quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Recompensa futura


Nesta madrugada, meus olhos se abriram; então, caminhei sem a menor dificuldade para o lugar de oração. Agradeci a Deus, pelo modo como o Espírito me tocou e me conduziu à Sua presença. Mesmo com mal estar físico, me senti forte o bastante para percorrer o caminho que me levou ao lugar de oração. Senti paz e prazer enquanto orava; como se o céu estivesse ao alcance do meu toque. Sei muito bem que nem sempre é assim; e que, algumas vezes, é necessário fazermos grande esforço para superar as barreiras que tentam nos impedir de buscar a face do Pai!
 
Enquanto eu orava, meu espírito se voltou para a expressão de Davi: "Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nisto confiaria." (Salmos 27.3). Como me senti fortalecido ao ser invadido por este texto da Palavra! Pensei nas inúmeras vezes em que nos sentimos encurralados; sob ataque de forças capazes de nos trazer grande perda e nos fazer grande mal. Então, louvei a Deus por me sentir tão protegido; guardado sob a palma da mão do Deus eterno, que me deu salvação e peleja minhas guerras!
 
Ainda em oração, fui levado também a pensar na expressão de Paulo: "Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente;" (II Coríntios 4.17). Gente! Fui invadido por uma tão grande paz, que não tenho como traduzir! Ainda tentando entender o "por que" de nossa tribulação ser leve e breve; o meu espírito se apercebeu que o apóstolo estava comparando o tempo de duração de uma provação com a bem-aventurança reservada no futuro, aos que vencerem. Ou seja: a recompensa futura compensa as dores do presente.
 
Esta é uma das muitas promessas feitas por Deus, aos que permanecerem fiéis:
 
"Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra. Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa. A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas."
(Apocalipse 3.10-13).
 
Vale ou não vale à pena perseverar na Palavra?
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário