terça-feira, 10 de junho de 2014

Recompensa e castigo

 

Nesta madrugada do dia 6, levantei disposto a passar algum tempo na presença do Senhor (Não é a primeira vez que procuro o meu lugar de oração na sala do Pastor Jorge Perim sua esposa Eunice). Foi um momento de oração calma, sem pressa, sob o brilho das estrelas. Uberlândia é uma grande cidade, com porte de nobreza; todavia, carente da graça que tem o dom de mudar a história de um povo, como qualquer cidade do interior de Minas. Dei graças ao Senhor, pela existência de nossa Igreja nesta cidade. Também agradeci a Deus, por me ter ajudado a chegar até aqui. Procurei expressar minha alegria por conhecê-Lo e andar em Sua presença; pois tenho consciência de que não existe prazer maior e mais nobre do que desfrutar de Sua gloriosa companhia, enquanto andamos por este mundo afora.
 
Enquanto eu intercedia por meus filhos, pedi ao Senhor que lhes permita ver que as decisões dos homens que de algum modo nos afetam, nada mais são do que modos do Senhor nos ensinar lições que só entenderemos no momento certo. Afinal, não é do homem o dirigir seus passos, por mais nobres e bem intencionados que sejam; assim como não é do homem a força que o "empurra" à maldade (Satã é o agente do mal e mentor de ações infelizes). No entanto... É do homem a responsabilidade pelas escolhas que faz e pelas decisões que toma - boas ou ruins - recaindo sobre ele as consequências por suas decisões. Se elas forem boas, haverá recompensa; caso sejam más, haverá castigo. E disso ele não pode se esquivar; pois, recompensa ou castigo sempre estarão à sua espera ao fim de tudo.
 
Enquanto eu ainda orava percebi que Deus, quando quer nos punir ou provar; permite sermos afligidos e maltratados por pessoas de índole ruim, sem que possamos nos esquivar de seus golpes; sem que elas deixem de receber a justa recompensa pelo mal que nos infligem. E também usa pessoas de índole boa, para nos estender a mão ou nos oferecer um copo de água fria em tempo de angústia. E estas pessoas - agentes do bem que nos alivia em dias de dor - serão recompensadas pelo Senhor, por se prestarem a um ato de caridade em nosso favor. Este tipo de situação tem relação direta com a figura bíblica do vaso de honra e do vaso de desonra; ou seja, Deus usa cada tipo vaso para o seu devido fim. Então, estando em nós, devemos tentar com insistência nos tornar vasos de honra para a glória de Deus.
 
Quando em sofrimento, precisamos recorrer às Escrituras, para entender algumas provações:
 
"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós."
(Romanos 8.28-34)
 
E sempre que procuramos resposta na Bíblia, nos levantamos confortados e fortalecidos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário