quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Oração e recolhimento


Hoje precisei orar bem mais cedo; pois creio que os dias estão de fato se abreviando... E bem mais rápido do que algum dia imaginei. Tenho entendido que - ao menor sinal de inquietação do meu espírito - devo me curvar e beber da Fonte que tem o dom de me tranquilizar. E foi isto que eu fiz durante a madrugada. Tenho razões de sobra para crer que estamos nos estertores de um mundo que entrou em processo de decadência já faz tempo; mas que, neste dias, chega a um nível de engano e sedução nunca antes visto. A tentativa de mesclar valores sagrados com conceitos profanos é tão evidente, mesmo por parte de alguns que se autoafirmam cristãos, que chega às raias do absurdo. Então... Oração e recolhimento são recomendáveis.
 
Enquanto eu ainda orava, percebia a rudeza do conflito existente ao redor... Como um vento forte que chega antes de uma tempestade. Dou graças a Deus por ser um crente que procura pautar a vida em alguns valores indispensáveis. Confiança em Deus e esperança futura são dois deles! No entanto, não confio no mundo em que vivo; nem alimento esperança de que ele melhore. Na verdade, o que procuro fazer é trabalhar pela protelação do mal que se aproxima e se agiganta. Sei que nem todos conseguem perceber isto; mas... Entendo sua dificuldade. Até porque, todos nós desejamos um futuro alvissareiro para as pessoas que amamos. No entanto, não nos iludamos com aparência de paz e prosperidade! Pois o tempo se abrevia.
 
Este texto, dentre os assuntos relevantes que aborda, fala com clareza sobre perdão e vitória:
 
"Filhinhos, escrevo-vos, porque pelo seu nome vos são perdoados os pecados. Pais, escrevo-vos, porque conhecestes aquele que é desde o princípio. Jovens, escrevo-vos, porque vencestes o maligno. Eu vos escrevi, filhos, porque conhecestes o Pai. Eu vos escrevi, pais, porque já conhecestes aquele que é desde o princípio. Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno. Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre."
(I João 2.12-17)
 
Mas também adverte que não devemos amar o mundo, pois a aparência do mundo é passageira.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário