quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Cálice da vitória


Ao me aproximar do Pai, percebo que as coisas mudam por dentro; algo como se o tempo parasse para ver aquilo que em nosso interior se passa. Na presença do Pai, me dou conta de que muitos crentes - obreiros especialmente - diminuem seu ritmo de oração com o passar dos anos; algo como se o passar do tempo conferisse atestado de idoneidade e estabilidade a um crente antigo. Que perigoso equívoco meu Pai! O risco que corremos é muito grande; especialmente, quando pensamos que uma longa experiência no evangelho seja suficiente para manter a nossa estabilidade espiritual e idoneidade moral. E, talvez, devido a este modo de pensar; são muitos os que sucumbem aos encantos da antiga serpente. E o número de suas vítimas não para de crescer.
 
Então, prostrado e rendido no lugar de oração; me dou conta de que - na vida com Deus - o que conta mesmo a a experiência diária; e que a queda pode ocorrer quando estamos no ponto mais elevado de nossas conquistas espirituais. Talvez seja por isso que alguns crentes - líderes inclusive - chegam ao cume da santidade em um domingo de grande mover de Deus; acordam na manhã de uma segunda-feira promissora, aspirando o ar da espiritualidade; mas, ao fim da mesma, mal conseguem dormir, envenenados pela peçonha da serpente maldita. Então, me rendo à convicção de que o que nos mantém de pé é uma vida de oração e de vigilância constante; e, que, a experiência que define a vitória, se renova em cada dia que vivemos, em oração diante do Pai.
 
Este texto deve ser levado em alta conta por aquele que deseja permanecer fiel:
 
"Então chegou Jesus com eles a um lugar chamado Getsêmani, e disse a seus discípulos: Assentai-vos aqui, enquanto vou além orar. E, levando consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, começou a entristecer-se e a angustiar-se muito. Então lhes disse: A minha alma está cheia de tristeza até a morte; ficai aqui, e velai comigo. E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres. E, voltando para os seus discípulos, achou-os adormecidos; e disse a Pedro: Então nem uma hora pudeste velar comigo? Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca."
(Mateus 26.36-41)
 
Pois, ele deixa claro que o cálice da vitória final e plena, somente será sorvido por aqueles que se mantiverem até o fim em oração e vigilância.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário