quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Aniversário de conversão

 
No dia 26 deste mês, completei 49 anos de convertido ao evangelho de Cristo. Ao longo deste tempo, tenho tido as melhores experiências de minha vida; intercalando momentos venturosos com momentos difíceis. Não sei se conseguiria descrever tudo aquilo que vi e que senti durante estes anos; todavia, posso afirmar sem a menor sombra de dúvida: Foram dias, meses e anos de grandes transformações, que mudaram radicalmente o sentido de minha existência. Cometi inúmeros erros; tomei inúmeras decisões acertadas; transpus barreiras muito altas; sofri dores que foram muito além do corpo físico. No entanto, jamais consenti em meu coração sentimento de revolta contra quem quer que seja. Jamais alimentei minha alma com aquilo que pudesse corromper minha visão de Deus e do Seu reino.
 
Hoje, quando vejo cristãos se indisporem com coisas tão pequenas, ante as quais o melhor caminho seria o da tolerância e respeito; percebo que, em muitas decisões que tomei, fiz a melhor escolha. Jamais deixei que o sol se pusesse sobre minha ira. Em meus momentos de angústia, sempre recorri ao auxílio do meu Senhor. Jamais dividi uma igreja - semeando intolerância e desavença entre irmãos - nem em pensamento. Nunca me vali do respeito e amizade de irmãos que foram por mim alcançados e edificados; para mantê-los presos à mim, como se fossem minhas eternas ovelhas. Sempre procurei manter distância do trabalho do qual fui transferido, por mais amor e amizade que eu sentisse por aqueles que ficaram para trás; procurando sempre honrar e respeitar aqueles que me sucederam.
 
Graças a Deus, ao longo de minha vida tenho encontrado homens de Deus com um modo de ver as pessoas e as coisas, bem parecido com o meu. Homens que se tornaram merecedores da confiança, amizade e respeito daqueles que convivem com eles, o suficiente para saber que são homens de bem e líderes sem ambição de mando e de poder. Todavia, na contramão desta conduta; tenho lidado com pessoas que demonstram um forte desejo de exercer domínio e posse sobre a vida daqueles, sobre quem exercem algum tipo de liderança. Infelizmente, existem muitos que não percebem o fato de que receberam de Deus a incumbência de cuidar de vidas, não de manipulá-las ou dominá-las. Sinto pena dos que assim pensam e agem; por saber que, no final, irão colher como fruto dolorosa solidão.
 
Este texto que sempre me auxiliou: "E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis. Não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo; sabendo que para isto fostes chamados, para que por herança alcanceis a bênção. Porque Quem quer amar a vida, E ver os dias bons, Refreie a sua língua do mal, E os seus lábios não falem engano. Aparte-se do mal, e faça o bem; Busque a paz, e siga-a. Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, E os seus ouvidos atentos às suas orações; Mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal." (1 Pedro 3.8-12). Sempre que minh'alma esboçou reação negativa - agindo contra meus interesses espiriuais - recorri a ele e fui ajudado.
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário