terça-feira, 9 de julho de 2013

Multidão faminta


Entre as coisas que eu procuro sempre fazer, uma delas é agradecer a Deus por ter Sua Palavra ao meu alcance. Sua doutrinas, conceitos e advertências me fazem pensar em minha própria existência - no propósito de Deus para com a minha vida - muito mais do que naquilo que a Palavra pode fazer nas pessoas que vivem à minha volta. Não me lembro de um dia em minha vida de crente, em que a Palavra de Deus não me tenha causado profunda impressão; tanto por sua atualidade como por sua exatidão. É justamente por conhecê-la que não me surpreendo com as ocorrências que se sucedem no dia-a-dia. Antes, pelo contrário, em tais ocasiões, me surpreendo a mim mesmo, dizendo: "Isso já está previsto nas Escrituras Sagradas!"
 
Ao contemplar as multidões indo e vindo - em manifestações que ocorrem em toda a parte da terra - logo me vem à mente, as palavra que Deus disse ao profeta Daniel: "E tu, Daniel, encerra estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo; muitos correrão de uma parte para outra, e o conhecimento se multiplicará." (Daniel 12.4). Vejo o conhecimento se multiplicar de modo surpreendente; vejo, também, as multidões correrem de uma para outra parte, nos mais diversos países (islâmicos, budistas, cristãos, pobres e ricos); multidões anônimas, sedentas por algo que não se esgota com uma pauta de reivindicações; pois, na maioria das vezes, as verdadeiras razões deste clamor nem mesmo são conhecidas por aqueles que clamam.
 
Em meio a toda esta confusão em que o mundo vive, percebe-se uma multidão faminta. E, no entanto, nunca se viu em toda a História tantas pessoas correndo grande perigo causado pela obesidade mórbida. Um famoso Padre - ao defender o projeto "fome zero" - declarou que aqui no Brasil a fome é gorda (ao discorrer sobre os alimentos ingeridos pelos brasileiros mais pobres, sem nutrientes; mas isso se vê também nos países ricos). Porém, o que está enlouquecendo o mundo é outro tipo de fome: "Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR." (Amós 8.11). E esta fome só pode ser debelada com a pregação da Palavra de Deus!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário