sexta-feira, 31 de maio de 2013

Luz da eternidade


Nesta manhã, mais uma vez, pude ver o sol nascer. É uma experiência reconfortante! É bom ver a escuridão da noite se transformar em penumbra; e esta, dar lugar à luz do dia, que desponta no horizonte e vai se impondo sobre montanhas e vales. E, pela graça de Deus, consigo ver tudo isso do lugar onde me encontro; um espetáculo de luz e cor, que a natureza comodista e a tendência sedentária podem nos privar de perceber. Como é bom saber que o sol sempre aparece - mesmo após alguma demora causada por mal tempo - para dar o "ar da graça"; trazendo luz e calor aos pequenos mortais como eu. E mesmo quando ele não se torna visível, eu sei que ele está ali - em um ponto fixo - enquanto a terra segue o seu bailado em volta dele. Que bênção! Suas chamas deslumbram e aquecem o planeta no qual habitamos!
 
Todavia, ao olhar o horizonte, eu não estava pensando neste sol. Ou melhor: Eu estava procurando tirar lições para minha vida, enquanto contemplava o nascer do sol. Na verdade, meu pensamento percorria o sentido oposto da luz solar. Em uma velocidade superior a da luz, meu pensamento chegava a um ponto distante - bem mais do que o sol - para se fixar no Sol da Justiça. Enquanto eu pensava em tamanha grandeza, o meu espírito sentia conforto. Sim! O conforto de saber que aquela Luz - cujo brilho supera o próprio sol - está a caminho. E, tal e qual a luz do sol, ela dispersará as trevas que nos golpeiam e tentam nos transformar em noite. Trevas que procuram impedir o acesso à Verdade que conduz à Vida Eterna. Sei o quanto o terror que dissemina tem vitimado incontáveis pessoas, promovendo caos no mundo.
 
Mas a Luz do mundo - por mais que pareça demorar - sempre vem em socorro daqueles que nela esperam e que por ela resistem. Ela pode também ser chamada de Luz da eternidade; pois é antes de todas as coisas criadas e o seu brilho ultrapassa o infinito. Olho para o céu e sou convencido de que o mal tempo - por mais que se prolongue - não irá impedir a manifestação da Luz divina. E quando ela se revelar em todo o seu brilho; os que a esperam, verão que valeu a pena esperar; e os que a rejeitam, verão que poderiam ter tido melhor destino; se tivessem deixado as trevas e se apegado à Luz Eterna. Lamento que muitos - mesmo dentre os que dizem conhecer esta Luz - não consigam se deslumbrar com sua rara beleza. Ah... Ia me esquecendo de dizer que esta Luz e viva e tem nome: Seu nome é Jesus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Tu te importas comigo


Deus da minha vida! Como eu me sinto pleno em Tua presença! Não sei explicar o que sinto quando olho pra dentro e Te vejo ali; mas sei muito bem o que não sinto quando não Te tenho em minha vida! Infeliz o ser que não se enche e se reveste de Ti. Desde a muito tempo descobri que nada sou além do que me concedes ser; e, que nada tenho alem daquilo que me concedes ter. Portanto, não é de hoje que eu sei que nada posso; sem que tu estejas comigo e em mim, Deus da minha vida!
 
Deus do meu amor! Como me sinto bem em saber que sou Teu filho e Teu servo. Lembro-me do dia em que recebi Jesus como meu Salvador e Senhor; dia marcado por lembranças que me transportam no tempo. Como eu poderia me esquecer do dia em que recebi tudo aquilo que me faltava nesta vida? Dia a partir do qual, tudo se fez novo; pois, naquela bendita segunda-feira deixei de carregar o vazio que me incomodava e passei a carregar a plenitude que me torna tão realizado e feliz!
 
Deus da minha salvação! Como é bom conhecer Tua existência; e, saber que Tu te importas comigo. E, no tocante aos pensadores e aos promotores de conhecimento; fico a imaginar na sensação de perda em que mergulham; quando acordam e então descobrem que tentaram transformar o mundo sem te conhecer. Realmente; tento pensar na angústia do filósofo, na confusão do sábio e na loucura do poeta; quando, ao fim de tudo, descobrem o engano que cometeram... Ao recusar te conhecer.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Atitude cristã


Na semana passada, Maria Célia e eu estivemos na inauguração do novo salão de cultos da IMW de Ilha dos Bentos, em Vila Velha. Com o culto já iniciado; lá estava o Pastor Amarildo, intercedendo no púlpito pelo andamento do trabalho. A igreja repleta, transpirava aquele especial momento de realização de um sonho! Pois um salão mais amplo era o desejo daquele rebanho e de sua liderança. Alguns pastores dos Distritos de Vila Velha, Vitória e Serra já ocupavam os seus lugares reservados na lateral. E seus SD - Geraldo Rodrigues, Valdívio Correia e Reverendo Neto - ocupavam a tribuna. Enquanto participávamos do momento de louvor; eu procurava auscultar o bater do coração e o sentimento do povo wesleyano que ali se encontrava, em profunda adoração a Deus. Glória a Jesus!
 
Enquanto eu meditava; louvava a Deus em meu íntimo, por tudo aquilo que Ele tem feito em nosso meio! Em minhas viagens episcopais, tenho visto o agir de Deus por onde tenho ido. Não tenho a menor dúvida quanto ao fato de que Deus nos tem levantado para fazer diferença. As vezes eu me sinto como se fosse uma pedrinha de sal; que precisa cumprir plenamente a sua função primordial enquanto anda: Que é contribuir efetivamente para que o bom gosto da obra de Deus seja apurado e acentuado mediante a sua fiel atuação. E, tenho certeza de que não estou sozinho neste sentimento; pois, cada cristão que procura viver os ensinamentos de Jesus, deve saber que todos nós somos sal & luz; e também o bom cheiro de Cristo, trescalando o Seu aroma enquanto servimos a Ele. Graças a Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 28 de maio de 2013

Minha vida de criança


Alguns dias atrás, eu tive a oportunidade de ver o dia clarear em casa do Pastor Julio Celso Nascimento, em Astolfo Dutra. E com isso, meu lugar de oração foi estendido em sua sala. Que bênção eu sinto, em poder buscar o amado Pai celestial em qualquer lugar em que eu me encontre! Estou convencido que - independentemente do local - sempre haverá um lugar em que eu possa buscar a face do Senhor. Enquanto eu preparava o meu momento de oração, percebi que não conseguia parar de chorar... E fui levado a pensar em minha infância. Então, me lembrei que sempre temi um perigo que eu desconhecia. Sentia medo de "não sei o que"; como se este monstro da imaginação estivesse sempre a minha espreita, esperando o momento certo para me atacar. Eu tentava fugir; mas não sabia do que, nem para onde. Sabia que precisava chegar a um lugar seguro; mas, não sabia onde ficava nem como chegar la. Vida dificil e sem amigos era a minha vida de criança.
 
E assim fui vivendo; sempre fugindo de "não sei o que"... Até que me tornei adolescente. Foi então que alguns amigos me adotaram; amigos perigosos e cheios de conflitos, assim como eu; capazes de qualquer coisa para extravasar sentimentos conflitantes que carregavam consigo - como um aleijão em sua existência - Assim como eu também. Enquanto eu seguia minha lida juvenil; continuava tentando escapar do tal inimigo desconhecido. Algumas vezes procurei pensar nele como algo inexistente; um sonho de criança. No entanto, "não sei o que" insistia em permanecer nas proximidades, como se fosse parte integrante de minha vida. Na verdade, eu não sabia de quem fugia nem para onde fugir. Até que tive um encontro com o Senhor Jesus, na transição da adolescência para a juventude. Eu me lembro como se fosse hoje! Finalmente descobri de quem fugia. E percebi que não precisaria mais fugir; pois, seguro em Jesus consegui chegar ao lugar seguro, onde o medo não existe.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Dias inquietantes


Alguns dias atrás, enquanto me preparava para dar um "pulinho" em Belo Horizonte, fiquei a pensar no dia anterior... Domingo de sol, em que Deus me permitiu estar com o meu filho Pastor Calegari, minha nora Simone e minhas netas Isabela e Rafaela. Foi realmente um domingo pleno do cuidado do Senhor. Deus nos permitiu estar na EBD; e em seguida, visitar a congregação do Camuruji; onde estivemos com a família que lidera aquele trabalho. Pregamos no primeiro culto da Imw Guarapari Espirito Santo; e dali, saimos com Maria Célia Calegari - sendo conduzidos por Joadir De Souza Junior - para a IMW Central de Vitória; onde chegamos com o culto já íníciado. Ao final, juntamente com o Pastor Marcos Batista Machado e sua querida família, fomos jantar juntos em Itaparica; onde encontramos diversos irmãos de igrejas wesleyanas da Grande Vitória. Foi um domingo de bênção!
 
No entanto, não pude deixar de pensar nos grandes desafios que o crente precisa enfrentar e vencer neste tempo de crise - sem precedentes na História - em que valores arduamente defendidos por milênios estão sendo descartados; sob a justificativa de que os tempos são outros e de que valores defendidos pela democracia exigem tais mudanças. Enfim, pensam e agem como se princípios e valores atribuídos à democracia, estivessem acima dos princípios da ordem e dos bons costumes que - independente de sistema, cultura ou religião - pautam a conduta humana ao longo do tempo. Enquanto tento imaginar o que estes dias inquietantes nos reservam; fico a pensar no propósito de Deus... E chego a conclusão de que a medida do pecado que antecede a manifestação da Ira de Deus está chegando ao seu nível mais alto; a partir do qual, uma resposta pode ocorrer a qualquer instante.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 26 de maio de 2013

Falar baixo ou pensar alto


Querido Pai celestial; nesta manhã ainda escura, venho me apresentar no lugar de oração; convencido de que não existe melhor lugar neste mundo, para eu me curvar e me expor. Aqui, posso falar baixo ou pensar alto - sem a preocupação de ter o silêncio como reposta - na certeza de que Tu sempre me ouves; mesmo quando não me falas. Sei muito bem que não é tão fácil permanecer em Tua presença (se fosse fácil, a grande maioria dos cristãos não evitaria tanto o lugar de oração). Sei que, as vezes é necessário agir, reagir, transpirar, gritar... Todavia, nenhuma destas ações se sustenta sem que a oração esteja na base e na cobertura das mesmas. Como nos enganamos ao pensar que o volume do nosso grito ou a força de nossa atitude pode fazer mais do que o agir do Senhor em nossa defesa e em defesa de nossa causa. Graças Te dou, ó Pai; pois continuo acreditando que o grito de guerra conseguirá muito menor resultado do que uma boa canção de louvor. E não abro mão de crer assim!
 
Todavia, respeito e admiro aqueles cristãos que pensam diferente de mim. Sei que eles precisam ter boa dose de coragem e de convicção para fazer o que fazem e viver como vivem. Jamais discutirei o mérito de suas convicções - se elas são falsas ou verdadeiras - até porque, qualquer que sejam as ações de um homem de Deus; ele irá responder muito mais pelas motivações que o inspiraram, do que pelos atos que praticaram. Afinal de contas - antes de julgar as atitudes - Sei que o Senhor contempla as intenções de cada um. E eu me situo entre os que acreditam que os atos de um crente podem ser absolvidos mediante arrependimento; ao passo que suas motivações - sem encontrar lugar de arrependimento - podem, ao final de tudo, se transformar no remorso que antecede o desespero. Assim, é bem melhor não termos do que nos envergonhar ou do que nos arrepender. Mas, no caso de pecado cometido, que possamos ao menos ser capazes de sentir vergonha e arrependimento por ele.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Dia do "Coração Abrasado"

 
Hoje é dia 24 de maio. Para o mundo, de modo geral, este é um dia como outro qualquer. Afinal de contas, o que faz o dia 24 de maio ser diferente do dia 23... Ou do dia 25? No entanto - para nós, wesleyanos - este dia se destaca no calendário; pois, foi em um dia como este que John Wesley experimentou a sensação de ter o seu coração "estranhamente aquecido". Penso estar entre aqueles que valorizam determinadas datas que se repetem a cada ano. Estou convencido de que Wesley não foi o único a sentir tamanha sensação; pois, dentre os milhares de cristãos que trazem marcas produzidas pelo calor sobrenatural do Espírito em seu coração, eu também tenho o privilégio de ser um deles. Louvo ao Senhor por isto!

No entanto, Wesley conseguiu traduzir, em testemunho claro e objetivo, a relevância desta experiência; e os resultados por ela produzidos. Sua história, talvez, fosse semelhante a de tantos outros que sentiram algo semelhante; se ele não tivesse correspondido com ações correspondentes ao que Deus fizera em sua vida. E nós somos herança do avivamento produzido por esta chama acesa que incandesceu o coração desta homem de Deus! Acredito que a expressão deste avivamento esteja presente e atuante em todos os continetes. A própria Igreja Metodista Wesleyana - mesmo não sendo a única oriunda das chamas deste avivamento - valoriza este dia; a ponto de utilizar a data para homenagear os seus pastores e obreiros.

E a IMW conseguiu dar um passo a mais: Incluiu em seu calendário de programações, a "Semana do Coração Abrasado" - a qual sempre coincide com o dia 24 de maio - quando os seus pastores, geralmente a nível distrital, permutam suas tribunas e compartilham mensagens alusivas ao coração abrasado. Quanto a mim, fico na esperança de que estas celebrações não venham a se tornar tão somente um programa destituído da verdadeira essência que desencadeou o avivamento wesleyano no alvorecer de sua história. E que, a semelhança de Jerusalém e de Londres, possamos sentir esta chama no peito e sair dela como um "tição tirado do fogo"; levando a tocha da liberdade e da unção em todos os lugares por onde andarmos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Ambiente insalubre


Hoje de manhã, enquanto eu orava, fui levado a pensar no Pastor Marcos Pereira; que foi preso no Rio de Janeiro - com sua imagem exposta na grande mídia - acusado por atos criminosos a ele atribuídos. Não sei o que dizer... Pois, uma das coisas que decidi nesta vida; é não ser juiz de ocasião e de plantão, pronto a criticar ou julgar a este ou aquele por atos supostamente praticados. Graças a Deus, aprendi duas coisas bem cedo: 1. Aprendi que devo manter-me a uma distância segura daqueles que vivem nos extremos da vida - mesmo que os tais demonstrem uma grande fé em Deus - sempre a comungar com pessoas de testemunho confuso; ou a andar sempre em companhia de pessoas de vida inconsequente. 2. Aprendi também que somente Deus conhece a verdade por trás das acusações sofridas. Entristeço-me quando uma pessoa acusada tem contra si - além de uma natureza confusa - antecedentes que não lhe favorecem em hora tão difícil. Todavia, somente Deus conhece a verdade como ela é!
 
Devido a função que exerço a mais de vinte anos; tenho o dever de lidar com pastores. Portanto, investido desta unção que recebi; me vejo na obrigação de alertar, motivar e advertir os pastores da região eclesiástica que presido. E procuro estar o mais próximo deles, tentando entender a extensão de suas lutas e conflitos. Em alguns casos, tento alertar aqueles obreiros que - no afã de ajudar as pessoas - se aproximam em demasia das práticas daquele que estão tentando ajudar. Nesses casos, procuro lhes mostrar que todo o cuidado é pouco, face aos riscos da missão de um pastor. As vezes, percebo que alguns pastores se sentem incomodados comigo; resmungando que sabem se cuidar. Todavia, o que nem sempre sabem é que, algumas vezes, ao nos aproximarmos em demasia do ambiente insalubre em que alguns se encontram presos; podemos ser induzidos por Satã a ir em frente... Com o argumento impreciso de que toda ação se justifica, quando nos propomos a ajudar alguém em perigo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Cuidado necessário e bíblico


Pai, nesta manhã pude chegar ao lugar de oração bem antes do sol começar a nascer. Tu sabes a razão porque eu já comecei a orar em pranto. Sei que, muitas vezes, o pranto permeia a oração que fazemos; mas, começar a orar em pranto... Não sei explicar! No entanto, sinto-me bem por estar em Tua presença: Único lugar em que sinto perfeita liberdade. Enquanto começo a orar, percebo que devo interceder por alguns homens. Sei muito bem que a perseguição ao Teu povo sempre existiu; mas percebo que ela está aumentando de intensidade a cada dia. Sinto profundo desejo de orar pelos seguintes homens: Apostolo Valdemiro Santiago; Missionário RR Soares; Bispo Robson Rodovalho; Pastor Silas Malafaia; Pastor Márcio Valadão; Pastor Marcos Pereira... E quero - orando por estes homens - estender a minha intercessão a outros pastores expostos. Sei que a espírito de perseguição procura atingir primeiro aqueles que estão em eminência; enquanto tenta distrair a atenção dos de menor vulto.
 
Tenho aprendido no lugar de oração, que, quanto mais em evidência no Teu reino; tanto maior o risco que corremos neste mundo. Sei muito bem que não existe homem perfeito; pois, não há homem que não peque. Sei também que, muitas vezes, somos levados nesta vida a fazer concessões perigosas - pensando estar agindo corretamente - podendo com isso, abrir brechas em nossas vidas; brechas que Satã procurará utilizar para introduzir sentimentos e conceitos que podem nos enfraquecer, até ao ponto de nos destruir. Sinto que preciso me cuidar e me preservar; todavia, sinto que o meu cuidado comigo mesmo não é suficiente, embora necessário e bíblico. Sei da existência de pessoas que cuidam muito bem de mim; orando sempre em meu favor. No entanto, estou ciente de que cuidado algum será maior do que aquele que recebo de Ti, através da presença e unção do Teu Espírito que me contempla e me conduz na vida. Nós - homens que levantaste - precisamos tanto de Ti, Senhor meu!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 21 de maio de 2013

Niver de Maria Célia e Elizeu

 
Hoje, ao me levantar e orar, senti o meu coração cantar diante do Senhor. Nunca consigo pronunciar as melhores palavras para demonstrar minha gratidão a Deus por minha família - por minha esposa; por meus três filhos; por minha filha; por minhas duas noras, por meu genro; por minhas cinco netas e por meus dois netos. Sinto-me tão grato a Deus... Sinto em meu espírito que eu não conseguiria ver deste modo a minha família se Deus não me ajudasse a ver o seu valor; independente das imperfeições de cada um deles. Todavia, o que senti nesta manhã é diferente dos dias comuns; não que hoje seja dia incomum. É que num dia como este, embora em anos diferentes, nasceram: Maria Célia, minha querida esposa; e Elizeu, meu querido filho.
 

 O meu querido filho Elizeu Calegari, desde menino, foi sempre uma pessoa de perfil contemplativo; era comum ve-lo voltado para as pessoas e as coisas que estavam a sua volta, com ares de quem quer entender e ajudar de algum modo. Desde cedo comecei a perceber que ele estava sempre a procura de fórmulas que o ajudassem a entender e a explicar o significado das coisas. Raras vezes o vi despido da razão e emoção que influenciam suas ações. Creio que conheço meu filho bem mais do que ele seja capaz de se conhecer; assim como conheço muito bem os meus outros filhos. Nesta manhã, já orei por ele e por sua (e minha) querida família. Pois é, Elizeu: Neste dia do teu "niver", quero que você saiba do grande amor que eu te dedico!
 

Quanto a minha esposa Maria Célia Calegari... Quero compartilhar que, desde criança, sempre sonhei com uma garota especial. Esta garota tinha belas formas; mas... Não tinha rosto. Então, eu procurava lhe dar rostos provisórios. Em uma ocasião, dei-lhe o rosto de minha professora; depois dei-lhe o rosto de uma artista famosa; cheguei até a dar-lhe o rosto de uma vizinha. todavia, rosto algum que eu lhe dava combinava com suas belas formas. Um dia, já pregador, fui buscar e levar a presença de Deus ao povo nilopolitano, a convite do Pastor Antonio Faleiro. Então, dentre as pessoas que lotavam o templo provisório da IMW de Nilópolis; ví o rosto de Maria Célia... Enfim, o rosto que cabia no corpo da garota dos meus sonhos!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Coisas que ouço e vejo


Nesta manhã eu estou refletindo sobre algumas coisas que ouço e vejo - aqui e ali - sobre a atitude que a Igreja deve tomar nestes últimos dias em que vivemos sobre este corpo celeste chamado de globo terrestre. Os argumentos destoantes, sobre ações concretas da Igreja, variam de acordo com a tendência das lideranças vigentes. Alguns declaram que os cristãos devem ir às ruas, tornar pública sua insatisfação com o sistema dominante. Outros insistem na politização dos crentes; e na necessidade de "entulhar" o Legislativo de políticos evangélicos; e, existem também os que insistem na necessidade de uma vida de oração; vida piedosa, voltada para Deus e dedicada à evangelização das pessoas e dos povos; entre os quais eu optei por me incluir.
 
Nesta minha reflexão; longe de querer julgar esta ou aquela tendência; ou de condenar algumas atitudes de alguns segmentos evangélicos - a meu ver, inoportunas e contra-producentes - ouso afirmar que este mundo jaz no maligno. Isso mesmo! Seus sistemas e organizações, são histórica e profundamente, influenciados por Satã. Resumindo: Este mundo em que vivemos é promotor de um sistema cuja natureza é má continuamente. Sei muito bem que existe uma grande maioria que sonha com dias melhores e com uma sociedade mais justa e humana. Também sonho com isso; mas... Não me iludo com este mundo! E digo isso porque, a cada dia que vivo neste mundo mau, o que eu vejo é uma sociedade cada vez mais injusta e cada vez menos humana.
 
Aproveito para lembrar aos meus divergentes que a Igreja Primitiva não teve como meta se inserir nos núcleos políticos do Império Romano; mesmo caindo na graça do povo, a ponto de crescer e se expandir de modo admirável. Lembro também que a ousadia daquela Igreja, despojada de ambições temporais e mundanas, pagou um alto preço por sua fé; não no "governo dos justos", mas no único governo justo que o mundo há de conhecer um dia: O governo dAquele que não se opôs quanto a soldadesca o prendeu e a populaça gritava: "Crucifica-o, crucifica-o". As vezes, pensamos que as multidões cristãs são melhores que as outras multidões; mas... Não consigo imaginar quais seriam os seus gritos naquele dia; se, ainda hoje, ela não sabe o que gritar.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 19 de maio de 2013

Vitória coroada pela fé


Pai; hoje eu venho ao lugar de oração, imbuído de dois sentimentos que insistem em se manifestar nas entranhas do meu ser: Um deles está relacionado com a influência que uma mensagem cantada pode ter em minha vida; a ponto de me fazer rir ou chorar - dependendo do seu foco - e de me levar a refletir sobre os valores que enriquecem e elevam minha vida. Logo, se quero crescer, preciso definir que música e mensagem devo ouvir; para não correr o risco de desenvolver sentimentos despidos de nobreza ou chorar e rir sem justa causa. Assim, preciso Te louvar pela vida aqueles que se dedicam a compor e a cantar verdades que edificam e enobrecem os meus sentimentos. Sou grato a Ti por eles!
 
O outro sentimento que se manifesta em meu interior, está relacionado com o tipo de vitória que me faz cantar e te exaltar. E eu sinto que não se trata de um tipo de vitória comum ou secular. O meu espírito sente que as vitórias que fazem vibrar minhas cordas vocais estão relacionadas a conquistas morais e espirituais que, as vezes, nem mesmo eu consigo entender a sua real dimensão ou alcance. E assim, este sentimento me leva a pensar que o importante na vida não é simplesmente vencer e conquistar a qualquer custo; pois aprendi que a vitória só é vestida de brilho e de honra, se for coroada pela fé. E isso só será possível, se a luta que travo for em prol do direito e para a Tua glória.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 18 de maio de 2013

Aniversário do Pastor Calegari


Existem dias em nossa vida, em que nos sentimos brindados de um modo muito especial. O dia 18 de maio é um deles! Pois foi num dia assim, a 42 anos atrás, que recebi o meu primeiro filho - Sebastião Calegari Filho - em meus braços. Em Nilópolis, em casa dos meus sogros, vi chegar minha querida esposa com o nosso filho recém-nascido em seus braços. Era meu desejo dar-lhe o nome de Elias; mas minha querida e saudosa sogra me convenceu de que - por ser o meu primeiro filho - deveria levar o meu nome. Intimamente eu retruquei; mas, resolvi atender ao argumento da irmã Delza. Enquanto eu seguia em direção ao Cartório do Registro Civil, pensei comigo mesmo: "Afinal de contas, o nome não faz o homem; e sim sua crença no Deus que irá servir e nos valores que irá adotar e defender nesta vida".
 
Acompanhei a luta de Maria Célia Calegari - mulher destemida - ainda tão jovem, sofrendo bastante em seu resguardo; se recuperando das dores sofridas devido à imperícia de quem, em sua pressa ao suturar, esquecera algo em seu interior. Mas, pela graça de Deus, os dias foram se passando... E tudo voltou à normalidade. Assim que foi possível, subimos para Petrópolis e, cheio de emoção por ter o meu primeiro filho nos braços, introduzi minha querida esposa em nossa humilde casa, na Rua Spartaco Banal; no loteamento do Itamarati, em Petrópolis. Não houve manifestação especial naquela entrada; mas... Naquele dia, entrou também conosco a certeza de que um homem de Deus fora gerado; e, que o futuro confirmaria - em sua vida e em seu ministério - aquilo que sentimos no coração. Glória a Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Nossa visita em Astolfo Dutra

Reunião de homens líderes, ouvindo enquanto eu ministrava

Na segunda-feira, Célia e eu saímos de casa em direção a cidade de Astolfo Dutra. Mesmo chegando as 14 horas, devido a distância, o Pastor Júlio Celso Nascimento & sua esposa Andrea Fontenelle nos esperavam para o almoço. Enquanto estávamos em volta da mesa - em um ambiente bonito e acolhedor - conversamos muito sobre a obra de Deus e os desafios que temos pela frente. Logo em seguida, fomos dar uma olhada na construção do novo templo; construção onerosa desafiadora. Provavelmente, este templo esteja entre os maiores da IMW - para cerca de mil e quinhentas pessoas sentadas - quando concluído. Louvo a Deus pelo empenho do pastor e das ovelhas!
 
Andrea Fontenelle, Maria Célia e eu, tomando o café da manhã
 
A noite, Célia e eu ficamos em locais diferentes: Ela seguiu com a irmã Andrea, para estar com as mulheres, em uma reunião que trouxe grande edificação às esposas de líderes de congregações, departamentos e ministérios. Eu fiquei com os homens, nos fundos da casa do Pastor Júlio. Foi uma reunião muito abençoada; na qual contamos com a presença do Pastor Marcos Paulo, da IMW de Leopoldina. Ouvimos o testemunho dos dirigentes das congregações da Wesleyana De Astolfo Dutra; sentindo o quanto estão motivados. Ministrei em seguida. Logo após, foi servido a todos nós, um delicioso churrasco preparado com amor e competência.
 
Pastor Marcos Paulo, Pastor Júlio Celso e eu, jantando o churrasco oferecido pelos homens da igreja
 
Pela manhã, antes de seguirmos o rumo de Belo Horizonte, tomamos juntos um delicioso café da manhã com o casal anfitrião. Antes, tomamos água de coco preparada pelo Presbítero Carlos; que também trouxe muita mexerica pokan do seu sítio ali perto. Pena que não pode ficar para tomar café conosco. Enquanto participávamos da mesa, íamos conversando sobre os mais diversos assuntos. Um deles, foi sobre a safra de obreiros que Deus tem levantado em Astolfo Dutra; muitos deles trabalhando no campo, sendo fiéis e dedicados pastores. E tivemos o prazer de constatar que uma nova safra de obreiros vem surgindo em Astolfo Dutra. Aleluia!
 
Pastor Júlio Celso, Maria Célia e eu tomando café da manhã
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Dias de Sodoma e Gomorra


Ao pensar nos dias atuais, tenho a nítida impressão de que as profecias mais trágicas, concernentes aos últimos dias neste planeta, estão se cumprindo em seus mínimos detalhes. As medidas e decisões de governantes, legisladores e magistrados do mundo inteiro são inquietantes e até mesmo assustadoras. Atos belicosos e restritivos à fé cristã, se processam no mundo inteiro - com raríssimas exceções - como se partissem de uma orquestração humana. No entanto, sabemos que não é bem assim: A grande e triste verdade é que os homens estão colhendo os frutos de escolhas infelizes que fizeram ao longo do tempo. Antigas e novas religiões - destoantes da Bíblia sagrada - prosperam e proliferam no mundo inteiro. No entanto, recrudesce a intolerância e o ódio contra o povo chamado cristão; enquanto a grande mídia insiste em manter um estranho silêncio.
 
No dias de Sodoma e Gomorra, a sociedade de então se omitiu e abriu espaço para a ação de grupos desordeiros que promoviam saques, estupros e assassinatos em plena noite, pelas ruas da cidade. Enfim... Naquela sociedade condenada por Deus e pelos homens de bem; toda a sorte de infâmia e barbárie era permitida em nome da liberdade - liberdade que premiava o torpe e escandaloso e penalizava a ordem e os bons costumes - como se a liberdade em si mesma pudesse justificar a quebra de valores morais e espirituais que todo o ser humano tem o dever de respeitar e praticar. É triste sabermos que seus governantes engendraram as políticas públicas destituídas de bom senso e valor moral - em nome da defesa dos direitos sem deveres e da liberdade sem responsabilidade - que mergulharam aquela civilização na ruína.
 
E o que hoje nos preocupa e agrava a nossa condição; é que nosso país segue esta mesma tendência mundial, rumo ao seu trágico destino. Pois, em meio a desordem e violência crescente; governantes, legisladores e magistrados se revelam perdidos em suas ações. E assim, vemos governantes promoverem políticas públicas destituídas de bom senso e qualidade moral; tudo em nome da defesa do direito das minorias - mal sabendo notar a diferença entre minorias & minorias - premiando regiamente minorias destoantes com a ordem e os bons costumes. E vemos legisladores criando leis que absolvem delinquentes e desordeiros, em detrimento de uma sociedade entregue à própria sorte. Enquanto isso, magistrados julgam sem fazer justiça; condicionados por leis que incentivam o crime e a desordem, ao absolver criminosos e desordeiros.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Unção que traz cura e calma


Alguns dias atrás, Célia e eu saímos em viagem em direção à bela cidade de Três Corações, no sul de Minas Gerais. A nossa igreja foi plantada ali a pouco tempo - fruto da iniciativa missionária da IMW de Lavras - mas, pela graça de Deus, tem florescido e frutificado. Logo após ter orado, antes de sair, achei por bem postar esta reflexão; pois Deus me tem feito entender que gratidão não deve ser palavra utilizada sob condições impostas por conceito ou sentimento equivocado. Digo isso, porque enquanto eu orava; o meu espírito sentiu profunda gratidão a Deus pela unção que me traz cura e calma. Também me senti grato ao Senhor pelo amor que me permite conviver com lembranças desagradáveis; sem que as mesmas exerçam qualquer mal estar ou efeito negativo em minha conduta. Obrigado, meu Senhor!
 
No lugar de oração, estando aos pés do Senhor, o meu espírito pode expressar gratidão a Deus; gratião por aqueles que me tem amado e por aqueles que me tem odiado. Enfim, pleno de alegria do Senhor, pude experimentar gratidão pelos que me fizeram bem e também pelos que me fizeram mal sem pretender; e, agradeci a Deus até mesmo por aqueles que - ao longo do tempo - me fizeram mal por pura maldade. Então, enquanto eu buscava a Deus, senti que fui ajudado por todos os que - ao longo da vida - se aproximaram de mim, para bem ou para mal. Quebrantado, pude descobrir que a vida inteira é um contínuo aprendizado para a outra vida que se seguirá a esta. E isso me fez feliz; porque, em Cristo Jesus, posso aprender com o bem que me afaga e com o mal que me aflige. Como sou grato a Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 14 de maio de 2013

Tua grandeza e minha pequenez


Amado Pai Celestial; há dias em que minha ida até o lugar de oração parece ser um grande sacrifício. Hoje é um desses dias. No entanto, existe um grande estímulo por parte do Santo Espírito; o qual consegue me conduzir até à beira da Fonte, mesmo estando eu cansado e abatido. Outro fator que me motiva é a certeza de que Jesus jamais declarou ou insinuou que seria fácil; sendo o maior exêmplo disso a sua própria presença no jardim no Getsemani. E se, porventura, estes fatores não fossem por mim levados em consideração; tenho pelo menos dois motivos pessoais que eu não conseguiria ignorar: O quanto devo lutar em favor dos meus familiares e amigos, que dependem de minha intercessão; e o instinto de sobrevivência espiritual que me leva a cair prostrado aos Teus pés, Pai amado.
 
E ao chegar nesta manhã em Tua presença; percebo que Tua grandeza tão próxima revela a minha pequenez; como seu eu fosse um minúsculo cálice d'água sendo derramado diante de Ti. Que bênção, Pai! Vejo então que homem algum poderá imaginar a dimensão da Tua glória e magestade. Sei que Tuas obras demonstram Tua grandeza; no entanto, nem de longe podem elas dar a noção exata do quanto Tu és Grande! Se levarmos isso para o campo das comparações: É como se o sol fosse uma pedrinha sob os teus pés e sua intensa luminosidade fosse apenas um brilho passageiro, diante do brilho perene irradiado por Tua gloriosa presença. Assim, que efeito provocará este cálice d'água derramado no oceano? Pois é, sou como um ponto minúsculo no universo, e sou grato a Ti por entender isso.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Pensar com a mente de Cristo


Hoje, enquanto eu orava, fui levado a pensar na mente humana; a minha própria mente inclusive. Percebi então que o único modo de conviver em paz e harmonia, em um mundo em desavença constante; é viver pensando com a mente do outro; para então poder entender e lidar com os seus disturbios e conflitos. Aprendi a muito tempo que o meu espírito é afetado pelo que se passa em meu cérebro (seus inúmeros circuitos neurológicos) e em minha mente (seu raciocínio e suas conclusões). Digo isso, porque fui convencido de que sou um ser tricotômico; que possuo corpo, alma e espírito. Daí a necessidade que eu tenho, de aprender a lidar com o meu cérebro (que tem a ver com o meu corpo) e com a minha mente (que tem a ver com a minha alma). Sei que existe longa controvérsia teológica entre dicotomia e tricotomia; mas, no tocante à mesma, já fiz a escolha que me satisfaz.
 
No entanto - independente desta questão - é fácil perceber os conflitos existenciais que, as vezes, provocam graves danos nas relações humanas; sendo a família um dos setores mais atingidos por tais conflitos. Muitos divórcios são o produto final da incapacidade de um cônjuge "pensar" com a mente do outro. São inúmeros os casos de casais, cujo relacionamento vai se deteriorando, sem que ambos se dêem conta dos conflitos existenciais que flagelam a vida de seu cônjuge. Conflitos estes algumas vezes causados pela falta de atitude carinhosa e doação do corpo por parte de um dos cônjuges; outras vezes causados pela falta de compartilhar sonhos, visões e até mesmo simples tarefas domésticas que sobrecarregam em demasia um dos cônjuges; enquanto o outro se mantém distante, como se ele não fosse igualmente responsável pelo cuidado da casa e da família. Precisamos para pra pensar nisso!
 
Então, sei que preciso pensar com a minha mente; mas, preciso também pensar com a mente daqueles que Deus colocou ao meu lado (cônjuge, filhos, amigos, etc). Creio que, pensando com a mente do meu próximo, conseguirei entender as possíveis razões do seu modo de ser e de agir. Portanto, se eu conseguir chegar a esta condição, poderei compreender e ajudar o meu próximo; ou, pelo menos, não ser causa de sua sofrida existência. Todavia, como conseguiremos pensar com a mente do nosso próximo; se, as vezes, não conseguimos entender a nossa própria mente? Creio ter achado a solução; tão simples quanto bíblica: Eu preciso de outra mente que me capacite a "pensar" o meu semelhante de um modo isento de emoção ou razão pessoal. Enfim, para eu chegar ao entendimento perfeito nos diversos relacionamentos que mantenho, preciso entender o meu próximo com a mente de Cristo.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 12 de maio de 2013

Ver e sonhar


Pai, não tenho palavras para Te agradecer, por ter conseguido chegar ao lugar de oração. Que prazer e alívio eu sinto! Não é de hoje, eu descobri que em meu kit de sobrevivência não existe nada que se compare a estar diante de Ti em oração. Como Tua presença me conforta e me acalma, Pai! Obrigado por Teu amor e por Tua justiça; por Tua graça e por Teu perdão. Por que iria eu buscar em outra fonte aquilo que só encontro na Fonte de Vida? Louvado seja o Senhor! Sei que não devo ignorar a voz do Teu Espírito; nem amordaçar a voz do meu espírito; pois, elas se entendem e se completam. Por isso, estou mais uma vez prostrado em Tua presença. Sou grato a Ti; pois, eu tenho aprendido que Tua Presença e minha presença precisam sempre se encontrar e caminhar juntas.
 
Pai, sou grato por saber que preciso percorrer as etapas que encontro no Caminho da Vida; e que não posso cortar caminho. Sei que não devo inverter a marcha, nem a ordem dos fatores produzidos por alguém que anda no Espírito. Portanto, ajuda-me a trilhar o Caminho Estreito; mesmo que ele me leve a passar pelos mares ou desertos; ou, que ele me leve a passar pelo vale da sombra da morte. Contigo eu aprendi que; enquanto os jovens têm visões, aos velhos restam os sonhos. No entanto, se não for pedir muito, eu gostaria de ter as duas faculdades; pois ver e sonhar são dois componentes de grande valia em minha vida. Ah... Obrigado por minha família! Não sei se é a melhor família do mundo; mas sei que é a melhor família que um homem como eu poderia ter aqui na terra!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 11 de maio de 2013

Conformismo ou confronto


Nesta madrugada, além de orar pelos meus, o Senhor me levou a orar pelos pastores e obreiros da Segunda Região. Não sei se esqueci algum; mas acredito que tenha orado pela maioria de suas esposas. Entendo pelo Espírito que vivemos dias diferentes dos dias em que viveram os nossos ancestrais na fé. São dias de concessões perigosas, como poucas vezes se viu em toda a história da Igreja. Sei que a humanidade já conheceu dias semelhantes aos dias em que vivemos (Sodoma, Roma, etc); todavia, os dias de hoje tem um conteúdo agravante: É que estamos seguindo a passos largos para o fim.
 
Não tenho a menor dúvida quanto ao fato de que - neste tempo de libertinagem mesclado com intensa atividade religiosa - o verdadeiro crente em Jesus chegará ao ponto de ter apenas duas alternativas: Conformismo ou confronto. E, se por um lado, a política da boa vizinhança instilada pelo conformismo vai promover aceitação social e afinidade - quanto a adoção dos mesmos usos e costumes - por outro lado, a inevitável confrontação pela Palavra, dos padrões de crença e de conduta de um mundo decadente pode nos levar a um caudal de perseguição que pode chegar até mesmo ao martírio.
 
Quanto a mim, enquanto acompanho este quadro profético que, ao mesmo tempo, assusta e conforta - assusta pela intensidade das trevas e por sua rudeza; e conforta ao sinalizar para a volta de Jesus - fico a pensar em uma visão que tive a muitos anos: Foi num dia em que eu buscava a Deus; quando ouvi o Espírito me dizer duas coisas relacionadas com salvação e chamado: A primeira, que é bem mais fácil a um cristão dominado por ansiedade; trabalhar para Deus, saindo por aí - servindo a Deus com a mente equivocada e o coração oprimido - do que esperar em Deus; se recolhendo para ouvir Sua doce voz.
 
A segunda coisa que ouvi da parte de Deus, está relacionada com a cruz e a glória. Deus me fez ver que é mais importante carregar o peso da cruz do que o peso da glória. E isso, porque o peso da glória oferece o risco de levar um crente despreparado a se ufanar e se engrandecer a si mesmo; perdendo o rumo da vida enquanto segue em busca de fama e prestígio. Ao passo que o peso da cruz nos faz curvar ante a presença de Deus, em total dependência dEle. Pois - longe de erguer alguém em um pedestal - o peso da cruz leva o cristão a um altar de renúncia e sacrifício; como aquele em que Jesus foi oferecido.
 
"E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus."
(Romanos 12.2)
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Tristeza segundo Deus


Querido Pai celestial; nesta manhã eu venho me prostrar em oração; e - como sempre faço - trago comigo aquelas vidas que fazem parte de minha vida. Estou ciente do quanto preciso orar por ela; pois, ao longo do tempo, tenho me dado conta do prejuízo que a falta de intercessores pode causar. Ainda bem que tenho o Teu Espírito para me ensinar a orar como convém. Tenho sentido quando a angústia provocada pela intercessão vai chegando... É algo inexplicável! As vezes eu penso que a intercessão sempre se veste de tristeza (não sei se estou enganado em meu modo de pensar). No lugar de oração, tenho a sensação de que a intercessão é antecedida pela dor; como se a dor fosse o seu aferidor. E assim, quanto mais intensa a dor e a angústia, mais urgente e chorosa se torna a intercessão.
 
Pai, tenho a sensação de que a tristeza é um sentimento complexo - algumas vezes gerado pelo rancor; outras vezes, pela mágoa; ou, devido a decepção causada por quebra de aliança resultante de traição... Enfim, são muitos os fatores que cravam a tristeza em uma vida; sendo esta nutrida e perpetuada por pecado no coração. Mas aprendi na Palavra que a tristeza também pode ser "segundo Deus"; e que esta tristeza faz muito bem, porque nos leva ao arrependimento. Então, chego à conclusão de que todas as formas de tristeza só poderão ser tratadas e curadas, se as mesmas se converterem em "tristeza segundo Deus"; pois, somente neste estado, o cristão entristecido poderá ser conduzido ao arrependimento. Então, eu te louvo, Pai! Pela única tristeza da qual ninguém precisará se arrepender!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Culto ao corpo

 
"24 Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; 25 Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á. 26 Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma? 27 Porque o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos; e então dará a cada um segundo as suas obras."
(Mateus 16.24-27)
 
A dias atrás estive orando e buscando a face do Senhor em espírito. E não pude deixar de refletir sobre a fragilidade da vida; vida efêmera, de curta duração. Então, perguntei a mim mesmo: Se, por um lado, a vida humana é tão curta e frágil, por que então o ser humano se apega tanto a ela e a cobre de cuidados e de regalos? E se, por outro lado, a essência contida no corpo humano é o que vai durar eternamente; por que então o homem dá tão pouco valor ao espírito e a alma, chegando ao ponto de sufocá-los e oprimi-los com certos conhecimentos e experiências sem proveito algum? Entim... Por que valorizarmos em demasia o corpo físico - temporal e passageiro - praticando fisiculturismo e prestando um verdadeiro culto ao corpo; se, ao final de tudo, o mesmo se restringirá a um amontoado de carne ainda em forma humana, provisóriamente depositada em um féretro rumo à sepultura?
 
Entretanto, não é de hoje que as pessoas recorrem ao auxílio de produtos rejuvenescedores e ao bisturí de um cirurgião, na tentativa nem sempre bem-sucedida de melhorar a estética ou tornar mais jovem um corpo que começa a morrer desde o dia em que nasce. Não que eu ache isso errado; mas vejo as pessoas priorizarem cada vez mais a diversão física, o prazer físico e a aparência física; sem se importar muito com aquilo que virá depois. Além disso, até mesmo entre os crentes mais dedicados, encontramos os que são capazes de fazer qualquer coisa para incluir fama em seu currículo e algumas moedas a mais em sua bolsa; como se felicidade fosse apenas isso. E assim, um corpo físico, perecível - cuja beleza é relativa e temporária - recebe mais atenção por parte do ser humano, do que sua alma sequiosa por conhecimento... E do seu espírito que clama por Deus desde que nasce.
 
Antes de concluir, preciso dizer que não acho errado o cuidado devido ao corpo físico - seja em sua higiene, nutrição ou saúde - pois ele - além de Deus - é nossa habitação temporária. Inclusive, penso que exercícios físicos deve ter o seu lugar entre as diversas ocupações diárias de alguém. Penso também que um cuidado racional, sem exageros, com a estética é algo saudável e socialmente válido. No entanto, o que me preocupa é a prioridade que vem sendo dada ao corpo material - em detrimento do corpo espiritual - como se ele fosse a "menina dos olhos" de Deus. A Palavra de Deus ensina que "o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir." (I Timóteo 4.8). Além disso, somos instados por Jesus, a buscar "primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas." (Mateus 6.33).
 
"16 E propôs-lhe uma parábola, dizendo: A herdade de um homem rico tinha produzido com abundância; 17 E ele arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei? Não tenho onde recolher os meus frutos. 18 E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; 19 E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. 20 Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será?"
(Lucas 12.16-20) 
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 8 de maio de 2013

O mal e o mau


Querido e amado Pai; venho em tua presença nesta madrugada, consciente dos riscos que corro e dos perigos que enfrento - em um mundo tenebroso e reservado para o fogo - ao caminhar por caminhos que não conheço muito bem; e, ao lidar com algumas pessoas que penso conhecer, mas que as vezes me surpreendem com palavras e ações que eu não imaginava serem capazes de proferir e praticar. No entanto - desde o início de minha carreira cristã - eu sempre soube que minha jornada não seria encetada em meio a balizas confiáveis; ou sustentada por terreno firme e favorável. Afinal de contas, eu sempre admiti que não teria chance de vencer por mim mesmo; pois, neste mundo mau - cheio de armadilhas e conflitos - eu sempre soube que deveria crer em Ti, meu único refúgio seguro e caminho direito.
 
E quanto a todo mal que se manifesta a minha volta, percebo que ele não me assusta. As vezes, até me admiro com minha aparente insensibilidade ante o mal e o mau. No entanto, o Teu Espírito me faz sentir e saber que tenho todas as razões que preciso para me manter calmo e seguro; pois, no mundo para onde vou, o mau e a maldade não existirão. E mesmo neste mundo aparente e enganoso, sei muito bem que a maldade tem efeito temporário; e que, de modo geral, ela dura apenas o tempo permitido da existência de alguns de seus agentes mais aplicados. Portanto, não devo me assustar com aquilo que dura tão pouco e que não pode me causar dano; além de possíveis feridas que causem em meu corpo; ou do dano causado por injúrias e mentiras que os seus agentes consigam articular a meu respeito.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 7 de maio de 2013

Visita ao Distrito de Lavras


Na manhã seguinte ao Encontro Distrital em Três Corações/MG, eu ainda estava profundamente comovido com o agir de Deus; e, pelo modo como Ele usa pessoas fracas para abençoar pessoas igualmente fracas; e também para confundir as fortes. Fato é que, na celebração distrital da Ceia da Unidade, na Frente Missionária em Três Corações - aberta e mantida pela consagrada e corajosa IMW de Lavras - eu pude sentir o propósito de Deus para o trabalho da IMW no sul de Minas. Célia e eu, fomos surpreendidos pela multidão que se acotovelava no salão de cultos - que é bem grande - em uma celebração de louvor e adoração que só pode ser entendida por aqueles que olham com os olhos do espírito. Vimos ali tantos jovens tomados pelo Espírito; em um ambiente que transpirava plena unção de avivamento espiritual, sentida por todos os irmãos que ali estavam.
 
O ministério de louvor de Lavras foi grandemente usado no louvor e adoração. Com exceção do Pastor Domingos, da IMW de Luminárias, que convalesce de cirurgia de catarata; todos os pastores do Distrito estiveram presentes: Pastor Yankee e Isabel, SD do Distrito de Lavras; Pastor Edson Borges e Ângela, da IMW de Bom Sucesso; Pastor Anderson Carvalho e Jocely, da IMW de S. João del Rey; e o Pastor Maurício, da I IMW de Lavras (sua esposa não pode comparecer por estar acometida de dengue). Além destes, estiveram presentes os seguintes dirigentes de congregações e frentes missionárias: Pb Brasil, da IMW de Três Corações; Pb Tadeu e sua esposa Danúbia, da IMW de S. Vicente de Minas; Pb Francisco e sua esposa Deosmira, da IMW de Vera Cruz (S. João del Rey); e o Pb Davi, da II IMW de Lavras. Creio na expansão deste trabalho!
 
Enfim, na manhã seguinte ao evento; agradeci a Deus pela unção que foi derramada sobre minha vida; para ministrar uma palavra como poucas vezes preguei ao longo do meu ministério. Célia foi grandemente usada por Deus em um testemunho de cura. Enquanto Célia ainda repousava, quedei-me rendido aos pés do Senhor Jesus; fascinado com o agir de Deus. Na verdade, sinto o meu coração transbordante de gratidão ao Deus eterno por tudo o que Ele tem feito por meio desta humilde vida que, em um dia bem lá atrás - em sincera renúncia e entrega - se dispôs a abrir mão de vaidades mundanas e ambições carnais, para servir Àquele que me salvou e me redimiu de todo o pecado e maldade. E como me dá prazer, ver obreiros ainda jovens sendo levantados; investidos do mesmo Espírito com que fui investido a tanto tempo atrás. Louvo a Senhor por tudo!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Rotina sagrada


Nesta manhã, depois de passar um bom período em oração, comecei a pensar na rotina da vida; procurando atentar ao conceito desenvolvido pelo Pregador, no livro de Eclesiastes.É é bom que se diga que eu não estou me referindo à rotina comum vivida de modo geral pelas pessoas. Na verdade, estou refletindo em um tipo de rotina que se demarca, desde o seu princípio, das demais rotinas desta vida. Ao examinar os livros de Provérbios e Eclesiastes, não posso deixar de notar que Salomão catalogou a inevitabilidade das rotinas; até ao ponto de concluir que "O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol." (Eclesiastes 1.9). Mas minha rotina é diferente; então, eu resolvi chama-la de rotina sagrada.
 
Pois é... Se eu me ponho a pensar nas atividades do meu dia-a-dia, como as que desenvolvi ao longo desta semana, ao longo deste mês e ao longo de todo este tempo em que tenho conhecido a Jesus como meu Senhor e Salvador; chego a conclusão de que os passos que tenho dado e o trabalho que tenho feito, se constituem em algo previsível e rotineiro. Todavia, percebo que existe um toque de ventura e romantismo naquilo que faço... Mesmo tendo feito aquelas coisas que eu sabia de antemão que faria; ou, intentando fazer coisas que, se Deus permitir, tornarei a fazer. Na verdade, eu poderia relacionar muitas coisas que preciso fazer - desde atitudes corriqueiras até assuntos pautados - e, deixar a casa e a família para ir ao encontro do rebanho é uma delas.
 
Também tenho percebido que - após prolongadas viagens de rotina, em visita a pastores e igrejas - retornar ao lar e beijar a esposa é outra destas rotinas; e... Que abençoada rotina! E a prática da oração? Pois é; estar em solo sagrado, buscando a presença do Pai também é uma abençoada rotina; assim como sair do lugar de oração para refletir e apontar coisas que ouço da parte de Deus também se constitui em atividade rotineira. Tenho ouvido falar de homens e mulheres de Deus que acabam por se enfadar daquilo que fazem para Deus, a ponto de se embrutecerem (Jer. 10.21). Todavia, penso não existir rotina melhor do que servir a Deus em tudo o que faço; buscando fazer tudo para a glória do Senhor (I Cor. 10.31). Portanto, não abro mão de minha rotina!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 5 de maio de 2013

Magnitude da graça


Pai, nesta manhã eu venho me derramar perante a Tua face, com profundo sentimento de gratidão que não cabe em meu peito. Há momentos - e este é um deles - em que me sinto o mais feliz dos mortais; não por ter ou ser algo que estimule a minha vaidade ou massageie o meu ego. E digo isso porque bem sei o quão pequeno sou; e estou ciente do que Tu fizeste por mim. Não tenho palavras para descrever aquilo que sinto; todavia, estou convencido de que, ainda que eu passasse toda a minha vida de joelhos diante do Senhor, jamais conseguiria me render ou agradecer o bastante; tal a magnitude da graça que me envolveu e do amor que me salvou no dia em que me converti. Sou grato a Ti, Senhor!
 
E durante todo este tempo, o Teu Espírito me tem feito ver que eu tenho uma família abençoada e que faço parte de um ramo da Tua Igreja que não para de dar frutos; embora eu saiba que esta obra da qual faço parte esteja longe de ser perfeita ou completa. No entanto, a Casa que me deste como agregado e a Igreja que me deste como missão, são parte integrante das promessas que fizeste ao Teu servo, quando fui salvo por Jesus; muito antes que eu pudesse entender o que acontecera comigo naquele dia 26 de outubro de 1964 - dia em que fui resgatado para a vida eterna e chamado para o ministério! Dia de salvação, em que Tua graça me alcançou e me invadiu de tal modo, que me faz feliz até hoje.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 4 de maio de 2013

Continuo sendo pastor


Alguns dias atrás, eu e o meu cunhado, Pastor Miguel, estávamos tomando o café da manhã em casa do Pastor Natanael e irmã Meire. Conversa vai, conversa vem... E o assunto versou sobre possíveis marcas de apostolado no trabalho que faço, embora eu não me sinta um apóstolo. Fiz questão de afirmar que não quero me enganar a meu próprio respeito; uma vez que qualquer pretensão dessa natureza quanto ao meu ministério, poderia: Ou me situar na galeria de homens como Pedro, Tiago, João, Paulo - dos quais jamais serei digno, por mais que faça algo relevante no reino de Deus - ou, então, poderia me lançar no túmulo onde jazem os restos mortais de tantos que a si mesmos se fizeram apóstolos.
 
A conversa entre nós, continuou o seu curso; abordando - entre outros assuntos afins - algumas questões ligadas ao ministério da Palavra. Antes de concluirmos o assunto; até porque, precisávamos inciar nossa viagem de volta, declarei sentir alívio por não me sentir apóstolo; assim, não corro o menor risco de me tornar um falso apóstolo. Na verdade, sou bispo... Fato que me confere honra imerecida. No entanto... Sinto-me mesmo é pastor: Pastor de vidas; Pastor de ovelhas que não me pertencem. E procuro cuidar delas com amor; pois são de Jesus: Seu legítimo Dono e Senhor. Esta é a verdade que me garante satisfação... Pois - enquanto bispo - continuo sendo pastor de ovelhas por vontade de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 3 de maio de 2013

Conceitos e costumes


Na manhã deste novo dia; após ter estado a sós com o meu Senhor, orando por aqueles que Ele confiou aos meus cuidados; venho expressar o meu pensamento em relação aos dias em que vivemos, no que tange à família cristã. Qualquer pessoa que tenha vivido os anos que vivi; e que tenha observado as coisas que observei - através das duas "janelas" que Deus me concedeu - há de convir comigo que a família cristã se encontra sob fogo cerrado e em grande perigo. Não creio que ela venha a sucumbir ante ataques tão cruéis; mas - admito - muitos bons lares que conhecemos não conseguirão resistir a este choque de conceitos e costumes.
 
Uma das coisas que tem contribuído para tamanha desordem social e familiar é o flagelo das drogas. E não são poucos o lares cristãos vitimizados por este mal do nosso século. Acredito que se fôssemos armazenar as lagrimas derramadas pelas famílias à mercê de tão grande adversidade; os maiores tanques que o homem consegue idealizar e construir, não seriam suficientes para contê-las. Outro mal que prospera em nosso tempo é o fenômeno da infidelidade conjugal. É assustador aquilo que acontece nas relações de família, devido ao que começa com um "flerte" irrefletido de pessoas casadas; e que culmina em drama passional as vezes desastroso.
 
Porém, duas atitudes vistas com freqüência, agravam o drama em que já vivem muitas famílias cristãs; 1. O comodismo daqueles que melhor poderiam aconselhar e advertir; 2. O ativismo daqueles que - mesmo afirmando conhecer a Deus e temer Sua Palavra - insistem em defender padrões de conduta claramente condenados nas Escrituras Sagradas. Por exemplo: Tem crescido entre os cristãos á idéia de que fama e riqueza são requisitos essenciais para que alguém se torne líder em uma igreja cristã; ficando em segundo plano, atributos como caráter e reputação. E assim, fica a impressão de que o "ter" é bem melhor do que o "ser". Valha-nos Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Visita ao Distrito de S. Lourenço

Pastor Miguel Araújo e Pastor Natanael Oliveira em Caxambu

Alguns dias atrás, meu cunhado Pastor Miguel Araújo e eu, estivemos visitando as IMW de Caxambu e S. Lourenço, no sul de Minas. Foram dias de intensa participação no trabalhos destas duas igrejas do Distrito de S. Lourenço.
 
Visita à IMW de Caxambú
 
No domingo pela manhã, o Pastor Miguel Araújo e eu, estivemos com o SD Pastor Natanael Oliveira no culto matutino da IMW de Caxambu; onde o Pastor João Marcelino Santana Filho e sua esposa Ruth Elda Passos Santana, juntamente com a igreja repleta, nos receberam com muito amor. O culto foi marcado por um grande mover de Deus; com a participação de alguns departamentos! A igreja recebeu o seu novo pastor em janeiro último; e está vivendo um momento de paz e harmonia. Inclusive, o terreno com o qual sonharam por alguns anos, foi adquirido; e ali será construído o seu futuro templo.
 
Logo após o culto, participamos de um delicioso almoço oferecido pela igreja a todos os presentes. Foram momentos de comunhão e alegria visível em todos os rostos. Enquanto comíamos, conversávamos aqui e ali, procurando manter contato pessoal com os irmãos. E, ao mesmo tempo em que comia e conversava, eu percebi que esta igreja está vivendo um especial mover de Deus. Creio que, se ela continuar mantendo este espírito de unidade, irá crescer bastante e se tornar referência na cidade de Caxambú. Após o almoço, retornamos à casa do Pastor Natanael e Meire, onde estávamos hospedados.
 
Visita à IMW de São Lourenço
 
No culto a noite, estivemos na IMW de S. Lourenço- sede do Distrito - pastoreada pelo Pastor Natanael e sua esposa Meire; onde pudemos constatar o bom nível espiritual daquela igreja. em um culto envolvido em clima de adoração e louvor, o Pastor Miguel entregou a mensagem de Deus ao povo. Tivemos ocasião de abraçar o Pastor Camilo e sua esposa Marilena; ele auxilia o Pastor Natanael na condução desta igreja; e abraçamos o Pastor Sabatini, que freqüenta, juntamente com sua esposa Maria, os cultos desta igreja.
 
Na manhã do dia seguinte; em meio a um delicioso café da manhã oferecido pelo casal anfitrião, conversamos sobre os desafios deste tempo. Logo em seguida, fomos ao bairro onde está situada uma das congregações da IMW de S. Lourenço. Ficamos entusiasmados com a localização e com o salão de cultos desta congregação; a qual está sendo dirigida pelo Pastor Camilo, pastor ajudante do SD Pastor Natanael na igreja sede. Depois de conversarmos e orarmos no local; iniciamos a viagem de regresso, em nome de Jesus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Mar de engano e sedução


Tenho procurado refletir sobre os dias em que vivemos. Não tenho um ponta sequer de dúvida quanto ao fato de que vivemos mergulhados no "princípio de dores" sobre o qual a Bíblia fala. E penso não haver meios de conter esta maré de violência, impureza e profanação que segue o seu curso profético; arrastando em seu caudal seres e conceitos... Produzindo vítimas por todo lado. E esta maré de ódio e arrogância vai subvertendo valores até então defendidos e ensinados de geração em geração. Sua abrangência é tão grande, que ela consegue passar frente à porta de lares e templos cristãos; adentrando muitas vezes nas casas desavisadas, através de programas televisivos de natureza perniciosa e profana. Penso ser o fim!
 
Estou convencido de que - a semelhança dos dias de fúria no Egito - os crentes em Jesus só poderão estar seguros, se mantiverem as vergas de suas portas e janelas (sentido figurado) marcadas pelo precioso sangue do "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" (João 1.29). Sei que Deus poderia por um fim imediato a esta maré de morte; mas, percebo que Deus já tem permitido processos semelhantes no passado, para levar pessoas a se definirem - tanto moral como espiritualmente - se de fato são contra ou a favor das mudanças provocadas por este mar de engano e sedução. E mesmo entre cristãos atuantes, já se ouvem vozes favoráveis ao descarte de valores defendidos pelas Escrituras sagradas. Valha-nos Deus!
 
Reflitamos nesta palavra de Deus, dirigida à igreja de Smirna: "8. E ao anjo da igreja que está em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: 9. Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. 10. Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. 11. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte." (Apocalipse 2.8-11). Há muita coisa estranha acontecendo, mesmo nos meios cristãos. Vigiemos!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari