domingo, 8 de julho de 2012

Casamento


 Ao ler ontem uma postagem feita por meu filho, Pastor Sebastião Calegari, em homenagem a sua esposa Simone Calegari - declarando-lhe amor e gratidão - fiquei a refletir sobre o casamento; e sobre o modo como ele se concretiza; sobre aquilo que ele representa... E isso me levou a pensar em meu próprio casamento. Então, cheguei a conclusão que o meu encontro com Maria Célia Calegari não foi simplesmente um encontro entre duas pessoas que se procuravam, em um dia claro ou em uma noite escura. Até porque, nos encontramos em um templo. Foi muito mais do que isso. Na verdade, Deus nos aproximou e nos fez ver, um no outro, a parte que faltava em nós - sendo pelo outro completada.

Sobre a assertiva de que o casamento é uma instituição divina; eu acredito que a grande maioria dos cristãos já está perfeitamente inteirada disso. As Escrituras Sagradas não deixam a menor dúvida quanto ao fato de que Deus mesmo instituiu o casamento, determinando que o mesmo seja uma relação monogâmica, heterossexual e "até que a morte nos separe". Todos aqueles que acompanham pela grande Mídia, os grandes debates que vem sendo travados sobre esta questão, já devem ter percebido que aquilo que hoje se pretende é desconstruir a família nos moldes da Palavra de Deus. 

Freqüentemente vemos pessoas defenderem pontos-de-vista totalmente incompatíveis com o modelo original e único de família. E os que assim fazem, tentam passar, de modo subliminar, a falsa idéia de que a maioria da sociedade deseja isso. Todavia, não é bem assim! O 'Aurélio' define casamento como substantivo masculino; que significa a união solene entre duas pessoas de sexos diferentes, com legitimação civil e/ou religiosa. E, em sua definição, ele não está apenas emitindo opinião baseada na lei. Na verdade, ele está expondo a posição - de direito e de fato - do que é o matrimônio à luz da lei de Deus.
Enfim, ao pensar neste tão importante tema, percebo que os laços do matrimônio não podem ser simplesmente desatados. Por se cristalizarem quando atados, eles se quebram ante a insistência em se tentar desprendê-los. E quando a ruptura é consumada, pode provocar desajustes com conseqüências imprevisíveis... Mas, sempre dolorosas. Ao declarar que não se pode separar o que Deus uniu; a Bíblia não está afirmando que um casamento não pode se acabar. E sim, que duas vidas unidas por Deus não devem se separar; sob pena de grande e prolongado sofrimento. Infelizmente, estamos a assistir isso com freqüência cada vez maior; e com pessoas magoadas e infelizes de ambos os lados.

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário