sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Perdoar e ser perdoado


Nesta manhã, Maria Célia Calegari & eu estamos de partida do querido Estado do Espírito Santo; tendo cumprido esta abençoada agenda: No sábado, estivemos na IMW de Guaçuí, onde participamos do 4º aniversário do Desperta Débora (estabelecido por Célia em 2009) que hoje conta com 100 Déboras na cidade. No domingo, participamos do 2º aniversário da Frente Missionária da Praia da Costa, em Vila Velha, onde pregamos a convite do seu titular, Pastor Abdruschin Schaeffer Rocha. E ontem, a convite do Pastor Gedson Alves Corrêa, estivemos na IMW de Santo André, em Vitória; onde Maria Célia empossou a nova liderança do Desperta Débora que ela ali estabeleceu em 2009; enquanto eu me reunia, em caráter informal e agradável, com o Presbitério desta querida igreja.
 
Não tenho palavras para expressar o quanto sou grato a Deus - tanto pela família que tenho, como pela IMW da 2ª Região que tenho a honra de presidir. Tenho visto a mão de Deus agir com graça em nosso favor; e me sinto sem palavras para exprimir toda a gratidão que sinto! Hoje, enquanto eu orava, refletia sobre o perdão. E louvei ao Senhor - tanto pelo IMPERATIVO do perdão que precisamos liberar sobre aqueles que de algum modo nos ferem e perseguem, como pelo ENSINO do perdão que ele nos ministra na prática; nos perdoando todos os dias, mesmo sendo nós pecadores por natureza. Esta é a mais pura verdade: Se não fosse o perdão de Deus, trazido pelo oceano do Seu amor até à nossa praia; não teríamos a menor chance de desfrutar da Vida eterna em Sua presença.
 
É sempre bom saber que Deus nos perdoa: "DAS profundezas a ti clamo, ó SENHOR. Senhor, escuta a minha voz; sejam os teus ouvidos atentos à voz das minhas súplicas. Se tu, SENHOR, observares as iniqüidades, Senhor, quem subsistirá? Mas contigo está o perdão, para que sejas temido." (Salmo 130:1-4). O Seu perdão é sempre maior que o nosso pecado! Também somos intimados a perdoar aquele que nos ofende e maltrata: "Toda a amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmia e toda a malícia sejam tiradas dentre vós, Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo." (Efésios 4.31-32). Então, perdoar ao ofensor não é um ato baseado em sentimento; e sim um ato da própria vontade submissa à ordenança de Deus.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário