sábado, 1 de novembro de 2014

Natureza propensa à rebeldia


Preciso estar diariamente ante a face do Deus eterno para expor perante Ele, não apenas os meus alvos de intercessão, mas a minha fragilidade. Portanto, estendo perante o Pai minha natureza propensa à rebeldia; pois sei que preciso ao menos manter o nível da unção do Seu Espírito em minha vida. Não posso me dar ao luxo de postergar esta necessidade... Pois, preciso ter como silenciar aquela voz sutil, intermitente, que vive a me desafiar a buscar alimento e satisfação em outros meios, ou exibir minha fé em atos portentosos, ou dar uma olhadinha nas glórias do mundo... Então, por ter a Palavra e a oração como suporte, sou lembrado que esta voz não é original; pois, ousou usar os mesmos argumentos com o próprio Senhor Jesus. Por estas e outras tentações, preciso ter no coração a Palavra iluminada pelo Espírito; como eu poderia discernir tais insinuações maldosas, sem a Luz que tudo vê e sem estar ao pé da cruz?
 
Realmente, preciso conhecer a verdade sobre mim mesmo; para poder lidar com a tendência natural de qualquer crente, mesmo os melhores, de buscar na Bíblia base de enquadramento para o erro dos outros... (e os nossos?). Então, preciso por perante Deus minhas razões, tendências, conceitos, preconceitos... E qualquer outra coisa que ameace minha integridade; pois, quando expostos à Luz que tudo ilumina, meus pecados não têm futuro, aleluia! Tenho visto exemplos de homens de Deus - do passado e do presente - que não resistiram às suas conquistas; antes, inebriados pelo sucesso obtido em seu trabalho, descuidaram-se até ao ponto de perder o rumo; em um desses atalhos que aparecem com frequência ao longo do caminho. Assim, preciso ir com frequência ao lugar de oração me submeter ao propósito de Deus; pois sei que não tenho a menor chance de vencer a mim mesmo e por meus próprios meios.
 
Ao longo de minha vida de crente, tenho aprendido que a oração do "Pai nosso" resume tudo aquilo que preciso expor diante do Senhor: "Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém. Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas." (Mateus 6.9-15). Portanto, sempre que me debruço sobre a oração do "Pai nosso" - e nela medito - vejo nela o modelo a ser utilizado, para uma oração completa e bem sucedida.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Um comentário:

  1. Que benção, que Deus possa sempre inspira-lo para postar mensagens que fale aos nossos corações.

    ResponderExcluir