terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Gratidão por tudo

 
Pai! Enquanto eu oro, sinto gratidão por tudo! Sou grato pela primeira batida do meu coração, ainda no ventre de minha mãe. Sou grato por meus olhos terem visto pela primeira vez as cores e as formas. Sou grato pelos "recortes" que o meu passado de quando em vez libera - dos arquivos da memória - que chegam como ondas que vão e vem; enterrando e desenterrando lembranças da vida. Sou grato a ti!
 
Neste momento em que eu oro, penso no cântico de Fernandinho: "Rendido estou". Realmente... Não há como ser suficientemente grato sem estar completamente rendido. É o que eu sinto em meu espírito; é o que eu oro. Pois somente assim, eu posso sentir a dimensão de Tua benevolência. Como entender que Tu és tudo e eu nada sou; sem estar plenamente rendido aos Teus pés, em nome de Jesus? Te louvo Senhor!
 
Penso também no cântico de Anderson Freire "Primeira essência". É verdade... Somente no lugar de oração - chamado por ele de "jardim" - eu posso ser capaz de perceber quão grande és Tu e quão pequeno eu sou. Alí eu percebo que não há como orar de verdade, meu Pai; sem entender este princípio: De que não temos motivos para queixas; mas sim para sermos gratos. Obrigado por tudo Senhor!
 
Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário