sábado, 30 de junho de 2012

Alvorecer do novo dia

 
Na sexta-feira passada, Célia e eu pernoitamos na fazenda do Presbítero Nadelson. Por volta das quatro horas da manhã, Célia e eu nos levantamos para orarmos a Deus. Ela sentia necessidade de orar pelo "ESPA do Coração Abrasado" - de 18 a 22 de julho, no Acampamento Salém - com esposas de pastores e obreiros da II Região; eu trazia comigo um sentimento de angústia que me obrigava a orar intensamente. Mesmo sem ter combinado esta oração, despertamos juntos para orar; tão distantes de tudo (só aqueles que conhecem S. Francisco do Guaporé, podem entender o sentido da expressão "distantes de tudo").

Enquanto ela e eu orávamos pelas esposas de pastores e obreiros da II Região, senti profunda necessidade de definir algumas coisas sobre a oração. E posso garantir que isso não é algo tão simples como parece! Chorei um pouco, por não ter a força de vontade necessária para priorizar a oração acima de qualquer outra coisa. Fiquei ali algum tempo - em silêncio e ajoelhado diante do Pai - procurando entender melhor e aprender a superar as barreiras que tentam me impedir de orar. Enquanto eu orava, me questionei e defini em meu íntimo que não devo negar ao meu espírito a oportunidade e o dever de orar. Prostrado diante do Senhor, entendi que a diferença entre orar e deixar de orar é a mesma diferença entre comer e deixar de comer; de respirar e deixar de respirar... E clamei pela ajuda de Deus.

Desde a muito, sei que não existe razão alguma que seja mais importante do que orar e estar na presença de Deus. Tenho a impressão de que quando deixo de orar, deixo de ter direito a vida. O interessante é que enquanto eu me debatia, crescia em mim o sentimento de que - do mesmo modo em que a oração que faço me dá a condição de estar de pé - a oração que deixo de fazer encurta os meus dias; tanto quanto me fragiliza e me anula como servo de Deus que sou. Enfim... Não devo deixar de orar, seja por que motivo for, sob pena de perder o melhor de Deus para minha vida, em todos os sentidos.

Ao dar uma olhada no relógio, percebi que já era quase cinco da manhã - em um quarto de uma casa de fazenda, no meio da imensidão do Vale do Guaporé, a caminho de Costa Marques, na divisa do Brasil com a Bolívia - e me dei conta de que ainda não consegui orar como devia. Mas, breve verei surgir um novo dia; e, com toda a certeza eu digo, Deus me dará meios para servir e aprender; e, com o alvorecer, terei tempo para aproveitar as novas oportunidades que Ele me dará... E um resto de vida para viver e orar; ou, para orar e viver... Até que não haja mais dia nem noite na nova vida que virá depois.

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 26 de junho de 2012

Viagem pelo Vale do Guaporé


 Na quinta-feira passada, saímos de Porto velho por volta das 11 horas, a caminho da zona da mata rondoniense. Chegamos em casa do Presbítero Nadelson - Prefeito do município de Novo Horizonte - por volta das 18 horas.  Ele, sua esposa Neuza e seus filhos - Nadiele e Rafael - já estavam a nossa espera. A noite, tivemos um bom "bate-papo" com os Pastores: Leonardo, SD do Distrito de Rolim de Moura; Geraldo Alves e Cícero, sua esposa e filhos; estando também presentes os Diáconos Sidney e Eder. Enquanto conversávamos, íamos saboreando o delicioso jantar preparado com carinho pela irmã Neuza.

Na sexta-feira, após almoçarmos em Novo Horizonte, viajamos com Nadelson e Neuza para S. Francisco do Guaporé. No trajeto, demos uma paradinha em Seringueiras, para cumprimentar o Pastor Carlos e a irmã Thais, sua esposa (como cresceram suas filhas, desde a última vez que nos vimos a pouco mais de três anos). Fomos ver o templo provisório e o novo terreno adquirido ao lado do mesmo. Louvo a Deus por ter enviado o Pastor Carlos para iniciar a igreja wesleyana, hoje auto-suficiente, em Seringueiras.

Ah, visitamos também o Pastor Paulo, em S. Francisco do Guaporé, onde jantamos com ele; jantar delicioso preparado por sua irmã Niqui. Enquanto comíamos e conversávamos, fiquei a me lembrar dos meus primeiros passos dados para a abertura desta abençoada igreja wesleyana localizada no Vale do Guaporé; vale que se estende de S. Miguel do Guaporé até Costa Marques, ao longo do curso do famoso Rio Guaporé/Mamoré, que delimita aquela fronteira entre as terras brasileiras e as terras bolivianas.

Depois do jantar, fomos para a fazenda do Presbítero Nadelson - a cerca de quinze quilômetros da cidade - onde pernoitamos. Ao amanhecer, antes de partirmos para Costa marques, que fica na divisa com a Bolívia, fui com o irmão Nadelson até a fundiária de suas terras. A mata naquela região é densa e assustadora. É uma região de mata virgem, até onde a vista alcança. Animais selvagens em abundância (Existem muitas onças por ali; tanto pretas como pardas e pintadas). Agradeci a Deus por aquele lugar.

Cordialmente;
Bispo Calegari

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Impedimentos


"Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos" 
(Efésios 6.18)

Na manhã de ontem, no Hotel Oásis - onde me encontro hospedado - comecei a orar a Deus. Logo no início da oração, comecei a pensar nos impedimentos que se levantam, para nos manter afastados do lugar da oração. Mesmos sendo abstratos, os impedimentos parecem ser concretos! Eles se apresentam como uma enorme barreira que precisamos escalar; um grande deserto que precisamos atravessar. Enfim... Buscar a Deus em oração é uma atividade que as vezes se apresenta cansativa e desconfortante.

No entanto, é enquanto oramos que alguns embaraços se desenrolam e alguns problemas são resolvidos. Estou plenamente convencido de que - a medida que oramos - recebemos de volta algumas coisas que julgávamos perdidas. É como se estivéssemos em uma praia deserta, olhando o fluxo e refluxo das marés... Levando e trazendo coisas... E, então, chega em suas ondas os valores que estavam se distanciando de nós. Tais como: A paz no lar, enfraquecida pelos constantes atritos; o equilíbrio moral, ameaçado por verdades e mentiras que dizem a nosso respeito. É deste modo que a oração transforma.

Mas, esta maré que vai e vem não somente traz coisas. No lugar da oração - tal e qual em praia deserta - vemos as ondas levarem para um ponto cada vez mais distante, coisas que não fazem parte de nossa vida com Deus... A vergonha e a angústia, causadas por atos impensados, dos quais nos arrependemos, são agora levadas pelo refluxo das ondas; assim também os traumas e os medos deles decorrentes; que vão sendo levados pela maré vazante - cada vez mais distantes - até desaparecerem de vista.

"Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra" 
(Tiago 5.17)

Cordialmente;
Bispo Calegari

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Final da visita ao Distrito de Uberlândia


Retornamos neste domingo a tarde do Encontro de Casais em Rio Quente - a tempo de participar do culto na IMW Central de Uberlândia. O culto foi marcado por gloriosa presença de Deus. Creio que não houve quem não sentisse o agir de Deus em nosso meio! Maria Célia, ao final, recebeu um importante revelação e orou por todo o povo. A presença do Senhor foi tão densa entre nós, que não houve quem não sentisse!

Na segunda-feira, Célia e eu passamos o dia inteiro visitando, com o Pastor Antonio Novello, alguns obreiros em Uberlândia. Pela manhã, estivemos na casa do Presbítero Anderson e sua esposa Franciele - responsáveis pelo trabalho wesleyano no Bairro Taiaman - tomando café e orando com eles. É um casal que está a pouco tempo conosco; cheio de amor pela obra do Senhor. Saímos quase na hora do almoço, para almoçar com o Aspirante Edgar e sua esposa Elysandra; que nos preparou um delicioso fricassê.

A tarde, tivemos duas reuniões: A primeira - no templo da IMW do Bairro Alvorada - com o Pastor José Carlos, sua esposa Liliana e alguns obreiros da igreja. A segunda - no templo da IMW do Bairro Morumbi - com o Pastor Adailton, sua esposa Adriana e alguns obreiros da igreja. Nestas duas visitas, tivemos também a companhia de sua esposa Julieta; nas quais ministrei uma palavra de encorajamento.

A noite, estivemos na casa do Presbítero Veloso e de sua esposa Mônica. Conversamos bastante sobre a obra do Senhor, antes de de saborear um delicioso lanche preparado pela irmã Mônica. Ficamos conhecendo os seus filhos: Neto, Rafael e Ana Carolina. Dali, retornamos a casa do Pastor Novello, por volta das 23 horas. Após conversarmos um pouco, fomos repousar; pois teríamos que levantar as quatro horas da manhã, a caminho de Rondônia; onde já estamos; depois de uma viagem bem cansativa.

Enquanto me dedico a registrar este resumo de nossas últimas horas em Uberlândia - e de tudo o que experimentamos - fico a pensar naquelas igrejas que perderam, ao longo do tempo, o agir sobrenatural do Espírito de Deus. Enquanto escrevo, me preocupo com aqueles obreiros que foram perdendo sua a sintonia e comunhão com o Deus eterno. O que será de sua vida e família? Qual será o seu futuro?

Enfim... São perguntas que faço em meu íntimo; e que não são para serem por mim respondidas. Bem sei que cada um de nós prestará contas ao Deus eterno - como na parábola dos talentos - e que não há como fugir desse acerto de contas! Deus sabe aquilo que nos entregou, segundo a nossa capacidade, e será rigoroso na cobrança dos resultados do seu investimento em nós. E quanto a isso, tenho plena certeza!

Cordialmente;
Bispo Calegari

terça-feira, 19 de junho de 2012

"Encontro de Casais"


"Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas"
(Cantares 8.6)

Durante dos dois dias em que estivemos em Rio Quente - em "Encontro de Casais" promovido pelo Distrito de Uberlândia - fiquei a pensar na chance que perdem alguns casais, de investirem em seu casamento, participando de um evento como este. Ao longo do meu ministério, tenho assistido a nem sempre bem-sucedida tentativa de muitos casais; de resolverem sozinhos alguns problemas conjugais ou de família - recusando-se a admitir que precisam de ajuda - dispensando até mesmo a ajuda de Deus.

Nestes dias, enquanto Deus falava - tanto pela palavra como pelo testemunho - através de vasos que Ele achou por bem usar; pude sentir que algumas barreiras existentes na vida de alguns casais desabaram. Senti também um clima de renovação e até mesmo de restauração nos envolvendo ao longo das ministrações e das orações. A presença de Deus foi tão forte, que não houve um casal que não sentisse.

Pouco antes do momento solene da renovação dos votos; após as esposas terem adentrado o local - sendo recepcionadas por seus esposos - era visível o quebrantamento e até lágrimas no semblante de todos aqueles que consegui observar, enquanto falava. E, durante a renovação dos votos, eram comoventes as demonstrações de amor e carinho, trocadas pelos casais entre si. Na verdade, quando conseguimos nos postar no lugar separado por Deus para tratar conosco, os resultados são sempre vantajosos! É então que o Espírito de Deus consegue agir, até mesmo na vida daqueles que não tinham mais esperança!

"As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam"
(Cantares 8.7)

Cordialmente;
Bispo Calegari

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Visita ao Distrito de Uberlândia

Reunião com obreiros do Distrito

Na quinta-feira de manhã, em Uberlândia, depois de uma noite bem dormida e repousante - ainda que por poucas horas - hospedado na casa do Pastor Antonio Novello; tivemos uma reunião com  os pastores e obreiros do Distrito de Uberlândia. Foi uma reunião revestida de unção, com alegria estampada no rosto de todos. Antes da reunião, participamos de um delicioso e farto "Café da Manhã"; preparado pelas irmãs Graça e Alice, no salão social da IMW Central de Uberlândia. Em seguida, depois da exibição de um vídeo, ministrei uma palavra inspirativa para a liderança.

Dali, fomos diretamente para a casa dos irmãos Daniel e Silvana, que nos esperavam com um lauto almoço. Fizemos uma ligeira interrupção para buscar Maria Célia no aeroporto; que chegou em tempo para almoçar conosco. Foram muito divertidas as horas que passamos juntos naquela casa. É admirável a comunhão existente entre os obreiros e membros da IMW em Uberlândia.  Louvo a Deus pelo crescimento da obra wesleyana no Distrito de Uberlândia; e também pelo modo como o Pastor Antonio Novello tem se saído, em sua primeira experiência como Superintendente Distrital.

Visita a IMW de Liberdade

A noite, participamos de um culto na IMW do Bairro Liberdade. Esta igreja é pastoreada pelo Pastor José Ney. Os pastores do Distrito estiveram presentes, em um ambiente de cordialidade e de fraternidade. Embora não fosse dia oficial de culto, tivemos a presença dos membros e de alguns visitantes presentes. Após o culto, a igreja patrocinou um lanche; que foi preparado pela irmã Silvana (a mesma que nos serviu o almoço). Ela é chamada carinhosamente de "cozinheira oficial" do Distrito de Uberlândia. Em seguida, fomos descansar; pois, no dia seguinte iríamos almoçar com o Pastor Edinázio e sua esposa Lena, na cidade de Caldas Novas, em Goiás, distante de Uberlândia uns 160 quilômetros.

Cordialmente;
Bispo Calegari