pregar o evangelho a todas as pessoas.
 
Em momentos assim, sinto grande conforto ao ouvir esta jóia rara composta e interpretada por Anderson Freire:
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário