sexta-feira, 17 de julho de 2015

É claro que não


Eu acredito que preciso ter evidências que comprovem o meu julgamento e que respaldem as razões de minhas atitudes. No entanto, vejo que o mundo em que vivemos não é coerente, nem cauteloso, nem justo (se assim não fosse, não haveria razão para as sentenças divinas que pairam sobre ele). Me assusta o modo como as pessoas reagem mal, por reagirem prematuramente, ante qualquer evento que mude o estado das coisas e a rotina da vida. Será que tudo na vida, que mude o rumo ou a sorte de alguém, será sempre recompensa ou castigo? É claro que não! Além disso, Nem sempre o regalo é recompensa e o sofrimento é castigo.
 
Então, fico a me perguntar: Quando as pessoas vão entender, que a jornada que iniciamos ao nascer, precisa passar por caminhos nem sempre favoráveis ou desejáveis?! Caminhos que por vezes assustam, do início ao final, sem que possam ser evitados ou contornados. Será que a vida deve ser uma avenida sem curvas? Claro que não! E o propósito de Deus, como deve ser visto e tratado? Quando é que vamos entender que a vida segue sempre entre dois pontos: O momento em ela se inicia e o modo como termina; sendo que, o fim das coisas pode ser bem melhor do que o começo; desde que o modo como o caminho é percorrido seja digno.
 
Este texto diz tudo que preciso ouvir pra seguir:
 
"Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos. Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus."
(Filipenses 3:7-14)
 
Pois é assim que o caminho deve ser percorrido.
 
Obrigado, Senhor; por esta bela música cantada por tua filha Bruna Karla!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário