terça-feira, 30 de setembro de 2014

Intercessão brotada da oração

Foto: Existem noites, em que o sono parece querer fugir... E, para um crente, isto pode querer dizer que chegou o momento de orar. Hoje aconteceu comigo, como em muitas outras ocasiões. Era meio da noite, sono distante, quando o Espírito me convidou a orar; atendi sem demora! Portanto, segui para o lugar de oração e me prostrei perante o Senhor. A intercessão brotada da oração se estendeu além do meu quintal familiar, indo bem mais longe das fronteiras denominacionais; ultrapassando os limites da razão e da emoção. Um dos benefícios de orarmos sem preocupação com a hora seguinte; é o de podermos nos desligar completamente das preocupações comuns e das especulações do medo e da razão. Quando digo que a oração de madrugada é a melhor; é porque dispensa preocupações quanto ao que vem depois.

Sei que algumas pessoas questionam a validade e, até mesmo, as intenções do meu ser, ao postar as orações que faço. Se tais pessoas têm ou não razão em sua opinião, só Deus sabe. Entretanto, pergunto: Se Davi procurasse manter em segredo muitas das suas orações que postou; como seriam os salmos que tanto bem nos faz? Portanto, prefiro seguir meu instinto espiritual e postar as orações que se destacam ante os meus olhos de ver; sem me importar com o julgamento e opinião dos homens, mesmo os sinceros e bem intencionados. A Palavra de Deus nos ensina: "Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus." (I Coríntios 10.31). Logo, minha maior preocupação deve se basear neste ponto: O objetivo supremo! A preocupação seguinte é a edificação da Igreja!

Existem noites, em que o sono parece querer fugir... E, para um crente, isto pode querer dizer que chegou o momento de orar. Hoje aconteceu comigo, como em muitas outras ocasiões. Era meio da noite, sono distante, quando o Espírito me convidou a orar; atendi sem demora! Portanto, segui para o lugar de oração e me prostrei perante o Senhor. A intercessão brotada da oração se estendeu além do meu quintal familiar, indo bem mais longe que as fronteiras denominacionais; ultrapassando os limites da razão e da emoção. Um dos benefícios de orarmos sem preocupação com a hora seguinte; é o de podermos nos desligar completamente das preocupações comuns e das especulações do medo e da razão. Quando digo que a oração de madrugada é a melhor; é porque dispensa preocupações quanto ao que vem depois.
 
Sei que algumas pessoas questionam a validade e, até mesmo, as intenções do meu ser; quando posto as orações que faço. Se tais pessoas têm ou não razão em sua opinião, só Deus sabe. Entretanto, pergunto: Se Davi procurasse manter em segredo muitas das orações que postou; como seriam os salmos que tanto bem nos faz? Portanto, prefiro seguir meu instinto espiritual e postar as orações que se destacam ante os meus olhos de ver; sem me importar com o julgamento e opinião dos homens, mesmo os sinceros e bem intencionados. A Palavra de Deus nos ensina: "Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus." (I Coríntios 10.31). Logo, minha maior preocupação deve se basear neste ponto: O objetivo supremo! A preocupação seguinte é a edificação da Igreja!
 
Este texto nos leva a pensar na importância da oração:
 
"E Daniel entrou; e pediu ao rei que lhe desse tempo, para que lhe pudesse dar a interpretação. Então Daniel foi para a sua casa, e fez saber o caso a Hananias, Misael e Azarias, seus companheiros; Para que pedissem misericórdia ao Deus do céu, sobre este mistério, a fim de que Daniel e seus companheiros não perecessem, juntamente com o restante dos sábios de Babilônia. Então foi revelado o mistério a Daniel numa visão de noite; então Daniel louvou o Deus do céu. Falou Daniel, dizendo: Seja bendito o nome de Deus de eternidade a eternidade, porque dele são a sabedoria e a força; E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos. Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz."
(Daniel 2.16-22)
 
E se entendermos sua dimensão, ele nos levar a orar.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Lembranças do passado

Foto: Existem ocasiões, em que nossas lembranças do passado chegam tão próximas... Como se assentassem ao nosso lado. Nesta manhã, estive refletindo sobre a reunião do Colégio Episcopal em Itatiauçú; em que nosso tempo foi intercalado, entre reuniões de avaliação e momentos de comunhão e descontração. Ali, não havia superiores ou inferiores; apenas amigos que se amam e compartilham responsabilidades e um destino comum: O cuidado do rebanho de Jesus à nós confiado. Louvei a Deus por mais esta oportunidade de estarmos juntos! Percebi o quanto ficaram impressionados com as dimensões do nosso Centro de Convenções em fase de finalização das obras; e da rapidez com que o mesmo foi erguido, com a ajuda de Deus.

Então, profundamente grato me rendi humilhado aos pés do meu Salvador; que achou prazer e valor em mim, ao ponto de me confiar tão nobre tarefa: A de pastorear a 2ª Região. E me recordei dos companheiros na liderança de primeiro, segundo e terceiro escalão; os quais tem se mantido ao meu lado, procurando me ajudar de todos os modos possíveis. Sei que raramente encontramos unanimidade nos homens; e que o próprio Jesus tinha adversários entre os que lhe professavam lealdade e submissão. Portanto, eu seria ingênuo se pensasse que tenho 100% de aprovação ou lealdade entre os que compartilham comigo os ônus e bônus da administração regional. Todavia, sou grato ao Senhor por cada um deles - afetos e desafetos!

Enquanto assim pensava, decidi dar atenção às reminiscências... E, cheio de temor, agradeci a Deus por tudo aquilo que Ele tem feito - em mim, por mim e através de mim - ao me conceder a honra encharcada de graça, de presidir Sua obra e pastorear Seu rebanho. Embargado por emoção, me lembrei de homens e mulheres que foram por mim alcançados e pastoreados... Tantos, que, jamais conseguirei contar! E, ao mesmo tempo; senti minha pequenez, minha fragilidade... E lamentei não ser o servo que preciso ser; lamentei minha baixa estatura espiritual e incapacidade de servir como é de se esperar de um servo. Então, mais uma vez, em lágrimas, ouvi o Senhor falar em meu íntimo: "Olhe à tua volta, veja os resultados e exalte sempre o Meu Nome!"

Existem ocasiões, em que nossas lembranças do passado chegam tão próximas... Como se assentassem ao nosso lado. Nesta manhã, estive refletindo sobre a reunião do Colégio Episcopal em Itatiaiuçú; em que nosso tempo foi intercalado, entre reuniões de avaliação e momentos de comunhão e descontração. Ali não havia superiores ou inferiores; apenas amigos que se amam e compartilham responsabilidades e um destino comum: O cuidado do rebanho de Jesus à nós confiado. Louvei a Deus por mais esta oportunidade de estarmos juntos! Percebi o quanto ficaram impressionados com as dimensões do nosso Centro de Convenções em fase de finalização das obras; e da rapidez com que o mesmo foi erguido, com a ajuda de Deus.
 
Então, profundamente grato me rendi humilhado aos pés do meu Salvador; que achou prazer e valor em mim, ao ponto de me confiar tão nobre tarefa: A de pastorear a 2ª Região. E me recordei dos companheiros na liderança de primeiro, segundo e terceiro escalão; os quais tem se mantido ao meu lado, procurando me ajudar de todos os modos possíveis. Sei que raramente encontramos unanimidade nos homens; e que o próprio Jesus tinha adversários entre os que lhe professavam lealdade e submissão. Portanto, eu seria ingênuo se pensasse que tenho 100% de aprovação ou lealdade entre os que compartilham comigo, os ônus e bônus da administração regional. Todavia, sou grato ao Senhor por cada um deles - afetos e desafetos!
 
Enquanto assim pensava, decidi dar atenção às reminiscências... E, cheio de temor, agradeci a Deus por tudo aquilo que Ele tem feito - em mim, por mim e através de mim - ao me conceder a honra encharcada de graça, de presidir Sua obra e pastorear Seu rebanho. Embargado por emoção, me lembrei de homens e mulheres que foram por mim alcançados e pastoreados... Tantos, que, jamais conseguirei contar! E, ao mesmo tempo, senti minha pequenez, minha fragilidade... E lamentei não ser o servo que preciso ser; lamentei minha baixa estatura espiritual e incapacidade de servir como é de se esperar de um servo. Então, mais uma vez, em lágrimas, ouvi o Senhor falar em meu íntimo: "Olhe à tua volta, veja os resultados e exalte sempre o Meu Nome!"
 
Esta palavra de Jesus diz tudo sobre o assunto em pauta: "O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. Já vos não chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer. Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda. Isto vos mando: Que vos ameis uns aos outros. Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro do que a vós, me odiou a mim." (João 15.12-18). Como precisamos nos suprir da Palavra!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Sentimento de descanso e paz

Foto: Nesta manhã estive orando a Deus... Oração feita em tempos difíceis; oração carregada de confiança, em meios às provas que sobrevêm aos que vivem pela fé na Palavra de Deus; em um mundo que se decompõe com assustadora rapidez. Enquanto eu orava - logo após interceder por minha família, meus amigos e irmãos distribuídos entre as nossas regiões, neste imenso país e pelo mundo afora - senti aperto em meu espírito ao me lembrar que a Palavra de Deus se cumpre com admirável pontualidade e exatidão. Quando olhamos além do nosso "quintal"; percebemos o gemido dos povos; pois, vivemos tempos de angústia; tempos marcados por guerras cruéis e rumores de guerras ainda mais cruéis e intensas.

Enquanto eu procurava me assegurar do meu refúgio em Deus e Suas promessas; o meu espírito se pôs a cantar o estribilho de uma conhecida canção de louvor: "Tu és fiel, Senhor; eu sei que Tu és fiel! Tu és fiel, Senhor; eu sei que Tu és fiel! E ainda que eu não mereça, permaneces assim: Fiel, Senhor meu Deus, fiel a mim; fiel, senhor meu Deus, fiel a mim!" Não posso descrever o sentimento de descanso e paz que me invadiu. Então, vi crescer em meu espírito a convicção de que, não importa o quão provados sejamos nesta vida - seja no lar ou no trabalho, entre amigos ou adversários - pois o importante mesmo é saber que Deus é fiel; e que Sua fidelidade garante um "gran finale", aos que dEle vivem e nEle esperam.

Nesta manhã estive orando a Deus... Oração feita em tempos difíceis; oração carregada de confiança, em meios às provas que sobrevêm aos que vivem pela fé na Palavra de Deus; em um mundo que se decompõe com assustadora rapidez. Enquanto eu orava - logo após interceder por minha família, meus amigos e irmãos distribuídos entre as nossas regiões, neste imenso país e pelo mundo afora - senti aperto em meu espírito ao me lembrar que a Palavra de Deus se cumpre com admirável pontualidade e exatidão. Quando olhamos além do nosso "quintal"; percebemos o gemido dos povos; pois, vivemos tempos de angústia; tempos marcados por guerras cruéis e rumores de guerras ainda mais cruéis e intensas.
 
Enquanto eu procurava me assegurar do meu refúgio em Deus e Suas promessas; o meu espírito se pôs a cantar o estribilho de uma conhecida canção de louvor: "Tu és fiel, Senhor; eu sei que Tu és fiel! Tu és fiel, Senhor; eu sei que Tu és fiel! E ainda que eu não mereça, permaneces assim: Fiel, Senhor meu Deus, fiel a mim; fiel, senhor meu Deus, fiel a mim!" Não posso descrever o sentimento de descanso e paz que me invadiu. Então, vi crescer em meu espírito a convicção de que, não importa o quão provados sejamos nesta vida - seja no lar ou no trabalho, entre amigos ou adversários - pois o importante mesmo é saber que Deus é fiel; e que Sua fidelidade garante um "gran finale", aos que dEle vivem e nEle esperam.
 
Este capítulo do Evangelho de Mateus precisa ser lido e relido em todo tempo; pois é um importante fator de alerta para todos nós: "E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores." (Mateus 24.4-8). É tempo de estarmos em alerta; atentos à voz de Deus, que está soando por toda a terra.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Importante receita divina

Foto: Desde segunda-feira a noite, nós os Bispos da IMW, estamos reunidos no acampamento wesleyano em Itatiaiuçú. Temos procurado avaliar algumas questões relevantes ao estado geral da Igreja; e, ao mesmo tempo, buscar em Deus graça e direção. Sou grato a Deus pelo nível de amizade e comunhão que desfrutamos entre nós; pois a vida espiritual da Igreja depende muito da harmonia de seus líderes. Em paralelo com nossas reuniões, as esposas dos Bispos estão fazendo suas reuniões de edificação, cultivando e fortalecendo sua vida espiritual.

Enquanto escrevo, fico a pensar na importância da amizade e comunhão entre os crentes; para edificação e crescimento da igreja local. Sou convencido de que uma igreja desunida não consegue alcançar suas metas, nem se torna capaz de ser instrumento de Deus para abençoar a comunidade em meio à qual está inserida. Acredito que o salmo 133 é importante receita divina para o progresso e a perfeita paz daqueles que fazem parte da igreja do Senhor Jesus. Percebo que as famílias mais estáveis, são justamente aquelas que vivem em amor e unidade.

Desde segunda-feira a noite, nós os Bispos da IMW, estamos reunidos no acampamento wesleyano em Itatiaiuçú. Temos procurado avaliar algumas questões relevantes ao estado geral da Igreja; e, ao mesmo tempo, buscar em Deus graça e direção. Sou grato a Deus pelo nível de amizade e comunhão que desfrutamos entre nós; pois a vida espiritual da Igreja depende muito da harmonia de seus líderes. Em paralelo com nossas reuniões, as esposas dos Bispos estão fazendo suas reuniões de edificação, cultivando e fortalecendo sua vida espiritual.
 
Enquanto escrevo, fico a pensar na importância da amizade e comunhão entre os crentes; para edificação e crescimento da igreja local. Sou convencido de que uma igreja desunida não consegue alcançar suas metas, nem se torna capaz de ser instrumento de Deus para abençoar a comunidade em meio à qual está inserida. Acredito que o salmo 133 é importante receita divina para o progresso e a perfeita paz daqueles que fazem parte da igreja do Senhor Jesus. Percebo que as famílias mais estáveis, são justamente aquelas que conseguem viver em amor e unidade.
 
Para aqueles que procuram investir em unidade, este salmo é importante receita divina para uma vida cristã e familiar com qualidade: "OH! quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. É como o óleo precioso sobre a cabeça, que desce sobre a barba, a barba de Arão, e que desce à orla das suas vestes. Como o orvalho de Hermom, e como o que desce sobre os montes de Sião, porque ali o SENHOR ordena a bênção e a vida para sempre." (Salmo 133.1-3). Creio ser da maior importância, pormos em prática este princípio em nosso lar e igreja!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Busco resposta em Ti

Foto: Senhor, meu coração se sente abatido; mas confiante em Teu eterno cuidado. Tenho notado que nem sempre é tão simples encontrar a causa ou razão do nosso abatimento. Tenho aprendido que, as vezes, sentimos tristeza e dor em meio às alegrias; outras vezes, sentimos alegria e motivação em meio às oposições e provações. Portanto, nunca é tão fácil chegar à relação de causa e efeito, quando nos sentimos fracos e abatidos. Todavia, creio que faço a escolha certa quando busco resposta em Ti. Algumas vezes, me sinto um coração que bate em descompasso com o Teu querer; outras vezes, me sinto como uma boca que não consegue dosar a qualidade e a quantidade das palavras proferidas. Enfim, não são poucas as vezes em que sinto que erro quando falo; e sinto que erro quando me ponho em silêncio.

Pai, ainda bem que tenho o meu refúgio garantido em Tua presença! Pois, rendido aos Teus pés, me sinto envolto no manto entretecido com os fios de misericórdia e graça com que o Senhor me cobre. Então, fica patente aos meus olhos que tudo deve terminar ou começar no lugar de oração; pois é o lugar do encontro que tudo transforma, onde os santos são fortalecidos e renovados. Sempre lamento por não ter ainda chegado à estatura de varão perfeito... Todavia, me conforta saber que continuo crescendo em graça e sabedoria diante do Senhor; também consigo sentir que meu nível de aceitação aos Teus olhos permanece intacto. Glória a Deus! Porque destas coisas um homem de Deus consegue viver; muito mais do que da água que ingere e do pão que se alimenta. Que alegria! Sou teu, Senhor!

Senhor, meu coração se sente abatido; mas confiante em Teu eterno cuidado. Tenho notado que nem sempre é tão simples encontrar a causa ou razão do nosso abatimento. Tenho aprendido que, as vezes, sentimos tristeza e dor em meio às alegrias; outras vezes, sentimos alegria e motivação em meio às oposições e provações. Portanto, nunca é tão fácil chegar à relação de causa e efeito, quando nos sentimos fracos e abatidos. Todavia, creio que faço a escolha certa quando busco resposta em Ti. Algumas vezes, me sinto um coração que bate em descompasso com o Teu querer; outras vezes, me sinto como uma boca que não consegue dosar a qualidade e a quantidade das palavras proferidas. Enfim, não são poucas as vezes em que sinto que erro quando falo; ou, sinto que erro quando me ponho em silêncio.
 
Pai, ainda bem que tenho o meu refúgio garantido em Tua presença! Pois, rendido aos Teus pés, me sinto envolto no manto entretecido com os fios de misericórdia e graça com que o Senhor me cobre. Então, fica patente aos meus olhos que tudo deve terminar ou começar no lugar de oração; pois é o lugar do encontro que tudo transforma, onde os santos são fortalecidos e renovados. Sempre lamento por não ter ainda chegado à estatura de varão perfeito... Todavia, me conforta saber que continuo crescendo em graça e sabedoria diante do Senhor; também consigo sentir que meu nível de aceitação aos Teus olhos permanece intacto. Glória a Deus! Porque destas coisas um homem de Deus consegue viver; muito mais do que da água que ingere e do pão que se alimenta. Que alegria eu sinto por ser teu, meu Senhor!
 
Louvar a Deus em todo tempo é o melhor remédio e alimento: "LOUVAREI ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca. A minha alma se gloriará no SENHOR; os mansos o ouvirão e se alegrarão. Engrandecei ao SENHOR comigo; e juntos exaltemos o seu nome. Busquei ao SENHOR, e ele me respondeu; livrou-me de todos os meus temores. Olharam para ele, e foram iluminados; e os seus rostos não ficaram confundidos. Clamou este pobre, e o SENHOR o ouviu, e o salvou de todas as suas angústias. O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem, e os livra. Provai, e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele confia. Temei ao SENHOR, vós, os seus santos, pois nada falta aos que o temem." (Salmo 34.1-9). Esta deve ser nossa atitude!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 21 de setembro de 2014

Alternância de poderes

Foto: Estamos a alguns dias das eleições; quando os brasileiros, em sua grande maioria, irão até às cabines de votação deixar o seu voto. Eu acredito na democracia representativa; portanto, irei votar. Eu acredito na alternância; portanto, votarei pela mudança. Ao longo de minha vida, aprendi que as pessoas não conseguem ocultar por muito tempo a sua verdadeira natureza; e o governo que temos já demonstrou a sua; o suficiente para que eu perceba que o único projeto que ainda lhe dá alguma credibilidade é o "bolsa família" com o objetivo de chegar ao "fome zero" (não sei se a bolsa chegou às famílias realmente necessitadas, nem se a fome chegou ao marco zero alardeado). Mas... Percebo que precisamos respirar novos ares.

Quando me refiro a novos ares, estou querendo dizer que precisamos de políticas públicas definidas e gerenciadas... Tanto na saúde; que se traduzam em hospitais equipados de profissionais, instrumentos e medicamentos eficientes, para atender as camadas mais humildes; em escolas bem construídas e equipadas, com um corpo docente bem remunerado e qualificado para o cumprimento de sua missão de educar; em segurança pública preparada para lidar com os altos índices de violência, que sempre atinge os mais humildes (é só identificar as maiores vítimas da violência urbana); e no combate à corrupção, em que os condenados sejam exemplarmente punidos, inclusive com a devolução do bem roubado.

Se este governo conseguiu liderar um mutirão que preparou o Brasil para uma esplendorosa Copa, com gastos exagerados e parcos resultados; certamente que teria tido condição de alavancar um mutirão de saúde, educação e segurança pública do mais alto nível, se quisesse de fato fazer isto. Sendo assim, como creio na política de alternância de poderes; nada mais lógico e justo do que - cheio de esperança capaz de vencer o medo - eu optar por votar em um novo governo, no afã de sustentar o meu sonho de ver o Brasil alcançar os patamares a muito perseguidos - conquistados por outras nações deste tão sofrido mundo em que vivemos - e chegar ao nível que governos, até aqui, têm apenas prometido e rapidamente esquecido.

Estamos a alguns dias das eleições; quando os brasileiros, em sua grande maioria, irão até às cabines de votação deixar o seu voto. Eu acredito na democracia representativa; portanto, irei votar. Eu acredito na alternância; portanto, votarei pela mudança. Ao longo de minha vida, aprendi que as pessoas não conseguem ocultar por muito tempo a sua verdadeira natureza; e o governo atual já exibiu a sua; o bastante para que eu veja que o único projeto que ainda lhe dá alguma credibilidade é o "bolsa família" com o objetivo de chegar ao "fome zero" (não sei se a bolsa chegou às famílias realmente necessitadas, nem se a fome chegou ao marco zero alardeado). Mas... Creio que precisamos muito respirar novos ares.
 
Quando me refiro a novos ares, estou querendo dizer que precisamos de políticas públicas definidas e gerenciadas... Tanto na saúde; que se traduzam em hospitais equipados de profissionais, instrumentos e medicamentos eficientes, para atender as camadas mais humildes; em escolas bem construídas e equipadas, com um corpo docente bem remunerado e qualificado para o cumprimento de sua missão de educar; em segurança pública preparada para lidar com os altos índices de violência, que sempre atinge os mais humildes (é só identificar as maiores vítimas da violência urbana); e no combate à corrupção, em que os condenados sejam exemplarmente punidos, inclusive com a devolução do bem roubado do povo.
 
Se este governo conseguiu liderar um mutirão que preparou o Brasil para uma esplendorosa Copa, com gastos exagerados e parcos resultados; certamente que teria tido condição de alavancar um mutirão de saúde, educação e segurança pública do mais alto nível, se quisesse de fato fazer isto. Sendo assim, como creio na política de alternância de poderes; nada mais lógico e justo do que - cheio de esperança capaz de vencer o medo - eu optar por votar em um novo governo, no afã de sustentar o meu sonho de ver o Brasil alcançar os patamares a muito perseguidos - conquistados por outras nações deste tão sofrido mundo em que vivemos - e chegar ao nível que governos, até aqui, têm apenas prometido e rapidamente esquecido.
 
Esta oração de Davi é contextual com nossos dias:
 
"SALVA-NOS, SENHOR, porque faltam os homens bons; porque são poucos os fiéis entre os filhos dos homens. Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobrado. O SENHOR cortará todos os lábios lisonjeiros e a língua que fala soberbamente. Pois dizem: Com a nossa língua prevaleceremos; são nossos os lábios; quem é SENHOR sobre nós? Pela opressão dos pobres, pelo gemido dos necessitados me levantarei agora, diz o SENHOR; porei a salvo aquele para quem eles assopram. As palavras do SENHOR são palavras puras, como prata refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes. Tu os guardarás, SENHOR; desta geração os livrarás para sempre. Os ímpios andam por toda parte, quando os mais vis dos filhos dos homens são exaltados."
(Salmo 12.1-8)
 
Que o Senhor nos ajude a eleger governantes íntegros!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 20 de setembro de 2014

Vida devocional exemplar

Foto: Nesta manhã, fui levado a pensar na importância de permanecermos no lugar de oração; seja em tempo de guerra, seja em tempo de paz. Pensei em Davi e seu enfraquecimento devocional em tempo de conquista; que ocasionou brecha em sua segurança interior, levando-o a terrível queda moral - manchando sua honra e sua história - produzindo consequências permanentes em sua vida e família. Pensei também em Elias e seu enfraquecimento devocional em tempo de perseguição; que o levou ao desânimo e fuga, afetando profundamente o seu discernimento.

Enquanto eu refletia sobre este assunto, me inspirei no testemunho de dois homens que se mantiveram em oração, independente das circunstâncias. Pensei em Samuel, que em momento algum deixou de orar; cuja vida devocional jamais sofreu alteração em razão das circunstâncias. Também pensei em Daniel, modelo de vida devocional exemplar; mantendo sua rotina de oração, em tempo de guerra e em tempo de paz; estando sob aplausos ou sob cruel perseguição. Então, pensei em todos nós, crentes em Jesus... Que nossas orações jamais sejam impedidas; seja por que motivo for!

Nesta manhã, fui levado a pensar na importância de permanecermos no lugar de oração; seja em tempo de guerra, seja em tempo de paz. Pensei em Davi e seu enfraquecimento devocional em tempo de conquista; que ocasionou brecha em sua segurança interior, levando-o a terrível queda moral - manchando sua honra e sua história - produzindo consequências permanentes em sua vida e família. Pensei também em Elias e seu enfraquecimento devocional em tempo de perseguição; que o levou ao desânimo e fuga, afetando profundamente o seu discernimento.
 
Enquanto eu refletia sobre este assunto, me inspirei no testemunho de dois homens que se mantiveram em oração, independente das circunstâncias. Pensei em Samuel, que em momento algum deixou de orar; cuja vida devocional jamais sofreu alteração em razão das circunstâncias. Também pensei em Daniel, modelo de vida devocional exemplar; mantendo sua rotina de oração, em tempo de guerra e em tempo de paz; estando sob aplausos ou sob cruel perseguição. Então, pensei em todos nós, crentes em Jesus... Que nossas orações jamais sejam impedidas; seja por que motivo for!
 
Sempre me inspiro na leitura do livro do Profeta Daniel.
 
"Daniel, pois, quando soube que o edito estava assinado, entrou em sua casa (ora havia no seu quarto janelas abertas do lado de Jerusalém), e três vezes no dia se punha de joelhos, e orava, e dava graças diante do seu Deus, como também antes costumava fazer. Então aqueles homens foram juntos, e acharam a Daniel orando e suplicando diante do seu Deus. Então se apresentaram ao rei e, a respeito do edito real, disseram-lhe: Porventura não assinaste o edito, pelo qual todo o homem que fizesse uma petição a qualquer deus, ou a qualquer homem, por espaço de trinta dias, e não a ti, ó rei, fosse lançado na cova dos leões? Respondeu o rei, dizendo: Esta palavra é certa, conforme a lei dos medos e dos persas, que não se pode revogar. Então responderam ao rei, dizendo-lhe: Daniel, que é dos filhos dos cativos de Judá, não tem feito caso de ti, ó rei, nem do edito que assinaste, antes três vezes por dia faz a sua oração."
(Daniel 6.10-13)
 
Com Daniel, aprendemos que orar é sempre a melhor opção.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Sequioso por respostas

Foto: Deus eterno; eu sei que me contemplas, enquanto me prostro no lugar de oração, cheio de perguntas, sequioso por respostas. Há tanta coisa que preciso buscar, dar, entender, concluir... Sinto minha pequenez se agigantar, na medida em que me dou conta dos compromissos e responsabilidades que estão sobre minha vida. Percebo que minha natureza rebelde se oferece para resolver "no tranco" os problemas que se manifestam diante de mim, sem que eu os tenha chamado. No entanto, minha razão santificada se pronuncia e sentencia que preciso buscar em Ti as respostas; e esperar em Ti as soluções. Ainda bem que o meu espírito se apegou a Ti com amor.

Enquanto Te busco, sou por Ti levado a pensar naquele pai que acompanha o seu filho, enquanto este ensaia dar os seus primeiros passos... O esforço que faz - o pai sempre próximo - para se por sobre seus pés. Enquanto isso, o pai o vê cair e levantar. As vezes, o toma por uma das mãos para ajudá-lo em seu esforço; outras vezes, o levanta com as duas mãos, levando-o a dar pequenos saltos; mas, nos momentos mais difíceis, o toma no colo e o leva em segurança em meios às crises do seu interior ou ante a rudeza do caminho por onde precisa andar. Então, ficou claro para mim que minha única preocupação deve ser manter meus olhos firmados sempre em Ti.

Deus eterno; eu sei que me contemplas, enquanto me prostro no lugar de oração, cheio de perguntas, sequioso por respostas. Há tanta coisa que preciso buscar, dar, entender, concluir... Sinto minha pequenez se agigantar, na medida em que me dou conta dos compromissos e responsabilidades que estão sobre minha vida. Percebo que minha natureza rebelde se oferece para resolver "no tranco" os problemas que se manifestam diante de mim, sem que eu os tenha chamado. No entanto, minha razão santificada se pronuncia e sentencia que preciso buscar em Ti as respostas; e esperar em Ti as soluções. Ainda bem que o meu espírito se apegou a Ti com amor.
 
Enquanto Te busco, sou por Ti levado a pensar naquele pai que acompanha o seu filho, enquanto este ensaia dar os seus primeiros passos... O esforço que faz - o pai sempre próximo - para se por sobre seus pés. Enquanto isso, o pai o vê cair e levantar. As vezes, o toma por uma das mãos para ajudá-lo em seu esforço; outras vezes, o levanta com as duas mãos, levando-o a dar pequenos saltos; mas, nos momentos mais difíceis, o toma no colo e o leva em segurança em meios às crises do seu interior ou ante a rudeza do caminho por onde precisa andar. Então, ficou claro para mim que minha única preocupação deve ser manter meus olhos firmados sempre em Ti.
 
A Palavra de Deus nos oferece ensino para todas as áreas. Este texto tem o dom de iluminar o nosso entendimento para entender qual a nossa maior necessidade: "PORTANTO nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus." (Hebreus 12.1-2). Nele percebemos que nossa maior necessidade é manter os olhos fitos em Jesus.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Como ondas de maldade

Foto: Hoje, enquanto eu orava, pedi ao Senhor que me guarde e guarde o seu povo de sentimentos pagãos, perversos e profanos. Fiz questão de formalizar este pedido, por tudo aquilo que tenho visto e ouvido, sobre o crescimento do paganismo no mundo; afetando até mesmo culturas religiosas conservadoras, outrora blindadas em suas convicções. E coisas piores ainda estão por vir, contaminando pessoas sinceras, mas exageradamente ingênuas; pois o paganismo tem procurado se disfarçar de cristão (como muitos fazem hoje em dia), para cumprir com maior eficácia e abrangência sua missão satânica de roubar, matar e destruir. Precisamos nos apegar ao Deus eterno, orando sempre; e não devemos ter dúvida quanto à fonte de toda esta onda de opressão, pois tem origem nas entranhas do próprio inferno.

Quanto aos sentimentos perversos e profanos; eles se manifestam em todos os lugares e nos mais diversos tipos de pessoas. São como ondas de maldade que correm por toda parte, como um caudal maligno que não pode ser contido por declarações ingênuas ou por um conjunto de ações meramente humanas. Na verdade, paganismo, perversidade e profanação são espíritos que procuram se infiltrar em vidas, para torná-las agentes do mal. Então, em sua forma humana, invertem e corrompem valores morais, distorcem e profanam valores espirituais e brutalizam, torturam e exterminam pessoas de bem, até mesmo crianças. E não basta nos munirmos de códigos morais e espirituais, para resistirmos a toda esta maldade; precisamos nos encher do Espírito e nos revestir de toda a armadura de Deus!

Hoje, enquanto eu orava, pedi ao Senhor que me guarde e guarde o seu povo de sentimentos pagãos, perversos e profanos. Fiz questão de formalizar este pedido, por tudo aquilo que tenho visto e ouvido, sobre o crescimento do paganismo no mundo; afetando até mesmo culturas religiosas conservadoras, outrora blindadas em suas convicções. E coisas piores ainda estão por vir, contaminando pessoas sinceras, mas exageradamente ingênuas; pois o paganismo tem procurado se disfarçar de cristão (como muitos fazem hoje em dia), para cumprir com maior eficácia e abrangência sua missão satânica de roubar, matar e destruir. Precisamos nos apegar ao Deus eterno, orando sempre; e não devemos ter dúvida quanto à fonte de toda esta onda de opressão, pois tem origem nas entranhas do próprio inferno.
 
Quanto aos sentimentos perversos e profanos; eles se manifestam em todos os lugares e nos mais diversos tipos de pessoas. São como ondas de maldade que correm por toda parte, como um caudal maligno que não pode ser contido por declarações ingênuas ou por um conjunto de ações meramente humanas. Na verdade, paganismo, perversidade e profanação são espíritos que procuram se infiltrar em vidas, para torná-las agentes do mal. Então, em sua forma humana, invertem e corrompem valores morais, distorcem e profanam valores espirituais e brutalizam, torturam e exterminam pessoas de bem, até mesmo crianças. E não basta nos munirmos de códigos morais e espirituais, para resistirmos a toda esta maldade; precisamos nos encher do Espírito e nos revestir de toda a armadura de Deus!
 
Quem tem olhos de ver, já deve ter notado que a Bíblia está repleta de sinais de alerta:
 
"MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;" (I Timóteo 4.1-2). "SABE, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te."
(II Timóteo 3.1-5)
 
E é bom que se diga que estes sinais foram postos para aviso nosso.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Deus não me obriga a orar

Foto: Hoje de manhã, em meu momento de oração ao Pai; senti o meu coração se encher de prazer por estar perante a face do Deus eterno. Então, com o meu coração pleno de gratidão, cantei este cântico: "Ó que prazer é descansar na força dos Teus braços; é Te escutar em tudo que eu faço; é perceber que estás comigo aqui. Ó que prazer é ser um templo do Espírito Santo; é Te adorar com salmos e com canto, ouvir Tua voz provar do Teu poder! Ó que prazer é descobrir que andas ao meu lado; sentir Tua mão por toda a caminhada, mostrando sempre a direção do céu. Ó que prazer é descobrir que andas ao meu lado; sentir Tua mão por toda a caminhada, mostrando sempre a direção do céu." Foi um momento de grande felicidade!

Um dos maiores tesouros que carrego comigo, desde os meus primeiros passos no evangelho; é o sentimento de dependência de Deus que tem norteado minha vida e ministério ao longo do tempo. Não sei qual o nível de impacto exercido sobre minha vida, família e ministério pelo fato de eu me apegar a Deus em oração. No entanto, sei muito bem como minha vida certamente seria - com repercussão sobre minha família e ministério - caso minha vida de oração não fosse levada a sério. E o melhor em tudo isto é que, até mesmo minha vida de oração, só tem sido atuante e perseverante devido ao cuidado do Senhor para comigo. Sei que Deus não me obriga a orar; todavia, não é de hoje, Sua voz sempre me conclama à oração.

Hoje de manhã, em meu momento de oração ao Pai - logo no início da minha prostração - senti o meu coração se encher de prazer por poder estar perante a face do Deus eterno. Então, com o meu coração pleno de gratidão, senti inspiração para cantar este cântico: "Ó que prazer é descansar na força dos Teus braços; é Te escutar em tudo que eu faço; é perceber que estás comigo aqui. Ó que prazer é ser um templo do Espírito Santo; é Te adorar com salmos e com canto, ouvir Tua voz provar do Teu poder! Ó que prazer é descobrir que andas ao meu lado; sentir Tua mão por toda a caminhada, mostrando sempre a direção do céu. Ó que prazer é descobrir que andas ao meu lado; sentir Tua mão por toda a caminhada, mostrando sempre a direção do céu." Nem precisaria dizer que foi um momento de grande felicidade!
 
Um dos maiores tesouros que carrego comigo, desde os meus primeiros passos no evangelho; é o sentimento de dependência de Deus que tem norteado minha vida e ministério ao longo do tempo. Nunca consegui avaliar qual o nível de impacto exercido sobre minha vida, família e ministério resultante do fato de eu me apegar a Deus em oração. No entanto, sei muito bem como minha vida certamente seria - com repercussão sobre minha família e ministério - caso minha vida de oração não fosse levada a sério. E o melhor em tudo isto é que, até mesmo minha vida de oração, eu só consigo ser atuante e perseverante devido ao cuidado do Senhor para comigo e à voz do Espírito Santo soando em meu íntimo. Sei que Deus jamais nos obriga a orar; todavia, não é de hoje, Sua voz sempre me conclama à oração.
 
Quanta beleza e confiança este salmo inspira! "OUVE, ó Deus, o meu clamor; atende à minha oração. Desde o fim da terra clamarei a ti, quando o meu coração estiver desmaiado; leva-me para a rocha que é mais alta do que eu. Pois tens sido um refúgio para mim, e uma torre forte contra o inimigo. Habitarei no teu tabernáculo para sempre; abrigar-me-ei no esconderijo das tuas asas. (Selá.) Pois tu, ó Deus, ouviste os meus votos; deste-me a herança dos que temem o teu nome. Prolongarás os dias do rei; e os seus anos serão como muitas gerações. Ele permanecerá diante de Deus para sempre; prepara-lhe misericórdia e verdade que o preservem. Assim cantarei louvores ao teu nome perpetuamente, para pagar os meus votos de dia em dia." (Salmo 61.1-8). Louvo a Deus por ter tão edificante base para sustentar minha esperança!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Dois tipos de morte

Foto: Hoje, após orar, interceder e agradecer a Deus por me permitir contemplar realidades e verdades fora do alcance da visão comum; fiquei a pensar neste momento da história humana... Não me senti confortável com o que vi. Vi dois tipos de morte crescer entre os cristãos: Vi morte física dos que são martirizados por sua fé, em diversos países, onde o ódio recrudesce contra os que adotaram Jesus como seu Senhor e a Bíblia como seu livro. E vi morte espiritual dos que são açodados pelo espírito de engano, em países chamados cristãos; adotando os costumes mundanos anunciados por muitos, como "direitos legítimos" a serem desfrutados "pela fé"; como se o mundo fosse um grande parque de diversões para os "crentes com fé".

Em meio a tudo isso; vejo crescer em nossa nação, os que aplaudem os bebedores de bebida forte cantando "louvores" ao nome de Jesus, em palcos profanos; sob as danças sensuais de moças semi-nuas, o frenesi de uma plateia que vai às raias da loucura e o sorriso consensual de cristãos coniventes e complacentes com tão ousada inversão de valores. Infelizmente, para nosso mal, muitos crentes, outrora piedosos - confundidos que são pelo espírito de engano - chamam este espetáculo, de péssimo gosto, de evangelização contextual; como se a menção do nome de Jesus por pessoas profanas e em ambientes profanos, fosse fórmula para a salvação de perdidos que demonstram querer continuar perdidos. Misericórdia!

Hoje, após orar, interceder e agradecer a Deus por me permitir contemplar realidades e verdades fora do alcance da visão comum; fiquei a pensar neste momento da história humana... Não me senti confortável com o que vi. É que, em minha observação, eu pude ver dois tipos de morte crescer entre os cristãos: Vi a morte física dos que são martirizados por sua fé em diversos países intolerantes, onde o ódio recrudesce contra os que adotaram Jesus como seu Senhor e a Bíblia como seu livro. E vi a morte espiritual dos que são açodados pelo espírito de engano, em países chamados cristãos; adotando os costumes mundanos anunciados por muitos oportunistas, como "direitos legítimos" a serem desfrutados "pela fé"; como se o mundo fosse um parque de diversões para atender os "crentes poderosos".
 
Em meio a tudo isso; vejo crescer em nossa nação, o número de crentes que aplaudem os bebedores de bebida forte cantando "louvores" ao nome de Jesus, em palcos profanos; em meio às danças sensuais de moças em trajes sumários, o frenesi de uma plateia que vai às raias da loucura e o sorriso consensual de cristãos coniventes e complacentes com tão ousada inversão de valores, em sua tentativa de mesclar o santo com o profano. Infelizmente, para nosso mal, muitos crentes, outrora piedosos - confundidos que são pelo espírito de engano - chamam este espetáculo de péssimo gosto, de evangelização contextual; como se a menção do nome de Jesus por pessoas profanas e em ambientes profanos, fosse fórmula para a salvação de perdidos que demonstram querer continuar perdidos. Misericórdia!
 
Este texto bíblico é um incentivo a quem deseja andar com retidão no caminho do Senhor: "PORTANTO nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos. Ainda não resististes até ao sangue, combatendo contra o pecado." (Hebreus 12.1-4). O texto nos exorta a deixar, não apenas o pecado, mas também os embaraços.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Quão Importante é orar

Foto: Tenho observado que não são poucos os irmãos que me rotulam de "homem de oração". Sempre que ouço algo assim, lamento em meu íntimo por não corresponder ao rótulo. Em resposta a isto já tenho dito, inúmeras vezes, que eu sou simplesmente um homem que ora. Ao longo de minha vida, tenho aprendido o quão importante é orar; pois todos os conflitos que enfrentamos nesta vida, estão afetos a problemas espirituais; como se eles estivessem ligados entre si por um fio invisível. É assim que eu creio; é assim que eu vivo; é assim que eu me resguardo, buscando em Deus o meu socorro.

Não é de hoje, tenho percebido que aquele problema entre marido e esposa, entre pais e filhos, entre vizinhos e outros, têm relação direta ou indireta com a vida espiritual. Enfim; os problemas crônicos em muitos relacionamentos inter-pessoais, não se resolvem apenas com o levantar de uma bandeira branca entre as partes conflitantes; ou mesmo quando conseguem selar um acordo de paz entre si. Tenho aprendido que a oração tem o dom de acalmar os ânimos exaltados; na justa medida em que promove a paz de espírito, rompendo a beligerância e promovendo a harmonia que só Cristo pode dar.

Tenho observado que não são poucos os irmãos que me rotulam de "homem de oração". Sempre que ouço algo assim, lamento em meu íntimo por não corresponder ao rótulo. Em resposta a isto já tenho dito, inúmeras vezes, que eu sou simplesmente um homem que ora. Ao longo de minha vida, tenho aprendido o quão importante é orar; pois todos os conflitos que enfrentamos nesta vida, estão afetos a problemas espirituais; como se eles estivessem ligados entre si por um fio invisível. É assim que eu creio; é assim que eu vivo; é assim que eu me resguardo, buscando em Deus o meu socorro.
 
Não é de hoje, tenho percebido que aquele problema entre marido e esposa, entre pais e filhos, entre vizinhos e outros, têm relação direta ou indireta com a vida espiritual. Enfim; os problemas crônicos em muitos relacionamentos interpessoais, não se resolvem apenas com o levantar de uma bandeira branca entre as partes conflitantes; ou mesmo quando conseguem selar um acordo de paz entre si. Tenho aprendido que a oração tem o dom de acalmar os ânimos exaltados; na justa medida em que promove a paz de espírito, rompendo a beligerância e promovendo a harmonia que só Cristo pode dar.
 
Todos nós devemos atentar para este importante ensinamento de Jesus:
 
"Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus; Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos. Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo? E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim? Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus."
(Mateus 5.43-48)
 
Nele aprendemos que amor e bondade precedem a oração bem sucedida.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 14 de setembro de 2014

Cativos da maledicência

Foto: Algumas vezes, fico a pensar nas inúmeras ocasiões em que me deparei com pessoas que são cativas do espírito de maledicência. E não estou aqui me referindo àqueles que foram injuriados ou difamados por alguém e que - marcados pela agressão - resolvem "dar o troco". Embora isto seja também uma prisão espiritual em que o ofendido se "amarra" ao seu ofensor, na justa medida em que revida ao golpe sofrido, usando a mesma "arma" com que foi ferido; tal procedimento ainda não é o mal maior, ainda que cause estrago. Ao fazer menção dos cativos da maledicência, estou pensando naqueles que não têm uma aparente razão - objetiva ou subjetiva - para criticar ou difamar alguém; mas vive a fazer isto em sua rotina de vida, mantendo-se em cativeiro; como se este fosse um destino do qual não conseguem se livrar.

Tenho percebido que em todo lugar existem pessoas assim (igrejas, empresas, instituições, famílias). É como se vivessem um tipo de escravidão; sendo torturadas pelo aguilhão do espírito de maledicência, na justa medida em que injuriam até mesmo as pessoas que amam; acutiladas que são pelo ferrão da difamação. Me preocupo com pessoas assim... Que não conseguem conversar com uma pessoa sem falar mal de outra. É como se carregassem uma bolsa de absinto a tiracolo; sem conseguirem se desvencilhar dela. Sendo incômodas e temidas até mesmo por aqueles com quem convivem, seguem o seu curso - tal e qual um daqueles zumbis de alguns filmes - buscando morder alguém sem olhar a quem. Porém, nem tudo está perdido! Pois Jesus veio ao mundo para nos livrar de todo tipo de prisão.

Algumas vezes, fico a pensar nas inúmeras ocasiões em que me deparei com pessoas que são cativas do espírito de maledicência. E não estou aqui me referindo àqueles que foram injuriados ou difamados por alguém; e que - marcados pela agressão - resolvem "dar o troco". Embora isto seja também uma prisão espiritual em que o ofendido se "amarra" ao seu ofensor, na justa medida em que revida ao golpe sofrido, usando a mesma "arma" com que foi ferido; tal procedimento ainda não é o mal maior, ainda que cause estrago. Ao fazer menção dos cativos da maledicência, estou pensando naqueles que não têm uma razão - objetiva ou subjetiva - para criticar ou difamar alguém; mas vive a fazer isto em sua rotina de vida, mantendo-se em cativeiro; como se este fosse um destino do qual não conseguem se livrar.
 
Tenho percebido que em todo lugar existem pessoas assim (igrejas, empresas, instituições, famílias). É como se vivessem um tipo de escravidão; sendo torturadas pelo aguilhão do espírito de maledicência, na justa medida em que injuriam até mesmo as pessoas que amam; acutiladas que são pelo ferrão da difamação. Me preocupo com pessoas assim... Que não conseguem conversar com uma pessoa sem falar mal de outra. É como se carregassem uma bolsa de absinto a tiracolo; sem conseguirem se desvencilhar dela. Sendo incômodas e temidas até mesmo por aqueles com quem convivem, seguem o seu curso - tal e qual um daqueles zumbis de alguns filmes - buscando morder alguém sem olhar a quem. Porém, nem tudo está perdido! Pois Jesus veio ao mundo para nos livrar deste e de outros tipos de prisão.
 
Neste texto da Bíblia, percebemos que o foco maior é a sujeição a Deus; e a advertência maior é quanto ao pecado da maledicência: "Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações. Senti as vossas misérias, e lamentai e chorai; converta-se o vosso riso em pranto, e o vosso gozo em tristeza. Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará. Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há só um legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?" (Tiago 4.7-12). É bom refletirmos sobre isto, antes de falarmos mal de alguém.
 
Cordialmente
Bispo Calegari

sábado, 13 de setembro de 2014

Dever imperioso dos pais

Foto: Hoje, ao me levantar, senti forte desejo de orar por meus filhos; não apenas oração de intercessão por suas vidas (coisa que sempre faço); mas, sobretudo, um forte sentimento de gratidão a Deus, pela vida de cada um deles. Acredito que todos os pais que sevem a Deus, fazem isto quase que instintivamente (aqueles que não fazem, deveriam fazer; pois os filhos dependem muito das orações dos pais). Sei que, assim como em todas as famílias, meus quatro filhos são diferentes entre si (penso que nem mesmos os gêmeos idênticos conseguem ser iguais). No entanto, mesmo em seu modo diferente de ser, são amados igualmente; pois esta vocação para amar os filhos nós herdamos do próprio Deus, que nos ama indistintamente. Portanto, gratidão a Deus pelos filhos é dever imperioso dos pais.

Obrigado, Senhor, pela vida dos meus quatro filhos - Sebastiao Calegari, Elizeu Calegari, Missionário Ezequiel e Daniela Calegari. Sou grato a Ti pelas noras, Simone Calegari e Synara Bastos Calegari; e pelo genro Alessandro Rosendo, que me deste através deles. Também sou grato, Senhor, por minhas cinco netas e dois netos, frutos deles. Sei que eles enfrentam lutas e que nem sempre posso ajuda-los em seus momentos difíceis; mas... Ainda bem que posso orar em favor deles, ciente de que minhas orações podem turbinar a graça e a unção que os tornarão mais hábeis e eficazes em suas lutas e desafios. Digo isto, querido Pai, pois sei que uma oração gemida feita por pais aliançados contigo, podem fazer a diferença entre o fracasso e a vitória de seus filhos, quando são ameaçados e provados neste mundo.

Hoje, ao me levantar, senti forte desejo de orar por meus filhos; não apenas oração de intercessão por suas vidas (coisa que sempre faço); mas, sobretudo, um forte sentimento de gratidão a Deus, pela vida de cada um deles. Acredito que todos os pais que sevem a Deus, fazem isto quase que instintivamente (aqueles que não fazem, deveriam fazer; pois os filhos dependem muito das orações dos pais). Sei que, assim como em todas as famílias, meus quatro filhos são diferentes entre si (penso que nem mesmos os gêmeos idênticos conseguem ser iguais). No entanto, mesmo em seu modo diferente de ser, são amados igualmente; pois esta vocação para amar os filhos nós herdamos do próprio Deus, que nos ama indistintamente. Portanto, gratidão a Deus pelos filhos é dever imperioso dos pais.
 
Obrigado, Senhor, pela vida dos meus quatro filhos - Sebastião Calegari, Elizeu Calegari, Missionário Ezequiel e Daniela Calegari. Sou grato a Ti pelas noras, Simone Calegari e Synara Bastos Calegari; e pelo genro Alessandro Rosendo, que me deste através deles. Também sou grato, Senhor, por minhas cinco netas e dois netos, frutos deles. Sei que eles enfrentam lutas e que nem sempre posso ajuda-los em seus momentos difíceis; mas... Ainda bem que posso orar em favor deles, ciente de que minhas orações podem turbinar a graça e a unção que os tornarão mais hábeis e eficazes em suas lutas e desafios. Digo isto, querido Pai, pois sei que uma oração gemida feita por pais aliançados contigo, podem fazer a diferença entre o fracasso e a vitória de seus filhos, quando são ameaçados e provados neste mundo.
 
Todos os pais cristãos deveriam meditar na oração de Ana: "E disse ela: Ah, meu senhor, viva a tua alma, meu SENHOR; eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, para orar ao SENHOR. Por este menino orava eu; e o SENHOR atendeu à minha petição, que eu lhe tinha feito. Por isso também ao SENHOR eu o entreguei, por todos os dias que viver, pois ao SENHOR foi pedido. E adorou ali ao SENHOR. ENTÃO orou Ana, e disse: O meu coração exulta ao SENHOR, o meu poder está exaltado no SENHOR; a minha boca se dilatou sobre os meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação. Não há santo como o SENHOR; porque não há outro fora de ti; e rocha nenhuma há como o nosso Deus." (I Samuel 1.26-28; 2.1-2). Ela mal podia imaginar que sua fervente oração iria gerar o grande profeta Samuel.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Retalhos e lembranças

Foto: Existem dias em que, em oramos; mal conseguimos formular uma frase, face ao pranto inevitável. Hoje foi assim comigo. No entanto, sempre aprendemos algo em ocasiões assim. E hoje, como se uma janela panorâmica se abrisse, pude ver e aprender algumas coisas. Na verdade, qualquer lágrima derramada e esforço feito - quando se traduz em revelação e conhecimento - se torna altamente compensador ao coração que se deixa quebrantar e invadir pelo agir de Deus. Aleluia! Estou certo de que a eternidade será de algum modo marcada pelos retalhos e lembranças que levamos conosco, de momentos de profunda comunhão com Deus quando fazemos como Maria de Betânia; nos quedando, mansos e contritos, aos pés do Senhor.

Hoje, assim posicionado, percebi algo em que ainda não havia sequer pensado. E pude entender melhor a dor causada por traumas e lembranças do passado. Isso mesmo! A mágoa que se apega ao coração humano, assim como as cracas ao calado de um barco, vive a atualizar as dores causadas por fatos que não mais existem; a não ser na lembrança de quem teima em mante-los em vivos. Ao refletir sobre isto, o Espírito Santo me mostrou que as dores causadas por agressões e injustiças são dores pontuais, circunscritas ao momento em que se manifestaram. Então, aprendi que elas devem ser deixadas lá atrás, sem nos acompanhar ao longo da vida. Enfim, devem ser varridas com firmeza para o espaço exterior do nosso ser.

Existem dias em que, ao começarmos a orar, mal conseguimos formular uma frase; embargados que somos face ao pranto inevitável. Hoje foi assim comigo. No entanto, sempre aprendemos algo em ocasiões assim. E hoje foi como se uma janela panorâmica se abrisse; então, pude ver e aprender algumas lições importantes. Na verdade, qualquer lágrima derramada ou esforço feito - quando se traduz em revelação e conhecimento - se torna altamente compensador ao coração que se deixa quebrantar e invadir pelo agir de Deus. Aleluia! Estou certo de que a eternidade será de algum modo marcada pelos retalhos e lembranças que levamos conosco, de momentos de profunda comunhão com Deus; quando fazemos como Maria em Betânia; nos quedando, mansos e contritos, aos pés do Senhor.
 
Hoje, assim posicionado, percebi algo em que eu ainda não havia sequer pensado. Então, pude entender melhor a dor causada por traumas e lembranças de um passado conturbado. Isso mesmo! Aquela mágoa que se apega ao coração humano - assim como as cracas ao calado de um barco - vive sempre a atualizar as dores causadas por fatos que não mais existem, a não ser na lembrança de quem insiste em conservar os mesmos vivos em seu íntimo. Ao refletir sobre isto, o Espírito Santo me mostrou que as dores causadas por agressões e injustiças são dores pontuais, circunscritas ao momento em que se manifestaram. Então, aprendi que elas devem ser deixadas lá atrás, sem nos acompanhar ao longo da vida. Enfim, devem ser varridas com firmeza para o espaço exterior do nosso ser.
 
Portanto, este deve ser o modo de um filho de Deus proceder: "Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. Seja a vossa eqüidade notória a todos os homens. Perto está o SENHOR. Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai." (Filipenses 4.4-8). Enfim, uma vida cheia destes valores, não terá lugar para ressentimento e mágoa em seu interior.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Um ponto no infinito

Foto: Algumas vezes, tenho me referido aos obstáculos que temos de transpor, para podermos permanecer no lugar de oração; especialmente quando os dias são cinzentos e os perigos previsíveis. No entanto - mesmo sob forte oposição do mal - não podemos desistir de orar; ou mesmo transferir para outra hora a oração urgente que precisamos elevar ao Deus eterno. Hoje de manhã, comigo foi assim; todavia, me estendi na presença do Pai eterno e fui ouvido. Aleluia! Mas... Quando digo que Deus me ouviu; não estou dizendo que Ele atendeu a todos os meus pedidos. Até porque, se Deus atendesse a tudo aquilo que, em nossa precipitação, Lhe pedimos; poderíamos sofrer penas dolorosas, pois nem sempre sabemos orar como convém.

Contudo, o mais importante foi poder expor perante Ele a minha adoração... Então, falei sobre os sons do universo, que convergem para o Seu louvor. Assim, o ato da tempestade assustadora - com o ribombar dos trovões intercalando com o intenso brilho dos relâmpagos, regando a terra com o som da chuva - é um canto de louvor ao Criador; assim como o som do vento no bambuzal e o som do regato entre as pedras. Louvado seja o Senhor, por tão grandioso culto de adoração oferecido pela natureza que Ele mesmo criou! Como não chorar de prazer e temor, ante a glória de Deus refletida na criação? Enfim... O fato de me sentir um ponto no infinito não me impede de me sentir o mais feliz dos homens, por poder render graças a Deus!
 
Algumas vezes, tenho me referido aos obstáculos que temos de transpor, para podermos permanecer no lugar de oração; especialmente quando os dias são cinzentos e os perigos previsíveis. No entanto - mesmo sob forte oposição do mal - não podemos desistir de orar; ou mesmo transferir para outra hora a oração urgente que precisamos elevar ao Deus eterno. Hoje de manhã, comigo foi assim; todavia, me estendi na presença do Pai eterno e fui ouvido. Aleluia! Mas... Quando digo que Deus me ouviu; não estou querendo dizer que Ele atendeu a todos os meus pedidos. Até porque, se Deus atendesse a tudo aquilo que, em nossa precipitação, Lhe pedimos; correríamos o risco de sofrer penas dolorosas, pois nem sempre sabemos orar como convém.
 
Contudo, o mais importante foi poder expor perante Ele a minha adoração... Então, falei sobre os sons do universo, que convergem para o Seu louvor. Assim, o ato da tempestade assustadora - com o ribombar de seus trovões intercalando com o intenso brilho dos relâmpagos, regando a terra com o som da chuva - é um canto de louvor ao Criador; assim como o som do vento perpassando o bambuzal e o som do regato entre as pedras. Louvado seja o Senhor, por tão grandioso culto de adoração oferecido pela natureza que Ele mesmo criou! Como não chorar de prazer e temor, ante a glória de Deus refletida em Sua criação? Enfim... O fato de me sentir um ponto no infinito não me impede de me sentir o mais feliz dos homens, por poder render graças a Deus!
 
Aleluia!
 
"1 LOUVAI ao SENHOR. Louvai ao SENHOR desde os céus, louvai-o nas alturas. 2 Louvai-o, todos os seus anjos; louvai-o, todos os seus exércitos. 3 Louvai-o, sol e lua; louvai-o, todas as estrelas luzentes. 4 Louvai-o, céus dos céus, e as águas que estão sobre os céus. 5 Louvem o nome do SENHOR, pois mandou, e logo foram criados. 6 E os confirmou eternamente para sempre, e lhes deu um decreto que não ultrapassarão. 7 Louvai ao SENHOR desde a terra: vós, baleias, e todos os abismos; 8 Fogo e saraiva, neve e vapores, e vento tempestuoso que executa a sua palavra; 9 Montes e todos os outeiros, árvores frutíferas e todos os cedros; 10 As feras e todos os gados, répteis e aves voadoras; 11 Reis da terra e todos os povos, príncipes e todos os juízes da terra; 12 Moços e moças, velhos e crianças. 13 Louvem o nome do SENHOR, pois só o seu nome é exaltado; a sua glória está sobre a terra e o céu. 14 Ele também exalta o poder do seu povo, o louvor de todos os seus santos, dos filhos de Israel, um povo que lhe é chegado. Louvai ao SENHOR."
(Salmo 148)
 
Glória a Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Ao longo do deserto

Foto: Já faz um bom tempo que não tenho um horário fixo para orar... No entanto, na grande maioria das vezes, sou despertado pela madrugada ou de manhã bem cedo. Hoje, após orar, meus pensamentos se voltaram para a figura bíblica de Calebe. Este homem aparece muito pouco nas Escrituras (duas vezes com destaque); todavia, o seu testemunho dado aos 85 anos; é coerente com o testemunho que deu, quando tinha pouco mais de 40 anos. Neste entretempo, muitos episódios marcaram sua vida, ao longo do deserto em que caminhou, seguindo Moisés e Josué. Todavia, a essência do seu testemunho como homem de Deus se manteve... E seu destino foi conquistar a montanha com a qual ele sempre sonhou!

Em nossos dias; é comum e crescente vermos enorme diferença entre a prédica e a prática de muitos crentes, mesmo entre obreiros; ou seja: Aquilo que afirmam e ensinam não é coerente com o seu modo de viver. E existem casos ainda mais graves; que são aqueles que têm dois tipos de linguagem: Um modo de falar bem "crente" (linguagem doutrinária) quando estão em ambiente evangélico; e um jeito profano de falar (linguagem chula) quando estão em outro ambiente; algo parecido com um ser de duas cabeças (uma do bem, outra do mal), como se isto fosse possível. No entanto, Deus nos chamou para sermos luz e sal - tanto em nosso modo de viver, como em nosso modo de falar - onde quer que estejamos.


Já faz um bom tempo que não tenho um horário fixo para orar... No entanto, na grande maioria das vezes, sou despertado pela madrugada ou de manhã bem cedo. Hoje, após orar, meus pensamentos se voltaram para a figura bíblica de Calebe. Este homem aparece muito pouco nas Escrituras (duas vezes com destaque); todavia, o seu testemunho dado aos 85 anos é coerente com o testemunho que deu, quando tinha pouco mais de 40 anos. Neste entretempo, muitos episódios marcaram sua vida, ao longo do deserto em que caminhou, seguindo Moisés e Josué. Todavia, a essência do seu testemunho como homem de Deus se manteve... E seu destino foi conquistar a montanha com a qual ele sempre sonhou!
 
Em nossos dias; é comum e crescente vermos enorme diferença entre a prédica e a prática de muitos crentes, mesmo entre obreiros; ou seja: Aquilo que afirmam e ensinam não é coerente com o seu modo de viver. E existem casos ainda mais graves; que são aqueles que têm dois tipos de linguagem: Um modo de falar bem "crente" (linguagem doutrinária) quando estão em ambiente evangélico; e um jeito profano de falar (linguagem chula) quando estão em outro ambiente; algo parecido com um ser de duas cabeças (uma do bem, outra do mal), como se isto fosse possível. No entanto, Deus nos chamou para sermos luz e sal - tanto em nosso modo de viver, como em nosso modo de falar - onde quer que estejamos.
 
Este texto da Palavra de Deus transpira doutrina purinha!
 
"TU, porém, fala o que convém à sã doutrina. Os velhos, que sejam sóbrios, graves, prudentes, sãos na fé, no amor, e na paciência; As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem; Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada. Exorta semelhantemente os jovens a que sejam moderados. Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade, Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós."
(Tito 2.1-8)
 
Se meditarmos nele, ele nos ensina lições importantes!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Eternamente grato

Foto: Pai! Nesta madrugada, meu coração sente desejo de cantar esta antiga canção: "Então minh'alma canta a Ti, Senhor; quão grande és Tu, quão grande és Tú..." E enquanto eu canto, sinto profunda paz em meu espírito; a paz que o mundo não pode dar. E me encho da certeza de que o Teu braço rege o universo inteiro; e o leva a entoar canções que os homens não conseguem perceber; pois - desatentos que são ao Teu agir - ouvem apenas um barulho impreciso; ao invés da melodia eterna nele presente. Que maravilha, Pai! Poder Te adorar enquanto o louvor explode em meu íntimo e a graça envolve o meu ser inteiro. Sou teu, isto eu posso afirmar. Tu és meu, isto ninguém pode mudar. Serei eternamente grato a Ti!

Então, enquanto entoo que "bate no meu peito uma vontade imensa de cantar louvores ao trino Deus; de exaltar o Nome do meu Pai eterno, que do grande inferno já me resgatou"; minha alma sente segurança em saber que não preciso depender dos afagos desta vida, nem dos aplausos dos homens e nem mesmo de circunstâncias favoráveis, para estender minha vida em descanso; pois, o estado de segurança e paz que Tua presença sempre traz, se sobrepõe a qualquer luta ou provação que este mundo me reserve. Então, por que temer perigo ou ameaça; se o Teu escudo garante blindagem e proteção imediata contra o mal que tenta me ferir? É verdade, Pai! Posso gritar que tenho Tua graça comigo; e isto me basta. Aleluia!

Pai! Nesta madrugada, meu coração sente desejo de cantar esta antiga canção: "Então minh'alma canta a Ti, Senhor; quão grande és Tu, quão grande és Tú..." E enquanto eu canto, sinto profunda paz em meu espírito; a paz que o mundo não pode dar. E me encho da certeza de que o Teu braço rege o universo inteiro; e o leva a entoar canções que os homens não conseguem perceber; pois - desatentos que são ao Teu agir - ouvem apenas um barulho impreciso; ao invés da melodia eterna nele presente. Que maravilha, Pai! Poder Te adorar enquanto o louvor explode em meu íntimo e a graça envolve o meu ser inteiro. Sou teu, isto eu posso afirmar. Tu és meu, isto ninguém pode mudar. Serei eternamente grato a Ti!
 
Então, enquanto entoo que "bate no meu peito uma vontade imensa de cantar louvores ao trino Deus; de exaltar o Nome do meu Pai eterno, que do grande inferno já me resgatou"; minha alma sente segurança em saber que não preciso depender dos afagos desta vida, nem dos aplausos dos homens e nem mesmo de circunstâncias favoráveis, para estender minha vida em descanso; pois, a segurança e paz que Tua presença sempre traz, se sobrepõe a qualquer luta ou provação que este mundo me reserve. Então, por que temer perigo ou ameaça; se o Teu escudo garante blindagem e proteção imediata contra o mal que tenta me ferir? É verdade, Pai! Posso gritar que tenho Tua graça comigo; e isto me basta. Aleluia!
 
Salmos: Testemunho do cuidado de Deus: "SE não fora o SENHOR, que esteve ao nosso lado, ora diga Israel; Se não fora o SENHOR, que esteve ao nosso lado, quando os homens se levantaram contra nós, Eles então nos teriam engulido vivos, quando a sua ira se acendeu contra nós. Então as águas teriam transbordado sobre nós, e a corrente teria passado sobre a nossa alma; Então as águas altivas teriam passado sobre a nossa alma; Bendito seja o SENHOR, que não nos deu por presa aos seus dentes. A nossa alma escapou, como um pássaro do laço dos passarinheiros; o laço quebrou-se, e nós escapamos. O nosso socorro está no nome do SENHOR, que fez o céu e a terra." (Salmo 124.1-8). Confiemos em Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Cansadas, mas felizes

Foto: Nesta manhã bastante fria em BH, já agradeci ao Senhor pela chegada das irmãs wesleyanas que participaram do Congresso Geral de Coordenadoras do "Desperta Débora". Maria Célia Calegari e Simone Calegari chegaram de madrugada; cansadas, mas felizes por tudo o que Deus fez em Luziânia. Na bagagem, Maria Célia trouxe a missão de Coordenadora para o Estado de Minas Gerais e Simone trouxe a missão de Coordenadora do Estado do Espírito Santo. Louvo a Deus por estas duas mulheres de Deus, sempre dispostas a servir ao Senhor sem esperar recompensas vindas dos homens. Ao mesmo tempo em que agradecia; também intercedia por todos aqueles que estão investidos de algum ministério na obra do Rei Jesus.

Penso ser importante interceder por pastores e obreiros distribuídos ao longo da seara do Mestre; pois, ao longo do minha jornada ministerial, tenho percebido que nunca é fácil servir á Deus e ao Seu povo; especialmente quando se serve a Deus por amor e com inteireza de coração. São incontáveis os casos, de vidas que sofreram perdas terrenas apenas por servirem ao Senhor; e a História da Igreja - desde o seu início em Jerusalém - está tingida com o sangue de inúmeros cristãos que deram como tributo, a sua própria vida em sacrifício. Todavia, o pior mesmo é servir a Deus com negligência ou soberba; por interesse financeiro; ou então de má vontade; pois a recompensa divina é para os que servem a Deus por amor.

Nesta manhã, bastante fria em BH, agradeci ao Senhor pela chegada das irmãs wesleyanas que participaram do Congresso Geral de Coordenadoras do "Desperta Débora". Maria Célia Calegari e Simone Calegari chegaram de madrugada; cansadas, mas felizes por tudo o que Deus fez em Luziânia. Na bagagem, Maria Célia trouxe a missão de Coordenadora para o Estado de Minas Gerais e Simone trouxe a missão de Coordenadora para o Estado do Espírito Santo. Louvo a Deus por estas duas mulheres de Deus, sempre dispostas a servir ao Senhor sem esperar recompensas vindas dos homens. Ao mesmo tempo em que agradecia; também intercedia por todos aqueles que estão investidos de algum ministério na obra do Rei Jesus.
 
Penso ser importante interceder por pastores e obreiros distribuídos por toda a seara do Mestre; pois, ao longo de minha jornada ministerial, tenho percebido que nunca é fácil servir a Deus e ao Seu povo; especialmente quando se serve a Deus por amor e com inteireza de coração. São incontáveis os casos de vidas que sofreram perdas terrenas apenas por servirem ao Senhor; e a História da Igreja - desde o seu início em Jerusalém - está tingida com o sangue de inúmeros cristãos que deram como tributo, a sua própria vida em sacrifício. Todavia, o pior mesmo é servir a Deus com negligência ou soberba; por interesse financeiro; ou então de má vontade; pois a recompensa divina é para aqueles que servem a Deus movidos pelo amor.
 
A Palavra de Deus testifica que existe honra garantida aos que servem a Deus:
 
"VÓS, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor. Vós, servos, obedecei a vossos senhores segundo a carne, com temor e tremor, na sinceridade de vosso coração, como a Cristo; Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus; Servindo de boa vontade como ao Senhor, e não como aos homens. Sabendo que cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer, seja servo, seja livre."
(Efésios 6.1-8)
 
No entanto, esta honra só é concedida aos que servem a Deus de boa vontade.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 7 de setembro de 2014

Dois marcos reguladores

 
Foto: Como os amados irmãos já devem imaginar, a única posição que encontro para poder me render na presença do Pai é deitado. E hoje, para não fugir à regra que vigora nos últimos dias, me rendi em Sua presença; na certeza que os Seus ouvidos estão abertos ao meu clamor. Antes de interceder, falei sobre mim mesmo. É que minha natureza não se sente tranquila estando parada, mesmo que os motivos sejam considerados justos. Então, clamei ao Pai por fortalecimento para prosseguir no caminho (caminho aqui deve ser entendido por, andar na dimensão do Espírito). Orei também por minha caminhada terrena; por tantos lugares onde preciso ir; enfim... São dois prazeres que se conjugam: O prazer de andar com Deus no caminho e o prazer de andar em direção à missão que me foi confiada.

Enquanto eu orava, passei a interceder por meus queridos (minha esposa, filhos, genro, noras, netos têm lugar prioritário) incluindo aqueles que pude lembrar nesta manhã. Pedi a Deus que nos mantenha em Sua bolha de imunidade; pois a agressividade cresce contra aqueles que defendem valores fundados no amor, na justiça e na verdade; restando aos que procuram viver em Jesus, o único refúgio capaz de conter a onda de fúria contra o Deus eterno e Seu povo. Após orar e cuidar de algumas atividades inadiáveis, me surpreendi sussurrando o antigo cântico: "Há um caminho cheio de luz; nenhum outro há, este é só Jesus! Uma verdade jorra da cruz: Vida temos em Jesus!" E me dei conta de que, tendo a Luz como ponto de direção e a cruz como ponto de referência, nada poderá me fazer recuar!

Como os amados irmãos já devem imaginar, a única posição que encontro para poder me render na presença do Pai é deitado. E hoje, para não fugir à regra que vigora nos últimos dias, me rendi em Sua presença; na certeza que os Seus ouvidos estão abertos ao meu clamor. Antes de interceder, falei sobre mim mesmo. É que minha natureza não se sente tranquila estando parada, mesmo que os motivos sejam considerados justos. Então, clamei ao Pai por fortalecimento para prosseguir no caminho (caminho aqui deve ser entendido por, andar na dimensão do Espírito). Orei também por minha caminhada terrena; por tantos lugares onde preciso ir; enfim... São dois prazeres que se conjugam: O prazer de andar com Deus no caminho e o prazer de andar em direção à missão que me foi confiada pelo Deus da minha vida.
 
Enquanto eu orava, passei a interceder por meus queridos (minha esposa, filhos, genro, noras, netos têm lugar prioritário) incluindo aqueles que pude lembrar nesta manhã. Pedi a Deus que nos mantenha em Sua bolha de imunidade; pois a agressividade cresce contra aqueles que defendem valores fundados no amor, na justiça e na verdade; restando aos que procuram viver em Jesus, o único refúgio capaz de conter a onda de fúria contra o Deus eterno e Seu povo. Após orar e cuidar de algumas atividades inadiáveis, me surpreendi sussurrando o antigo cântico: "Há um caminho cheio de luz; nenhum outro há, este é só Jesus! Uma verdade jorra da cruz: Vida temos em Jesus!" E me dei conta de que, tendo a Luz como ponto de direção e a cruz como ponto de referência, nada nem ninguém poderá me fazer recuar!
 
Estes são os dois marcos reguladores da jornada: A Luz e a cruz! "E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. Se dissermos que temos comunhão com ele, e andarmos em trevas, mentimos, e não praticamos a verdade. Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado. Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça. Se dissermos que não pecamos, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós." (I João 1.5-10) O cristão que segue estes marcos, se mantém no caminho eterno.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 6 de setembro de 2014

Duas damas conhecidas

Foto: Fico a pensar no quanto são difíceis os dias que vivemos... Dias de miséria extrema e de riqueza desmedida. Humanidade sem rumo e sem futuro. E em meio a tudo isso; em várias partes do planeta - ante a loucura geral e o caos instalado - o paradoxo e a contradição prosperam e se propagam; afetando até mesmo instituições religiosas, outrora firmes em suas convicções. E enquanto o fim não vem; até mesmo nós, evangélicos, temos o desprazer de ver grupos - outrora definidos em sua teologia e ideologia - fazendo concessões perigosas em seu modo de crer e praticar. E em meio a tudo isso... Vemos, em diverso lugares, cristãos perseguidos e torturados por sua fé; ao mesmo tempo em que cristãos se banqueteiam e são brindados pelo poder dominante; vivendo como se o céu fosse aqui mesmo. Mundo surreal! Que seria cômico, se não fosse trágico.

Ao atentar para o quadro da presença cristã na existência humana; vejo duas damas conhecidas percorrendo a história, porém em direção oposta: Filadélfia e Laodicéia. Elas procuram se sustentar na mesma Base; todavia, defendem razões diferentes. Filadélfia é dama do dia; e Laodicéia, dama da noite. Uma busca a luz do Sol; outra, o brilho dos refletores. Filadélfia busca com afinco sua riqueza no Alto; Laodicéia, procura enriquecer por aqui mesmo. Sendo seus objetivos tão diferentes; é natural que sigam direções opostas. Eita, dias difíceis! Estou convencido que era isto que Jesus queria dizer, ao pronunciar a seguinte advertência: "E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias." (Mateus 24.22). Penso ser hora de definição. Quanto a mim, optei estar com Filadélfia!

Fico a pensar em como são difíceis os dias que vivemos... Dias de miséria extrema e de riqueza desmedida. Humanidade sem rumo e sem futuro. E em meio a tudo isso; em várias partes do planeta - ante a loucura geral e o caos instalado - o paradoxo e a contradição prosperam e se propagam; afetando até mesmo instituições religiosas, outrora firmes em suas convicções. E enquanto o fim não vem; até mesmo nós, evangélicos, temos o desprazer de ver grupos - outrora definidos em sua teologia e ideologia - fazendo concessões perigosas em seu modo de crer e praticar. E em meio a tudo isso... Vemos, em diversos lugares, cristãos perseguidos e torturados por sua fé; ao mesmo tempo em que cristãos se banqueteiam e são brindados pelo poder dominante; vivendo como se o céu fosse aqui mesmo. Mundo surreal! Que seria cômico, se não fosse trágico.
 
Ao atentar para o quadro da presença cristã na existência humana; vejo duas damas conhecidas percorrendo a história, porém em direção oposta: Filadélfia e Laodicéia. Elas procuram se sustentar na mesma Base; todavia, defendem razões diferentes. Filadélfia é dama do dia; e Laodicéia, dama da noite. Uma busca a luz do Sol; outra, o brilho dos refletores. Filadélfia busca com afinco sua riqueza no Alto; Laodicéia, procura enriquecer por aqui mesmo. Sendo seus objetivos tão diferentes; é natural que sigam direções opostas. Eita, dias difíceis! Estou convencido que era isto que Jesus queria dizer, ao pronunciar a seguinte advertência: "E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias." (Mateus 24.22). Penso ser hora de definição. Quanto a mim, optei por estar com Filadélfia!
 
Este é uma das solenes advertências feitas por Jesus, acerca dos nosso dias:
 
"E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim."
(Mateus 24.4-14)
 
Devemos avaliar tudo aquilo que temos visto; e refletir sobre o que disse Jesus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari