quinta-feira, 26 de abril de 2012

Amor verdadeiro

 

Hoje, o Pastor Milton Junior - no facebook - declarou que "O amor desassociado da verdade não é nada mais que um sentimento falso. Esse sentimento está se reproduzindo entre os relacionamentos "Cristãos". Uns querem ser amados e somente amados, e não confrontados com a VERDADE. Outros querem AMAR e falar a VERDADE sem AMOR" (citação textual). E, ao concluir o seu artigo, afirmou que os relacionamentos sólidos são EQUILIBRADOS; e cita o seguinte texto: "Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos" (Tiago 5.16). E o Pastor Milton Junior tem inteira razão!

Ao comentar o artigo, declarei que - infelizmente - muitos estão tratando fraternidade, cumplicidade, afinidade e comunhão de interesses como se fosse amor; daí tanta frustração quando se decepcionam com as pessoas que "amam". Pena não conhecerem a essência do genuíno amor (1 Coríntios 13.1-10). Na verdade, "o amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor" (Romanos 13.10). Claro que isto se refere ao amor verdadeiro; e não à sua caricatura!

E, com referência aos relacionamentos sólidos, é importante sabermos que o perfeito equilíbrio nos relacionamentos se dará, quando soubermos  distinguir a diferença entre o "amor-sacrifício"; o "amor-amizade"; e o "amor-pornô". A questão é que, mesmo entre crentes sinceros, muitos confundem estes três tipos de "amor". Julgam os três como se fossem a mesma coisa. Lamentável engano!

Quando usei o termo "amor-sacrifício", foi em referência àqueles que praticam o amor de Deus - único capaz de amar até os inimigos. Já o "amor-amizade" existe entre aqueles que se amam fraternalmente (a família, os amigos, etc). E o "amor-pornô" é o tipo de "amor" que busca prazer sexual fora dos parâmetros bíblicos; tais como: Relações extra-conjugais; incestuosas; homossexuais; pedófilas; etc. Sabemos pela Palavra que os que assim procedem não herdarão o reino de Deus (Romanos 1.18-32).

Estes e outros tipos afins de conduta, são condenados por Deus. E a Bíblia nos indica a real dimensão da tragédia: "Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus" (1 Coríntios 6.9-10). Ainda que muitos discordem do que digo; não podem anular o que está escrito.

No entanto, o amor de Deus é tão grande e includente... Que Ele está pronto a ilibar de qualquer culpa, aqueles que se entregam verdadeiramente a Jesus e renunciam às paixões mundanas. Vejam a continuação do texto anterior: "E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados, mas haveis sido justificados em nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito do nosso Deus" (1 Coríntios 6.9-11). É a justificação pela fé! A Palavra diz que "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça" (I João 1.9). Vemos aqui, que Deus está pronto a nos perdoar, se nos arrependermos verdadeiramente. Louvo a Deus por Seu amor!

Cordialmente;
Bispo Calegari

Nenhum comentário:

Postar um comentário