quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Essência do próprio ser

 
Hoje bem cedo, após estar diante de Deus; fiquei a pensar naquelas lutas que todos nós temos que enfrentar, independente do nosso grau de experiência ou de maturidade. Acho muito interessante perceber que aquilo que é luta ou desafios para uns; para outros não passa de prazer. É mais ou menos como no futebol: Enquanto ele se constitui em trabalho e responsabilidade para alguns, exigindo esforço e dedicação incomum; outros tem no futebol apenas sua diversão ocasional, sem compromisso de vencer.
 
E na vida espiritual não é diferente... Existem aqueles que fazem dela a principal razão de sua própria existência e modo de viver; ao passo que muitos crentes mantém sua atividade espiritual circunscrita a uma ida a um culto ou ao cumprimento de uma tarefa pontual e passageira, se lhe dar importância. Quando alguém trata assim as coisas espirituais; logo vai perceber que em um dia elas se tornam fonte de prazer e satisfação; no outro dia se tornam enfadonhas ou até em motivo de aborrecimento.
 
Infelizmente, não são poucos os cristãos que tratam a vida espiritual como atividade banal, não como a essência do próprio ser. Geralmente, este tipo de atitude para com as coisas de Deus é que faz a diferença entre um cristão comprometido e um cristão nominal. Enquanto isso, o nosso modo de ver e praticar a fé cristã irá condicionar nossa família. E depois, não adianta culpar a igreja ou as pessoas por consequências ruins que viermos a sofrer; pois, nesta vida, cada um de nós irá colher os frutos daquilo que semeou.
 
Reflita neste texto: "Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? (Porque todas estas coisas os gentios procuram). De certo vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas; Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal." (Mateus 6.31-34). Ele é fundamento.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário