quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Nem santos nem sábios


Ao me deparar com este testemunho de Tozer, fiquei a pensar no equilíbrio que deve existir entre a prática da oração e o exame das Escrituras sagradas. Na verdade, não é prudente nos dedicarmos a uma delas, sem dedicação a outra de igual modo. É algo parecido com a necessidade de respirar e de beber: Não se pode fazer apenas uma destas coisas. E, nesta comparação, podemos ver a oração como o ar que respiramos e a Palavra de Deus como a água que bebemos. Ambas são igualmente preciosas e vitais!
 
Uma vez ouvi o Espírito Santo falar ao meu espírito que: Quando oramos e não examinamos a a Bíblia, podemos resvalar aos poucos para o fanatismo. E quando examinamos as Escrituras e não oramos, torna-se grande o risco de cairmos nas malhas do racionalismo. Enfim... Precisamos falar com Deus pela oração e ouvir Sua voz pela Palavra, para sermos santos e sábios. Pois, se nos dedicarmos a apenas uma destas práticas, não seremos nem santos nem sábios. Precisamos orar e meditar na Palavra de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pai, eu confiarei


Eu já tenho dito muitas vezes, que não existe melhor lugar para se estar e para se buscar algo do que estando na presença de Deus, no lugar de oração. E hoje, constatei isso mais uma vez. Pude refletir sobre dois sentimentos que me incomodaram: Solidão e sofrimento. Por que, em certas ocasiões, nos sentimos tão só? Por que vemos pessoas sofrerem tanto; e nós mesmo, as vezes, nos sentimos em estado de dor e angústia sem causa aparente? Enfim, estas questões eu pude entender melhor, estando diante de Deus.
 
Concernente à solidão; senti certa inquietação ao me dar conta de que as pessoas podem vir a esquecer-me. Então, lembrei-me do cântico de Bruna Karla: "Eu sei que a caminhada, é tão difícil de seguir; É tão bom estar sorrindo, quando tudo vai bem. Eu quero ver tua fé quando o mundo te esquecer! Lembrarás que Eu Sou o teu Deus?". Realmente... Não existe solidão para quem anda com Deus! Na verdade... O que importa mesmo, não é ser lembrado pelas pessoas; e sim, permanecer na memória de Deus!
 
E sobre o sofrimento; inquietou-me saber que muitas pessoas se tornam perseguidoras - ou são perseguidas - sem causa aparente. Alguns sentem necessidade de difamar ou injuriar pessoas... Outros sentem necessidade de ferir e maltratar pessoas. Enfim, feridas sem causa que justifique a agressão. Mas, pude aprender que ambos - agressor e agredido - acabam sofrendo juntos; como se fossem ligados por um nó. O agredido receberá de Deus lenitivo. Mas, é o agressor? Só Deus sabe até onde irá sua dor.
 
Pai, eu confiarei
 
Eu sei que a caminhada, é tão difícil de seguir
É tão bom estar sorrindo, quando tudo vai bem
Eu quero ver tua fé quando o mundo te esquecer
Lembrarás que Eu Sou o teu Deus
Deixaras te levar? Confio em ti
Vem em mim descansar? Confio em ti
Lembrarás das promessas que Eu te fiz? Eu te fiz
Quando for impossível clamarás a mim? Clamarás a mim
Lembrarás que sou Teu pai ou te esquecerás?
E se chorares? Confio em ti
E se te machucares? Confio em ti
Lembrarás das promessas que Eu te fiz? Eu te fiz
Quando for impossível clamarás a Mim? Clamarás a mim
Lembrarás que Sou teu Pai não te esquecerás?
Senhor eu confio em Ti
Senhor eu confio em Ti..eu confio,confio em ti (Ooooo)
Pai eu confiarei, Pai eu confiarei, Pai eu confiarei (Ooooo)
Pai eu confiarei, Pai eu confiarei, Pai eu confiarei (Ooooo)
 
Bruna Karla
 
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Aparência do mal

 

Existem dias em que fico a pensar nos gostos do ser humano; gostos que abrangem e afetam todos os nossos sentidos - do paladar à visão - definindo preferências díspares entre si, tal e qual água e óleo que não se misturam; e que influenciam desde a devoção até a diversão e lazer. É como alguém já formulou: Gosto não se discute... Lamenta-se. E o famigerado carnaval - festa que atrai e arrasta em seus cordões os mais diversos tipos de pessoas - me faz pensar nos sentimentos que submergem muita gente no limiar da insanidade. São dias de transformismo e de loucura coletiva; muito mais do que pura diversão.
 
E vejo com preocupação, igrejas ou grupos evangélicos que decidem "botar o bloco na rua", a pretexto de evangelizar; não que eu ache errado evangelizar em dias de tanta confusão e fantasia; pois sei muito bem que o evangelho deve ser pregado a tempo e fora de tempo. Todavia, não me sinto juiz de ninguém; estou apenas "pensando" alto. Porém, em dias assim, prefiro os edificantes retiros espirituais; que a 2ª Região decidiu chamar de "RESPIRE" (Retiro Espiritual de Renovação). É que vejo mais coerência entre os retiros e os ensinos das Escrituras sobre "afastar-se da aparência do mal". Também creio que, em dias assim, as igrejas devem manter suas portas abertas; tanto ao culto como à evangelização.
 
Mas minha maior preocupação não é com a escolha dos grupos cristãos que procuram evangelizar deste modo; pois, como eu já disse, apenas formulei minha opinião, "pensando alto", sobre sua opção. Na verdade, minha grande preocupação está nas freqüentes tentativas de alguns segmentos cristãos - se bem ou mau intencionados não sei - em procurar estabelecer vínculo e harmonia entre o autêntico espírito cristão definido nas Escrituras com algumas festas e celebrações de caráter nitidamente mundano. E isso tem sido tão comum, que fico a pensar se alguns não estão indo longe demais nesta aproximação. É que não consigo ver o Deus das Escrituras ditando tais normas ou inspirando tais interesses.
 
Outro ponto que aumenta a minha apreensão; é o fato de alguns, dentre os defensores deste tipo de proximidade, ficarem bastante irritados quando uma opinião divergente e denunciante deste sistema mundano é formulada. Todavia, o que eu posso dizer aos que se sentem "incomodados" por acharem que estamos tentando desqualificar sua escolha; é que não devem ficar tão agitados por palavras de advertência; pois... São apenas palavras. Basta aos tais continuarem na vida que levam. Afinal de contas, o livre arbítrio lhes dá este direito. No entanto, cada um de nós responderá diante de Deus por nossas escolhas - pelos atos que praticarmos e pelas palavras que proferirmos - disso tenho absoluta certeza!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Aniversário da IMW do Barcelona

Templo da IMW do Barcelona

No sábado passado, tive o prazer de pregar no culto de gratidão pelo 4º aniversário da IMW do Barcelona, no município de Serra-ES. E também pude constatar com gratidão a Deus, o nível de alegria e de estabilidade que esta querida igreja desfruta. Enquanto eu refletia sobre o que Deus tem feito ali, lembrei-me de como tudo começou; e de como momentos trágicos e negativos podem vir a se tornar em meios importantes de transformação, esperança e desenvolvimento. Tenho motivos de sobra para pensar que a IMW do Barcelona é uma das razões de Deus me ter mandado para a 2ª Região.
 
Frente do tempo, na avenida principal do bairro Barcelona
 
Enquanto eu pregava e refletia sobre certas perguntas que não querem calar - e que nos assustam no dia-a-dia de nossa curta existência terrena - Deus me concedeu graça para conduzir o povo ali reunido, ao caminho seguro das indagações que realmente importam, conforme Romanos 8. Digo isso, porque neste texto estão as perguntas certas que devemos fazer a nós mesmos; que se constituem em marcos facilitadores da nossa caminhada para frente e para o Alto; em direção ao Deus eterno que nos dá vitória!
 
 
 "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou... Como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?"
(Rom 8.31-35).
 
 
Ao final do culto e logo após os cumprimentos, o Pastor Luiz Carlos e sua esposa Maria Lúcia nos convidaram para um delicioso jantar (muqueca capixaba à base do peixe Sioba). Foi um momento de grande alegria e descontração. Lá estavam, além de mim: Os Pastores: Sebastião Antonio Neto - SD do Distrito de Serra; e Sebastião Calegari - SD do Distrito de Guarapari; meu filho Elizeu, que viajou comigo, para ajudar-me na direção do carro; e um dos Presbíteros da IMW de Aracruz; além de algumas irmãs que estavam ajudando a servir. Foi uma bênção! Lamentei por termos viajado logo em seguida.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Nossas escolhas


Nesta manhã, depois de estar com o Pai em oração, fiquei a pensar nas escolhas que fazemos na vida; escolhas boas ou ruins... Tais como: Sobre "ir e vir"; sobre o que pretendemos ser; adoção de usos, costumes e opção de lazer; tipos de amizades que decidimos cultivar; modelo de família que procuramos formar; e - entre outras tantas - o tipo de crença que decidimos professar. É... Em todas estas opções, nem sempre paramos para pensar nas conseqüências que cada uma destas escolhas poderá ter em nosso futuro - tanto neste mundo quanto na eternidade. Pois, as nossas escolhas determinam o nosso futuro!
 
A Bíblia nos diz que é "Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite" (Salmo 1.1-2). A Palavra de Deus nos adverte que "Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte" (Provérbios 14.12). Podemos perceber, tanto nestes como em outros textos da Bíblia, que existe um perfil daquele que viverá eternamente com Deus; e que este perfil já está definido nas Escrituras Sagradas.
 
A pouco tempo, declarei que não devo ir ou estar em lugares onde a graça não pode me proteger. De imediato fui questionado por alguns, como se eu tivesse dito alguma heresia. Mas estou seguro quanto ao que declarei! Sei muito bem que a graça só é eficaz para a salvação, quando ligada ao nome de Jesus. E sei também que não basta professarmos fé no nome de Jesus, se não temos compromisso com Sua Palavra. É o que Ele mesmo diz: "Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada" (João 14.23). Crente, desperta!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Face-a-face com a Vida


Na madrugada deste dia estive no lugar de oração, como de costume, para buscar a face do Pai celestial. E ali, prostrado diante de Deus, pude então fazer aquilo que sempre faço em tais ocasiões: orei, adorei, supliquei, intercedi, chorei e sorrí. É... Foi um tempo de descanso e de agradável comunhão com o Senhor; que supera em prazer e deslumbramento o tempo que passamos em qualquer outro lugar - mesmo junto às pessoas mais queridas - pois estar na presença de Deus é estar face-a-face com a Vida!
 
Enquanto eu me derramava diante do Deus eterno, lamentei o fato de não poder corresponder ao que o Senhor espera de mim. Uma dúvida que eu nunca tive é quanto ao fato de ter sido, por Ele, salvo e chamado para o ministério da Palavra. Todavia, sei muito bem que poderia ser um servo mais dedicado no cumprimento deste chamado para ser "sal e luz". Assim, eu lamento não ser um vaso mais apropriado para dar curso à unção que está sobre minha vida. Todavia, sei que isto não me impede de servi-Lo...
 
Portanto, sinto-me feliz por saber que Ele me aceita tal como sou - vaso limitado e imperfeito - e consegue me aproveitar para o Seu uso. Na verdade, o meu maior lamento não é por aquilo que Deus deixa de fazer por mim ou através de mim; e sim, por tudo aquilo que eu poderia fazer por Seu povo e por vidas que esperam algo de mim - sem que eu consiga corresponder - se em mim houvesse uma entrega maior. Mas, existe um lado bom em tudo isso: É que eu me sinto devedor a Deus e aos homens!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Visita à IMW Central de Valadares

Pastor Sidenilson e Marcia
 
No domingo passado, Deus nos permitiu estar mais uma vez na IMW Central de Valadares. A cidade Governador Valadares foi muito importante para o meu ministério; pois ali pude desenvolver um ministério de resultados que marcou profundamente o meu chamado pastoral. Ela é carinhosamente chamada de "Princesa do Vale", por estar espalhada pela região central do Vale do Rio Doce; por ser cortada pelas BR 381 e 116; e por se constituir em importante pólo desta micro-região mineira. Foi nesta cidade que Deus me preparou para plantar a IMW em Portugal. Ficamos duas noites hospedados na casa do Pastor Sidenilson Alvino Pereira - SD do Distrito de Valadares - sua esposa Márcia Suzuki e sua filha Andressa Suzuki Pereira. Na ocasião, estava também hospedado o Presbítero Edilson e sua esposa; membros da IMW do Jardim Colorado. Nos dois dias que estivemos juntos, conversamos muito, sobre muitas coisas; compartilhando experiências e visões de Deus.

 
Juventude wesleyana da IMW Central de governador Valadares

Enfim, chegou o momento de sairmos para o culto dominical vespertino desta querida igreja. O meu coração palpitou forte, ao ver o franco desenvolvimento desta igreja; cujo projeto de recuperação - em sua fase 1 - se iniciou com o Pastor Valdívio; e agora - em sua fase 2 - segue o seu curso de crescimento e amadurecimento com o Pastor Sidenilson. Tenho percebido que o amplo templo da mesma vai se tornando pequeno para os membros e visitantes, que aumentam a cada culto.
 
Célia e eu, com Juliana Leal e sua querida filha
 
O culto se iniciou e se desenvolveu em uma atmosfera de avivamento! Percebi um clima de comunhão e de participação dinâmica nos diversos departamentos da igreja. O Ministério de Louvor conduziu o povo em adoração, sob impacto de grande temor e quebrantamento. Houve também a participação do grupo de Senhoras, que deu valiosa contribuição com um cântico que "mexeu" com toda a igreja. O Presbitério esteve em seu lugar de direito - no púlpito da igreja - interagindo com todos os atos do culto. Notei no mezanino do templo, a presença de vários jovens da IMW de Palmares, em BH; em perfeita sintonia com a juventude wesleyana de Valadares. Eu posso testemunhar que o culto foi pleno da presença do Espírito; com alegria estampada no rosto de todos. Ao final, a igreja presenteou a Maria Célia e eu. Depois das despedidas, o Presbítero Elias Leal e sua esposa Neném, nos conduziram a um restaurante; onde saboreamos deliciosa traíra recheada. Obrigado, Senhor!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Turbilhão de sensações

 

Amado Pai celestial; venho nesta manhã me prostrar a Teus pés. É que, as vezes, o meu sentimento me diz que devo parar. Na verdade, sinto-me tentado a parar; não por não ter prazer naquilo que faço; ou, por não me sentir realizado; ou, por não me sentir recompensado pelo meu trabalho. Sei que parece simples; mas, tudo isso acontece sempre que penso em quem sou e nos meus limites. Então... Me recordo de Quem Tu és! E tudo continua como sempre. Então, eu percebo que - mesmo me sentindo abatido por fora - sinto-me feliz; pois sei que a graça é suficiente para manter a chama da visão acesa.
 
Em momentos assim, quando sinto minhas forças faltarem e meu espírito se abater; tento imaginar aquilo que poderia ser a minha vida, longe de Tua presença. Mas, sinceramente, nem consigo ter ideia! A verdade é que eu não saberia viver sem Ti. Como viver sem o ar que respiro e sem a água que bebo? É... Não há como viver sem Tua presença. Por isso, prefiro estar em Tua presença! É onde eu falo sobre tudo e ouço tudo aquilo que preciso. E sinto um turbilhão de sensações! Choro, riso, queixa, gratidão... Meu Deus, é bom demais! Estou convencido de que minha vida sem Ti seria dor e... Só tu sabes!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Inauguração da IMW em Virginópolis

Bispo Calegari (Superintendente Regional) e Pastor Sidenilson (Superintendente Distrital)

Neste último sábado visitei Virginópolis pela primeira vez. Trata-se de uma pequena cidade, entre Guanhães e Governador Valadares; a cerca de cem quilômetros desta última. E não estive lá sozinho: Além de Maria Célia Calegari, fui acompanhado do Pastor Sidenilson Alvino Pereira - SD do Distrito de Valadares - sua esposa Márcia Suzuki e sua filha Andressa Suzuki Pereira; em uma viagem que durou duas horas.
 
Pastor Sidenilson, Bispo Calegari e Aspirante Malaquias
 
Enfim, chegamos ao salão a ser inaugurado; onde já encontramos mais de cem wesleyanos de Valadares, entre pastores, obreiros e membros. Foi realmente uma grande festa espiritual. Vãs e carros ocupavam boa parte da extensão da rua em que o salão está situado. Não pude deixar de louvar a Deus! Louvei a Deus pelos irmãos, Mônica e José Maria: casal que iniciou o trabalho wesleyano em Virginópolis, em sua casa.
 
Lanche na casa do casal, Mônica e José Maria
 
Mas também louvei a Deus pelo meu blog, que foi acessado pela irmã Mônica e se constituiu em elemento de contato; pelo Pastor Valdívio Correia, que deu início à visão; pelo Pb Joaquim, que sempre deu assistência ao trabalho; pelo Pastor Sidenilson, que deu continuidade à visão; e pelo Asp Malaquias, que foi o pastor enviado para cuidar deste rebanho. Portanto, louvo a Deus pela Frente Missionária da IMW em Virginópolis!
 
Parte das pessoas presentes ao culto de inauguração
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Poder e dever


Pai! Como é bom e importante buscar Tua face! Como me faz bem derramar o coração diante de Ti em oração, ainda que haja oposição da natureza humana e de seus cúmplices. Como é bom poder contar com Tua ajuda, no momento em que me disponho a estar prostrado no lugar de oração; ainda que contrarie a vontade da razão e do sentimento. Sei muito bem que um dos motivos do conforto que eu sinto no lugar de oração; é que ali não preciso temer o poder dos horrores e afrontas de quem quer que seja; pois... Neste lugar, estou diante do Poder que a tudo e a todos sobrepuja!
 
Pai! Como é bom e importante Te buscar e aprender Contigo! E neste momento, estou aprendendo a conjugar corretamente os verbos "poder" e "dever". Eu não havia ainda pensado nas tremendas implicações de ambos em minha vida. Como me conforta saber que nem tudo que eu posso fazer, eu devo fazer; e, que nem tudo que eu posso dizer, eu devo dizer. Se por um lado - tenho o poder de ferir, magoar, humilhar, injuriar, cobiçar e arruinar pessoas; por outro lado - não devo fazer tais coisas; pois, sei que amar é um ato mais nobre; e o dever de amar e perdoar me impede tal loucura.
 
Pai! Como é bom e importante saber que o "dever" precisa estar acima do "poder", determinando os seus limites. E assim, prostrado e rendido em Tua presença no lugar de oração, fui novamente lembrado que o "poder" embriaga, corrompe e enlouquece, quando emancipado do "dever". Aprendi também que todo aquele que se deixa inebriar pelo "poder", irá aos poucos se distanciando do "dever", até perde-lo de vista. E então, quando apenas o "poder" dominá-lo; ele se tornará seu escravo, até ser totalmente destruído por ele. Finalmente será destituído do "poder" que tanto amou.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Um dos sinais do fim

Daniela Calegari
 
Não costumo postar em meu blog, artigos que não sejam meus. Até porque, o meu objetivo no blog é postar pensamentos e sentimentos que nascem e se desenvolvem em meu espírito. No entanto, achei por bem postar o texto de minha filha Daniela Calegari, que encontrei em sua página no facebook. E fiz isso, por entender que o mesmo é importante sinal de alerta e tem tudo a ver com estes dias em que vivemos.
 
"Post"
 
"Estou convicto de que nunca foi da vontade de nosso Senhor que a igreja cristã fosse um palco religioso em que atores orgulhosamente se apresentassem e se tornassem alvo de admiração, buscando o reconhecimento de seus méritos pessoais." (Tozer)

Pois é... tem certas manifestações narcisistas, megalomaníacas, que manifestam TUDO, menos o testemunho de Jesus e seu evangelho... vemos líderes se auto
promovendo a custa frases de efeito, jargões, por vezes até tolices que não edificam ninguém.

O Reino de Deus se estabeleceu através do sacrifício de Cristo... é muita ousadia se locupletar desse sacrifício, utilizando o legado do Santo Sangue do Cordeiro, que já foi suficiente, bastante, o melhor de Deus que já veio (como costuma dizer meu pai
Bispo Calegari)... o que devemos fazer é proclamar o SEU Reino e não tentar estabelecer o NOSSO, ou outro qualquer, utilizando como pretexto a expansão do Reino de Deus...

Valer-se da obra da Cruz, do nome de Cristo, para promover exaltação humana é o fim... ou um dos sinais do fim...

A propósito... uma música que muito me edifica, do Asaph Borba:

O Reino de Deus não é firmado em obras
feitas por homens quaisquer,
não tem sua base em ouro ou poder
e nem tampouco em saber.
Não é feito de comidas e bebidas,
mas sim de muitas vidas
que se tornaram filhos de Deus em Jesus.

O Reino de Deus é de paz e justiça
e a alegria no Espírito Santo.
O Reino de Deus é o amor,
é o poder da palavra e o louvor,
é a vitoria e a vida em Jesus
o Reino é a cruz.""
 
Fim
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Vou priorizar a oração


Desde que os meus olhos se abriram para o valor da oração, tenho sentido em meu espírito que não existe atividade mais importante na vida devocional do que buscar a face do Senhor. É bom que se diga que não estou menosprezando qualquer outra atividade inserida no contexto devocional, tal como louvor ou leitura; até porque, tais atividades estão sempre presentes em uma atitude devocional completa. O que aqui afirmo é que a oração no contexto devocional - a semelhança do sangue do aparelho circulatório ou de um rio serpenteando no vale - tem o dom de levar vida por onde passa e em tudo o que toca.
 
Portanto, não é de hoje que carrego comigo a certeza de que não há como sermos plenamente bem-sucedidos e realizados em qualquer ocupação, caso a oração seja menosprezada ou relegada a um segundo plano. Sempre acreditei que orar é falar com Deus, Aquele que pode nos valer em qualquer luta ou situação. Portanto, se admitimos que tudo aquilo que somos, temos ou fazemos está relacionado com o propósito de Deus; nada mais lógico do que orarmos em primeiro lugar, antes de tomarmos qualquer atitude. Podemos até lutar sem orar; mas, jamais conseguiremos vitória honrosa nas lutas, sem orar.
 
E assim crendo e sentindo, procurarei manter minha vida cristã baseada neste princípio; pois, ele representa segurança para a minha vida. Vou continuar seguindo em frente, procurando manter o meu estilo de vida - como tenho feito até aqui - mesclando devoção com atividades diversas em meu viver diário. Mas vou priorizar a oração, como se fosse a água que bebo ou o ar que respiro. Trago comigo um antigo hino que aprendi ainda jovem, cujo estribilho diz: "Ó, deixe a língua de exultar; esqueça o peito de arfar; inerte seja a minha mão, se eu olvidar a oração". Na verdade, a falta de oração oprime e sufoca.
 
A armadura de Deus
 
10 No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. 11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo. 12 Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. 13 Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. 14 Estai, pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça; 15 E calçados os pés na preparação do evangelho da paz; 16 Tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. 17 Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; 18 Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, 19 E por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra com confiança, para fazer notório o mistério do evangelho, 20 Pelo qual sou embaixador em cadeias; para que possa falar dele livremente, como me convém falar."
(Efésios 6.10-20)
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Confusão a vista


Tenho percebido que a sagrada missão de compartilhar a mensagem de Deus, a esta geração confusa e perdida - nos moldes dos verdadeiros ensinamentos das Escrituras Sagradas - vai se tornando uma missão cada vez mais difícil de ser cumprida. Na verdade, todo aquele que se dispõe a pregar a Palavra, se depara com barreiras dos mais diversos tipos - perpetradas por governos e instituições - tentando a todo custo silenciar a pregação do Evangelho de Cristo. E a medida em que os dias vão passando, vai se tornando cada vez mais evidente o crescimento de hostilidade aberta contra a Palavra de Deus.
 
No entanto, o que mais me preocupa nestes dias; é ouvir o que está sendo ensinado em inúmeras tribunas evangélicas. É triste vermos influentes líderes cristãos, propondo um modelo de cristianismo baseado no "ter" e não no "ser". Eles pregam abertamente as riquezas terrenas (não que ser rico seja errado); transformando as promessas de Deus em objeto de barganha. E não é de hoje que suas tribunas vem se transformando em balcões de negócios, onde só se fala em dinheiro e poder. Em seu modo de ensinar, induzem seus ouvintes a pensar que Deus está obrigado a enriquecer aquele que crê nEle e contribui com sua Igreja. E cresce o desprezo pelos tradicionais ensinos das Escrituras. Vejo este fenômeno como um importante desvio de rumo - destoando com o evangelho de Cristo - que só Deus sabe até onde vai.

Em termos comparativos, vemos que o perfil do novo homem apresentado na Bíblia, em nada se parece com o perfil do novo homem apresentado por estes mestres que proliferam em nossos dias. Enquanto a Palavra ensina que o crente deve ser manso e humilde de coração, vivendo uma vida dependente de Deus; o crente saído desta "escola do triunfalismo" vai se tornando arrogante e triunfalista; não admitindo como de Deus, algo que não traga algum sinal ou cifrão intercalando suas conquistas. Na Palavra, o nascido de novo é alguém que defende uma vida familiar nos moldes de Deus; e que procura viver sua vida moral e social segundo os ensinos das Escrituras; pois seu modelo é o cristianismo bíblico. Na cultura cristã de hoje, prevalece um tipo de "graça barata"; na qual é aceitavel relações extraconjugais; falcatruas nos negócios; banalização da santidade bíblica; enfim, sinais evidentes de... Confusão a vista!
 
Tornou-se comum, nos dias de hoje, encontrarmos líderes cristãos afirmando que não há nada de mal em beber socialmente; ou, exibindo sua nova aplicação de "botox"; ou mesmo implantando novas mechas de cabelo... Tudo para exibir uma imagem rejuvenescida, de homem belo e próspero. Reafirmo que não estou julgando, mas... Apenas demonstrando minha preocupação. Porque, afinal de contas, tudo isso émuito estranho para um cristão à moda antiga como eu. As vezes, chego a assustar-me com a ingenuidade de muitos cristãos "de carteirinha" - outrora conservadores - os quais se dirigem a certos lugares de diversão (boates, baladas, bailes e outros) - a convite de amigos ou por incontida curiosidade - sem ao menos procurar avaliar e discernir o tipo de diversão e prazer oferecido em tais lugares. E eu me pergunto: Será que é algo aceitável, um crente participar de diversões de caráter duvidoso; sob a alegação de que precisa se descontrair um pouco em períodos de desgaste e cansaço?
 
A verdade é que, quando abandonamos o modo de proceder e viver à luz dos ensinamentos da Palavra de Deus, nos tornamos reféns de perigosa especulação; a qual procura nos seduzir e guiar pelo emaranhado de conceitos construídos por mentes desviadas da verdade. Conceitos que - destituídos da verdade de Deus revelada nas Escrituras - podem, em princípio, nos levar por caminhos de motivação e devaneio; mas que, ao fim e ao cabo, nos abandonarão - nus e feridos - em alguma estrada deserta; pois... Somente Jesus é o Caminho! E a Luz que nos guia ao longo deste Caminho é a Palavra de Deus.
 
A santidade cristã é oposta aos costumes dos gentios

"17. E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. 18. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; 19. Os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza. 20. Mas vós não aprendestes assim a Cristo, 21. Se é que o tendes ouvido, e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus; 22. Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; 23. E vos renoveis no espírito da vossa mente; 24. E vos revistais do novo homem, que segundo Deus é criado em verdadeira justiça e santidade. 25. Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo; porque somos membros uns dos outros. 26. Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. 27. Não deis lugar ao diabo. 28. Aquele que furtava, não furte mais; antes trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade. 29. Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem. 30. E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção. 31. Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, 32. Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo."
(Efésios 4.17-32).

 Cordialmente;
Bispo Calegari
 

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Presença sentida


Nesta manhã, Deus me concedeu graça para sentir Sua presença enquanto eu orava. Foi um momento especial, de comunhão e de fortalecimento espiritual. Sei muito bem que o fato de não sentirmos Sua presença não significa que Ele não esteja conosco; pois Sua Palavra nos garante Sua presença todos os dias. Todavia, quando esta gloriosa presença é sentida; é como se um vento suave e refrescante passasse, mesmo que não vejamos o mover das cortinas. É uma grande bênção crer e buscar a presença de Deus!
 
Aproveitei aquele instante favorável, para orar por minha querida família. Na verdade - minha esposa, meus filhos, minhas noras, meu genro e meus netos - sempre os levo comigo, em meu coração, ao lugar de oração; e, também orei por todos os demais familiares e amigos. Também senti necessidade de orar por mais de cinquenta pastores que foram transferidos no último concílio. E consegui orar por cada um deles - nome por nome - sabendo que também sou parte integrante do seu projeto de ministério.
 
E em meio ao ambiente de oração, pude vislumbrar - pelos olhos da fé - a vinda de Jesus ao mundo para sofrer as dores do meu sofrimento e culpa; e para sucumbir sob o peso dos meus pecados e rebeldia. Quem veio ao mundo? Um anjo resplandecente; ou, um profeta de ocasião, como alguns que de quando em vez aparecem? Não! Um homem de dores, sem aparência ou beleza, sob a forma do mais comum dos homens. No entanto, nEle estava a Vida que nos extasia, capaz de nos tornar as mais felizes criaturas!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Profanação e blasfêmia


Tenho percebido em alguns meios declaradamente cristãos, alguns usos e costumes de última geração que me preocupam; e sei que não estou sozinho em minhas preocupações; assim como, também, sei que existem vozes discordantes quanto à minha posição (já dizia um pensador: por mais loucas que sejam as idéias de alguém, sempre haverá pessoas a aplaudí-lo; e, por mais santas que sejam as idéias de alguém, sempre haverá pessoas a censurá-lo). Todavia, o que me aflige não é a reação daqueles que pensam diferente de mim; até porque sempre há tempo para se repensar posições. Afligem-me os fatos em si mesmos - pelas conseqüências previstas nas Escrituras - pois, princípios sagrados estão sendo quebrados.
 
Vejam se não tenho razão: Cresce o número de cristãos que se sentem protegidos pela graça de Deus - antes, durante e depois de uma conjunção carnal promíscua ou adulterina - como se isso fosse compatível com a graça inefável. Cresce o número de crentes que se sentem protegidos pelo amor de Deus - quando olham com paixão carnal para alguém do mesmo sexo - como se o amor de Deus apaniguasse atos que Sua Palavra cataloga como profanos e blasfemos. E cresce o número de cristãos que se sentem "turbinados" pela fé de Deus - sentindo-se detentores de força sobrenatural - em nome da qual podem ter e ser qualquer coisa que quiserem; como se a graça privilegiasse aqueles que assim procedem.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Nivel de descanso


Em uma dessas manhãs, procurei manter minha presença no lugar de oração; mas percebo que é uma missão difícil... Até porque, se manter uma vida de oração fosse tarefa fácil, a grande maioria dos crentes teria uma maravihosa vida de oração; pois é isso que a maioria quer. Sei que existem momentos em que a oração é um verdadeiro descanso; mas... Em momentos como o que experimentei, orar é um trabalho que leva à exaustão. Não estou dizendo que falar com o Pai é cansativo; o que estou querendo dizer é que, em tais ocasiões, uma grande luta precisa ser travada para se permanecer no lugar de oração.
 
Todavia, ainda não foi desta vez que os adversários da oração me impediram de permanecer na presença do Pai em oração. Louvo a Deus, porque - mesmo que eu não tenha chegado ao nível do descanso - me senti bem a vontade no nível da intercessão. Então, disposto a me manter em oração, comecei a interceder por minha esposa e por meus filhos; e também intercedi por meus demais familiares. Enquanto eu me mantinha intercedendo, o Espírito Santo me levou a orar também pela Liderança Geral e por todos os pastores da 2ª Região (devo ter esquecido o nome de um ou outro, pois são mais de duzentos pastores).
 
No entanto, a dificuldade sobre a qual me referi no primeiro parágrafo não está relacionada com a intercessão; e sim com a comunhão com Deus, que estabelece o nível de descanso. Não sei se consigo me fazer entender; todavia, o que estou tentando dizer é que o ingresso no nível sobrenatural da oração - quando a distância de Deus diminui consideravelmente - resulta na abertura do coração ao pranto e gemidos do espírito em adoração; e também na anulação da interferência da mente e seus desvios. E este nível de oração é o que eu chamo de nível de descanso; pois é quando realmente descansamos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Graça, amor e paz


Alguns dias atrás, após ter passado algum tempo em oração, o meu espírito se fixou em três dons de Deus - claros e definidos nas Escrituras - que fizeram de mim aquilo que hoje sou. São eles: A graça de Deus, o amor de Deus e a paz de Deus. Fui edificado ao refletir sobre estes dons divinos; pois me dei conta daquilo que tenho recebido de Deus através deles; dádivas que superam qualquer benefício terreno.
 
E afirmo isso pelas seguintes razões: A graça de Deus me introduziu no Caminho que hoje percorro; caminho novo e vivo, fora do qual não existe final feliz. O amor de Deus me abraçou e me deu chance de vida; mesmo sendo eu quem sou. E a paz de Deus me chancela como varão aprovado e realizado - de bem com Deus e comigo mesmo - em condições de ser bênção para o meu próximo enquanto caminho.
 
E assim - de bem com a vida porque estou de bem com Deus - vou seguindo pelo mundo afora, na melhor das companhias; percorrendo este caminho que me faz feliz. Sei que o Caminho da Vida, no qual eu permaneço e me movimento, é vivo e tem um nome que está acima de todo o nome que se nomeia, seja no céu seja na terra: Jesus de Nazaré... Aquele que me deu Vida, ao morrer e ressuscitar por mim!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

O dever de ouvir


Pai querido, na manhã deste novo dia, sinto-me bem em poder me prostrar e Te buscar; pois tenho aprendido com o Teu Espírito que o dever de ouvir a Tua voz deve vir antes do dever de pregar a Tua Palavra. E penso não existir melhor lugar para ouvir a Tua voz, do que estar de joelhos em Tua santa presença; pois, prostrado no lugar de oração, posso ouvir a Tua Palavra me indicando o rumo e o assunto.
 
Tenho também aprendido que o objetivo maior da Tua Palavra, não é divertir os carnais ou contemplar os espirituais; mas, sim, nos ensinar a andar na verdade. Assim, me curvo e me humilho em Tua presença, sabendo que Tua Palavra oferece: Conforto ao crente cansado e abatido; luz e direção a alguém perdido e sem rumo; e solene advertência quanto à iminente condenação dos amantes deste mundo mau.
 
Portanto, Pai, ajuda-me a Te honrar e servir com uma vida sempre preparada para ser um vaso de bênçãos em Tuas mãos; sem me calar ante a necessidade e as contradições dos homens desprovidos da Luz e da Verdade eterna; que foi materializada na Palavra revelada e escrita, para a orientação dos que crêem; e humanizada na Pessoa do Filho de Deus, para a redenção de todos os que crerem em Jesus.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Barco à deriva


Em um desses dias, quando estive na presença de Deus, no lugar de oração; comecei a pensar na necessidade de buscarmos a presença e a direção de Deus... Então, pensei em duas coisas que - em minha condição de servo de Deus - não consigo entender: Uma delas é quanto a insistência de muitos, em tentar resolver seus problemas sem buscar a Deus em oração. A outra é quanto a existência de pastores que não oram; e não me refiro ao ato formal da oração (orando às refeições ou antes de dormir e ao acordar). Eu aqui me refiro a buscar a face do Senhor em uma vida de oração. Nada menos do que isso!
 
E o que me causa estranheza é que - como deixo evidente em quase todas as minhas considerações - sempre ví na vida de oração o meio pelo qual os problemas são resolvidos; ou então, na pior das hipóteses, enfrentados e suportados com confiança em Deus. Vejo também a vida de oração como o fôlego de vida do ministério pastoral ou de qualquer outro ministério; pois entendo que, sem ela, um ministério a serviço de Deus se torna semelhante a um barco à deriva - sem rumo e sem futuro - seguindo na imensidão dos mares, pela vida afora, até que uma tempestade ponha fim à sua mera existência.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Alegria do Senhor


Bendito Deus, venho te buscar em oração; desejando me encher da alegria do Senhor, por saber que Tu és a fonte do real prazer; o qual se manisfesta pleno de graça e unção. E eu me propus a buscar em Ti a minha alegria, por saber que os pontos de maior satisfação neste mundo, podem ser transformados em armas mortais - causadoras de sofrimento e destruição - quando os homens se distanciam de Ti.
 
Pai, vejo pessoas deturparem os diversos modos de prazer e diversão que Tu puseste a disposição dos homens - tais como relacionamentos, amizade e atividade sexual - quando estes se afastam de ti. E uma das conseqüências na vida de quem de Ti se afasta é profanar e corromper tudo aquilo em que toca, inclusive as pessoas que ama. E tal decadência só pode ser contida mediante vera reconciliação Contigo.
 
Pai, quando procuro ajudar as pessoas, percebo que tentar transformar alguém desviado de Ti - seja pelo ensino, seja pelo exemplo - sem que esse alguém se disponha a se converter ao Senhor; é como, demonstrando amor ingênuo,  tentar reconduzir um demônio a inocência; tentando ensiná-lo a ser bonzinho. Não tenho dúvida de que o processo de degeneração se inicia quando alguém se afasta de Ti.
 
E quando isso acontece, pessoas dóceis e santas podem vir a se corromper - tornando-se pervertidas - ao ponto de deturpar formas inocentes de prazer, transformando-as em objetos de dor e destruição; como tem acontecido em algumas atividades criminosas e hediondas praticadas enquanto se busca a satisfação pela prática do prazer proibido. Isto tem transformado até mesmo crianças em cruéis assassinos.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Perdoar sempre


Algum tempo atrás, deparei com um desabafo de uma querida irmã. Ela se sentia triste por ter sabido que pessoas que a conhecem há anos e a viram crescer, haviam dito inverdades a seu respeito; sem ao menos procurar conversar primeiro para saber se havia algum fundamento naquilo que ouviram ou que disseram. Tenho percebido que este não é um caso isolado; pois, muitos agem deste modo. Todavia, embora esta irmã tenha se decepcionado; contudo, em sua tristeza, buscou em Deus o seu escudo e fortaleza!
 
Lembro-me que, naquela ocasião em que percebi o seu desabafo, procurei lhe demonstrar ser este o mundo real... Mundo no qual, as pessoas conversam pouco entre si; até mesmo dentro do próprio lar - mesmo em muitos lares cristãos - e o diálogo vai se tornando raro; sendo esta uma das razões pelas quais os conflitos crescem e se agravam. Mas, precisamos amar e perdoar aqueles nos ferem agindo assim. Afinal, o que importa é o que Deus sabe a nosso respeito; se somos ou não aquilo que dizem de nós.
 
A verdade é que, na maioria das vezes, nem somos aquilo que dizem a nosso respeito; todavia, não nos enganemos a nós mesmos; pois, também não somos aquela "bondade em pessoa" que pensamos acerca de nós mesmos. Uma outra coisa que magoa bastante é quando questionam a nossa vida com Deus. Enfim... Daí a necessidade de perdoar sempre; pois a Bíblia ensina que: "Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas" (Mateus 6.15).
 
Cordialmente;
Bispo Calegari