domingo, 5 de janeiro de 2014

Geração movida a sonhos


Ontem, me amigo Paulo Franke postou em sua página, um alerta sobre a "moda" dos sonhos; iniciando a mesma com as seguintes palavras: "Há um bom tempo tenho procurado a explicação para o cada vez mais comum "sonhos", não usados quando eu ministrava no Brasil." E ontem, em postagem que fiz, notei seu comentário com estas palavras: "Gostei! Mas também gostaria que desses uma opinião sobre o termo "sonhos", do esoterismo, tão comum nas igrejas, mesmo nas sérias... No meu mural. aBRaco e um abençoado ano novo no ministério e em cada área da vida." Não cheguei a comentar em seu mural; mas, creio poder dizer algo sobre este tema tão comentado e discutido.
 
Em primeiro lugar, não vejo o "sonhar" (tanto no sentido literal como no figurado) como algo ruim ou inconveniente; pois, os sonhos fazem parte da existência humana, assim como as visões e aspirações. Existem sonhos de todo tipo (sem nexo, assustadores, fantasiosos, e de revelação) sendo clássicos os de Jacó e os de José. Infelizmente, hoje em dia, qualquer um diz ou compõe qualquer coisa sobre Deus; sem uma noção exata do que está dizendo ou cantando. Alguns proclamam que Deus sonha; mas, pergunto: Se para alguém sonhar precisa estar dormindo; como Deus sonha, se Ele não cochila nem dorme? Todavia, Deus pode nos dar sonhos específicos e objetivos.
 
Entretanto, existe uma questão que me incomoda: É o fato de muitos tentarem impor a ideia de que os nossos sonhos - a semelhança dos sonhos de José - irão se cumprir. Creio que insistir nesse ponto é, no mínimo, temerário; pois existem sonhos e sonhos; e, cada sonho tem sua própria razão e significado - inclusive nenhum! Penso que o fato de José ter relatado alguns sonhos, não quer dizer que tenha tido apenas aqueles sonhos. Eu creio que ele relatou apenas os que receberá por revelação. É bom que se diga que Deus não leva em conta os nossos sonhos, salvo se estiverem ligados ao Seu propósito e promessas. Assim, não acho seguro povoarmos o mundo dos sonhadores.
 
Estou entre aqueles que crêem que Deus fala através de sonhos de revelação. Este e outros textos da Bíblia confirmam o que digo: "Veio, porém, Deus a Labão, o arameu, em sonhos, de noite, e disse-lhe: Guarda-te, que não fales com Jacó nem bem nem mal." (Gênesis 31.24). No entanto, desde os tempos bíblicos, percebo que algumas revelações vindas por sonho - se contadas - podem provocar inveja e ódio mortal em outras pessoas: "Vinde, pois, agora, e matemo-lo, e lancemo-lo numa destas covas, e diremos: Uma fera o comeu; e veremos que será dos seus sonhos." (Gênesis 37.20). Então, a prudência e o bom senso nos mandam guardar em silêncio algumas revelações!
 
No entanto, existem os sonhos causados por vida intensa: "Porque, da muita ocupação vêm os sonhos, e a voz do tolo da multidão das palavras." (Eclesiastes 5.3); como existem também os sonhos sem causa provável ou finalidade alguma: "Porque, como na multidão dos sonhos há vaidades, assim também nas muitas palavras; mas tu teme a Deus." (Eclesiastes 5.7). E não devemos ignorar que existem também os sonhos enganosos: "E vós não deis ouvidos aos vossos profetas, e aos vossos adivinhos, e aos vossos sonhos, e aos vossos agoureiros, e aos vossos encantadores, que vos falam, dizendo: Não servireis ao rei de Babilônia." (Jeremias 27.9); e eles podem fazer dano a quem os leva a sério.
 
Todavia, dentre os males que afligem pessoas em busca de revelações ou explicações sobre sonhos; penso ser pior a atitude de pessoas oportunistas, que se valem de pretensos sonhos, e visões para enganar pessoas ingênuas ou inseguras: "Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o SENHOR, e os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito algum a este povo, diz o SENHOR." (Jeremias 23.32). Enfim... Vivemos dias perigosos, em que urge que busquemos de Deus discernimento, para não sermos pegos em armadilhas sob a forma de sonhos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário