sábado, 11 de abril de 2015

Razão maior de eu viver


O meu filho Pastor Calegari enviou uma antiga canção gravada que me fez muito bem, pois é uma das mais belas canções compostas em sua época, por Guilherme Kerr; e que mais expressa aquilo que sinto em meu espírito. Não consegui cantá-la sem derramar lágrimas: "Ao Amado de minh'alma cantarei; fica bem cantar louvores a Jesus! Como sol de intensidade em plena luz, tal a glória do Amado eu cantarei. É Jesus, razão maior de eu viver, de existir, de conhecer e prosseguir, de jamais desanimar frente ao porvir; de lutar, cansar, mas nunca esmorecer...". Então, comecei a pensar na possibilidade de que a renovação espiritual que marcou os anos 60/70, tenha sido o avivamento que antecede o princípio de dores em que nós vivemos (não estou afirmando isto; apenas conjecturando); pois, santos louvores e milagres autênticos manifestos naquela ocasião, redundaram em salvação de milhares e milhares de vidas. E aquele movimento deu origem às novas denominações evangélicas, marcadas e iluminadas pelo mover do Espírito, e pela santidade bíblica inerente ao mesmo.
 
Quanto ao fato de que vivemos o princípio de dores profetizado nas Escrituras sagradas; não tenho a menor dúvida quanto a isto. E não necessito da contribuição de fontes históricas para afirmar o que digo; pois aquilo que acontece em vários lugares da terra grita a plenos pulmões que o fim se aproxima. A intolerância e o desamor que aumenta a cada dia; a cruel perseguição contra os cristãos; a onda de violência que varre o planeta; a entronização da luxúria, que põe em evidência a sodomia, a prostituição e novas e estranhas formas de praticar o sexo; o adultério disfarçado de novo casamento, quando o vínculo do primeiro casamento ainda continua em vigor; o preocupante e inexplicável desaparecimento de crianças, em todos os lugares; o crescente tráfico de órgãos humanos, de origem macabra; enfim... O crescente esfriamento dos crentes; o desamor que se nota entre pais e filhos, com vítimas de ambos os lados; e... O que mais faltou dizer? É... Não tenho como pensar diferente. Como eu desejo que tudo se acalme por aqui, antes que venha o terrível Dia do Senhor!
 
É tempo da examinar as Escrituras: "Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios. Mas, amados, não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia. O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão. Havendo, pois, de perecer todas estas coisas, que pessoas vos convém ser em santo trato, e piedade, Aguardando, e apressando-vos para a vinda do dia de Deus, em que os céus, em fogo se desfarão, e os elementos, ardendo, se fundirão? Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça." (2 Pedro 3:7-13). Elas explicam o caos em que este mundo vive!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário