quinta-feira, 1 de maio de 2014

Alvos de nossa intercessão


Hoje de manhã senti uma necessidade imensa de me derramar aos pés do Senhor. Embora eu procure fazer isto todos os dias; existem dias em que esta posição é uma questão de urgência. Sei o quanto é difícil avaliarmos precisamente o conteúdo e a eficácia de nossas orações; pois, sempre corremos o risco de orar superficialmente, deixando questões muitos mais importantes em segundo plano quando oramos ao Senhor. E Deus me fez ver isto com clareza enquanto eu orava nesta manhã. Então, pude entender melhor a importância de termos Seu Espírito em nós, pautando os alvos de nossa intercessão. Chorei tanto... Agradeci tanto ao Pai... Entendi perfeitamente como bons motivos de oração podem ser prejudicados, devido à nossa natureza tendenciosa e preconceituosa. Não resisti ao impacto causado por esta revelação!
 
Então, me dei conta de que estamos no limiar de um congresso de intercessão - espaço de ação e discussão de assuntos ligados a este tema - onde poderemos avaliar e refletir quanto à nossa postura e motivação naquilo que tange à oração em favor dos amigos e dos inimigos. Resolvi pedir a Deus que me ajude a ter os alvos de intercessão distantes das minhas preferências e destemperos críticos. Ficou tão claro para mim, que - falho em meu modo de avaliar e julgar - corro o risco de aproximar os inimigos e afastar os amigos. Enfim, pude entender o risco que todos nós - intercessores - corremos nas escolhas que fazemos, quanto aos nossos alvos de oração. Deus me fez ver que que preciso estar atento à voz do Espírito, pois, somente Ele conhece em profundidade as pessoas e objetivos pelos quais me proponho a interceder.
 
Fui ajudado ao me voltar para este texto da Bíblia: "Porque sabemos que toda a criação geme e está juntamente com dores de parto até agora. E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo. Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos. E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis. E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos." (Romanos 8.22-27). Nele, vemos o papel do Espírito Santo na intercessão!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário