segunda-feira, 30 de junho de 2014

Pecado aos olhos de Deus


Mesmo com os crescentes problemas familiares observados em tantos lares cristãos, nestes tempos difíceis, ainda me surpreendo com a pressa de alguns em desfazer sua família, pondo fim ao casamento. Penso que o modo banal a que se reduziu este assunto, tem contribuído para dar aos casais em conflito, a ideia errônea de que a solução dos problemas de desajuste conjugal, está diante de um juiz. Infelizmente, aqueles que optam por este tipo de solução não percebem que, mesmo sendo este o último passo para a dissolução dos laços conjugais; pode ser também o primeiro passo para um nível mais agressivo de problema (mescla de boas e más recordações, filhos convivendo com um drama contagiante, futuro incerto, e por aí vai).
 
Entendo que, em certos casos, dores causadas por agressão verbal e física afetam profundamente o vínculo conjugal; agregando tristeza e angústia a ambas as partes, especialmente o cônjuge ofendido e maltratado pela violência de cônjuge. Em casos assim, o caminho mais indicado é recorrer ao auxílio do pastor ou de irmãos experientes, em busca de oração e aconselhamento. Existem também casos de infidelidade entre casais, quando as partes procuram desafogar suas mágoas em uma aventura extra conjugal. Tal ato não é só loucura; pois a quebra dos votos conjugais é pecado aos olhos de Deus; ainda que justificada por razões de consciência. Em qualquer dos casos, o melhor remédio ainda é o perdão e a reconciliação!
 
Embora o texto em destaque, foque a atitude do esposo; no entanto, ele se aplica também à esposa:
 
"Ainda fazeis isto outra vez, cobrindo o altar do SENHOR de lágrimas, com choro e com gemidos; de sorte que ele não olha mais para a oferta, nem a aceitará com prazer da vossa mão. E dizeis: Por quê? Porque o SENHOR foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira, e a mulher da tua aliança. E não fez ele somente um, ainda que lhe sobrava o espírito? E por que somente um? Ele buscava uma descendência para Deus. Portanto guardai-vos em vosso espírito, e ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. Porque o SENHOR, o Deus de Israel diz que odeia o repúdio, e aquele que encobre a violência com a sua roupa, diz o SENHOR dos Exércitos; portanto guardai-vos em vosso espírito, e não sejais desleais. Enfadais ao SENHOR com vossas palavras; e ainda dizeis: Em que o enfadamos? Nisto que dizeis: Qualquer que faz o mal passa por bom aos olhos do SENHOR, e desses é que ele se agrada, ou, onde está o Deus do juízo?"
(Malaquias 2.13-17)
 
Na verdade, o cumprimento dos votos de fidelidade, feitos pelos cônjuges, são responsabilidade de ambos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 29 de junho de 2014

Com o passar do tempo


Hoje, madrugada fria em Belo Horizonte... Mas não me deixei desmotivar - nem pelo frio nem pelo cansaço - pois não devo me abster de buscar a face do Senhor, seja a que pretexto for. Não posso deixar de orar, pois nunca sei o que um novo dia me reserva. Percebi, enquanto iniciava o meu momento de oração, que minha mente tentava me conduzir pelo labirinto das preocupações; mas, graças a Deus, já aprendi a lidar com este tipo de jogo. Coloquei diante do Pai este tipo de objeção - algo aparentemente normal - que tem afligido a vida de oração de muitos crentes. E lamentei o fato de ainda apresentar uma certa resistência ao chegar no lugar de oração. Então, o Senhor me acalmou com Sua voz em meu íntimo.
 
Enquanto eu orava, fui lembrado que - por mais que eu insista - algumas respostas que procuro, não serão imediatas. Então, fui orientado a separar minhas questões em três grupos: O grupo de questões que exigem resposta imediata; o grupo daquelas cujas respostas podem ser dadas a curto e médio prazo; e o grupo das questões que se responderão por si mesmas, com o passar do tempo. Então entendi que: Para as questões que as vezes me surpreendem, preciso buscar sabedoria de Deus na véspera, mesmo sem saber o que vou enfrentar (tal e qual fez Salomão, no episódio das duas mães em litígio por causa do filho morto). Já as questões que não exigem rapidez; elas me dão tempo suficiente para orar.
 
Desafio maior é a questão que se responde por si mesma, ao longo do tempo. E não adianta insistir; pois a resposta será sempre um aflitivo silêncio! "Por que sou assim e não consigo mudar? Por que, mesmo em oração, ainda lido crises na família? Por que o meu problema permanece o mesmo a tanto tempo? Por que vejo outros serem curados mediante minhas orações e eu mesmo não sou?". É... Estas e outras indagações, que todos as vezes nós fazemos, serão respondidas com o tempo. Pedi a Deus que me conceda mansidão e paciência; mas a resposta foi que isto virá com o tempo. Então, pedi ao Senhor que me ajude a aceitar o processo que me aprimora; e a aproveitar a passagem do tempo para amadurecer.
 
Este é um dos textos bíblicos que sempre procuro manter diante dos olhos:
 
"E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé; Para conhecê-lo, e à virtude da sua ressurreição, e à comunicação de suas aflições, sendo feito conforme à sua morte; Para ver se de alguma maneira posso chegar à ressurreição dentre os mortos. Não que já a tenha alcançado, ou que seja perfeito; mas prossigo para alcançar aquilo para o que fui também preso por Cristo Jesus."
(Filipenses 3.8-12)
 
Ele tem me ajudado muito, nas diversas provações que tenho enfrentado.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 28 de junho de 2014

Prazer e dever na oração


Hoje senti necessidade de orar bem mais cedo que de costume. Não sei a razão, mas... Deus sabe! Após orar ao Pai, fui levado a pensar na relação entre dever e prazer - isto no que tange à oração - e a procurar a relação de causa e efeito entre ambos. Então, me dei conta de que a ida ao lugar de oração é sempre um dever a ser cumprido. Ou seja: Eu tenho o dever de orar, ainda que haja indisposição da minha parte. Ainda que gemendo e me arrastando, preciso buscar a face do Senhor; pois, existem muitos inimigos da oração. Portanto, preciso mesmo orar, ainda que sem vontade; até porque, os inimigos da oração, são meus inimigos também. Assim, não posso deixar minha retaguarda ou meus flancos desguarnecidos!
 
Na expansão do raciocínio, eu pude perceber que, na relação entre o prazer e o dever, o dever sempre vem antes da oração - sendo ele o seu elemento propulsor. Já o prazer vem sempre depois da oração; após sabermos que tudo aquilo que nos afligia e incomodava foi depositado em seu devido lugar - aos pés do Senhor. Deste modo, quando nos dirigimos ao lugar de oração, a sensação é de medo e incerteza; quando saímos dele, após plena rendição aos pés do Senhor, a sensação é de alívio e segurança. Sei de muitos crentes só recorrem à oração, quando movidos por prazer e desejo. Isto é desproporcional! Pois, o dever é quem deve nos conduzir à oração; e, depois dela, o prazer se torna o nosso acompanhante.
 
Para algumas coisas na vida, orar é a melhor atitude; no entanto, em certos casos, orar é a única atitude que resta:
 
"E CONTOU-LHES também uma parábola sobre o dever de orar sempre, e nunca desfalecer, Dizendo: Havia numa cidade um certo juiz, que nem a Deus temia, nem respeitava o homem. Havia também, naquela mesma cidade, uma certa viúva, que ia ter com ele, dizendo: Faze-me justiça contra o meu adversário. E por algum tempo não quis atendê-la; mas depois disse consigo: Ainda que não temo a Deus, nem respeito os homens, Todavia, como esta viúva me molesta, hei de fazer-lhe justiça, para que enfim não volte, e me importune muito. E disse o Senhor: Ouvi o que diz o injusto juiz. E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?"
(Lucas 18.1-8).
 
Portanto, seja em meio a situações favoráveis ou desfavoráveis, devemos orar sempre!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Vida presente e vida futura

Foto: Realmente... Não exagero ao afirmar que o Congresso de Jovens da 2ª Região excedeu todas as expectativas! Vimos o agir sobrenatural de Deus em toda a programação, trazendo alegria e edificação a cerca de setecentos jovens e diversos obreiros que lá estavam. Louvei a Deus; pois, em meio aos jogos da Copa do mundo, considero de grande significado ter um número tão expressivo de jovens no Congresso. Me impressionou sobremodo o nível de comunhão e participação das diversas caravanas. Quero parabenizar a Direção Regional da JUWES 2ª Região, na pessoa do Diretor Vinicius Regiani, que cumpriu com grande eficiência o seu mandato; e desejar à nova Direção Regional, na pessoa da nova Diretora Mariana - de Uberlândia - o exercício de um mandato bem sucedido no Senhor Jesus. No mais, só tenho que louvar a Deus por tudo!

Após uma despedida entre calorosa e triste (desejando que o congresso não terminasse); Maria Célia e eu retornamos à casa. após o tempo gasto entre o "vai e vem" das arrumações (colocando as coisas em seu devido lugar); paramos para tomar um café, ainda no clima do congresso. No entanto, horas depois, Maria Célia e eu ficamos sabendo que a querida e inesquecível irmã Áida Peralta - da IMW de Aveiro/Portugal - partiu ao encontro do Senhor. Ao sermos atingidos pela notícia, Maria Célia e eu ficamos relembrando o carinho e ternura com que ela, seu esposo (também falecido) e sua filha Gloria Peralta sempre nos assistiram. Agora ela descansa nos braços do Pai, com Quem também estaremos no já dia definido em Sua agenda! que o Senhor conforte a família. Glória a Deus, pelos que vivem e pelos que morrem no Senhor!

Realmente... Não exagero ao afirmar que o Congresso de Jovens da 2ª Região excedeu todas as expectativas! Vimos o agir sobrenatural de Deus em toda a programação, trazendo alegria e edificação a cerca de setecentos jovens e diversos obreiros que lá estavam. Louvei a Deus; pois, em meio aos jogos da Copa do mundo, considero de grande significado ter um número tão expressivo de jovens no Congresso. Me impressionou sobremodo o nível de comunhão e participação das diversas caravanas. Quero parabenizar a Direção Regional da JUWES 2ª Região, na pessoa do Diretor Vinícius Regiani, que cumpriu com grande eficiência o seu mandato; e desejar à nova Direção Regional, na pessoa da nova Diretora Mariane - de Uberlândia - o exercício de um mandato bem sucedido no Senhor Jesus. No mais, só tenho que louvar a Deus por tudo!
 
Após uma despedida entre calorosa e triste (desejando que o congresso não terminasse); Maria Célia e eu retornamos à casa. Após o tempo gasto entre o "vai e vem" das arrumações (colocando as coisas em seu devido lugar); paramos para tomar um café, ainda no clima do congresso. No entanto, horas depois, Maria Célia e eu ficamos sabendo que a querida e inesquecível irmã Áida Peralta - da IMW de Aveiro/Portugal - partiu ao encontro do Senhor. Ao sermos atingidos pela notícia, Maria Célia e eu ficamos relembrando o carinho e ternura com que ela, seu esposo (também falecido) e sua filha Gloria Peralta sempre nos assistiram. Agora ela descansa nos braços do Pai, com Quem também estaremos no já dia definido em Sua agenda! Que o Senhor conforte a família. Glória a Deus, pelos que vivem e pelos que morrem no Senhor!
 
Ao longos dos anos, aprendi a acreditar que o maior conforto para um cristão, ante o falecimento de um de seus entes queridos, é aquele que vem pela consolação do Espírito Santo. Como conhecedor da Bíblia, sei que a Palavra de Deus oferece encorajamento e instruções que abrangem todas as circunstâncias e etapas da vida humana - seja alegria ou tristeza; seja vida presente ou vida futura - inclusive a morte: "Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor. Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos." (Romanos 14.7-9). E sempre bom saber que somos consolados e confortados por ela. Aleluia!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Esperança em forma de gota

 

Nesta madrugada estive no lugar de oração. Senti necessidade de expor minha mais profunda gratidão ao Deus eterno que me deu vida em Cristo Jesus! Fui levado a lembrar minha infância e juventude... Eis o que vi: Um menino com alma de adolescente; sempre solitário, mesmo quando cercado de pessoas. Adolescente que não entendia a sensação de vazio que o perturbava e feria, Então, o Espírito me fez lembrar o dia em que fui resgatado pelo Senhor. Foi quando passei a me sentir em boa companhia, mesmo quando estava só (procure entender isso: Se Deus é contigo, você tem a maioria ao lado). Lembrei do tempo em que a solidão me oprimia... Como se não houvesse esperança em minha vida. Foi quando decidi olhar bem de perto uma lágrima que sempre esteve comigo; e, para minha surpresa, percebi que se tratava da esperança em forma de gota. Foi então que eu vi o futuro refletido em minha gota de esperança. Que prazer eu senti com esta descoberta!
 
Vai fazer cinquenta anos que isto aconteceu; mas, esta lágrima continua comigo, preservada e renovada em cada pranto - de alegria ou tristeza - como se houvesse dentro de mim uma fonte inesgotável de esperança. Enfim... Sou grato ao Deus que deu sentido e conteúdo à minha vida. Que vontade de cantar... De adorar... De dizer ao mundo que existe um Deus no céu; não um Deus qualquer, desses que a imaginação humana cria e entroniza dentro de si mesma. Deus cuja voz se faz ouvir em meio a tempestade e na escuridão da noite. Deus que torna a estéril mãe de filhos e que faz o solitário habitar em família. Deu cujo amor é capaz do maior esforço e sacrifício, para resgatar da solidão e miséria aquele ser anônimo quase sem esperança, perdido no meio de uma multidão sem rosto e sem futuro. Que bênção alcancei, ao descobrir que por Ele sou amado! Que bênção é saber que, minha esperança é futuro, minha solidão é passado e meu presente é Jesus!
 
Ao longo de minha vida de crente em Jesus, sempre busquei conforto e segurança neste salmo:
 
"O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas. Refrigera a minha alma; guia-me pelas veredas da justiça, por amor do seu nome. Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam. Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda. Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do SENHOR por longos dias."
(Salmo 23).
 
Portanto, estou em condição de afirmar que este salmo é o melhor tranquilizante para um ser aflito; o melhor conteúdo para um pregador sem mensagem; e a melhor direção para uma vida sem rumo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Duas colunas de proteção

 

Estou pensando nos dias que vivemos; dias de contradições e opressões jamais vistas em tamanha intensidade. Entendo perfeitamente o sentimento daqueles que pensam diferente de mim. Afinal, como não entender, se a essência do mal é tão camuflada; que, algumas vezes, escapam até mesmo à observação dos mais dedicados profetas de Deus. Todavia, isso não é novidade; pois, no passado, o "profeta novo" foi miseravelmente enganado pelo "profeta velho"; tendo pago com sua própria vida o engano sofrido (I Reis 13). Sei muito bem que não é tão fácil perceber aquilo que está ocorrendo fora do alcance dos nossos olhos carnais; daí a facilidade com que muitos crentes - mesmo entre os melhores - são tão maldosamente enganados pelo disfarce da mentira.
 
A bem da verdade, se examinarmos com atenção a história do povo de Deus ao longo do tempo; veremos que dias de festa e celebração foram sempre mais suscetíveis de engano e desvio, do que dias de sofrimento e cruel perseguição. E para nossa preocupação; vemos muitas igrejas vivendo dias de celebração e regozijo que chega às raias do frenesi. Nos dias de Moisés, o envolvimento de todos com a sagrada celebração por ocasião da inauguração do tabernáculo não permitiu ver, nos bastidores, o estado de embriagues dos sacerdotes; que culminou com a morte dos dois maiores expoentes da linhagem sacerdotal; que, de tão embriagados que estavam, nem se deram conta do terrível engano sofrido, ao ousarem trazer fogo estranho perante o Senhor, no Santo dos Santos.
 
Tenho fortes razões para advertir (embora não possa entrar em detalhes) que os crentes - especialmente os que se declaram obreiros do Senhor - precisam andar neste mundo entre duas colunas: A oração do "Pai nosso" à sua direita e o Salmo 23 à sua esquerda, mantendo os olhos fitos em ambas. Digo isso, vivemos como se percorrêssemos o vale da sombra da morte; portanto, precisamos andar de mãos dadas com o Sumo Pastor; procurando estar sempre em Sua presença. E, de igual modo, precisamos pedir ao Pai que está no céu que nos perdoe e que nos ajude a perdoar; não nos deixando cair em tentação; pois o mundo vive um tempo de progressão do mal como jamais se viu. Portanto, precisamos pedir ao Pai, com todo ardor e fé, que nos livre do mal que está por vir.
 
Não é necessário ser um atento observador, para saber vivemos dias de engano e de sedução:
 
"E para isso vos escrevi também, para por esta prova saber se sois obedientes em tudo. E a quem perdoardes alguma coisa, também eu; porque, o que eu também perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo; para que não sejamos vencidos por Satanás; Porque não ignoramos os seus ardis. Ora, quando cheguei a Trôade para pregar o evangelho de Cristo, e abrindo-se-me uma porta no SENHOR, Não tive descanso no meu espírito, porque não achei ali meu irmão Tito; mas, despedindo-me deles, parti para a Macedônia. E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo, e por meio de nós manifesta em todo o lugar a fragrância do seu conhecimento. Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem. Para estes certamente cheiro de morte para morte; mas para aqueles cheiro de vida para vida. E para estas coisas quem é idôneo? Porque nós não somos, como muitos, falsificadores da palavra de Deus, antes falamos de Cristo com sinceridade, como de Deus na presença de Deus."
(II Coríntios 2.9-17)
 
E este texto é excelente ponto de apoio para compreendermos e enfrentarmos os dias que vivemos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 24 de junho de 2014

Obrigações inerentes à missão


Querido Pai celeste; hoje estou chegando ao lugar de oração, arcado por um peso que anda comigo não é de hoje. É que desde minha decisão por Jesus, ouvi com nitidez que eu seria um pastor de almas. Com o passar do tempo, me certifiquei de que não era apenas um sentimento desprovido de virtude; pois isso é o que tenho feito ao longo de todos estes anos. Todavia, o que nunca imaginei é que viria a ser pastor de pastores - o rebanho mais difícil de se pastorear - algo que, em minha unção de bispo, venho fazendo a mais de vinte anos. Talvez seja este o peso que verga meus ombros; pois vejo o modo como ovelhas são pastoreadas por um tipo de pastor nem sempre consciente das responsabilidades inerentes às prerrogativas de tão honroso cargo e ocupação. Sei que não são todos (se assim fosse, seria o caos); mas, mesmo em minoria, este segmento me aflige.
 
Ao observar a igreja brasileira; vejo certos pastores atribuindo às ovelhas, obrigações em nome de direitos que julgam ter (como se uma lei ou necessidade pudesse ser motivo para justificar pretensões abusivas); sem pensar nos efeitos que tais atitudes podem causar em um frágil rebanho carente de pastoreio. Então, sua primeira palavra não é de doação de sua própria vida em prol das ovelhas às quais foi enviado; pois suas primeiras comunicações são sobre a necessidade de uma boa casa e de um bom salário (como se um rebanho existisse para garantir boa qualidade de vida a um pastor). Não estou querendo dizer com isso, que o obreiro não seja digno de seu sustento e moradia; pois sei que Teus servos vivem do ministério e que por ele são mantidos. Todavia, o que aflige é o fato de ser este o principal assunto de sua pauta administrativa.
 
Todavia, é raro ver este tipo de pastor buscar nesta mesma lei, as obrigações inerentes à sua missão; tais como: Visitar ovelhas carentes; fortalecer ovelhas fracas; buscar ovelhas afastadas; doar de seu bolso algum auxílio a ovelhas que passam por privações; tratar com paciência e respeito ovelhas desajustadas e rebeldes; enfim... Assumir até risco de vida ao lutar em favor de crentes assediados por lobos vorazes e falsos mestres; que vivem a procura de ovelhas indefesas e carentes de um pastor atento. Nem mesmo obrigações administrativas (locais, regionais e gerais) conseguem cumprir com eficiência. E assim, meu Senhor; não existe um ano em que não chegue ao meu conhecimento, informações sobre este tipo de conduta. E ainda pior: Os que assim procedem, justificam sua desatenção ao rebanho, alegando falta de tempo - o que, infelizmente, não é verdade.
 
Este texto da bíblia deveria ser objeto de análise e de preocupação de todo pastor levantado por Deus: "Ai dos pastores que destroem e dispersam as ovelhas do meu pasto, diz o SENHOR. Portanto assim diz o SENHOR Deus de Israel, contra os pastores que apascentam o meu povo: Vós dispersastes as minhas ovelhas, e as afugentastes, e não as visitastes; eis que visitarei sobre vós a maldade das vossas ações, diz o SENHOR. E eu mesmo recolherei o restante das minhas ovelhas, de todas as terras para onde as tiver afugentado, e as farei voltar aos seus apriscos; e frutificarão, e se multiplicarão. E levantarei sobre elas pastores que as apascentem, e nunca mais temerão, nem se assombrarão, e nem uma delas faltará, diz o SENHOR." (Jeremias 23.1-4). Além deste texto, devemos dar especial atenção aos ensinos de Jesus quanto ao ministério pastoral, em João 10.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Bendita tricotomia


Desde a muito tempo, aprendi que estar na presença de Deus nos faz transpirar um misto de paz e temor (algo como sentir prazer e medo ao mesmo tempo). E hoje não foi diferente. Aproveitei o momento para refletir sobre a necessidade de manter minha mente disponível para as coisas do céu, meus ouvidos abertos para os sons do céu, meus olhos atentos às visões do céu e meus lábios prontos a proclamar as grandezas do céu. Sou grato a Deus, por não ignorar que isto só é possível mediante a presença do Espírito Santo em minha vida; pois aprendi na Bíblia que é d'Ele a missão de me ensinar todas as coisas e de me guiar em toda a verdade.
 
Fiquei a pensar na bendita tricotomia (doutrina que defende que o ser humano é alguém dotado de corpo, alma e espírito); refletindo que com o meu corpo eu posso construir valores importantes, mesmo temporais; e cultivar habilidades artesanais úteis ao bem estar - tanto meu como do próximo. Com minha alma posso aprender noções de vida útil, desenvolver conhecimento e elaborar conceitos, transformando-os em arte; e assim, suprir o meu ser de valores edificantes e eternos. E com meu espírito posso evoluir mediante as informações obtidas de minhas ocupações físicas e intelectuais. Sei que tudo isto ajuda e faz crescer o meu "homem interior".
 
Então, aproveitei o momento para pedir ao Senhor que me ajude a cuidar do meu ser inteiro, vivendo a santidade bíblica. Sei que preciso preservar o meu corpo de marcas e violações desnecessárias, sem razão ou causa nobre; poupando-o de atividades e prazeres em desacordo com a Palavra de Deus. Afinal, ele é a porta de entrada para meu enobrecimento ou minha ruína. Preciso também conservar minha alma pura, mantendo-a distante de conceitos e ideologias contrárias ao eterno proposito e aos reais ensinamentos das Escrituras; pois ela é o elemento de conexão entre o corpo e o espírito; cabendo-lhe a função de preparar o meu espírito para o meu futuro.
 
A prática deste texto tem o dom de enobrecer qualquer crente, mesmo o mais descuidado:
 
"E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós. Rogamo-vos, também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos, e sejais pacientes para com todos. Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos. Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. Abstende-vos de toda a aparência do mal. E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma, e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso SENHOR Jesus Cristo. Fiel é o que vos chama, o qual também o fará."
(I Tessalonicenses 5.12-24)
 
É fácil demonstrar que a prática da Palavra de Deus pode transformar a essência da vida!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 21 de junho de 2014

Espelho da verdade sagrada

 
Nesta manhã, passei por uma experiência de quebrantamento incomum. Tenho percebido que o quebrantamento não pode ser uma experiência "forçada" pelo fator emocional; pois quando isto ocorre, os sons emitidos são destoantes com a realidade interior (como se duas pessoas falassem ao mesmo tempo - em visível descompasso - a de dentro e a de fora). Não é de hoje, aprendi que oração de quebrantamento, arrependimento e unção são experiências que não podem ser encenadas, como se fossem uma peça teatral. Enquanto eu orava, não consegui conter as lágrimas... Senti Deus tratando comigo! Então, mais uma vez, pude ser confrontado pela Verdade de Deus (não aquela verdade que conceituamos, que age conformidade com nossos interesses profanos e conveniências pessoais).
 
A verdade de Deus me faz temer e tremer literalmente! E não é apenas pelo fato de revelar o poder, a justiça e o zelo do Deus eterno; pois, o que mais me assustar nesta visão é ver meu real estado. É que aprendi, em minha vida com Deus; que a verdade à qual me refiro tem o dom de revelar o melhor de Deus e o pior de mim... E isso dói! Não há como contemplar o espelho da verdade sagrada, sem ver com clareza a realidade a nosso próprio respeito. É comum ouvirmos a voz de nossa conveniência e comodismo sugerir que passemos de largo, quando o espelho da verdade se postar ao alcance de nossa visão. No entanto, para quem busca conhecer a Deus; não há como mudar de nível e prosseguir na procura, sem dar uma olhada atenta neste espelho que reflete a realidade de todos nós.
 
Estou entre aqueles que percebem que a Palavra de Deus diz muito mais coisas do que parece dizer: "Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres." (João 8.31-36). E este texto não foge à regra! Se atentarmos bem, veremos nele o reflexo do espelho da verdade.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Não posso me descuidar


Nesta manhã precisei estar mais cedo na presença do Senhor; pois tenho uma viagem a fazer, não posso me descuidar. Enquanto falava com o Pai, expressei gratidão por ser lembrado pelo Espírito quanto ao meu dever de orar. Então, o Senhor me fez saber que o estado de paz e segurança que um cristão experimenta, quase nada tem a ver com suas experiências ou habilidades naturais; mas, sim, à graça que o Senhor libera sobre todos nós; sendo poucos aqueles que sabem aproveita-la de modo eficiente. Nem preciso dizer que - no lugar de oração - me derramei em gratidão ao Senhor, por ser lembrado de algo que, no fundo, eu em parte já sabia.
 
Assim, eu me dei conta de que minha vida não é o que é por sorte ou favorecimento de obtido de alguém; mas pela graça do Deus de Quem eu sou e a Quem eu sirvo. E o Espírito me advertiu que a graça de Deus não traz obrigatoriamente em seu bojo a prosperidade que muitos almejam alcançar; pois o seu papel principal é tanger o ser humano ao Caminho que conduz à Vida. Assim, nesta vida, é possível alguém sofrer dor e pobreza; sem que isso signifique desgraça ou abandono da parte de Deus. E é também possível, alguns ostentarem exuberância e saúde acima da grande maioria; sem que isso lhes garanta um minuto sequer na vida futura.
 
Enfim, lamentei o fato de alguns cristãos afirmarem que aquilo que obtiveram se deveu a terem "ralado" muito; ou ao fator "sorte". Estes infelizes nem se apercebem que Deus os brindou com favor especial (talvez até por serem incapazes de sofrer privações sem perder a fé); sem ter deixado de conceder graça a alguns cristãos que sofrem carência de quase tudo (talvez estes sejam os mais ricos) mas que, não obstante, resistem ao seu infortúnio e permanecem firmes em sua fé no Senhor, mesmo em aparente pobreza e doença. Mais uma vez agradeci a Deus por ser inteirado de coisas que somente em Sua presença eu posso ouvir e aprender.
 
Este texto bíblico tem me ajudado a refletir sobre os valores da vida: "Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade. Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece." (Filipenses 4.10-13). Nele, aprendi a buscar resposta na Palavra de Deus, não nas circunstâncias.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Desejo de se santificar

 
Hoje de manhã, enquanto eu ainda orava ao Senhor; fiquei a pensar na segurança que sinto em poder estar em Sua presença. É um sentimento indescritível! Ao longo de minha vida, tenho visto muita coisa acontecer - coisas boas e ruins; no entanto, jamais vi um cristão verdadeiramente voltado para uma vida com Deus ter um mau fim. Ocorre que, infelizmente, alguns confundem uma vida cristã ativa e participativa com vida com Deus. Daí a surpresa de alguns, ao passarem por certas provações; até ao ponto de se perguntarem: "Se Deus está comigo, por que estou passando por tudo isso?". Outros cristãos chegam a um desatino ainda pior... Ao serem pegos em alguma armadilha de Satã - por não terem cuidado de sua vida espiritual - caindo no descrédito devido ao seu fracasso moral; enveredam pelo caminho da autocomiseração, até ao ponto de murmurarem contra aqueles que - em seu juízo - o abandonaram, questionando: "Onde está o amor?".
 
Assim, nesta manhã, mais uma vez percebi o quanto é importante estarmos na presença de Deus. E isso não se restringe a uma questão de pregar, cantar ou testemunhar... Até porque, podemos fazer tudo isso sem ter nossa vida na presença de Deus (não me perguntem como isso pode acontecer; mas sou testemunha de que esta contradição existe sim). Tenho aprendido que, quando alguém anda na presença de Deus e Deus o usa; ele cresce em humildade, submissão e desejo de se santificar. Por outro lado, quando Deus usa alguém que não procura viver em Sua presença; o tal cresce em sentimento de superioridade e arrogância; convencido de que Deus o usa pelo fato de ser uma pessoa especial e melhor do que as outras; tornando-se extremamente crítico quanto aos que julga serem menos capazes, pelo simples fato de não terem alcançado o sucesso que alcançou. Estou entre os que creem que haverá acerto de contas para os cristãos ao final de tudo.
 
Ao examinarmos a Bíblia, percebemos que o favor de Deus agracia fracos e fortes, doentes e sãos:
 
"ORA, quanto ao que está enfermo na fé, recebei-o, não em contendas sobre dúvidas. Porque um crê que de tudo se pode comer, e outro, que é fraco, come legumes. O que come não despreze o que não come; e o que não come, não julgue o que come; porque Deus o recebeu por seu. Quem és tu, que julgas o servo alheio? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar. Um faz diferença entre dia e dia, mas outro julga iguais todos os dias. Cada um esteja inteiramente seguro em sua própria mente. Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o SENHOR não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor."
(Romanos 14.1-8)
 
Portanto, à luz da Palavra de Deus, devemos tratar a todos com paciência e genuíno amor cristão.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 17 de junho de 2014

Profanação crescente


Daqui a pouco, Maria Célia Calegari & eu estaremos novamente na estrada... É lógico que já estive aos pés do Senhor nesta manhã, antes do dia raiar. Afinal, não existe lugar melhor para definirmos o começo, meio e fim de uma viagem, especialmente nestes dias de trânsito beirando o caos. Enquanto eu buscava a Deus, duas coisas me chamaram à atenção nesta manhã: A primeira delas, que devo guardar as entradas de minha vida (olhos, ouvidos, lábios, etc) dos males que cruzam o meu caminho. É fácil notar que vivemos dias de poluição visual e sonora imposta, a ponto de nos tirar o direito definir o que ver e o que ouvir. Não resta dúvida que esta crescente onda de poluição tem deturpado valores, corrompendo mentes e corações bem intencionados. É como se o mal fosse entrando - discreta e sorrateiramente - contaminando o interior daqueles que não se apercebem desta tática maligna que Satã usa para corromper o ser humano.
 
Fui também alertado para o estado de profanação crescente e invasiva; em que nem os lugares considerados sacros são poupados (dias atrás, vi um vídeo em que pessoas dançavam - dança de par agarradinho - ao som de um louvor, dentro de um salão de cultos). Desde que comecei a ler as Escrituras sagradas, me inteirei das advertências sobre a profanação entrando no lugar santo; mas não pensei que cristãos despidos de temor e discernimento pudessem chegar a tanta insensatez! As vezes, penso que alguns líderes cristãos perderam o senso de liderança temente e responsável; e vejo crescer em nossos dias, a tendência de se retirar os anciãos do púlpito; substituindo-os por instrumentos e instrumentistas; como se isto fosse mais importante do que a presença de pastores e presbíteros nesta posição estratégica. Sei que os levitas precisam ter um lugar adequado no templo; mas não em substituição aos líderes espirituais que Deus pôs na igreja.
 
O Antigo Testamento relata este momento triste na vida do povo de Deus - depois dos milagres, da revelação do Sinai e da construção do tabernáculo: "E os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram cada um o seu incensário e puseram neles fogo, e colocaram incenso sobre ele, e ofereceram fogo estranho perante o SENHOR, o que não lhes ordenara. Então saiu fogo de diante do SENHOR e os consumiu; e morreram perante o SENHOR. E disse Moisés a Arão: Isto é o que o SENHOR falou, dizendo: Serei santificado naqueles que se chegarem a mim, e serei glorificado diante de todo o povo. Porém Arão calou-se." (Levíticos 10.1-3). Sei que somos imperfeitos, suscetíveis de equívocos... Todavia, precisamos evitar promover inovações desnecessárias ou equivocadas, desprezando os marcos antigos; pois a novidade de vida em Cristo não dispensa certos valores antigos e tradicionais. Afinal, nem tudo o que é antigo é descartável
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Verdades que se entrelaçam

 

Madrugada bem cedo, estive orando ao Pai. Existem duas verdades que se entrelaçam quando nós oramos: Uma delas é a verdade saída das profundezas de um coração impossibilitado de mentir ou disfarçar o seu real estado; a outra é a verdade saída das profundezas do próprio Deus, revelada pelo Seu Espírito a um coração limpo e transparente. E em meio a estas duas verdades conjugadas no momento da oração aberta, confissão, comunhão, conforto, perdão, advertência e intercessão se mesclam em um instante que - sendo longo ou curto - algumas vezes parece durar tão pouco, outras vezes parece durar uma vida inteira. Isso aconteceu comigo nesta madrugada: Mais uma vez, pude ouvir a voz de Deus enquanto eu O buscava!
 
Enquanto eu orava, pude acompanhar a trajetória de minha pequena casa e o modo como o Senhor vem cuidado dela ao longo do tempo. Então, ouvi que a dor sofrida em certas ocasiões, pode não ter nada a ver com aquilo que nos faz sofrer; mas, com um propósito especial do Senhor, que produz dor enquanto se processa. Ali, aprendi que temos por hábito murmurar de provas que são para nosso bem; tal e qual uma criança a reclamar de um tratamento desagradável, que visa o seu preparo e amadurecimento. Aprendi também que, em certas situações, nossa chegada mais rápida a determinado objetivo precisa passar por um caminho mais longo. E ouvi mais uma vez que - antes de pré-julgar - bom é confiar no cuidado do nosso Deus!
 
A epístola aos Filipenses - além de ser a epístola do louvor e do regozijo - sempre trouxe um grande bem estar ao meu coração: "Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; pois já vos tínheis lembrado, mas não tínheis tido oportunidade. Não digo isto como por necessidade, porque já aprendi a contentar-me com o que tenho. Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece." (Filipenses 4.10-13). E este texto sempre direcionou o meu entendimento e trabalhou o meu condicionamento espiritual.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 15 de junho de 2014

Tenho ou não tenho razão


Nesta manhã, enquanto eu estava ainda em oração, senti profunda alegria por saber que minha vida está nas mãos de Deus. Não me refiro ao tipo de alegria que as vezes nos faz sorrir; mas a alegria que faz chorar, cujos sintomas algumas vezes se confundem com o da embriagues. Enquanto eu era conduzido a este sentimento, não pude deixar de pensar em minha fraqueza e imperfeição; todavia, de imediato, fui lembrado pelo Senhor que o Seu poder compensa esta desvantagem. Então, chorei muito ao me dar conta de que o Seu poder - ao se conjugar com minha fraqueza - produz um tipo de força capaz de sustentar mesmo o crente mais provado neste mundo envolto em miséria e sofrimento, marcado por decadência e desamor. Se você - que lê o que estou escrevendo - puder entender o meu sentimento; veja se tenho ou não tenho razão para me sentir assim?
 
Ao tentar compreender melhor o meu próprio sentimento, fui levado a pensar no perdão de Deus - não a doutrina formal do perdão - mas, o perdão como experiência. Então, senti ondas passando sobre mim e percebi que o fato de percorrer o caminho de Deus, envolto em graça e perdão, me torna um cristão bem-aventurado. E pude entender que o caminho de Deus as vezes é fogo; as vezes é água; as vezes é pedra; as vezes é nuvem. Enfim... Um caminho vivo e em constante mutação. E o Espírito me fez saber que para andar neste caminho; precisamos ser puros aos olhos do Pai, sensíveis à Sua voz e submissos à Sua vontade. E que neste caminho não podemos dar passo em falso, sob pena de nos perdermos. Pude ver então que somente um coração atento e envolto em fé pode continuar seguindo quando o caminho se transforma em fogo, água, pedra ou nuvem.
 
O Caminho de Deus é perfeito e tem nome: "Tendo, pois, irmãos, ousadia para entrar no santuário, pelo sangue de Jesus, Pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne, E tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa, Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu. E consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às boas obras, Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia." (Hebreus 10.19-25). Seu nome é Jesus Cristo, Salvador de todo aquele a Ele se entrega de coração.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 14 de junho de 2014

Novamente em casa

Foto: Querido Pai celeste; sou grato por me permitir estar novamente em casa, ainda que por pouco tempo. Não me sinto tranquilo ou seguro, sem iniciar o meu dia prostrado aos Teus pés no lugar de oração. Sei que o fato de me ausentar um dia ou outro do Teu altar, não significa que o meu dia seja perdido; mas, que ele será incompleto e perigoso isto eu sei com certeza! Portanto, cada dia iniciado aos Teus pés é um dia lutas vencidas e vitórias alcançadas. Como é bom saber que um dia iniciado em Tua presença, sinaliza para um final de dia com paz e descanso. Ainda bem, aprendi que a maior bênção não é aquela que está projetada em nossos planos para daqui a um mês ou ano; pois, Tua Palavra me ensinou que a graça não é para ser desfrutada no amanhã - que não sabemos se virá - mas no hoje; pois é hoje que ouvimos Tua voz; é hoje que colhemos o maná do dia!

Amado Pai celeste; sou grato por me ensinar que buscar Tua presença é o essencial! Tenho aprendido que é possível passarmos a vida inteira ensinando os outros a Teu respeito; ou passarmos a vida inteira atrás de um púlpito, folheando as Escrituras e procurando um bom texto para enquadrar a vida de alguém; sem percebermos que estamos distantes de Ti; quase nos desviando do Teu santo caminho, pensando ainda estar nele. Realmente, Pai... Somente estando aos Teus pés, rendidos em oração, podemos alimentar a chama da fé e renovar a unção do chamado. Tua Palavra está pontilhada de exemplos de servos teus, que se afastaram de Ti enquanto pensavam estar ao Teu serviço (Sansão é um deles). E este quadro é gritante em nossos dias! alguns cristãos não cessam de cantar com o Teu Nome nos lábios, sem perceberem o pecado que os domina.

Querido Pai celeste; sou grato por me permitir estar novamente em casa, ainda que por pouco tempo. Não me sinto tranquilo ou seguro, sem iniciar o meu dia prostrado aos Teus pés no lugar de oração. Sei que o fato de me ausentar um dia ou outro do Teu altar, não significa que o meu dia seja perdido; mas, que ele será incompleto e perigoso isto eu sei com certeza! Portanto, cada dia iniciado aos Teus pés é um dia lutas vencidas e vitórias alcançadas. Como é bom saber que um dia iniciado em Tua presença, sinaliza para um final de dia com paz e descanso. Ainda bem, aprendi que a maior bênção não é aquela que está projetada em nossos planos para daqui a um mês ou ano; pois, Tua Palavra me ensinou que a graça não deve ser reservada para o amanhã - que não sabemos se virá - mas, plenamente desfrutada no dia de hoje; pois é hoje que ouvimos Tua voz; é hoje que colhemos o maná do dia!
 
Amado Pai celeste; sou grato por me ensinar que buscar Tua presença é o essencial! Tenho aprendido que é possível passarmos a vida inteira ensinando os outros a Teu respeito; ou passarmos a vida inteira atrás de um púlpito, folheando as Escrituras e procurando um bom texto para enquadrar a vida de alguém; sem percebermos que estamos distantes de Ti; quase nos desviando do Teu santo caminho, pensando ainda estar nele. Realmente, Pai... Somente estando aos Teus pés, rendidos em oração, podemos alimentar a chama da fé e renovar a unção do chamado. Tua Palavra está pontilhada de exemplos de servos teus, que se afastaram de Ti enquanto pensavam estar ao Teu serviço (Sansão é um deles). E este quadro é gritante em nossos dias! alguns cristãos não cessam de cantar com o Teu Nome nos lábios, sem ao menos perceberem o pecado que os mantém sob prisão.
 
Desde meus primeiros passos na fé, eu soube que a oração tem efeitos preventivos e remediais:
 
"LOUVAI ao SENHOR, porque ele é bom, porque a sua benignidade dura para sempre. Digam-no os remidos do SENHOR, os que remiu da mão do inimigo, E os que congregou das terras do oriente e do ocidente, do norte e do sul. Andaram desgarrados pelo deserto, por caminhos solitários; não acharam cidade para habitarem. Famintos e sedentos, a sua alma neles desfalecia. E clamaram ao SENHOR na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades. E os levou por caminho direito, para irem a uma cidade de habitação. Louvem ao SENHOR pela sua bondade, e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens. Pois fartou a alma sedenta, e encheu de bens a alma faminta. Tal como a que se assenta nas trevas e sombra da morte, presa em aflição e em ferro; Porquanto se rebelaram contra as palavras de Deus, e desprezaram o conselho do Altíssimo. Portanto, lhes abateu o coração com trabalho; tropeçaram, e não houve quem os ajudasse. Então clamaram ao SENHOR na sua angústia, e os livrou das suas dificuldades. Tirou-os das trevas e sombra da morte; e quebrou as suas prisões."
(Salmo 107.1-14)
 
Este salmo é um exemplo clássico de orações remediais feitas após fracasso causado por desvio.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Encontro de casais


Quem convive de perto comigo, sabe que tenho algumas reservas com certas propostas e ensinos que são transmitidos em alguns encontros de casais. Infelizmente, muitos cristãos que buscam conhecer, conceituar e ensinar sobre vida conjugal acabam se aproximando em demasia do perigoso pântano que reduz vida conjugal a um conjunto de práticas sexuais semelhantes ao que se faz neste mundo decadente. Então, como a Bíblia adverte que "um abismo chama outro abismo"; alguns desses encontros incentivam métodos e oferecem instrumentos para aumentar o prazer do sexo; sem perceberem que tais práticas podem resvalar para um outro nível de jogo capaz de subverter o santidade do ato sexual, até ao ponto de empobrecer e desvirtuar as múltiplas finalidades da vida conjugal responsável.
 
No entanto, tenho participado do Encontro de Casais - sem fins lucrativos - promovido pelo Distrito de Uberlândia, já em sua terceira edição. E nesta manhã, agradeci ao Senhor pelas boas iniciativas ainda existentes neste sentido, sob a égide da Palavra de Deus. Louvo a Deus pela promoção de bons encontros de casais; nos quais, a santidade da vida conjugal e o equilíbrio da prática sexual - em consonância com os ensinos da Palavra de Deus - recebem a devida atenção por parte daqueles que os promovem. Como é importante o fato de um casal cristão saber se conduzir na cama e na mesa; buscando nas Escrituras o modo saudável de escolher seus alimentos com qualidade e praticar o sexo em santidade. Digo isso porque sei que o alimento e o sexo, sem o devido controle, podem nos condenar.
 
Tenho aprendido na Bíblia, que a vida cristã autêntica implica em um conjunto de práticas e medidas que vão muito além da vida conjugal; sem, contudo, descartar os princípios de uma vida conjugal saudável e atividade sexual aprovada por Deus: "PERMANEÇA o amor fraternal. Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos. Lembrai-vos dos presos, como se estivésseis presos com eles, e dos maltratados, como sendo-o vós mesmos também no corpo. Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará." (Hebreus 13.1-4). Vivemos dias de confusão e de desconstrução; portanto, devemos priorizar os ensinos da Palavra de Deus em tudo aquilo que pensamos, falamos e fazemos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Confusão e desvio de conduta


Neste dia ainda cercado pela escuridão da noite, me prostrei no lugar de oração antes da hora habitual; pois daqui a pouco, estaremos viajando para Belo Horizonte, onde outras viagens estão a nossa espera. Enquanto eu buscava a face do Senhor, pensava nas marcas produzidas por mais este Encontro de Casais que Maria Célia e eu tivemos a oportunidade de participar. E ontem, bastante cansado, ainda pude contar com a graça de Deus, para pregar no templo wesleyano central de Uberlândia. Senti a unção percorrer a minha vida e a graça renovar minhas forças físicas. Nunca consigo agradecer ao Senhor de modo correspondente ao dom alcançado. Todavia, isto não me traz o menor incômodo; pois sei que o meu Deus compreende esta disparidade e sabe quando um coração O procura - despojado de vaidade e ganância - plenamente rendido em verdadeira adoração.
 
Enquanto me debruçava aos pés do Senhor, senti o risco que nossa nação está correndo... Não me contive enquanto intercedia e derramei lágrimas próprias de um intercessor; pois percebi que aquilo que está mal, pode ficar ainda pior. Também percebi que a igreja evangélica brasileira está fracionada; com homens exercendo domínio e posse sobre ela. Vi novos conceitos sobre culto e testemunho afetando o pensamento e a conduta do povo de Deus - à semelhança do que já aconteceu em outros tempos - provocando confusão e desvio de conduta. Assim, não saberia dizer se o mal maior é o de dentro ou o de fora; pois as defesas da Igreja são atingidas por ambos os lados. Todavia... Estou convencido de que ninguém poderá manter domínio sobre a herança de Deus por muito tempo; e que as ondas do mal jamais afogarão aqueles que tem os seus olhos fitos em Jesus.
 
Nestes dias perturbadores, as sete cartas endereçadas aos pastores das sete igrejas, devem ser lidas e meditadas por todos nós neste tempo do fim (esta é uma delas):
 
"AO anjo da igreja que está em Sardes escreve: Isto diz o que tem os sete espíritos de Deus, e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives, e estás morto. Sê vigilante, e confirma os restantes, que estavam para morrer; porque não achei as tuas obras perfeitas diante de Deus. Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei. Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso. O que vencer será vestido de vestes brancas, e de maneira nenhuma riscarei o seu nome do livro da vida; e confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas."
(Apocalipse 3.1-6)
 
Devemos ter sempre em mente que o julgamento de toda a impiedade começará pela Casa de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Imperiosa necessidade


Na quinta-feira passada, madrugamos. É que nesse dia, Maria Célia e eu, juntamente com nosso filho Pastor Calegari e nossa nora Simone Calegari, viajamos para um Encontro de Casais em Caldas Novas; promovido pelo Distrito de Uberlândia. O Pastor Renato Jabor Campos e sua esposa Ducilea Jabor, juntamente com seu filho Thiago e sua nora Cecília também viajaram pra lá (eles dormiram em nossa casa em BH). O Pastor Júlio Celso Nascimento e sua esposa Andréia também foram (dormiram no apartamento na Sede Regional, pois nossa casa ficou lotada, sala inclusive). Sou grato a Deus por tudo; incluindo o momento devocional que tivemos - longe do raiar do novo dia - pois buscar a Deus antes de tudo é imperiosa necessidade; pois, felicidade real só encontramos curvados em Sua gloriosa presença!
 
Naquela madrugada de oração, senti profundo desejo de interceder por nossos filhos, especialmente minha filha Daniela; pois eu sabia do desafio que a esperava naquele dia. Maria Célia e eu, entendemos com bastante clareza a sistemática da vida familiar; até o ponto de saber que - mesmo não existindo vida fácil em setor algum da existência humana - o núcleo familiar é o setor mais provado e afligido dentre todos os demais. Sempre que penso na família; penso em Abraão e sua veemente intercessão em favor de seu sobrinho Ló; e também no sacrifício que ofereceu a Deus, para selar a aliança proposta pelo próprio Deus. Realmente! Não há como viver com qualidade e independência; sem nos curvarmos diariamente aos pés do Senhor, em plena submissão e dependência dEle. Não há como ser feliz de outro modo!
 
Meditar nos salmos é excelente reflexão para o início de um novo dia!
 
"DEUS é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá.) Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã. Os gentios se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu. O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.) Vinde, contemplai as obras do SENHOR; que desolações tem feito na terra! Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra. O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá.)"
(Salmo 46.1-11)
 
E o Salmo 46 é uma boa proposta para esta manhã!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 10 de junho de 2014

Recompensa e castigo

 

Nesta madrugada do dia 6, levantei disposto a passar algum tempo na presença do Senhor (Não é a primeira vez que procuro o meu lugar de oração na sala do Pastor Jorge Perim sua esposa Eunice). Foi um momento de oração calma, sem pressa, sob o brilho das estrelas. Uberlândia é uma grande cidade, com porte de nobreza; todavia, carente da graça que tem o dom de mudar a história de um povo, como qualquer cidade do interior de Minas. Dei graças ao Senhor, pela existência de nossa Igreja nesta cidade. Também agradeci a Deus, por me ter ajudado a chegar até aqui. Procurei expressar minha alegria por conhecê-Lo e andar em Sua presença; pois tenho consciência de que não existe prazer maior e mais nobre do que desfrutar de Sua gloriosa companhia, enquanto andamos por este mundo afora.
 
Enquanto eu intercedia por meus filhos, pedi ao Senhor que lhes permita ver que as decisões dos homens que de algum modo nos afetam, nada mais são do que modos do Senhor nos ensinar lições que só entenderemos no momento certo. Afinal, não é do homem o dirigir seus passos, por mais nobres e bem intencionados que sejam; assim como não é do homem a força que o "empurra" à maldade (Satã é o agente do mal e mentor de ações infelizes). No entanto... É do homem a responsabilidade pelas escolhas que faz e pelas decisões que toma - boas ou ruins - recaindo sobre ele as consequências por suas decisões. Se elas forem boas, haverá recompensa; caso sejam más, haverá castigo. E disso ele não pode se esquivar; pois, recompensa ou castigo sempre estarão à sua espera ao fim de tudo.
 
Enquanto eu ainda orava percebi que Deus, quando quer nos punir ou provar; permite sermos afligidos e maltratados por pessoas de índole ruim, sem que possamos nos esquivar de seus golpes; sem que elas deixem de receber a justa recompensa pelo mal que nos infligem. E também usa pessoas de índole boa, para nos estender a mão ou nos oferecer um copo de água fria em tempo de angústia. E estas pessoas - agentes do bem que nos alivia em dias de dor - serão recompensadas pelo Senhor, por se prestarem a um ato de caridade em nosso favor. Este tipo de situação tem relação direta com a figura bíblica do vaso de honra e do vaso de desonra; ou seja, Deus usa cada tipo vaso para o seu devido fim. Então, estando em nós, devemos tentar com insistência nos tornar vasos de honra para a glória de Deus.
 
Quando em sofrimento, precisamos recorrer às Escrituras, para entender algumas provações:
 
"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós."
(Romanos 8.28-34)
 
E sempre que procuramos resposta na Bíblia, nos levantamos confortados e fortalecidos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Promessas de dinheiro facil

Foto: Alguns dias atrás, li postagem do Pastor Hermes de Oliveira Souza, sobre problemas relacionados com as pirâmides financeiras (os que vendem este "sonho", não gostam que o chamem deste modo; preferem que o vejam como "marketing multinível"). No entanto, autoridades americanas - investigando aqueles que se utilizam deste meio de vida - descobriram que 99% de suas receitas vem da pirâmide e apenas 1% vem do seu produto de fachada. Aqui no Brasil o Ministério Público tem procurado investigar e processar aqueles que utilizam tal artifício para auferir lucro. Ainda bem este órgão federal conduz com seriedade sua missão.

Na verdade, o lucro da pirâmide financeira só é possível mediante a adesão de novos membros. Portanto, os que estão envolvidos no esquema, precisam conseguir mais "clientes" para a pirâmide, para que ela possa trazer ganho fácil e vantagem pecuniária aos que estão em seu topo. Assim, na medida em que começa a diminuir o número de interessados, os pagamentos começam a atrasar até o seu total interrompimento, com o consequente prejuízo daqueles que constituem sua base. Não é de hoje que este e outros negócios afins, procuram aliciar aquela fatia do mercado consumidor atraída pelas promessas de dinheiro fácil.

Ao longo do tempo, vejo estas coisas acontecerem; e o que me causa admiração é ver crentes - até mesmo obreiros - envolvidos neste tipo de fraude; pois este tipo de "negócio" fere, de modo frontal, princípios bíblicos sobre mordomia e finanças que deveriam nortear as ações profissionais, empresariais e artesanais de verdadeiros homens e mulheres de Deus. Creio que os crentes que se envolvem com a ilicitude - seja ela evidente ou disfarçada - sofrerão penas que poderiam ser evitadas; se tão somente dessem lugar ao bom senso e ao temor de Deus. Todos perdem, quando homens e mulheres de Deus perdem o discernimento.

Algum tempo atrás, li postagem do Pastor Hermes de Oliveira, sobre problemas relacionados com as pirâmides financeiras (os que vendem este "sonho", não gostam que o chamem deste modo; preferem que o vejam como "marketing multinível"). No entanto, autoridades americanas - investigando aqueles que se utilizam deste meio de vida - descobriram que 99% de suas receitas vem da pirâmide e apenas 1% vem do seu produto de fachada. Aqui no Brasil o Ministério Público tem investigado e processado aqueles que utilizam tal artifício para auferir lucro. Ainda bem este órgão federal conduz com seriedade sua missão.
 
Na verdade, o lucro de uma pirâmide financeira só é possível mediante a adesão de novos membros. Portanto, os que estão envolvidos no esquema, precisam conseguir mais "clientes" para a pirâmide, para que ela possa trazer ganho fácil e vantagem pecuniária aos que estão em seu topo. Assim, na medida em que começa a diminuir o número de interessados, os pagamentos começam a atrasar até a sua total interrupção, com o consequente prejuízo dos que constituem sua base. Não é de hoje que este e outros negócios afins, são usados para tirar proveito daqueles que são atraídos por promessas de dinheiro fácil.
 
Sempre que estas coisas acontecem; é possível vermos crentes (até mesmo obreiros) envolvidos em tais negociatas. Este tipo de "negócio" fere, de modo frontal, princípios bíblicos sobre mordomia e finanças que deveriam nortear as ações profissionais e empresariais de verdadeiros homens e mulheres de Deus. A Bíblia adverte que os crentes que vivem a se envolver com a ilicitude - seja ela evidente ou disfarçada - sofrerão penas que poderiam ter sido evitadas; se tão somente dessem lugar ao bom senso e ao temor de Deus. Todos perdem, quando homens e mulheres de Deus perdem o discernimento.
 
Em um mundo que nos incentiva à ganância e opulência desmedida; temos urgente necessidade de meditar em textos como este:
 
"Mas é grande ganho a piedade com contentamento. Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão."
(I Timóteo 6.6-11)
 
Não permitamos que, em nosso viver diário, a busca por prosperidade ultrapasse a busca por santidade.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 8 de junho de 2014

Índole misericordiosa

Foto: Hoje, ao me curvar aos pés do Senhor; trouxe à Sua memória a saga de Davi - não aquela conhecida e pontilhada de atos de heroísmo - mas, aquela que revela uma vida marcada por conflitos.  Davi, o homem que olhou para os montes em busca de socorro; mas, sem tirar os olhos do Senhor. Davi, homem que sempre viveu entre o perigo e o refúgio. Ele sabia que não havia rota de fuga que lhe desse paz; pois tinha consciência da ferocidade de seus inimigos. Davi, que teve ao seu alcance seu mais ferrenho inimigo; a quem poupou devido a sua índole misericordiosa. Ele orou  com ardor pela vida de uma filha que não teria nascido, caso não houvesse pecado; e que se lavou e se vestiu após sua morte; testemunhando a inevitabilidade do encontro com Deus. Davi, que tornou-se o homem dos Salmos porque era homem segundo o coração de Deus!

Enquanto eu orava ao Pai, fui convencido que um homem ou mulher de Deus nunca deve perder a esperança; e deve sempre cultivar o amor entre os que vivem à sua volta; sem deixar de manter viva a semente da fé que o mantém em sintonia com o Senhor; mesmo quando os dias não lhe favorecem. Então, meus olhos se abriram mais uma vez para a realidade que intercala momentos de riso e canto, com momentos de dor e apreensão. E nesse instante, o Espírito Santo me fez lembrar que nada justifica o nosso enfraquecimento moral ou nosso afastamento do Senhor - nem a alegria esfuziante, nem a dor sufocante; pois, tristeza e alegria, quando bem dosadas, servem de remédio para condicionar as ações da natureza carnal e para fundamentar as manifestações da natureza espiritual. Então, a semelhança do Rei Davi, me alegrei no Senhor!

Hoje, ao me curvar aos pés do Senhor; trouxe à Sua memória a saga de Davi - não aquela conhecida e pontilhada de atos de heroísmo - mas, aquela que revela uma vida marcada por conflitos. Davi, o homem que olhou para os montes em busca de socorro; mas, sem tirar os olhos do Senhor. Davi, homem que sempre viveu entre o perigo e o refúgio. Ele sabia que não havia rota de fuga que lhe desse paz; pois tinha consciência da ferocidade de seus inimigos. Davi, que teve ao seu alcance seu mais ferrenho inimigo; a quem poupou devido a sua índole misericordiosa. Ele orou com ardor pela vida de uma filha que não teria nascido, caso não houvesse pecado; e, se lavou e se vestiu após sua morte; testemunhando a inevitabilidade do encontro com Deus. Davi, que tornou-se o homem dos Salmos porque era homem segundo o coração de Deus!
 
Enquanto eu orava ao Pai, fui convencido que um homem ou mulher de Deus nunca deve perder a esperança; e deve sempre cultivar o amor entre os que vivem à sua volta; sem deixar de manter viva a semente da fé que o mantém em sintonia com o Senhor; mesmo quando os dias não lhe favorecem. Então, meus olhos se abriram mais uma vez para a realidade que intercala momentos de riso e canto, com momentos de dor e apreensão. E nesse instante, o Espírito Santo me fez lembrar que nada justifica o nosso enfraquecimento moral ou nosso afastamento do Senhor - nem a alegria esfuziante, nem a dor sufocante; pois, tristeza e alegria, quando bem dosadas, servem de remédio para condicionar as ações da natureza carnal e para fundamentar as manifestações da natureza espiritual. Então, a semelhança do Rei Davi, me alegrei no Senhor!
 
Desde o início de minha vida cristã, tenho sido edificado pelos salmos. Este salmo - cujo título é "Deus é guarda fiel do seu povo" - sempre me abençoou.
 
"LEVANTAREI os meus olhos para os montes, de onde vem o meu socorro. O meu socorro vem do SENHOR que fez o céu e a terra. Não deixará vacilar o teu pé; aquele que te guarda não tosquenejará. Eis que não tosquenejará nem dormirá o guarda de Israel. O SENHOR é quem te guarda; o SENHOR é a tua sombra à tua direita. O sol não te molestará de dia nem a lua de noite. O SENHOR te guardará de todo o mal; guardará a tua alma. O SENHOR guardará a tua entrada e a tua saída, desde agora e para sempre."
(Salmo 121.1-8)
 
Quando ainda éramos noivos, sempre me impressionou o modo como Maria Célia costumava cantá-Lo. Louvo e exalto o eterno Guarda de Israel!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Gostos e preferências


Cheguei a pouco tempo, em viagem de ônibus cansativa; vindo ônibus - Guaçuí / Rio de Janeiro - tendo viajado a noite inteira. Como já tenho dito inúmeras vezes: Por mais que uma viagem seja edificante e produtiva; é sempre bom chegar em casa! Daqui a pouco, pretendo abraçar Maria Célia Calegari; pois não quero interromper o seu necessário e merecido descanso (ela etá fazendo uma maratona devocional diária, durante a madrugada). Graças a Deus, encontrei o distrito de Alegre motivado e participativo. Tivemos um abençoado encontro com as lideranças wesleyanas, no templo da IMW em Guaçuí. Fui muito bem hospedado pelo Pastor Gilberto Beloni & sua querida esposa; onde pude abraçar novamente os seus filhos (Junior e Graziela). Na verdade, uma viagem para cumprir o propósito de Deus - na grande maioria das vezes - é uma relação agradável entre o prazer e o dever. Glória a Deus!
 
Ontem pela manhã, preguei no templo da IMW de S. José do Calçado, sob o pastorado do querido Pastor José Maria Teixeira Godoi. Não tenho a menor dúvida ao afirmar que foi avivamento purinho. Creio que o Espírito Santo deixou marcas indeléveis na vida dos irmãos que encheram aquele templo, Por falar nesta igreja; quero parabenizar o Pastor Godoi e seus obreiros, pela compra de uma nova propriedade - três vezes maior que a atual - e de localização privilegiada. Na verdade, a 2ª Região tem sido semelhante a um canteiro de obras, com diversos templos sendo construídos, reformados, ampliados. Vejo nisso a motivação e unção de igrejas que estão vivendo um momento de despertamento da fé, esperança e amor; tudo isso regado e coberto com oração e renúncia. Louvo a Deus por tudo o que vem acontecendo nesta Região. Entretanto, acredito, melhores coisas vão acontecer, conforme Promessas do Pai.
 
A noite, a visita foi fechada com chave de ouro no culto de encerramento dos 33 anos de existência da IMW de Guaçuí. Foi um culto de grande edificação, com um fluxo de unção e de revelação extraordinário! Creio que não houve uma só vida que não se sentisse impactada pelo mover de Deus em nosso meio. A presença do Espírito Santo prevaleceu sobre nossos gostos e preferências, impondo um ritmo de quebrantamento e adoração que foi crescendo até o final do culto. Pena que eu tive que sair com pressa ao final, pois o meu ônibus sairia as 22.45 para o Rio; e eu precisava concluir a arrumação da mala; e, também, saborear uma deliciosa sopa preparada pela irmã Gilvânia (a meu pedido). Vejo crescer no sul do Espírito Santo uma consciência de ministério comprometido com a obra Deus. Observei vários líderes jovens se preparando para dedicar sua vida, servindo no ministério.
 
Amar e servir a Deus é condição para quem pretende exercer ministério: "E, logo que chegaram junto dele, disse-lhes: Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós, Servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas e tentações, que pelas ciladas dos judeus me sobrevieram; Como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar, e ensinar publicamente e pelas casas, Testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a Deus, e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo. E agora, eis que, ligado eu pelo espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que lá me há de acontecer, Senão o que o Espírito Santo de cidade em cidade me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações. Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus." (Atos 20.18-24). Este deve ser o objetivo de um verdadeiro servo de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Sede de Deus


Dias atrás, ainda bem cedo, senti alívio ao abrir os meus olhos e me dar conta de que, mesmo estando hospedado em casa do querido casal, Pastor Gilberto Beloni & Gilvânia - na cidade capixaba de Guaçuí - tenho ao meu lado o meu lugar de oração. Glória a Deus! Por mais que alguém possa dizer que isto tem ar de rotina sem sentido; eu afirmo em alto e bom som, com todas as letras: Isto é SEGURANÇA! Por que digo isto? Porque não existe lugar seguro fora da presença de Deus; e, porque orar a Deus é a rota de acesso a valores eternos que não podem ser perfeitamente entendidos de outro modo. Davi publica sua sede de Deus; declarando que anelava pelo Senhor, mais do que os guardas pelo romper da manhã! E seus salmos são registros deste glorioso encontro.
 
Enquanto eu orava, busquei graça de Deus para me fortalecer, ante os dias maus em que vivemos. Dias da extrema maldade predita nas Escrituras; em que leis são forjadas com o intuito de legitimar o pecado, dando-lhe outros nomes. Leis que dão legalidade a práticas condenadas nas Escrituras Sagradas. Leis que premiam criminosos influentes e penalizam gente simples e anônimas. E devido a frouxidão da lei e a desorientação da justiça, cresce o desrespeito ao idoso e a violência contra a criança (me refiro a crianças de verdade). E como consequência, vejo crescer uma geração zumbi - dominada por drogas pesadas - que mata por motivos fúteis; tornando seus próprios pais suas vítimas preferenciais. E pais arquitetando a morte de seus filhos. É o fim!
 
Enquanto eu orava, pedi a Deus que me guarde da triste sorte de obreiros que estão dando preço ao seu ministério (uns valem mais, outro valem menos). Vejo que o termo "prosperidade" está se aplicando exclusivamente ao dinheiro e ao que este pode comprar. Assim, em troca de fama, poder e riqueza, muitos tem posto o seu ministério à venda; negociando princípios e valores que o dinheiro jamais poderia comprar; caso não estivessem sendo mercadejados ao serviço de quem paga mais. Todavia, verdade seja dita: Eles vendem mercadoria que não entregarão; pois valores morais e espirituais não podem ser transferidos ao preço de ouro ou de prata. Pois, se mal utilizados, estes valores tem o dom de retornar à sua fonte de origem, sob a santidade de Deus.
 
Este texto expõe com clareza os dias perigosos, em meio aos quais vivemos:

"E Jesus, respondendo, disse-lhes: "Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos. E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim. Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores. Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo. E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim."

(Mateus 24.4-14)

Perseverança deve ser a palavra de ordem; e santidade o estilo de vida!

 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Nossa visão de Deus


Sempre penso nos frutos que são gerados no lugar de oração; e não me refiro apenas aos frutos físicos e materiais ali alcançados (cura de enfermidades, solução de problemas, conquistas de alvos estabelecidos, e outros afins). Nesta manhã estou pensando sobretudo, na extensão dos horizontes da nossa visão de Deus e da própria vida; sem deixar de pensar também no crescimento e fortalecimento do nosso homem interior. Afinal, o ser humano não é apenas alguém que respira e se move... Ele não vive só de pão, trabalho e diversão; ocupações que não passam de atividade temporária, para satisfação temporária.
 
Aprendi na Palavra que nossas necessidades vão além destas; e que as coisas ligadas à vida espiritual são ainda mais importantes; pois perdurarão eternamente. Portanto, infelicidade e miséria maior não é a privação das coisas concretas, de curta duração; e sim, das coisas espirituais indicadas na Bíblia, que se estenderão por toda a eternidade. Então, de que adianta o ser humano buscar se encher de conhecimento e ocupação nesta vida; se isto o levar a abrir mão dos valores eternos? Pois, sem estar firmada em Jesus, a vida humana tem como seu ponto de partida um "lugar qualquer"; e como ponto final "lugar nenhum".
 
Também aprendi na Bíblia, que quem escolheu viver sem compromisso com Deus é igual a alguém que caminha por uma estrada larga, cheia de atrativos, que termina no vazio eterno. Portanto, prefiro ficar com Jesus, andando no caminho estreito; pois, nele chegarei ao mesmo vazio da estrada larga, mas com uma diferença: Haverá uma ponte em forma de cruz - ponte para a Vida - que me deixará no destino final de todo aquele que tem fé em Jesus e a Ele se apega com amor; e que, nesta ponte, estará Aquele que tem história com ela - não mais crucificado - mas, de braço estendido, para me conduzir em segurança.
 
Jesus é a Porta e o Caminho da Vida eterna: "Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem." (Mateus 7.13-14). "Mesmo vós sabeis para onde vou, e conheceis o caminho. Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho? Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim." (João 14.4-6). Portanto, seguir a Jesus é a melhor decisão a ser tomada.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 3 de junho de 2014

Frutos da oração

 

Existem ocasiões na vida, em que as respostas que necessitamos precisam ser buscadas fora do alcance dos olhos; daí a necessidade de orarmos sempre. Não há um dia em que eu não sinta necessidade de me derramar aos pés do Senhor, ainda que - muitas vezes - o meu desejo seja outro. Para tudo na vida, existem limites; limites que o próprio Deus estabeleceu; ou limites estabelecidos pelo próprio bom senso. No entanto, na grande maioria dos casos, temos sempre a tendência de ultrapassar limites que foram postos para a nossa própria segurança e preservação. No entanto, existem pelo menos duas atividades para as quais não existem limites estabelecidos: Uma delas, a missão de pregar a Palavra - tarefa a ser cumprida "a tempo e fora de tempo". A outra, a oração; pois a Palavra exorta que devemos orar "sem cessar". E, por mais incrível que pareça, a estas duas nós mesmos colocamos limites; como se as duas diminuíssem o nosso tempo para outras coisas.
 
Entretanto, como nos traz conforto o tempo que passamos aos pés do Senhor! É um período em que somos tomados por sensações diversas... As vezes, um surto de choro ou de riso - algumas vezes incontrolável - que nos faz sentir que estamos no único lugar em que riso ou pranto não tem efeito colateral nocivo. Outras vezes, sentimos que a vida se derrama em meio às lágrimas; como se todo o nosso ser transbordasse e brotasse em nossos olhos. E o testemunho do amor de Deus? Como traz conforto dizer a alguém que Jesus nos ama e se entregou por todos nós! Penso que, em certas ocasiões, falar do amor de Deus provoca maior bem em quem fala do que em quem ouve (isso acontece comigo). No entanto... Quando oramos, sentimos que verdades abstratas circulam à nossa volta, cheias de graça e beleza! É como se um rio pleno de peixes viesse ao nosso encontro. E, nele, colhemos os frutos da oração que traz a posse de valores eternos e inesgotáveis.
 
Este texto é completo em seu modo de nos ensinar a viver a vida cristã autêntica:
 
"E rogamo-vos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós e que presidem sobre vós no Senhor, e vos admoestam; E que os tenhais em grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós. Rogamo-vos, também, irmãos, que admoesteis os desordeiros, consoleis os de pouco ânimo, sustenteis os fracos, e sejais pacientes para com todos. Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos. Regozijai-vos sempre. ORAI SEM CESSAR. Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. Não extingais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem."
(1 Tessalonicenses 5.12-21)
 
Jamais haverá fracasso e derrota na vida daqueles que puserem em prática estes ensinos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Exemplo a ser evitado


Precisei buscar a Deus bem mais cedo que de costume (o clarear do novo dia me encontrou aos Seus pés). E fui levado a refletir sobre ministérios... Não aqueles que são forjados pela imaginação humana; mas, ministérios que tem por finalidade servir na obra do Senhor. Fui lembrado pelo Espírito, da figura da mãe de Tiago e João; que queria ver seus dois filhos ocupando ministérios de relevo ao lado de Jesus (ela nem podia imaginar o que dizia, ao responder sim à pergunta de Jesus - Mateus 20.20-28). E a resposta de Jesus continua disponível, responsabilizando a todos aqueles pais que lutam por ver seus filhos auferindo os benefícios de algum cargo de liderança na obra de Deus.
 
Infelizmente, vemos casos de membros e obreiros "forçando" seus filhos e outros membros da família a serem líderes de um departamento qualquer na igreja; apenas pelo fato dos mesmos terem algum dom ou talento relevante. E estes pais nem de longe imaginam o que estão tentando impor sobre seus filhos, ao confundirem dons e talentos com ministérios. Tenho ouvido falar de pastores que, com grande empenho, "empurram" seus familiares ao topo de ministérios da igreja (presbitério, junta, departamentos, etc); procurando deste modo ter um pouco mais de domínio sobre a igreja. Tenho visto que isto, geralmente, não termina bem; pois ter parte em um ministério é uma coisa, ser líder é outra.
 
O que precisamos saber é que - em se tratando da igreja - ninguém deve tentar ter o domínio sobre a herança de Deus; pois esta tentativa pode acarretar efeitos colaterais desastrosos (inclusive, temos exemplos disso nas Escrituras). Outro fator que deve ser levado em conta; é o de que as pessoas que lideram se tornam por demais visíveis; portanto, precisam ter testemunho ilibado e vida exemplar; pois os olhos de todos estarão sobre elas (e os comentários também). Entretanto, o que nos deve preocupar ainda mais; é o julgamento de Deus sobre aqueles que exercem algum tipo de liderança em Sua Obra. Enfim, devemos poupar nossos filhos. Se Deus os chamou, Ele mesmo haverá de levantá-los!
 
O exemplo desta mãe deve ser considerado por todos nós:
 
"Então se aproximou dele a mãe dos filhos de Zebedeu, com seus filhos, adorando-o, e fazendo-lhe um pedido. E ele diz-lhe: Que queres? Ela respondeu: Dize que estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita e outro à tua esquerda, no teu reino. Jesus, porém, respondendo, disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu hei de beber, e ser batizados com o batismo com que eu sou batizado? Dizem-lhe eles: Podemos. E diz-lhes ele: Na verdade bebereis o meu cálice e sereis batizados com o batismo com que eu sou batizado, mas o assentar-se à minha direita ou à minha esquerda não me pertence dá-lo, mas é para aqueles para quem meu Pai o tem preparado. E, quando os dez ouviram isto, indignaram-se contra os dois irmãos. Então Jesus, chamando-os para junto de si, disse: Bem sabeis que pelos príncipes dos gentios são estes dominados, e que os grandes exercem autoridade sobre eles. Não será assim entre vós; mas todo aquele que quiser entre vós fazer-se grande seja vosso serviçal; E, qualquer que entre vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo; Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos."
(Mateus 20.20-28)
 
Não como exemplo a ser imitado; mas, sim, para ser evitado.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 1 de junho de 2014

O que é mais importante


Não devo e nem quero deixar de Te buscar, querido Pai. Na verdade, preciso estender um pouco mais o meu período de oração; pois sei que um é pouco, dois é insuficiente e três não é o ideal. Algumas vezes, fico sem entender o "por que" de algo tão agradável e importante se tornar tão difícil... Pois é isso que sinto: A oração é a mais difícil tarefa de qualquer cristão; pelo menos, a minha eu tenho certeza que é! Conheço Tua Palavra o suficiente para saber que o Espírito Santo está sempre disposto a nos ajudar nesta tarefa; ocorre que nem sempre recorremos a Ele, para que nos ajude a orar como convém. Sim! Porque mais importante ainda do que orar; é orar como convém. E isto somente será possível com a ajuda do Santo Espírito enquanto estamos a orar.
 
Como continuar no Caminho da Vida sem me manter em oração; posto que é tão fácil perder o rumo enquanto andamos em direção ao céu? Como conseguir chegar em tempo ao Dia do Encontro, andando com garbo e orgulho, se a pontualidade só poderá ser obtida por aqueles que caminham de joelhos? Eu sempre soube, desde que recebi Jesus em minha vida; que, na carreira cristã, quem corre de joelhos tem o dom de chegar mais depressa do que os que correm por seus próprios meios. Meu amado Pai; ajuda-me a manter intacta a pureza da fé, a grandeza da esperança e a nobreza do amor; pois, neste mundo em que temporariamente vivemos - repleto de propostas indecorosas e armadilhas perigosas - só o Teu Espírito Santo pode nos dirigir e nos valer.
 
Esta é a condição ideal para resistirmos ao mal e combatermos o bom combate da fé:
 
"Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho,"
(Efésios 6.4-19)
 
Qualquer outro recurso que utilizarmos neste combate estará fadado ao fracasso.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari