segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Concílio Regional 2014


Algumas vezes, a mim me parece que o nosso último concílio regional foi ontem... No entanto, com rapidez incrível, já estamos às portas de mais um concílio! É verdade! Louvo a Deus porque, até aqui, os nossos concílios foram sempre encerrados com um certo saudosismo e aquele agradável gostinho de "quero mais". Tenho razões para acreditar que este não será diferente; daí, a necessidade de participarmos desde os primeiros momentos... Até mesmo durante a colocação do pé na estrada e da desafiadora fila das inscrições. Glória a Deus! É bem verdade que, na qualidade de Superintendente da IMW 2ª Região, tenho mil e umas razões para ter preocupações; todavia, tenho uma única razão para descansar como se estivesse em uma cadeira de balanço: Tenho a mão de Deus sobre minha vida e o Seu Espírito a me conduzir em mais este concílio regional.
 
Penso que ter esta expectativa envolta em confiança no cuidado e na direção de Deus é fundamental, em tudo aquilo que vem às nossas mãos a fazer; pois estou convencido de que não há intenção ou projeto algum que possa resistir aos solavancos naturais (e sobrenaturais), se não tivermos a graça de Deus ao nosso lado e o Seu braço forte sobre nossa vida. Assim - seja crença, família ou negócios - tudo na vida, para sua plena e perfeita conclusão, depende muito mais da aprovação e da provisão de Deus, do que de nossa motivação e esforço. Quantas vezes, ao longo do tempo, vi pessoas sinceras e de bem serem esmagadas por problemas, tão somente pelo fato de não terem mantido sua confiança em Deus em meio às crises; e por não terem agido por fé, frente aos obstáculos interpostos ao longo de sua caminhada. É... Não há mesmo como vencer sem aprovação do Senhor.
 
Este texto é um bálsamo para o crente: "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou." (Romanos 8:31-37). Vale a pena nos valermos dele, sempre!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário