quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Direção e segurança


Pai nosso que estás no céu; nesta manhã o meu espírito se achega à ti, em busca de direção e segurança que encontro somente em Ti. Não é de hoje, tenho percebido que um homem espiritual é diferente de um homem natural em quase tudo. Além de diferirem na essência do próprio ser; diferem também no modo como interpretam conceitos e valores; diferem, ainda, nas prioridades que definem como importantes; e... Por aí vai. Inclusive, procuram em fontes opostas, a satisfação de prazeres... E, no tocante à sua formação e conduta, buscam em direção oposta sua cultura, suas amizades, seus usos e costumes... Enfim, sempre caminhando em paralelos opostos: Um caminha em direção ao Céu; outro nem sabe para onde está caminhando - queimando etapas na vida - sem direção e com futuro incerto.
 
No entanto, Pai de misericórdia; percebo que é curta a distância que separa estes dois paralelos divergentes; de tal modo, que, um pequeno salto pode levar alguém que esteja em um deles, a se deslocar para o outro; seja por vontade própria, seja por distração. Talvez, devido a isso, alguns homens de Deus, em certas ocasiões, agem como homens do mundo; e alguns homens do mundo, em algum momento, agem como se fossem homens de Deus. Sei o quanto isso é difícil de entender; por isso recorro à Ti, em busca de direção e segurança. Até porque, sei que não é tão simples, entender atitudes carnais com a mente espiritual ou entender atitudes espirituais com a mente carnal. Daí a necessidade que tenho de definir, com exatidão, minhas prioridades e conceitos com a mente de Cristo.
 
Enfim, Pai de amor; penso nos homens que te serviram no passado - Davi por exemplo: Ele nunca foi tão forte como em seus dias nas campinas, apascentando as ovelhas de seu pai; ou, em sua condição de fugitivo, em completa fraqueza - procurando escapar de Saul - escondendo-se aqui e ali. No entanto, ao se tornar rei e obter reconhecimento dos homens; começou a fazer concessões que quase o arruinaram. Enfim, o Davi do campo era bem mais forte do que o Davi do palácio. Pois se, no campo, ele buscava no Senhor a fonte de suas mais belas canções; no palácio, seu desejo se voltou para o lado obscuro da vida, enveredando pelo paralelo oposto; cedendo aos encantos capazes de mergulhar qualquer homem - mesmo um homem de Deus - em um terrível charco de lodo. Livra-nos do mal!
 
Sinto grande alegria por saber que Davi se recompôs da queda sofrida; pois, conseguiu achar graça aos olhos de Deus quando clamou por socorro: "Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Não me lances fora da tua presença, e não retires de mim o teu Espírito Santo. Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário. Então ensinarei aos transgressores os teus caminhos, e os pecadores a ti se converterão." (Salmo 51.10-13). Contudo, o maior problema na vida de um servo de Deus que sofre queda, não é a condenação que eventualmente possa sofrer; e sim, os dissabores que o pecado geralmente traz, atingindo profundamente a família do faltoso e o seu próprio ministério. Vigiemos, mulheres e homens de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário