sexta-feira, 16 de maio de 2014

Turbulências da vida

 

Antes de me curvar na madrugada de quarta-feira diante do Deus vivo; consegui me despedir do meu genro Alessandro Rosendo (ele está indo a Rondônia buscar alguns pertences; pois foi transferido, pelo INCRA, para o Rio de Janeiro). Aproveitei o ensejo, para orar por minha família (sou daqueles que acreditam que a família deve ser, como um jardim, sempre regada com oração). Fui ainda movido a orar pela Comissão de Legislação (ela é responsável por elaborar o anteprojeto do novo Estatuto da IMW). Ainda em oração, me lembrei do Pb. Décio, sua esposa Maria Eulália e seus filhos (tive um encontro com este casal e seu filho Décio Vargas, na segunda-feira passada, de manhã, em Eunápolis). Que sentimento agradável o encontro com amigos produz em nosso espírito! Creio que um verdadeiro pastor jamais esquece a maioria das ovelhas que tenha pastoreado ao longo de seu ministério. E orei por minha querida esposa Maria Célia, que está convalescendo de uma delicada cirurgia feita nas pernas.
 
Enquanto eu orava, fiquei a pensar nos riscos que todos nós corremos, enquanto transitamos por este mundo mau e turbulento. Pedi ao Senhor que guarde o Seu povo em meio às turbulências da vida... Turbulências que se manifestam sob as mais diversas formas (família em conflito, casamento em crise, saúde debilitada, problemas financeiros, conflitos existenciais). Tenho notado que - ante o peso das turbulências - muitos cristãos acabam por desfazer seu casamento, optando por iniciar um novo relacionamento; sem considerar as consequências resultantes da quebra de sua aliança conjugal. Existem aqueles que se desviam do Senhor; retornando à vida que viviam antes de conhecer Jesus. Existe também - algo que considero ainda pior - aqueles que se desviam do Senhor sem se darem conta. São os que mudam de rumo, quebram votos; enfim, agridem a vontade de Deus e retornam ao lodo pensando estar tudo bem; assim como Sansão, que - caído - continuou a pensar que tudo ficaria na mesma.
 
Ao longo de minha vida cristã, tenho observado, que, perseverança no caminho do Senhor e na aliança conjugal nos coloca - aos olhos de Deus - na categoria dos bem-aventurados: "BEM-AVENTURADO o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha. Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá." (Salmo 1). Portanto, todo aquele que persevera nos valores da fé e da moral cristã - honrando sua aliança com Deus e com a família - viverá em eterno descanso à sombra do Onipotente!
 
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário