quinta-feira, 9 de abril de 2015

Plenário de um concílio geral


Ontem, a Comissão de Legislação concluiu o seu trabalho e "desmontou" o seu acampamento. Sempre me sinto desnudo após os trabalhos de uma comissão; como se algo ficasse por fazer; ou... Se tivesse passado dos limites de segurança. Sei que homem algum consegue fazer um trabalho perfeito; e, que até uma bela peça musical se torna grandiosa; muito mais pelo modo como se conjugam as suas dissonâncias, do que pelo seu som despido de acidentes musicais. Todavia, no que concerne à nossa legislação; fico a pensar: Será que não seria melhor se as coisas ficassem como estavam? Ainda bem que uma Comissão de Legislação não tem a palavra final; e que o plenário de um Concílio Geral, formado que é pela "nata" da Igreja, pode discutir um anteprojeto e se decidir por aquilo que achar melhor. Mas, sobretudo, creio na ajuda de Deus em favor de um povo por Ele aceito.
 
Pensando neste assunto (que ocupou uma boa parte do meu momento a sós com Deus); me lembro do estranho poder que ocupa instâncias máximas de nossa nação; de suas medidas tomadas hoje, para tentar corrigir medidas infelizes que vem se sucedendo nos últimos anos; sem que se veja como desagravar a honra ferida de uma nação roubada por seus próprios gestores; e corrompida pelos responsáveis em manter suas tradições e bons costumes. Nação rica em recursos naturais, de causar inveja em outros povos; todavia, pobre ao ponto de negar aos seus cidadãos de bem - hoje impotentes e desesperançados - o acesso à saúde, segurança e educação a que fazem jus. Nação, cujas riquezas são transferidas para cofres fortes em paraísos fiscais e para países "hermanos"; enquanto seu nobre povo sofre calado. Então, me lembro do Deus de Israel e de Seu juízo no Egito, sobre faraó e sua corte.
 
Assim como o juízo de Deus se abateu sobre o Egito: "Então disse o Senhor a Moisés: Levanta-te pela manhã cedo, e põe-te diante de Faraó, e dize-lhe: Assim diz o Senhor Deus dos hebreus: Deixa ir o meu povo, para que me sirva; Porque esta vez enviarei todas as minhas pragas sobre o teu coração, e sobre os teus servos, e sobre o teu povo, para que saibas que não há outro como eu em toda a terra. Porque agora tenho estendido minha mão, para te ferir a ti e ao teu povo com pestilência, e para que sejas destruído da terra; Mas, deveras, para isto te mantive, para mostrar meu poder em ti, e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra. Tu ainda te exaltas contra o meu povo, para não o deixar ir? Eis que amanhã por este tempo farei chover saraiva mui grave, qual nunca houve no Egito, desde o dia em que foi fundado até agora." (Êxodo 9:13-18). Ele se abaterá sobre as nações da terra.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário