domingo, 2 de fevereiro de 2014

Comunhão com Deus


Nesta manhã, enquanto eu buscava graça para estar no culto de instalação da IMW na cidade mineira de Miraí, na zona da mata; comecei a refletir sobre vida com Deus; algo muito fácil de se dizer, mas, não tão fácil de se vivenciar. Como pode um ser revestido de carne e, na maioria das vezes, displicente com as coisas espirituais; manter contato com o Ser supremo, eterno Criador de todas as coisas, perfeitamente Santo? Enquanto considerava esta relação, veio ao meu espírito que os meios de mantermos afinidade com Deus são diferentes de qualquer outro tipo de relacionamento; algo que não depende em nada da emoção ou da razão.
 
Fui notificado que viver em comunhão com Deus é ver o invisível, tocar o intocável e ouvir o inaudível. Parece simples, mas não é! Na verdade, todos os relacionamentos do ser humano, estão dependentes dos seus sentidos físicos. Expressão de amor, ódio, tristeza, alegria... Enfim, tudo ligado à emoção e à razão, fortemente influenciadas pelos sentidos físicos. Daí, um jargão bem conhecido: "O que os olhos não vêem o coração não sente". Portanto, se quero desfrutar de intimidade com Deus; emoção e razão devem ficar em segundo plano; pois suas ações e reações são equivocadas, posto que profundamente ligadas aos sentidos físicos.
 
A partir daí, ficou claro para mim o fato de que: Não preciso de pernas para andar com Deus ou caminhar em Sua direção; e não preciso de olhos para ver a imagem das coisas espirituais ou me debruçar na janela da eternidade para ter uma visão de Deus e do Seu reino; assim como não preciso de ouvidos para me inebriar com o som do céu. Quando Paulo fala acerca de um homem que foi ao terceiro céu; ele fala de sua própria experiência com o sobrenatural de Deus. Portanto, ele fala de fatos que não podem ser narrados com clareza e precisão; pois jamais serão entendidos pelo raciocínio lógico. Isso é a vida com Deus à qual me refiro!
 
Este texto explica muita coisa sobre o que escrevi:
 
"EM verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor. Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar. De alguém assim me gloriarei eu, mas de mim mesmo não me gloriarei, senão nas minhas fraquezas. Porque, se quiser gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas deixo isto, para que ninguém cuide de mim mais do que em mim vê ou de mim ouve. E, para que não me exaltasse pela excelência das revelações, foi-me dado um espinho na carne, a saber, um mensageiro de Satanás para me esbofetear, a fim de não me exaltar. Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim. E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte."
(2 Coríntios 12.1-10)
 
Procure vê-lo com os olhos do espírito e entendê-lo com a mente de Cristo!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário