quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Fui ouvido e atendido


Hoje é o último dia de um ano de tentações, provações e realizações. Acordei cedo com um forte desejo de estender minha vida no lugar de oração. Guardei silêncio algum tempo - Não que não tivesse assuntos a expor - pois, senti necessidade de ouvir. Falei muito pouco; mas, fui ouvido em tudo que meus lábios e meus pensamentos disseram. Pedi duas coisas ao meu Deus: Pedi PERDÃO pelos erros cometidos e pelos pecados praticados, no ano que se finda. E pedi DIREÇÃO, para saber como entrar e proceder no novo ano que chega. Enquanto orava, pedi no íntimo que o Senhor me guarde de tentar explicar meus erros ou justificar meus pecados (afinal, erros não se explicam e pecados não se justificam; ambos devem ser tratados e corrigidos, diante do Senhor e diante do ofendido). Sinto paz, pois senti que fui ouvido e atendido. Enfim, isto sim, é o que importa!
 
Decidi continuar sendo vaso de bênção no novo ano. Sei que isto não depende só de minha intenção; pois ela precisa passar pelo crivo da aprovação de Deus e da aquiescência dos homens. Todavia, o simples fato de me dispor a ser vaso útil e edificante, já e suficiente para produzir satisfação interior. E, decidi não ser peso morto nem motivo de escândalo; pois isto fere a santidade de Deus e perturba o Seu propósito para com minha vida, além de causar grande prejuízo à vida dos que me rodeiam e que de certo modo, dependem de minha fidelidade e integridade. Sei que esta decisão é mais difícil que a primeira; pois exige perseverança e esforço de minha parte. Mas tenho ao meu favor o fato de que posso contar com o amor de Deus, a mediação de Jesus e o socorro do Seu Espírito. Logo, com o céu por testemunha e a graça por cobertura, que mais posso querer?
 
Ao longo de minha vida de crente, o livro de Provérbios sempre me edificou; e desde que li pela primeira vez este texto postado em seguida, tenho sido ajudado: "No caminho da sabedoria te ensinei, e por veredas de retidão te fiz andar. Por elas andando, não se embaraçarão os teus passos; e se correres não tropeçarás. Apega-te à instrução e não a largues; guarda-a, porque ela é a tua vida. Não entres pela vereda dos ímpios, nem andes no caminho dos maus. Evita-o; não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo. Pois não dormem, se não fizerem mal, e foge deles o sono se não fizerem alguém tropeçar. Porque comem o pão da impiedade, e bebem o vinho da violência. Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." (Provérbios 4:11-18). Posso testemunhar que ainda guardo as marcas do que recebi através dele.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Devo ser sempre agradecido

Foto: Estou pensando nas últimas horas que nos separam de um ano que se apresenta desafiador... Ano novo envolto em sombras preocupantes; tanto para governantes, como para governados. Enquanto penso, me dou conta de que minha vida podia ter sido mais útil e proveitosa. Então, sou lembrado de que sou devedor... Devedor aos que não evangelizei, tendo meios e tempo para fazê-lo; devedor àqueles por quem não orei, tendo tempo disponível para que o fizesse; enfim, devedor ao meu Deus e Senhor, por não Lhe ter dado mais espaço e tempo em minha vida. Sei que não devo me auto-massagear por me julgar bom; ou me auto-acusar por me julgar mal. No entanto, posso me auto-criticar e rever valores e conceitos que adotei; pois talvez eles não sejam tão bons como julguei que fossem. Ah... E sei que preciso buscar mais a Deus e servir mais ao meu próximo.

Sou também lembrado de que devo ser sempre agradecido... Agradecido por tudo aquilo que tenho recebido de Deus. Aliás, preciso olhar com gratidão a minha família, pois ela é parte da herança que recebi do Senhor; e preciso olhar com gratidão os meus amigos, pois eles são bens preciosos que Deus me deu. Devo, inclusive, agradecer a Deus por meu inimigos e adversários, pois eles podem ser os melhores aferidores do meu jeito de ser e de tratar as pessoas... Devo aprender com eles, que talvez eu não seja tão bom quanto penso ser; e que jamais poderei agradar a todos, por mais que queira. Enfim... Para o novo ano que se aproxima, preciso me condicionar e preparar melhor; pois não sei o que ele me reserva; mas, sei que posso melhorar meu modo de ser e de servir; pois, se assim eu fizer, serei alguém bem melhor de se conviver e uma melhor companhia.

Estou pensando nas últimas horas que nos separam de um ano que se apresenta desafiador... Ano novo envolto em sombras preocupantes; tanto para governantes, como para governados. Enquanto penso, me dou conta de que minha vida poderia ter sido mais útil e proveitosa. Então, sou lembrado de que sou devedor... Devedor aos que não evangelizei, tendo meios e tempo para fazê-lo; devedor àqueles por quem não orei, tendo tempo disponível para que o fizesse; enfim, devedor ao meu Deus e Senhor, por não Lhe ter dado mais espaço e tempo em minha vida. Sei que não devo me automassagear por me julgar bom; ou me autoacusar por me julgar mal. No entanto, posso me autocriticar e rever certos valores e conceitos que adotei; pois talvez eles não sejam tão bons como julguei que fossem. Ah... E sei que preciso buscar mais a Deus e servir melhor ao meu irmão e meu próximo.
 
Sou também lembrado de que devo ser sempre agradecido... Agradecido por tudo aquilo que tenho recebido de Deus. Aliás, preciso olhar com gratidão a minha família, pois ela é parte da herança que recebi do Senhor; e preciso olhar com gratidão os meus amigos, pois eles são bens preciosos que Deus me deu. Devo, inclusive, agradecer a Deus por meu inimigos e adversários, pois eles podem ser os melhores aferidores do meu jeito de ser e de tratar as pessoas... Devo aprender com eles, que talvez eu não seja tão bom quanto penso ser; e que jamais poderei agradar a todos, por mais que queira. Enfim... Para o novo ano que se aproxima, preciso me condicionar e preparar melhor; pois não sei o que ele me reserva; mas, sei que posso melhorar meu modo de ser e de servir; pois, se assim eu fizer, serei alguém bem melhor de se conviver e uma melhor companhia.
 
Tenho aprendido importantes lições nas cartas escritas, em Apocalipse, aos anjos das sete igrejas:
 
"Escreve ao anjo da igreja de Éfeso: Isto diz aquele que tem na sua destra as sete estrelas, que anda no meio dos sete castiçais de ouro: Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos. E sofreste, e tens paciência; e trabalhaste pelo meu nome, e não te cansaste. Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres. Tens, porém, isto: que odeias as obras dos nicolaítas, as quais eu também odeio. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer, dar-lhe-ei a comer da árvore da vida, que está no meio do paraíso de Deus."
(Apocalipse 2:1-7)
 
E esta, escrita ao pastor de Éfeso, tem sido um alerta para o meu modo de praticar meu ministério.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Temporada de férias

Foto: Hoje intensifiquei oração em favor de minha família e do rebanho que o Senhor me confiou. A temporada de férias mal se iniciou... No entanto, os perigos que ela traz em seu bojo não devem ser ignorados. Eu diria que é um tempo em que o prazer das férias, não deve nos distrair ao ponto de nos descuidarmos da vida com Deus. Portanto, o lugar de oração não deve ser desativado ou esquecido;pois é nele que que renovamos as forças tão exigidas e amansamos as feras tão atrevidas. Precisamos do socorro de Deus em todo tempo; todavia, em nossos momentos de descontração, nosso cuidado deve ser maior e a busca ao Senhor um imperativo.

Gosto de parafrasear um antigo adágio: Oração e caldo de galinha não faz mal a ninguém! No entanto, em algumas ocasiões - além do mal que nunca faz - a oração pode nos livrar de sérios apuros. Eu mesmo já perdi a conta, das inúmeras vezes em que o tempo passado no lugar de oração, antecipou vitórias que não poderiam ser obtidas de outro modo. Na verdade, a oração não dispensa o trabalho; mas, melhora o seu rendimento. Orar não evita algumas provações; todavia, ameniza os seus efeitos. Enfim... Vida sem oração, ainda que não apresente problemas, é sempre um risco. Então, vamos manter o lugar de oração aquecido.

Hoje intensifiquei oração em favor de minha família e do rebanho que o Senhor me confiou. A temporada de férias mal se iniciou... No entanto, os perigos que ela traz em seu bojo não devem ser ignorados. Eu diria que é um tempo em que o prazer das férias, não deve nos distrair ao ponto de nos descuidarmos da vida com Deus. Portanto, o lugar de oração não deve ser desativado ou esquecido; pois é nele que que renovamos as forças tão exigidas e amansamos as feras tão atrevidas. Precisamos do socorro de Deus em todo tempo; todavia, em nossos momentos de descontração, nosso cuidado deve ser redobrado; e buscar ao Senhor em oração um imperativo.
 
Gosto de parafrasear um antigo adágio, usando a palavra oração no lugar de precaução: Oração e caldo de galinha não faz mal a ninguém! No entanto, em algumas ocasiões - além do mal que nunca faz - a oração pode nos livrar de sérios apuros. Eu mesmo já perdi a conta, das inúmeras vezes em que o tempo passado no lugar de oração, antecipou vitórias que não poderiam ser obtidas de outro modo. Na verdade, a oração não dispensa o trabalho; mas, melhora o seu rendimento. Orar não evita algumas provações; todavia, ameniza os seus efeitos. Enfim... Vida sem oração, ainda que não apresente problemas, é sempre um risco. Então, vamos manter o lugar de oração aquecido.
 
Sinto grande necessidade de buscar a face do Senhor: "Louvarei ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca. A minha alma se gloriará no Senhor; os mansos o ouvirão e se alegrarão. Engrandecei ao Senhor comigo; e juntos exaltemos o seu nome. Busquei ao Senhor, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores. Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficaram confundidos. Clamou este pobre, e o Senhor o ouviu, e o salvou de todas as suas angústias. O anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra." (Salmos 34:1-7). Sei que Deus ouve o meu clamor e o quanto tenho sido ajudado!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 28 de dezembro de 2014

Um lugar do coração


Hoje, após noite bem dormida e coração descansado, fico a pensar no vai e vem de famílias - em intermináveis viagens - rumo ao encontro com seus queridos, em algum lugar, perto ou longe. Sei que nem todos poderão rever seus amados, em datas tão especiais... Todavia, o importante é carregarmos conosco - em um lugar do coração onde serão sempre lembrados e sentidos - aqueles que raramente vemos. Sinto gratidão a Deus por meus familiares, diretos e indiretos, e por todos os amigos que acumulei ao longo dos anos. Afinal, fazem parte do meu rico tesouro.
 
Desde que me entendo por crente, acredito que Deus nos chamou e salvou para nos abençoar com Sua graça e presença. No entanto, isto não anula o fato de que, fomos chamados por Ele para sermos abençoadores daqueles que convivem conosco; ou que, simplesmente, atravessam o nosso caminho. É verdade! Em um mundo no qual a maioria das pessoas vive para si e só pensa em si mesma; somos vasos de Deus para abençoar pessoas; ou então, na pior das hipóteses, nos esforçando para não atrapalhar e afligir suas vidas. Assim tenho pensado, assim tenho procurado viver.
 
Penso que este texto é maravilhoso incentivo ao amor, cordialidade e respeito entre as pessoas:
 
"Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade; Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem."
(Romanos 12:10-21)
 
Portanto, em um mundo marcado por desrespeito à vida, creio que vale a pena pô-lo prática!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 27 de dezembro de 2014

Orando um pouco mais


Sinto necessidade de ampliar um pouco mais a minha vida de oração. Não sei se conseguirei... Orar é sempre uma tarefa difícil, as vezes indesejável. Todavia, não conheço outro modo de manter proximidade com o Pai e distância segura do mundo. Sei que existem cristãos que pensam bem diferente de mim; pode até ser que tenham mais razão do que eu em muitas coisas... Entretanto, no quesito "oração", sei que estão equivocados quando não lhe dão a devida importância. Ao longo de minha vida, aprendi a respeitar os que pensam diferente de mim; mesmo os que escolhem outras crenças e outras opções de vida. Contudo, preciso manter minha posição em Cristo, à luz das Escrituras, sem me deixar iludir por antigos e novos conceitos equivocados sobre Deus. Para tanto, preciso estar no lugar de oração.
 
Sei que este mundo se encontra envolto em uma nuvem de conceitos e preconceitos. As vezes, penso que tudo começou com o processo de sedução usado por Satã no Éden. Ali, as coisas se definiram contra nós. Ali, a contradição nasceu e evoluiu; lançando dúvida sobre a Palavra e as promessas do Pai. Não nego que o que ali ocorreu e o que dali derivou, está fora do julgamento e opinião dos mortais; no entanto, sou levado a pensar: Se Eva, naquela manhã, tivesse orado um pouco mais, o desfecho desta história poderia ter sido outro. Não sou fatalista, ao ponto de pensar que certas coisas tem que acontecer; embora, em alguns casos, se tornem inevitáveis; pois, sempre acreditei que se as pessoas se preparassem melhor para certas escolhas que fazem - mesmo ante o inesperado - tudo poderia ser bem diferente.
 
Sempre que nos debruçamos sobre os evangelhos, fica evidente aos nossos olhos, a insistência de Jesus em que devemos orar sempre: "Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á. E qual dentre vós é o homem que, pedindo-lhe pão o seu filho, lhe dará uma pedra? E, pedindo-lhe peixe, lhe dará uma serpente? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?" (Mateus 7:7-11). Outra evidência que salta aos olhos é o fato de que, em toda a história humana, não houve alguém que tivesse orado como Jesus orou. Portanto, ninguém melhor do que o Ele, para entender a nossa necessidade de orar sempre.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Sistema contra Deus


Nesta manhã, enquanto eu orava ao Senhor, fui levado a interceder por nossa nação. Ao buscar a proteção de Deus para o Brasil, fui advertido que quando um governo procura desviar um país cristão, de seus valores morais e espirituais herdados de sua crença; e tenta impor usos e costumes estranhos às suas tradições e princípios baseados na Verdade Eterna; as consequências - ainda que não sejam sentidas de imediato - irão se manifestar, na mesma proporção da ofensa praticada. Ao longo da História, podemos verificar que isto aconteceu com povos e nações do passado distante e recente; isto aconteceu com Israel; isto também pode acontecer com o nosso Brasil.
 
Nosso país não está isento de sofrer por conta da insanidade de governos; que, usando como justificativa aprimorar a garantia dos direitos e liberdades individuais, profanam valores legitimados e consagrados na constituição federal; e, usando como pretexto a miséria de seu próprio povo, assaltam os cofres da nação roubando a saúde e a segurança daqueles que dizem defender; e que, advogando em causa própria, transformam criminosos em heróis, obrigando as pessoas de bem a se esconderem da violência crescente. Infelizmente, a aliança de homens de Deus com pessoas privadas do temor de Deus, ajuda a manter e dar sustentação a um sistema em oposição a Deus.
 
Enfim, não é de hoje que alianças entre santos e profanos - longe de "santificar" a profanação - acaba por profanar os santos; unindo em um trágico destino, famílias boas e famílias ruins. Devemos pois pensar que, assim como a junção de laranjas boas com laranjas ruins, em um mesmo saco - longe de melhorar a qualidade das ruins - acaba por contaminar as boas; de igual modo, o cristão aliançado com o ímpio acaba por anular promessas divinas de provisão e proteção sobre sua vida; pondo em risco a sobrevivência ou a qualidade de vida de sua própria família. Portanto, nós os cristãos bíblicos, precisamos estar atentos à este momento perigoso.
 
Esta advertência deve ser levada em alta conta:
 
"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor;E não toqueis nada imundo,E eu vos receberei; E eu serei para vós Pai,E vós sereis para mim filhos e filhas, Diz o Senhor Todo-Poderoso."
(2 Coríntios 6:14-18)
 
Ela pode definir para melhor o nosso futuro.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Oração no Natal


Nesta manhã de Natal, venho fazer aquilo que sempre faço: Que é buscar tua face Senhor! E se existem razões de sobra, que fazem com que eu priorize a oração; neste dia, tenho uma única razão para manter esta importante rotina: Jesus nasceu em Belém e morreu em Jerusalém, para conceder a pecadores, como eu, o direito de ter um "lugar ao Sol". Sei que os dias são maus e sombrios; mas o Sol da Justiça se mantém luzente e acessível ao cansado e oprimido; se é que este tem fé suficiente em Jesus, para depositar aos Seus pés as dores que sente e o fardo que carrega, trazendo o coração carregado de arrependimento e a alma carregada de esperança.
 
Glória a Deus! O Natal existe! Então, querido Pai; posso ter fé, amor e esperança quanto ao futuro; pois, o Natal de Luz não é apenas um dia a ser comemorado; mas, uma realidade a ser vivida todos os dias de nossa breve existência! Posso também desejar um feliz Natal a todos os meus amigos e irmãos, na certeza de que este meu desejo é perfeitamente realizável; pois, Jesus nasceu para tornar a vida melhor, em meio a todo o mal que os seres humanos infligem a si mesmos; matando e morrendo por motivos raivosos e egoístas; sofrendo e adoecendo, embora tão perto do socorro vindo do céu ao seu encontro, na pessoa de Jesus, o Salvador que se fez homem.
 
Jesus, o Verbo de Deus entre nós:
 
"No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam. Houve um homem enviado de Deus, cujo nome era João. Este veio para testemunho, para que testificasse da luz, para que todos cressem por ele. Não era ele a luz, mas para que testificasse da luz. Ali estava a luz verdadeira, que ilumina a todo o homem que vem ao mundo. Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome; Os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."
(João 1:1-14)
 
Eterno Salvador da humanidade!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

O Senhor do Natal


Este é um dia de agitação e correria em quase todo o mundo... E não há como conter o ritmo do corre-corre provocado pelas festas natalinas. Família que vai; família que vem; amigos e parentes que se encontram; enfim... Este é o Natal que o mundo inteiro conhece e para o qual se prepara. As luzes coloridas tremeluzem nas portas, janelas, árvores e paredes; sugerindo alegria e boa vontade em um dia feito para ser diferente. Então, a lendária figura de um velhinho de barbas brancas e barrete vermelho entra em cena, enfeitando casas e comércios em toda parte; roubando a cena que deveria destacar e aclamar o verdadeiro Senhor do Natal de luz: Jesus Cristo, o Verbo eterno que se fez carne!
 
Ainda bem que igrejas e famílias conseguem perceber que o Natal só existe porque Jesus nasceu. E assim, canções e peças natalinas contam, em prosa e em verso, a singular história do Messias Rei da Glória que nasceu em Belém. Infelizmente, existem muitas famílias cristãs que tentam conciliar o menino da manjedoura com o velho do trenó, em uma mesma festa. É pena! Pois as luzes do Natal deviam ser todas apontadas para o Menino de luz que nasceu, cresceu e viveu entre nós; curando e salvando gente, até se tornar homem de dores, afligido por nossos pecados; e, enfim, caminhar com seus próprios pés - entre dores e gemidos - até o Calvário, onde morreu por todos nós pecadores.
 
Este texto alusivo ao Natal, está sempre presente em minha lembrança:
 
"Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens."
(Lucas 2:8-14)
 
Nele, os anjos celebram o Natal!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari 
 

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Sem que eu perceba


Pai de amor e de misericórdia; sinto prazer em te buscar, nesta madrugada sem vento e sem chuva, sabendo com certeza que tu me conduziste ao lugar de oração. Este é um lugar em que sempre me sinto bem-vindo, por mais abatido ou cansado que eu esteja. Sinto profunda gratidão, por saber que tenho tua graça sobre minha vida e família; e por saber que posso prosseguir no Caminho, ainda que algumas vezes chorando, outras vezes sorrindo; mas, nunca desistindo. Aleluia! Como é bom ter a certeza que tu me amas e me aceitas como filho; embora nem para servo eu me sinta capaz. Como é bom poder lembrar o passado sem vergonha ou receio; e poder olhar o futuro sem apreensão ou medo. Como é bom sentir segurança aos teus pés!
 
Daqui a pouco, inicio mais uma viagem, das muitas que tenho feito ultimamente. Tenho notado o quanto as estradas são perigosas, mas sinto paz e segurança contigo ao meu lado. Te louvo, meu Senhor! Pois sei que trago sempre comigo a convicção de que tu nos envolves em uma espécie de bolha (a nossa bolha de imunidade), na qual sentimos plena paz e proteção. Obrigado, querido Pai; por desfrutarmos deste cuidado especial, em meio a tantos perigos que nos rodeiam neste mundo. Algumas coisas me assustam nesta vida; porém, nada me assusta mais do que o perigo de me afastar de ti, sem que eu perceba; e, pior, pensando estar no caminho certo. Apesar do desconforto, quero sentir sempre o peso da cruz; ao som dos gemidos de Jesus por mim.
 
O Caminho da Vida impõe que levemos a cruz: "Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma? Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras. Em verdade vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino" (Mateus 16:24-28). Mas só um discípulo real de Jesus pode entender seu significado.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Conduta ética de um Pastor

Foto: Hoje, antes mesmo de me curvar aos pés do Senhor em oração, pensei nos inúmeros casamentos que - ao longo de minha vida - procurei ajudar. São tantos, que perdi a conta... Houve caso, tive a porta fechada em minha cara; e precisei negociar meu ingresso na casa. Lembro-me de um, em que a esposa ferida se dirigiu a mim dizendo: "Vocês dois são farinha do mesmo saco". Houve também um caso, em que precisei convencer o esposo ferido que "divórcio dá despesa"; após tentar, sem sucesso, outros meios de dissuasão. Houveram casos , em que precisei primeiro expulsar o demônio de cônjuges possessos, para então tentar reaproxima-los pelo aconselhamento e oração. Lembro-me de maus tratos a mim infligidos; sem que eu levasse em conta as ofensas. Na grande maioria dos casos, obtive sucesso, mas não me glorio por isso; pois sei quem me conduziu ao bom resultado. Vez ou outra, encontro alguns desses casais, com seus filhos, e me pergunto: "Será que ainda se lembram do que passamos juntos?"

Sou grato a Deus, por me ter dado discernimento para manter os casais em crise longe dos holofotes; na grande maioria das vezes, sem levá-los ao Presbitério ou CMR. Afinal, não se tratava apenas de um simples caso disciplinar; mas, da salvação de uma família. Sei que, embora tenha ajudado a grande maioria, não obtive sucesso em todos os casos; mas não me preocupo com isso, pois nos raros casos de ruptura, a relação desfeita não se constituiu em inimizade crônica. Antes de atribuir à mim mesmo qualquer mérito; penso ser este o dever de um pastor ciente de sua missão e vocação: Trabalhar pela restauração de vidas e famílias, promovendo a reconciliação entre os homens e o Deus eterno através de Jesus. Creio que, na base das regras de conduta ética de um pastor, está o dever de manter sigilo sobre os casos especiais que precisa atender. Tenho visto estragos causados, em pessoas e famílias, por pastores indiscretos, imprudentes. Ah... Se tais pastores soubessem o preço que pagarão por sua indiscrição!

Hoje, antes mesmo de me curvar aos pés do Senhor em oração, pensei nos inúmeros casamentos que - ao longo de minha vida - procurei ajudar. São tantos, que perdi a conta... Houve caso, em que tive a porta fechada em minha cara; e precisei negociar meu ingresso na casa. Lembro-me de um, em que a esposa ferida se dirigiu a mim dizendo: "Vocês dois são farinha do mesmo saco". Houve também um caso, em que precisei convencer o esposo ferido que "divórcio dá despesa"; após tentar, sem sucesso, outros meios de dissuasão. Houveram casos , em que precisei primeiro expulsar o demônio de cônjuges possessos, para então tentar reaproxima-los pelo aconselhamento e oração. Lembro-me de maus tratos a mim infligidos; sem que eu levasse em conta as ofensas. Na grande maioria dos casos, obtive sucesso, mas não me glorio por isso; pois sei quem me conduziu ao bom resultado. Vez ou outra, encontro alguns desses casais, com seus filhos, e me pergunto: "Será que ainda se lembram do que passamos juntos?"
 
Sou grato a Deus, por me ter dado discernimento para manter os casais em crise longe dos holofotes; na grande maioria das vezes, sem levá-los ao Presbitério ou CMR. Afinal, não se tratava apenas de um simples caso disciplinar; mas, da salvação de uma família. Sei que, embora tenha ajudado a grande maioria, não obtive sucesso em todos os casos; mas não me preocupo com isso, pois nos raros casos de ruptura, a relação desfeita não se constituiu em inimizade crônica. Antes de atribuir à mim mesmo qualquer mérito; penso ser este o dever de um pastor ciente de sua missão e vocação: Trabalhar pela restauração de vidas e famílias, promovendo a reconciliação entre os homens e o Deus eterno através de Jesus. Creio que, na base das regras de conduta ética de um pastor, está o dever de manter sigilo sobre os casos especiais que precisa atender. Tenho visto estragos causados, em pessoas e famílias, por pastores indiscretos, imprudentes. Ah... Se tais pastores soubessem o preço que pagarão por sua indiscrição!
 
O livro do profeta Daniel - tanto pelo seu testemunho, como pelo nível de revelação que recebeu - faz deste homem o mais importante referencial bíblico do Antigo Testamento, para minha vida e ministério. E o versículo terceiro deste texto postado tem sido lembrado por mim, sempre que penso na grandeza da missão que me foi confiada: "E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente." (Daniel 12:1-3). Creio poder afirmar que este último verso do texto anexado, tem tudo a ver com a mensagem que postei nesta manhã.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 21 de dezembro de 2014

Iminente vinda de Jesus


Aos amigos e irmãos mais atentos, já deve ter ficado evidente que, em minhas postagens, geralmente intercalo uma oração com uma palavra pastoral; sendo que, algumas vezes, mesclo as duas em uma só mensagem. Nesta madrugada, senti necessidade de redobrar minha atenção... Cai aos pés do Senhor e orei com fervor sem conter o pranto. Nos últimos anos, cresce em mim a certeza de que o Dia do Senhor está perto; no entanto, nestes últimos dias, arde em mim o sentimento de que está iminente; ao passo que o povo de Deus parece dormir. Não temos tempo a perder! Não quero dizer com isso, que seja necessário interromper as atividades e ocupações comuns, para aguardar a vinda do Messias. Até porque, Ele mesmo disse que "Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra." (Mateus 24:40-41). Portanto, trabalhos comuns e rotineiros não nos impedirão de subir ao encontro do Senhor. Todavia, o pecado sim!
 
Algumas coisas fazem crescer em mim este sentimento. Uma delas é o modo como muitos cristãos estão sendo desencaminhados, sem se darem conta... As vezes, não consigo acreditar no que vejo: Cristãos amantes de si mesmo; dispostos a sacrificar sua própria família e os valores eternos, no afã de satisfazer estranhos e condenados caprichos; ou mesmo de cultivar planos de vingança contra alguém. Meu Deus! Realmente... Precisei orar dobrado, pois não há meios de conter tais mudanças, como se elas fossem elos da corrente que procura envolver a humanidade inteira em uma trama maligna, cujo objetivo é manipular, prender e esmagar aqueles que nem se apercebem da loucura que fazem. Não é sem sentido a advertência de Jesus quanto a estes dias, quando afirma que "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo." (Mateus 24:12-13). É por estas e por outras, que todos nós precisamos nos encher do Espírito Santo e orar um pouco mais.
 
Que vivemos tempos de angústia, creio que ninguém duvida: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem. Então, estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro; Estando duas moendo no moinho, será levada uma, e deixada outra. Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis." (Mateus 24:36-44). Mas, que este tempo prenuncia o fim, poucos se apercebem.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 20 de dezembro de 2014

Gentilezas e orações

Foto: Hoje levantei para orar, mais cedo que de costume... Depois, comecei a conjeturar comigo mesmo: Não devo me oprimir com a violência em que o mundo vive; nem me deslumbrar com o seu lado festivo e colorido; pois tenho um bem maior e melhor do que qualquer coisa que o mundo possa me tirar ou me oferecer. Sei que andar no caminho do Senhor será sempre como subir um rochedo íngreme ou nadar contra a correnteza. Algumas vezes, parece que não conseguirei dar a braçada seguinte, ou dar o próximo passo, de tão difícil que é; mas isso não deve me desanimar ou assustar, pois tenho a mão de Deus sobre mim. Então, não devo me deixar vencer por cansaço ou desânimo, pois a graça que me mantém de pé e os valores que busco, compensam qualquer sacrifício ou sofrimento.

Pensei na tendência que temos, de falar qualquer palavra que vem à mente, algumas como um desabafo. Então, conclui que é bem melhor conter os pensamentos e sentimentos, do que liberar palavras impróprias; pois razão e emoção podem ser trabalhadas no íntimo; mas palavras lançadas ao vento não podem ser recolhidas. Entendo que, mesmo em família, algumas expressões deveriam ser evitadas; até porque, família é um tesouro que precisa ser polido e preservado. Cônjuges e filhos deveriam entender que é muito mais nobre e edificante trocar gentilezas e orações, do que viverem a trocar ofensas e acusações. E aos internautas, eu digo: Cuidado com o que você posta! Palavras impensadas e ofensivas, lançadas na grande rede, podem provocar ferimentos e reações inesperadas e perigosas.

Hoje levantei para orar, mais cedo que de costume... Depois, comecei a conjeturar comigo mesmo: Não devo me oprimir com a violência em que o mundo vive; nem me deslumbrar com o seu lado festivo e colorido; pois tenho um bem maior e melhor do que qualquer coisa que o mundo possa me tirar ou me oferecer. Sei que andar no caminho do Senhor será sempre como subir um rochedo íngreme ou nadar contra a correnteza. Algumas vezes, parece que não conseguirei dar a braçada seguinte, ou dar o próximo passo, de tão difícil que é; mas isso não deve me desanimar ou assustar, pois tenho a mão de Deus sobre mim, para me ajudar a prosseguir com os olhos postos no céu; em meio a um mundo tão atraente quanto perverso. Então, não devo me deixar vencer por cansaço ou desânimo, pois a graça que me mantém de pé e os valores que busco, compensam qualquer sacrifício ou sofrimento que eu tenha que fazer nesta vida. 
 
Pensei na tendência que todos nós temos, de falar qualquer palavra que nos vem à mente; algumas sob a forma de um desabafo. Então, conclui que é bem melhor conter os pensamentos e sentimentos, do que liberar palavras impróprias; posto que, razão e emoção podem ser trabalhadas e modificadas no íntimo; porém, palavras lançadas ao vento não podem ser recolhidas. Entendo que, mesmo estando em família, algumas expressões nunca deveriam ser utilizadas; até porque, família é um tesouro que precisa ser constantemente polido e preservado. Cônjuges e filhos precisam entender que é muito mais nobre e edificante trocarem gentilezas e orações, do que viverem a trocar ofensas e acusações. E aos internautas, eu preciso dizer algo: Muito cuidado com aquilo que você posta na rede! Não devemos ignorar que, palavras impensadas e ofensivas lançadas na internet, podem provocar reações inesperadas e perigosas.
 
Esta advertência de Jesus me traz temor: "Ou fazei a árvore boa, e o seu fruto bom, ou fazei a árvore má, e o seu fruto mau; porque pelo fruto se conhece a árvore. Raça de víboras, como podeis vós dizer boas coisas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca. O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más. Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no dia do juízo. Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado." (Mateus 12:33-37). Portanto, devo meditar nela. E também observar esta receita do salmista: "Eu disse: Guardarei os meus caminhos para não pecar com a minha língua; guardarei a boca com um freio, enquanto o ímpio estiver diante de mim." (Salmos 39:1). Ela pode me livrar de grandes encrencas e dolorosos prejuízos e dissabores.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Preciso saber esperar NELE


Nesta manhã, ao me achegar ao lugar de oração, venho plenamente consciente de que nem tudo começa ou termina no lugar de oração; todavia, algumas coisas precisam ser definidas e resolvidas ali; pois, qualquer insistência nossa, em tentar carregar certos fardos - sejam problemas familiares ou ocupacionais - ou manter certos hábitos inconvenientes, pode tornar nossa vida insuportável. Digo isso, porque aprendi por experiência própria, que o coração só encontra descanso e direção na presença de Deus; mesmo não obtendo dEle todas as respostas que busca. Aliás, não devo pensar que o fato de - açodado por minha inquietação - buscar em Deus respostas prontas; vai obrigar o Senhor a atender à minha precipitação. Preciso saber esperar nEle! Pois, como lidaremos com a passagem do tempo e com os problemas e conflitos de natureza quase interminável; se não nos quedarmos e acalmarmos ante o Senhor?
 
Ainda pensando no concílio, não sei se todo bispo sente o que eu sinto... Mas, sei que lidar com um pós concílio é um desafio tão grande ou maior do que o concílio em si mesmo. Tenho percebido que um evento desse porte nem sempre "fecha" o círculo profético que envolve os seus integrantes diretos e indiretos. Ovelhas e pastores devem entender que algumas dores causadas por mudanças são inevitáveis, posto que necessárias, para que o querer de Deus seja cumprido e Seu propósito seja finalmente concluído em nós. Uma antiga canção nos ensina que "não há dor que seja sem divino fim"; e Paulo assim se pronuncia: "E quero, irmãos, que saibais que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho;" (Filipenses 1:12). Infelizmente, nem todos os pastores e ovelhas entendem isso; e, assim, acabam ferindo o "corpo de Cristo" (Sua Igreja), por reagir de modo impróprio.
 
Na verdade, o propósito de Deus nem sempre coincide com o nosso desejo:
 
"Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? Então, aproximando-se eles, lançaram mão de Jesus, e o prenderam. E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha. Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão. Ou pensas tu que eu não poderia agora orar a meu Pai, e que ele não me daria mais de doze legiões de anjos? Como, pois, se cumpririam as Escrituras, que dizem que assim convém que aconteça? Então disse Jesus à multidão: Saístes, como para um salteador, com espadas e varapaus para me prender? Todos os dias me assentava junto de vós, ensinando no templo, e não me prendestes. Mas tudo isto aconteceu para que se cumpram as escrituras dos profetas. Então, todos os discípulos, deixando-o, fugiram."
(Mateus 26:50-56)
 
Esta lição, aprendemos com o passar do tempo. Como cresci ao entender isso!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Brilho do primeiro amor

Foto: Desde que me entendo por crente, sinto prazer especial em cantar - não qualquer canção que aparece entre nós - mas, canções que têm o dom de me transportar a um lugar imaginário; no qual, me sinto distante do mundo a próximo de Deus. E nesta manhã, cantarolei o estribilho de um antigo hino: "Quero andar de valor em valor e seguir a Jesus meu Senhor; té que um dia receba no céu, a coroa que me dará Deus". Naturalmente, agradeci a Deus, pelo fato de me sentir guardado, protegido, iluminado pelo Seu Espírito Santo, enquanto sigo caminhando nesse plano invisível aos olhos. Estou entre os que acreditam, que a verdadeira vida - não aquela visível a olho nu - precisa estar baseada em um conjunto de valores, para poder ter sentido e relevância; e isto só é possível estando firmada em Jesus.

Então, senti gratidão por minha família. Já sei! Alguns vão dizer que sempre digo isto. É verdade... Mas continuarei propagando aos quatro ventos este testemunho. Vejam bem: Tenho com minha esposa uma aliança de amor - independente das nossas diferenças e defeitos - que tem resistido ao tempo, sem abrandar o fogo da paixão que sempre permeou nosso relacionamento. Sejamos sensatos! Não vou sacrificar esta riqueza, em prol de caprichos pessoais de natureza controversa. Se necessário for, abro mão de alguns gostos (algumas vezes, até ganho com isso), para manter o brilho do primeiro amor que nos uniu. E temos filhos, que trazem consigo um conjunto de virtudes e defeitos que fazem deles o que são: Plenos de graça, amor, dinamismo, mesmo sendo imperfeitos. Obrigado Senhor!

Desde que me entendo por crente, sinto prazer especial em cantar - não qualquer canção das que aparecem entre nós - mas, canções que têm o dom de me transportar a um lugar imaginário; no qual, me sinto distante do mundo a próximo de Deus. E nesta manhã, cantarolei o estribilho de um antigo hino: "Quero andar de valor em valor e seguir a Jesus meu Senhor; até que um dia receba no céu, a coroa que me dará Deus". Naturalmente, agradeci a Deus, pelo fato de me sentir guardado, protegido, iluminado pelo Seu Espírito Santo enquanto sigo caminhando nesse plano invisível aos olhos. Estou entre os que acreditam, que a verdadeira vida - não aquela visível a olho nu - precisa estar baseada em um conjunto de valores, para poder ter sentido e relevância; e isto só é possível estando firmada em Jesus.
 
Então, senti gratidão por minha família. Já sei! Alguns vão dizer que sempre digo isto. É verdade... Mas continuarei propagando aos quatro ventos este testemunho. Vejam bem: Tenho com minha esposa uma aliança de amor - independente das nossas diferenças e defeitos - que tem resistido ao tempo, sem abrandar o fogo da paixão que sempre permeou nosso relacionamento. Sejamos sensatos! Não vou sacrificar esta riqueza, em prol de caprichos pessoais de natureza controversa. Se necessário for, abro mão de alguns gostos (algumas vezes, até ganho com isso), para manter o brilho do primeiro amor que nos uniu. E temos filhos, que trazem consigo um conjunto de virtudes e defeitos que fazem deles o que são: Plenos de graça, amor, dinamismo, mesmo sendo imperfeitos. Obrigado Senhor!
 
Sempre acreditei que um dos objetivos da Palavra de Deus é corrigir o nosso modo de pensar, falar e agir. Portanto, creio que este texto é concedido por Deus, para aprimorar o relacionamento familiar: "E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. Vós, mulheres, estai sujeitas a vossos próprios maridos, como convém no Senhor. Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas. Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor. Vós, pais, não irriteis a vossos filhos, para que não percam o ânimo." (Colossenses 3:17-21). Falando por mim, jamais poderei negar o quanto a Palavra de Deus tem mudado minha vida. E quanto a este texto em especial, como tenho sido ajudado por ele!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Minha maior contribuição


Querido Pai! Ficam retidas em meus lábios palavras de gratidão que não consigo exprimir. Enquanto eu oro, fico a pensar... E te louvo pelo meu passado! Não sinto vergonha dele, apenas gratidão a ti por tua bondade em me aceitar e transformar. E ainda aprendo lições com meu passado: A lição de saber o que devo evitar é uma delas. Obrigado pelo desfecho deste concílio! Penso ter sido o melhor, dentre os quatro concílios que tive a honra de presidir na 2ª Região. Ter ouvido e manifestado tua voz foi minha maior contribuição! Creio que centenas de homens e mulheres reunidos no CCJW jamais esquecerão aquilo que viram, ouviram e experimentaram ali. Foi sobrenatural! E quem ali esteve, há de concordar comigo.
 
Obrigado Pai! Por todos os que tiveram participação - direta ou indireta no evento - deixando sua parcela de unção e edificação, naquilo que fizeram e falaram. Obrigado por milhares de homens e mulheres que serão edificados por extensão, mediante a bagagem que levam os pastores e obreiros saídos deste concílio. Obrigado, pelo apoio maciço da 2ª Região, com seus delegados e caravanas presentes ao CCJW, empolgados, educados, ordeiros, semeadores de esperança para colher em um novo tempo. Obrigado, pois nossa delegação e caravanas conseguiram lotar o Centro de Convenções o longo de todo o dia de ontem; em uma demonstração de companheirismo e unidade raramente vista em eventos deste porte.
 
Este salmo expressa plenamente tudo o que pretendi dizer nesta oração: "Quando o SENHOR trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham. Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o Senhor a estes. Grandes coisas fez o Senhor por nós, pelas quais estamos alegres. Traze-nos outra vez, ó Senhor, do cativeiro, como as correntes das águas no sul. Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos." (Salmos 126:1-6). Assim afirmo, seguindo tendência de muitos,  que Deus é bom o tempo todo!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Absorção de valores


Nesta manhã, estou a pensar... Presidir seres humanos é aprender continuamente a cuidar com amor, de favoráveis e contrários. E o processo que nos qualifica a exercer com dignidade e respeito esta função, se inicia desde que nos entendemos por gente. Portanto, dignidade e respeito misturado com uma boa pitada de amor e temor de Deus, nos torna aptos a cuidar de pessoas como nós: Difíceis, as vezes contraditórias, nem sempre respeitosas; mas... Sempre carentes de amor, perdão e compaixão. Este tipo de convivência, nós experimentamos na própria família, desde que iniciamos o processo intelectual de absorção de valores; seja através do ensino oral, seja através do exemplo de vida. Portanto, quanto mais ricos em conteúdo forem os mestres de nossa formação, mais capazes e maduros seremos com o passar do tempo.
 
Devo acrescentar que não existe crise de opinião, seja na concordância, seja na discordância, que seja ruim em si mesma; pois, afinal de contas - tanto em família, como em ambiente de trabalho - sempre estaremos concordando ou discordando de alguém. O grande problema surge, quando a crise de opinião se transforma em caso pessoal; a ponto de separar amigos e produzir inimigos. Creio estar em condição de afirmar que a mudança de nível em conflitos de opinião - chegando ao ponto de se transformar em caso pessoal - é a principal causadora da separação traumática de bons amigos, dedicados cônjuges, pais e filhos, bons vizinhos, etc. Então, face aos prejuízos que este tipo de problema sempre causa; precisamos aprender a dosar nossas emoções, crucificando nossa natureza rebelde enquanto é tempo.
 
As ponderações deste texto lança luz sobre aquilo que postei:
 
"Ora, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio senhor ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o Senhor não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor."
(Romanos 14:1-8)
 
Ele nos ensina sobre conduta equilibrada e respeito ao fraco.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Halo da unção de Deus


Nestes últimos dias, carregados de diversidade, preciso dar um passo de cada vez... Em meio às atividades impostas pelo XVII Concílio Geral da 2ª Região, marcadas por complexidade. Ontem tivemos avivamento no início e no fim do dia, recheado com atos administrativos no entremeio. Como é bom vermos os atos administrativos e os atos proféticos se interligarem em perfeita sintonia! Glória a Deus! Me fez muito bem - da presidência da Mesa - ver centenas de delegados e visitantes interagirem com o sobrenatural circulante de Deus. Isto é algo indiscutível: Oração aceita por Deus, mais motivação correta com os homens, resulta em explosão de cor e luz no coração do crente envolto no halo da unção de Deus.
 
Em meio a tudo isso, pedi a Deus que me guarde em Sua presença, preservado no óleo da unção do Espírito; de modo que eu saiba conviver com os favoráveis e os contrários, amando e respeitando a todos igualmente; e que não me deixe seduzir pelo ver dos meus olhos, nem pelo ouvir dos meus ouvidos; e que jamais me torne cativo da minha emoção ou razão; pois assim não corro o risco de trazer lampejo de ira em meus olhos, nem gosto de sangue em meus lábios. Então, para o bem de todos, devo cuidar que minha razão não seja movida pela especulação, nem minha emoção pelo estímulo, nem minha espiritualidade por cultura ocultista. Mas, para tanto, preciso mantê-las atreladas ao vento do Espírito.
 
A leitura e observação de todo este capítulo, revela sua incomparável grandeza: "Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Por isso todos quantos já somos perfeitos, sintamos isto mesmo; e, se sentis alguma coisa de outra maneira, também Deus vo-lo revelará. Mas, naquilo a que já chegamos, andemos segundo a mesma regra, e sintamos o mesmo." (Filipenses 3:13-16). Todavia, para o que pretendo demonstrar, este texto é suficiente para promover choque de transformação em qualquer cristão.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 14 de dezembro de 2014

Canções e orações


Ao longo de minha vida, já perdi a conta das canções cristãs que nos motivam à oração; são inúmeras, voltadas para o testemunho e exortação quanto à necessidade de orarmos. Algumas delas são tão incisivas, que mal conseguimos conter as lágrimas ao cantá-las. Hoje, manhã bem cedo, com o sol ainda fora do alcance da visão, a terra coberta com o manto negro de um tipo de escuridão nem tão escura; senti paz ao me dobrar diante do Pai. Me senti pequeno e frágil; porém, ao mesmo tempo, fortalecido pela força motriz interior que tem me mantido de pé ao longo do tempo. Tem sido assim... Cantamos orações; oramos canções; mesclamos canções e orações... Enfim; buscamos a presença do Pai.
 
E não posso esquecer um momento sequer, que hoje precisamos concluir os itens da agenda do CMR; pois já estamos em contagem regressiva para o culto de abertura da XVII Concílio Regional. Portanto, parafraseando um antigo adágio, devo ter em mente que "oração e caldo de galinha não faz mal a ninguém". Nem sempre temos o saboroso e nutritivo caldo de galinha; porém, temos a oração como fonte de suprimento de paz e segurança, para sabermos como lidar com o bem e com o mal. Na verdade, seja na vida espiritual ou material, na vida familiar ou profissional; enfim, qualquer assunto em que estejamos envolvidos ou comprometidos, somente o socorro de Deus em Cristo pode nos preservar.
 
O texto apontado indica que devemos guardar o bom depósito:
 
"Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus, Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos; E que é manifesta agora pela aparição de nosso Salvador Jesus Cristo, o qual aboliu a morte, e trouxe à luz a vida e a incorrupção pelo evangelho; Para o que fui constituído pregador, e apóstolo, e doutor dos gentios. Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia. Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós."
(2 Timóteo 1:8-14)
 
Isto mesmo! O Espírito Santo é a força motriz que nos mantém de pé e no caminho.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Não há como não clamar


Temos estado, desde a tarde de segunda-feira, no Centro de Convenções John Wesley, com o Conselho Ministerial Regional; reunidos e empenhados em buscar direção e sabedoria do Pai. Os desafios a ser enfrentados e superados são de grandeza diversa. Em meio a uma vasta gama de questões e assuntos ligados à obra de Deus sob nossa responsabilidade; não há como não clamar e prantear um pouco mais aos pés do Senhor. O que nos vale é que buscar a presença do Pai abre um leque de opções e possibilidades que não se esgota. Deus é fiel! Louvo a Deus por Sua graça e cuidado sobre aqueles que O buscam, em espírito em verdade, com profundo temor diante do Deus vivo e eterno!
 
No entanto, não há como não pensar nos diversos pontos de interesse de nossa vida pessoal - família sempre em primeiro lugar - nas preocupações de qualquer pessoa que ama e valoriza este tesouro. Mas... Existem inúmeras áreas de comprometimento em nossa vida (ocupação profissional, estudos, compromissos financeiros, enfim...) que "caminham" ao nosso lado e "dormem" conosco; e tais áreas não podem ficar de fora, no momento em que nos quedamos diante do Pai em oração. Tenho aprendido que se conseguirmos convencer a Deus, quanto à justeza e seriedade da nossa causa, o céu enviará direção e reposta de paz para as ações que precisamos empreender e decisões a serem tomadas.
 
É sempre salutar recorrermos aos salmos:
 
"Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá.) Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã. Os gentios se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.) Vinde, contemplai as obras do Senhor; que desolações tem feito na terra! Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)"
(Salmos 46:1-11)
 
E este salmo traz maravilhosa segurança interior.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Armas da nossa milícia

Foto: Já faz bastante tempo que tenho procurado me refugiar no lugar de oração. Confesso que nem sempre foi assim... Pois, houve dia em minha vida; em que fui tentado a me dar um "descanso" no tocante à necessidade de prostração aos pés do Senhor. Ainda bem que foram surtos rápidos que não modificaram o meu modo de ver a importância do lugar de oração em minha vida (sou um convencido inveterado quando a minha dependência de oração). Mesmo hoje de manhã, enquanto eu orava pela reunião que terei com o CMR, minha mente tentou se desviar do foco da oração - pensando em casos e possíveis decisões - mas, o meu espírito em prontidão se deu conta da sutileza da razão; e tomou as medidas correspondentes ao motivo pelo qual eu estava ali: Orar a Deus sem interferência de espécie alguma.

Existem ações e posturas não aceitáveis no lugar de oração; a dispersão da mente é uma delas. Se é verdade que não podemos evitar certos pensamentos que, de modo sutil, tentam influenciar nossas ações; não é menos verdade que existem meios de contê-los, de modo a não transformá-los em palavras e ações. A Palavra de Deus nos ajuda nesta tarefa, ao nos advertir que "andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo" (2 Coríntios 10:3-5). Este texto indica com clareza, que podemos por o raciocínio sob cativeiro perante o Senhor.

Já faz bastante tempo que tenho procurado me refugiar no lugar de oração. Confesso que nem sempre foi assim... Pois, houve dia em minha vida; em que fui tentado a me dar um "descanso" no tocante à necessidade de prostração aos pés do Senhor. Ainda bem que foram surtos rápidos que não modificaram o meu modo de ver a importância do lugar de oração em minha vida (sou um convencido inveterado quando a minha dependência de oração). Mesmo hoje de manhã, enquanto eu orava pela reunião que terei com o CMR, minha mente tentou se desviar do foco da oração - pensando em casos e possíveis decisões - mas, o meu espírito em prontidão se deu conta da sutileza da razão; e tomou as medidas correspondentes ao motivo pelo qual eu estava ali: Orar a Deus sem interferência de espécie alguma.
 
Existem ações e posturas não aceitáveis no lugar de oração; a dispersão da mente é uma delas. Se é verdade que não podemos evitar certos pensamentos que, de modo sutil, tentam influenciar nossas ações; não é menos verdade que existem meios de conte-los, de modo a não transformá-los em palavras e ações. A Palavra de Deus nos ajuda nesta tarefa, ao nos advertir que "andando na carne, não militamos segundo a carne. Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo" (2 Coríntios 10:3-5). Observemos que este texto indica com clareza, que podemos manter o nosso raciocínio sob cativeiro perante o Senhor.
 
Neste texto, Jesus nos ensina a orar com eficácia:
 
"Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente. E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos. Não vos assemelheis, pois, a eles; porque vosso Pai sabe o que vos é necessário, antes de vós lho pedirdes. Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém."
(Mateus 6:6-13)
 
E a oração do "Pai nosso" é um conjunto de normas para dar legitimidade a nossa oração.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Concílio Regional 2014


Algumas vezes, a mim me parece que o nosso último concílio regional foi ontem... No entanto, com rapidez incrível, já estamos às portas de mais um concílio! É verdade! Louvo a Deus porque, até aqui, os nossos concílios foram sempre encerrados com um certo saudosismo e aquele agradável gostinho de "quero mais". Tenho razões para acreditar que este não será diferente; daí, a necessidade de participarmos desde os primeiros momentos... Até mesmo durante a colocação do pé na estrada e da desafiadora fila das inscrições. Glória a Deus! É bem verdade que, na qualidade de Superintendente da IMW 2ª Região, tenho mil e umas razões para ter preocupações; todavia, tenho uma única razão para descansar como se estivesse em uma cadeira de balanço: Tenho a mão de Deus sobre minha vida e o Seu Espírito a me conduzir em mais este concílio regional.
 
Penso que ter esta expectativa envolta em confiança no cuidado e na direção de Deus é fundamental, em tudo aquilo que vem às nossas mãos a fazer; pois estou convencido de que não há intenção ou projeto algum que possa resistir aos solavancos naturais (e sobrenaturais), se não tivermos a graça de Deus ao nosso lado e o Seu braço forte sobre nossa vida. Assim - seja crença, família ou negócios - tudo na vida, para sua plena e perfeita conclusão, depende muito mais da aprovação e da provisão de Deus, do que de nossa motivação e esforço. Quantas vezes, ao longo do tempo, vi pessoas sinceras e de bem serem esmagadas por problemas, tão somente pelo fato de não terem mantido sua confiança em Deus em meio às crises; e por não terem agido por fé, frente aos obstáculos interpostos ao longo de sua caminhada. É... Não há mesmo como vencer sem aprovação do Senhor.
 
Este texto é um bálsamo para o crente: "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou." (Romanos 8:31-37). Vale a pena nos valermos dele, sempre!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 7 de dezembro de 2014

Contagem regressiva


Ontem, Deus nos concedeu a graça de visitar o concílio regional da 6ª Região - sob a liderança do Bispo Roberto Amaral - onde passamos bons momentos com a liderança e os delegados em geral. O Senhor nos concedeu a graça de deixar uma saudação que, qual rasgo profético, soou encharcada de unção (senti gosto de fogo nos lábios). Minha querida esposa Maria Célia Calegari transmitiu uma saudação, ungida pelo Espírito de Deus, parafraseando importante texto direcionado ao Revmº Bispo Roberto Amaral. Realmente, foram momentos de descontração e alegria, os que passamos no convívio da família wesleyana desta abençoada região.
 
E agora, estamos em contagem regressiva para mais um concílio da IMW 2ª Região Eclesiástica, uma vez que amanhã se inicia a reunião do CMR em Xerém, para a análise e definição de assuntos alusivos ao mesmo. Sei que inúmeros irmãos e amigos estão orando por este grande evento regional; porém, devido a importância e ao peso das decisões a serem tomadas, peço que as orações sejam intensificadas, em nome de Jesus. Sinto paz em meu espírito em relação a tudo aquilo que este momento implica; mas isto não significa que não tenhamos pontos sensíveis a decidir. Portanto, quero deixar claro que toda ajuda em oração é tanto desejada quanto bem vinda.
 
Precisamos compreender bem este texto da Bíblia:
 
"Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar."
(Efésios 6:12-20).
 
Para então usufruir plenamente os seus ensinos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 6 de dezembro de 2014

Símbolo mor do cristianismo

Foto: Retornar a um concílio regional da 4ª Região foi emocionante... Rever rostos e abraçar vidas com quem temos história digna de ser lembrada, fez aflorar um mix de sentimentos que não caberiam nesta simples postagem. Sou grato a Deus por ter sido lembrado pelo Bispo Jamir Fernandes Carvalho, que me fez um honroso convite para pregar no culto de abertura. Não nego que senti fogo em meus lábios ao pregar a Palavra do Deus eterno - mensagem que seria trivial caso não fosse embebida no óleo mais puro - para a grande multidão que se reuniu no "Rancho dos Profetas". Também sou grato a Deus pela assistência dedicada do Pastor Wanderley Baptista de Melo, que me conduziu aos lugares em que precisei estar.

Durante o tempo da mensagem, cresceu ante os meus olhos a figura mística da cruz... Sim! Porque ela é o ponto de referência capaz de conduzir judeus e gentios a Jesus, em Quem podem ser encontrar e unir. A história e a mensagem da cruz está definitivamente ligada ao próprio Jesus; pois Sua morte na cruz - e a razão pela qual nela esteve por algumas horas - faz dela o símbolo maior do cristianismo, sem desmerecer os símbolos sagrados do judaísmo; mas, deixando-os repousar em seu lugar de honra: Na saga e na crença do povo de Israel. Infelizmente, não é o que vemos hoje em dia; pois muitos líderes cristãos, seduzidos por profetas de origem incerta, estão tentando substituir símbolos cristãos por símbolos judeus.

Retornar a um concílio regional da 4ª Região foi uma experiência emocionante; pois rever rostos e abraçar pessoas com quem temos uma história digna de ser lembrada, fez aflorar em meu coração uma mistura de sentimentos que não caberiam nesta simples postagem. Sou grato a Deus por ter sido lembrado pelo Bispo Jamir Fernandes Carvalho, que me fez tão honroso convite para pregar no culto de abertura. Ao me reportar ao momento da ministração, posso afirmar que senti fogo em meus lábios, ao pregar a mensagem da cruz - mensagem que seria trivial caso não fosse embebida no óleo mais puro - para a grande multidão que se reuniu no "Rancho dos Profetas", da IMW de Nova Floresta. Também sou grato a Deus por todos aqueles que se dispuseram a me dar assistência em Porto Velho; em especial, pela assistência dedicada do Pastor Wanderley Melo, que me conduziu aos lugares em que precisei estar.
 
Achei interessante que durante o tempo em que preguei a Palavra de Deus, foi crescendo diante dos meus olhos espirituais, a figura mística da cruz... Sim! Porque ela é o único ponto de referência capaz de conduzir judeus e gentios a Jesus, em Quem ambos os povos podem se encontrar e se unir. Não tenho dúvida de que a história e a mensagem da cruz está definitivamente ligada ao próprio Jesus; pois Sua morte na cruz - e a razão pela qual ele nela esteve por algumas horas - faz dela o símbolo maior do cristianismo em todos os tempos; sem desmerecer os símbolos sagrados do judaísmo, mas deixando-os repousar em seu lugar de honra: Que é na saga e na crença do povo de Israel. Infelizmente, não é isso o que vemos hoje em dia - dias em que cresce conceitos e condutas heréticas - pois muitos líderes cristãos, seduzidos por profetas de origem incerta, estão tentando substituir símbolos cristãos por símbolos judeus.
 
A mensagem da cruz, conforme este texto, deve ser pregada sempre: "Portanto, lembrai-vos de que vós noutro tempo éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, e sem Deus no mundo. Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, já pelo sangue de Cristo chegastes perto. Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades." (Efésios 2:11-16). Pois a mensagem da cruz e mensagem de vida e paz!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Sou pequeno demais


Após uma longa viagem retornei à casa, beijei minha querida esposa Maria Célia Calegari, conversamos um pouco, e fomos repousar nas poucas horas que tínhamos antes do amanhecer. E nesta manhã, já refeito do cansaço da viagem, como me fez bem me estender no lugar de oração. Enquanto eu orava, me lembrei das inúmeras vezes em que me prostrei aos pés do Senhor neste lugar. Aproveitei para agradecer a Deus, por Sua paciência para comigo; e como geralmente faço, adorei na beleza de Sua santidade; intercedi pelos filhos, genro, nora e netos; e também pelos incontáveis amigos e irmãos que Ele me concedeu a graça de ter. Na verdade, cada um de nós precisa construir e cultivar relacionamentos saudáveis e duradouros; os quais, com o tempo, se tornam nossa porção no Senhor. Digo isto, porque sei que não basta conquistar amigos; é preciso saber conserva-los!
 
Em dado momento, ainda prostrado no lugar de oração, busquei forças em Deus - meu amado Salvador - para lidar com as frequentes provações e com as tentações inesperadas. Procurei, com todas as minhas forças, convencer ao meu Senhor que não é tão somente uma questão de peso ou volume das tentações e provações... Mas, minha reconhecida fragilidade face à elas. Sou pequeno demais, ante o desprezo dos que me olham com desdém e a fúria dos que tentam me derrubar (não estou me referindo aos seres humanos; mas sim, aos seres inferiores habitantes das trevas, sob o governo de Satã). Não tenho a menor dúvida em dizer que, ao final da oração, me senti agraciado com paz e conforto vindo do céu; pois do céu sempre vem resposta aos que insistem em clamar, em nome de Jesus, pelo socorro que vem do Deus eterno em favor dos cansados e aflitos que transitam por este mundo.
 
Vejo neste salmo, que a presença de Deus é o ponto mais seguro do universo: "Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei. Porque ele te livrará do laço do passarinheiro, e da peste perniciosa. Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel. Não terás medo do terror de noite nem da seta que voa de dia, Nem da peste que anda na escuridão, nem da mortandade que assola ao meio-dia. Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti. Somente com os teus olhos contemplarás, e verás a recompensa dos ímpios. Porque tu, ó Senhor, és o meu refúgio. No Altíssimo fizeste a tua habitação." (Salmos 91:1-9). Louvo a Deus pela segurança e paz que sempre encontro sob Sua sombra!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Portas... Abertas e fechadas


Na ida para Rondônia, esperando conexão no aeroporto de Brasília; enquanto eu aguardava chamada do voo para Porto Velho, fiquei a pensar nas oportunidades que Deus nos concede (são inúmeras, ao longo de uma vida inteira)... Então, me enchi de gratidão ao Senhor, por todas as portas que Ele me abriu ao longo do tempo; e também, pelas diversas portas que Ele fechou ante os meus olhos. Nunca conseguirei saber ao certo quais foram as mais importantes; se foram as portas abertas e suas oportunidades; ou, se foram as portas fechadas e seus livramentos. Senti segurança interior. Como é bom saber que Ele sempre vela por mim!
 
Realmente... Por mais que as lutas da vida procurem me fazer encurvar; sei que tenho motivos de sobra para expressar gratidão ao Deus eterno que me deu vida em Cristo Jesus. Portanto, seja qual for a situação ou circunstância; tenho aprendido que esperar no Senhor será sempre a mais sensata decisão a ser tomada; nem sempre fácil, mas sempre compensadora. Tenho plena certeza de fé que toda a nossa existência vive carente do amor e do cuidado de Deus; e que todos os nossos sonhos e ocupações devem ser ajustadas ao Seu querer, pois existe um propósito divino para o nosso existir. Feliz a pessoa que descobre isso!
 
Sou profundamente edificado por este canto de adoração entoado pelo apóstolo Paulo: "Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém." (Romanos 11:33-36). Se pensarmos bem, veremos que a vida só tem sentido e encontra a sua razão de ser, ao ter um real encontro com Deus por meio de Jesus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Seu perdão pode absolver


Enquanto eu ainda buscava a face do Senhor; fui levado a pensar na incapacidade humana, vista mesmo nos mais dedicados servos de Deus, para cumprir com exatidão os Seus mandamentos. Pensei no fato de que o Senhor encontra loucura até mesmo em Seus anjos; e que, na história do Seu povo, homens santos movidos por atitude passional cometeram erros irreparáveis. Fui então lembrado desta oração de Davi: "Se tu, Senhor, observares as iniquidades, Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas temido." (Salmo 130:3-4). Meu espírito se aquietou quando Deus falou comigo; e me fez ver que o Seu perdão pode absolver da culpa provocada por atos impensados, em que não houve a intenção de magoar ou ferir alguém; do mesmo modo como pode limpar do mais grave pecado, aqueles que se rendem aos Seus pés em profunda contrição.
 
Nesse momento, fui advertido quanto à tendência que todos nós temos; de julgar segundo as aparências, sempre dispostos a condenar com rigor, mesmo aqueles que o Senhor justificou e inocentou. Então, fui levado a entender que nossa real missão - salvo imperativo divino específico - é dizer ao pecador que existe razão de esperança para o perdido, ainda que seus pecados sejam os mais devastadores. As boas novas de salvação podem ser direcionadas para o cristão incurso em erro ou grave pecado; assim como são publicadas ao pecador inveterado, sem Deus e sem salvação. Como é bom saber e poder dizer que - em Cristo Jesus - não existe pecador que não possa ser salvo e que não existe pecado que não possa ser perdoado. Como é bom crer que - em Cristo Jesus - o caminho de volta ao Pai pode ser finalmente percorrido pelo crente redimido por Jesus.
 
Ao lidarmos com um mundo sufocado e condenado pelo engano; percebemos o quão importante é conhecermos, de Deus, esta Verdade: "Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo, e nos deu o ministério da reconciliação; Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus. Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus." (2 Coríntios 5:17-21). Porém, bem melhor mesmo é abraçar e viver esta Verdade!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari