sábado, 16 de março de 2013

Dimensão do clamor


Dias atrás, eu estava em Itanhém - no lugar de oração - prostrado diante do Deus eterno. Enquanto orava, tive a impressão de que os céus estavam nublados... Em alguns momentos parecia fechado. Mas insisti em buscar a face do Senhor, mesmo com a incômoda sensação de que o céu estava fechado e escuro. Todavia, não me deixei intimidar pelas barreiras espirituais existentes no momento de oração; preferi entrar na dimensão do clamor; mas... Nada parecido com aquele grito externo e ruidoso de um coração em luta; e sim, um grito no íntimo - não emitido não por voz ou no mundo físico - ecoando no mundo espiritual.
 
Creio ser importante que eu diga: Esta não é a primeira vez (e provavelmente não será a última) que passo por tão desagradável experiência. Em minha vida espiritual, desde muito cedo eu aprendi que nossa luta contra as forças do mal é constante. Afinal de contas, temos inúmeros opositores no mundo espiritual; e eles se utilizam de todos os meios possíveis para nos demover de buscar a face do Senhor. O próprio Jesus sofreu este tipo de atentado quando esteve no Getsêmani; e precisou lutar por três vezes seguidas, chegando a derramar sangue em forma de suor, até que a barreira fosse rompida e os céus se abrissem.
 
Jesus no Getsêmani
 
"39 E, saindo, foi, como costumava, para o Monte das Oliveiras; e também os seus discípulos o seguiram. 40 E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação. 41 E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, 42 Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. 43 E apareceu-lhe um anjo do céu, que o fortalecia. 44 E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão. 45 E, levantando-se da oração, veio para os seus discípulos, e achou-os dormindo de tristeza. 46 E disse-lhes: Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai, para que não entreis em tentação."
(Lucas 22.39-46)
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário