quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Perímetro seguro

Foto: Nesta manhã, como fez Davi, agi como se quisesse acordar a alva. Cantei um antigo cântico sobre oração; cujo estribilho diz: "Bem de manhã, e sem sessar, vigiar sim e orar." Cantei suas quatro estrofes; e, ao mesmo tempo, clamei ao Pai. Sei que um novo dia sempre chega envolto em mistério, cheio de surpresas; então preciso estar preparado para enfrentá-lo. E não existe preparação melhor do que a que é gerada no lugar de oração. Estou convencido de que a oração estabelece um perímetro seguro à nossa volta e ao redor de nossa casa e família; logicamente, se intercedermos por ela. Então, penso que nosso dia deve iniciar e terminar no lugar de oração.

Percebo que Satã utiliza seus dardos inflamados, para corromper nossa razão e sentimentos. E seus dardos são tão venenosos, que podem abalar nossa saúde e até mesmo a nossa espiritualidade. Portanto, preciso estar junto a Fonte que me torna capaz de lhe fazer frente, sem recuar; preparado para travar o bom combate da fé. Sei que existem inúmeros crentes, até mesmo obreiros, que simplificam em demasia esta questão; reduzindo sua força de combate a algumas frases de efeito, como se isto fosse suficiente para as batalhas espirituais que precisamos travar. Quanto a mim, entendo que todo cuidado ainda é pouco na luta contra as trevas.

Nesta manhã, como fez Davi, agi como se quisesse acordar a alva. Cantei um antigo cântico sobre oração; cujo estribilho diz: "Bem de manhã, e sem sessar, vigiar sim e orar." Cantei suas quatro estrofes; e, ao mesmo tempo, clamei ao Pai. Sei que um novo dia sempre chega envolto em mistério, cheio de surpresas; então preciso estar preparado para enfrentá-lo. E não existe preparação melhor do que a que é gerada no lugar de oração. Estou convencido de que a oração estabelece um perímetro seguro à nossa volta e ao redor de nossa casa e família; logicamente, se intercedermos por ela. Então, entendo que nosso dia deve iniciar e terminar no lugar de oração.
 
Percebo que Satã utiliza seus dardos inflamados, para corromper nossa razão e sentimentos. E seus dardos são tão venenosos, que podem abalar nossa saúde e até mesmo a nossa espiritualidade. Portanto, preciso estar junto a Fonte que me torna capaz de lhe fazer frente, sem recuar; sempre preparado para travar o bom combate da fé (II Tim. 4.7). Sei que existem inúmeros crentes, até mesmo obreiros, que simplificam em demasia esta questão; reduzindo sua força de combate a algumas frases de efeito, como se isto fosse suficiente para as batalhas espirituais que precisamos travar. Quanto a mim, entendo que todo cuidado ainda é pouco na luta contra as trevas.
 
Este texto apresenta importante relação de armas para a nossa guerra:
 
"Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho,"
(Efésios 6:14-19)
 
Armadura de Deus e oração constante são prioridade em nosso preparo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário