segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Tempo de oração


Não existe um dia sequer, que, ao me dirigir ao lugar de oração, não seja revigorado e fortalecido. Hoje não foi diferente! Sei por experiência própria que os momentos passados perante o Pai em oração, podem ser diferenciados em volume e intensidade. Todavia, os resultados são sempre os mesmos, ainda que em maior ou menor grau de emoção ou de percepção. Quantas vezes, prostrado diante do meu Deus, constatei a veracidade de Suas promessas em minha própria vida. E quando transformamos nosso tempo de oração em rotina; pode se dar o caso de nem mais vibrarmos com aquilo que Deus faz - assim como não vibramos com a refeição costumeira que comemos a cada dia - mas isso não significa que não estejamos sendo alimentados e nutridos pelo Deus que nos ama.
 
Hoje mesmo, ao me curvar perante o Deus eterno que me adotou como filho e me escolheu como servo; fiquei a pensar nas inúmeras vezes em que me arrastei até o lugar de oração; me sentindo tão abatido, como se algo houvesse perfurado minhas entranhas; cheio de dores, me sentindo derramar por tamanha perfuração. E assim, umas vezes, com a sensação de me sentir decepcionado com pessoas que amo e admiro; outras vezes, angustiado com a imperfeição de minhas próprias atitudes e sentimentos... Enfim, buscando em Deus a restauração das energias e a cura das feridas. Posso afirmar que não houve uma só vez em que - em tais ocasiões - não encontrasse a resposta apropriada. Como posso deixar de orar sempre, se o Senhor a Quem sirvo é o Único e verdadeiro Deus?!
 
Tenho sentido que a oração aprimora os nossos ouvidos, para sabermos distinguir a voz de Deus
 
"Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o SENHOR; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós. Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus se manifeste também nos nossos corpos;"
(2 Coríntios 4.5-10)
 
Na verdade, um crente que busca a Deus sabe o quanto é bom ouvir Sua voz e sentir Seu amor!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário