quarta-feira, 14 de maio de 2014

Na sombra da cruz

 

Na manhã de segunda - já em Eunápolis, de onde viajei para Porto Seguro - me estendi no lugar de oração e orei ao Pai. Coração aberto e espírito contrito, buscando crescer um pouco mais em minha vida espiritual. Se por um lado, expressei profunda gratidão a Deus - gratidão por perceber o quanto Ele me ama e me guarda; por outro lado, emiti o meu lamento de sempre - lamento por não me sentir a altura de corresponder a tudo o que Ele tem feito em meu favor e através de minha pequena vida. Sei que o Seu amor e o dom da graça responde por esta aceitação; pois eu e tantos outros crentes que vivem neste mundo afora, não teríamos a menor chance, caso Deus nos contemplasse apenas sob o foco de Sua justiça. Esta fórmula é simples de equacionar; embora, profunda demais para mim; ou seja: O amor de Deus gerou a graça que me salvou e o dom da justiça que me tornou aceito aos Seus olhos, como filho.
 
E assim, ainda que insatisfeito comigo; tenho consciência de que sou filho da Luz e herdeiro de Deus, e esta convicção ninguém conseguirá tirar de mim. Enquanto eu orava, fui surpreendido com uma cena que me marcou para sempre: Nesta cena, o meu espírito percebeu algo que eu sempre vi, mas, por um outro ângulo. Na visão, vi Jesus carregando a cruz de dor sobre Seus ombros - percorrendo a via crucis e subindo a encosta do Calvário - até chegar ao seu ponto culminante; onde nela foi pregado e pendurado como um malfeitor. Só então eu pude perceber a sombra da cruz que carregou projetada sobre os meus ombros. É isso! O meu espírito se deu conta de que a cruz que carrego é apenas a sombra da cruz que Cristo carregou em meu lugar, nas horas que antecederam Sua morte. Ele tomou sobre Si a cruz que me condenava, projetando sobre mim apenas a sombra do madeiro, que será dissipada na ressurreição.
 
Este texto impressiona a qualquer crente interessado em crescer espiritualmente:
 
"E EU, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não fui com sublimidade de palavras ou de sabedoria. Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado. E eu estive convosco em fraqueza, e em temor, e em grande tremor. A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder; Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus. Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; Mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; A qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória."
(1 Coríntios 2.1-8)
 
No entanto, o bom mesmo é ler todos os 16 versículos do texto.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário